Sustentabilidade e o mercado financeiro: estudo do desempenho de empresas que compõem o índice de sustentabilidade empresarial (ISE) Outros Idiomas

ID:
43213
Periódico:
Resumo:
Nas últimas décadas, o tema sustentabilidade tem sido profundamente discutido por meio das conferências e estabelecimento de protocolos internacionais, o que obrigou o mundo corporativo a adaptar‐se aos novos anseios da sociedade e do Estado que buscavam o equilíbrio das esferas social, ambiental e econômica. No mercado de capitais o impacto foi refletido por meio do surgimento de carteiras teóricas compostas por empresas consideradas benchmark na gestão corporativa sustentável. Este estudo tem como propósito avaliar o desempenho de empresas que compõem o Índice de Sustentabilidade Empresarial da BM&FBovespa (ISE), em contraponto com empresas de mesmo segmento econômico ausentes do índice, no intuito de observar se práticas de sustentabilidade colaboram na valorização das ações das empresas. Foram analisadas oito empresas pertencentes a quatro segmentos diferentes, de 2006 a 2014. Consideraram‐se os aspectos quantitativos, como volatilidade dos preços das ações e valorização. Os resultados demonstraram que, sob o ponto de vista estritamente quantitativo, as empresas que compõem o ISE do segmento de bancos e petroquímicos apresentaram bom desempenho, enquanto as empresas do segmento de energia elétrica e de papel e celulose apresentaram desempenho insatisfatório. Dessa forma, não foi possível determinar uma correlação específica entre o ISE e a valorização das ações ou sua volatilidade.
Citação ABNT:
CRISTÓFALO, R. G.; AKAKI, A. S.; ABE, T. C.; MORANO, R. S.; MIRAGLIA, S. G. K. Sustentabilidade e o mercado financeiro: estudo do desempenho de empresas que compõem o índice de sustentabilidade empresarial (ISE). Revista de Gestão, v. 23, n. 4, p. 286-297, 2016.
Citação APA:
Cristófalo, R. G., Akaki, A. S., Abe, T. C., Morano, R. S., & Miraglia, S. G. K. (2016). Sustentabilidade e o mercado financeiro: estudo do desempenho de empresas que compõem o índice de sustentabilidade empresarial (ISE). Revista de Gestão, 23(4), 286-297.
DOI:
dx.doi.org/10.1016/j.rege.2016.09.001
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/43213/sustentabilidade-e-o-mercado-financeiro--estudo-do-desempenho-de-empresas-que-compoem-o-indice-de-sustentabilidade-empresarial--ise-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BM&F BOVESPA. (2015) [Acesso em 29 setembro 2015]. Disponível em:http://www.bmfbovespa.com.br/.

Brown, J.; Fraser, M. (2006). Approaches and perspectives in social and environmental accounting: an overview of the conceptual landscape. BusinessStrategy and the Environment, 103-117.

Brundtland, G. H. (1987). Our common future - Call for action. Environmental Conservation, 14, 291-294.

Burden, R. L.; Faires, D. (2003). Análise numérica. Thomson.

Carvalho, F. D.; Siqueira, J. R. (2007). Análise da utilização dos indicadores essenciais da Global Reporting Initiative nos relatórios sociais e empresas latino-americanas. Pensar Contábil, 9(38).

Comissão de Valores Mobiliários. (2014). O mercado de valores mobiliários brasileiro. Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Comissão de Valores Mobiliários. (2015). Portal do Investidor. [Acesso em 17novembro 2015]. Disponível:

Dubose, J.; Frost, J.; Chamaeau, J.; Vanegas, J. (1995). Sustainable development and technology. In: The Environmentally Educated Engineer.

Elkington, J. (1997). Cannibals with forks: the Triple Bottom Line of 21st CenturyBusiness. Oxford: Capstone Publishing.

Eurosif. (2014). European SRI Study. European Sustainability Forum, Bélgica. Disponível em:

Florida, R. (1996). Lean and green: the move to environmentally conscious manufacturing. California Management Review, 39, 80-105.

Global Reporting Initiave (2013). Diretrizes para Relato de Sustentabilidade -G4. Disponível em:

GVCES. (2012). O Valor do ISE - Principais estudos e perspectiva dos inves-tidores. São Paulo, São Paulo, Brasil. Disponível em:

Hart, S. L. (1994). A natural resource-based view of the firm: Tilburg University, Work and Organization Research Centre. Doi: 94.10.059/21994.

Hockerts, K. (1999). Sustainability radar. Greener Management International, 25, 29-49.

Hubbard, G. (2009). Measuring organizational performance: beyond the Triple Bottom Line. Business Strategy and the Environment, 18, 177-191.

International Integrated Reporting Council. (2013). The Internacional Framework. [Acesso em 30 julho 2016]. Disponível em:

Júnior, J. H.; Dantas, L. M.; Araújo, L. F.; Farias, I. P. (2012). As Conferências Internacionais sobre Meio Ambiente e a RIO+20. CONNEPI - Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação, VII; 1; 2012. Palmas, Tocantins, Brasil. ISBN 978-85-62830-10-5.

Lima, S. H. O.; Oliveira, F. D.; Cabral, A. C. A.; Santos, S. M.; Pessoa, M. N. M. (2015). Governança corporativa e desempenho econômico: uma análise dos indicadores de desempenho entre os três níveis do mercado diferenciado da da BM&F/Bovespa. Revista REGE, v. 22, n. abr./jun, p. 187-204. 2015.

Marcondes, A. W.; Bacarji, C. D. (2010). ISE - Sustentabilidade no mercadode capitais. São Paulo: Report Editora.

Mebratu, D. (1998). Sustainability and sustainable development. Historical and conceptual review. Environmental Impact Assessment Review, 18, 493-520.

Nascimento, E. P. (2012). Trajetória da sustentabilidade: do ambiental ao social, do social ao econômico, 26, 51-64.

Norman, W.; Macdonald, C. (2004). Getting to the bottom of Triple Bottom Line. Business Ethics Quarterly, 14, 243-262.

Orsato, R. J.; Alexandre Garcia, A.; Mendes-Da-Silva, W.; Simonetti, R.;Monzoni, M. (2015). Sustainability indexes: why join in?A study of the Corporate Sustainability Index (ISE) in Brazil. Journal of Cleaner Production, 96. 161-170. ISSN 0959-6526.

Owen, D. (2006). Emerging issues in sustainability reporting. Business Strategyand the Environment, 15, 217-218.

Porter, M. E. (1980). Competitive strategy: techniques for analyzing industry and competitors. University of Illinois at Urbana-Champaign’s Academy for Entrepreneurial Leadership Historical Research Reference in Entrepreneurship.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (2015). Acompanhando a agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável: subsídios iniciais do Sistema das Nações Unidas no Brasil sobre a identificação de indicadores nacionais referentes aos objetivos de desenvolvimento sustentável. Brasília:PNUD, 2015. 250 p.

Protocolo de Kyoto. (2015). Conferências sobre Meio Ambiente. [Acesso em27 outubro 2015]. Disponível em Protocolo de Kyoto:

Reuters. (2012). Ações da Eletrobrás desabam 15%, maior queda em 15 anos; Bolsa ganha quase 2. [Acesso em 01 novembro 2015]. Disponível em UOLEconomia:

Roselino, F. N. (2011). Análise da volatilidade das ações de empresas dos setores de energia elétrica e de construção e engenharia do mercado financeiro. 48 f. Trabalho de conclusão de curso. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.

Santos, P. (2010). A contribuição do modelo GRI para evolução do relato de sustentabilidade das organizações brasileiras: estudo de caso da Natura. In VI Congresso Nacional de Excelência em Gestão.

Sartore, M. D. (2012). O mercado socialmente responsável. REDD Revista Espaço de Diálogo e Desconexão, 4(2).

Schumaker, E. (1973). Small is beautiful.Economics as if people mattered,v. 25. London: Blond & Briggs.

WCED. (1987). Out common future. London: Oxford University Press.