“... Porque São Reis do seu Território”. Configurações Subjetivas na Gestão Metropolitana em Vitória – ES Outros Idiomas

ID:
43111
Resumo:
Este artigo se orienta pelo seguinte problema de pesquisa: que modos de pensar e de agir impactam o desenvolvimento da gestão metropolitana? O objetivo é compreender configurações subjetivas na gestão na região metropolitana de Vitória, no Espírito Santo. O estudo é baseado na Teoria da Subjetividade e nos princípios da Epistemologia Qualitativa. O método de pesquisa adotado é o estudo de caso e o instrumento de pesquisa é a conversação. O estudo se justifica em razão da carência de pesquisas sobre o tema da gestão da metrópole em sua dimensão cultural e histórica, o que foi constatado por meio de busca realizada nas principais bases científicas em administração. Os resultados mostram configurações subjetivas que refletem na construção e no funcionamento da gestão metropolitana em Vitória. Neste artigo, são identificados aspectos associados ao modo pessoal dos representantes políticos envolvidos na gestão metropolitana, o que emperra seu desenvolvimento.
Citação ABNT:
SILVEIRA, R. Z.; CKAGNAZAROFF, I. B. “... Porque São Reis do seu Território”. Configurações Subjetivas na Gestão Metropolitana em Vitória – ES . Revista Gestão & Planejamento, v. 17, n. 2, p. 198-212, 2016.
Citação APA:
Silveira, R. Z., & Ckagnazaroff, I. B. (2016). “... Porque São Reis do seu Território”. Configurações Subjetivas na Gestão Metropolitana em Vitória – ES . Revista Gestão & Planejamento, 17(2), 198-212.
DOI:
10.21714/2178-8030gep.v17i2.4129
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/43111/-------porque-sao-reis-do-seu-territorio-----configuracoes-subjetivas-na-gestao-metropolitana-em-vitoria-----es--/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AQUIAMÉ, F. O Espírito Santo na era Vargas (1930-1937). Elites políticas e reformismo autoritário. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010.

BEALL, Jo. Cultural weapons: traditions, inventions and the transition to democratic governance in metropolitan Durban. Urban Studies, v. 43, n. 2, p. 457-73, feb. 2005.

CARVALHO, José Murilo de. D. Pedro II. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

CASTORIADIS, C. A instituição imaginária da sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

CASTRO, E. de; WOJCIECHOWSKI, Maciej J. Inclusão, colaboração e governança urbana: perspectivas canadenses. Rio de Janeiro: Observatório das Metrópoles; Belo Horizonte: Ed. PUC Minas, 2010.

CRUZ, J. Os municípios se sublimam na metrópole: ensaio sobre reforma metropolitana. Recife: Cubzac, 2008.

ESPÍRITO SANTO. Lei Complementar n. 318. Vitória: DIO-ES, 2005 e 2005.

ESPÍRITO SANTO. Lei Complementar n. 325. Vitória: DIO-ES, 2005 e 2005.

FIRMAN, T. In search of a governance institution model for Jakarta Metropolitan Area (JMA) under Indonesia's new decentralization policy: old problems, new challenges. Public Administration and Development, v. 28, n. 4, p. 280-90. 2008.

GONZÁLEZ REY, F. L. Pesquisa qualitativa e subjetividade. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.

GONZÁLEZ REY, F. L. Sujeito e subjetividade. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003.

HABERMAS, J. Teoria do agir comunicativo. Racionalidade da ação e racionalização social. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012.

INNES, J.; Booher, D.; VITTORIO S. Di. Strategies for megaregion governance: Collaborative dialogue, networks, and self- organization. Journal of the American Planning Association, v. 77, n. 1, p. 55-67, Jan. 2011.

NEVES, R. R.; VELLOSO, R.; WOJCIECHOWSKI, M. J. Capacidade Institucional: planejamento e gestão para governança metropolitana colaborativa. In: CASTRO, Erika de; WOJCIECHOWSKI, M. J.(Orgs). Inclusão, colaboração e governança urbana: aprendizagem e capacidade institucional. p. 35-49. Rio de Janeiro;Belo Horizonte: Observatório das Metrópoles; Ed. PUC Minas, 2010.

PAES DE PAULA, A. P.; PALASSI, M. P. Subjetividade e simbolismo nos estudos organizacionais: um enfoque histórico-cultural. In: CARRIERI, A. P.; SARAIVA, L. A. S. (Org.). Simbolismo organizacional no Brasil. p. 199-228. São Paulo: Atlas, 2007.

RIBEIRO, L. C. Q.; KLINK, J. Novas governanças para as áreas metropolitanas: o panorama internacional e as perspectivas para o caso brasileiro. Rio de janeiro: Observatório das Metrópoles - IPPUR/FASE, 2008.

RIBEIRO, L. C. Q. (Org.). Metrópoles: entre a coesão e a fragmentação, a cooperação e o conflito (Apresentação) Rio de Janeiro: FASE - Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional, 2004.

RODRIGUEZ-ACOSTA, C. A.; ROSENBAUM, A. Local Government and the governance of metropolitan areas in Latin America. Public Administration and Development, v. 25, n. 4, p. 295-306, 2005.

ROLNIK, R.; SOMEKH, N. Governar as Metrópoles: dilemas da recentralização. São Paulo Perspec., v. 14, n. 4, 2000.

SANCTON, A. The governance of metropolitan areas in Canada. Public Administration and Development. v. 25, n. 4, p. 317-27, 2005.

SOUZA, M. L. de. Mudar a cidade: uma introdução crítica ao planejamento e à gestão urbanos. 6. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

VASCONCELOS, J. G. M. A invenção do coronel. Vitória: EDUFES/FCAA, 1995.

WILSON, D.C. Strategic decision making. In: RITZER, G. (Ed.) The Blackwell Encyclopedia of Sociology. Oxford: Blackwell, 2007.