O significado dos selos de certificação orgânica para o consumidor: uma análise de cluster Outros Idiomas

ID:
43216
Periódico:
Resumo:
A academia tem analisado os selos de certificação orgânica nos últimos 10 anos, com ênfase em sua importância e seu nível de conhecimento. No entanto, pouco tem sido escrito sobre as associações e os significados que eles têm para os consumidores. Este artigo tem como objetivo estudar esse significado por meio de uma pesquisa quantitativa, tipo survey, com 388 pesquisados. Os dados foram analisados por meio de uma cluster analysis que revelou a existência de três grupos de consumidor, de acordo com o significado atribuído aos selos. Os três segmentos foram chamados de “Sustentável/ambiental”, “Sem transgênicos” e “Baixo significado”. O primeiro grupo, “Sustentável/ambiental”, o de maior tamanho na pesquisa (46,6%), traz maior associação com os significados “agricultura sustentável” e “respeita o meio ambiente” e está associado a pessoas mais velhas. O segundo, “Sem transgênicos”, apresenta maior associação com o significado “Não faz uso de sementes geneticamente modificadas/transgênicas” e está relacionado a pessoas de renda mais alta, que já fizeram cursos de pós-graduação lato sensu (24,7% dos pesquisados). Por fim, o terceiro, “Baixo significado” (28,7%), mostra menor associação com os significados dos selos, de forma geral, e também está mais concentrado em um grupo elitizado de consumidores. A conclusão da pesquisa é que o significado dos selos pode ser diferente para consumidores de perfis diversos. Em termos teóricos, o presente estudo preenche um gap na literatura no sentido de que aprofunda uma primeira análise do significado, atinge um segundo nível de atribuição do consumidor e revela a necessidade do entendimento do significado para diferentes grupos. Com base se no modelo de comportamento do consumidor apresentado por Kotler e Keller (2012), é possível mostrar como aspectos psicológicos dos consumidores podem ser influenciados por características sociais no modo como o grupo percebe os selos orgânicos. As contribuições práticas para os produtores e os certificadores de produtos orgânicos também são discutidas.
Citação ABNT:
RODRIGUES, D. B.; DALMARCO, D. A. S.; AOQUI, C.; MARINHO, B. L. The meaning of the organic certification label for the consumer: a cluster analysis. Revista de Gestão, v. 23, n. 4, p. 316-325, 2016.
Citação APA:
Rodrigues, D. B., Dalmarco, D. A. S., Aoqui, C., & Marinho, B. L. (2016). The meaning of the organic certification label for the consumer: a cluster analysis. Revista de Gestão, 23(4), 316-325.
DOI:
dx.doi.org/10.1016/j.rege.2016.08.001
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/43216/o-significado-dos-selos-de-certificacao-organica-para-o-consumidor--uma-analise-de-cluster-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
Aprile, M. R.; Barone, R. E. M. (2008). Políticas públicas para acesso ao ensino superior e inclusão no mundo do trabalho - O programa universidade para todos (PROUNI) em questão. In VI Congresso português de sociologia.

Archanjo, L. R.; Brito, K. F. W. De; Sauerbeck, S. (2001). Alimentos Orgânicos em Curitiba: Consumo e significado Organic Foods in Curitiba: Consumption and meaning (VIII). ). pp. 1-6.

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. (2012). Alterações na aplicação do Critério Brasil. válidas a partir de 01/01/13.

Associação brasileira de orgânicos. (n.d). Vantagens dos produtos orgânicos.

Bezawada, R.; Pauwels, K. (2013). What is special about marketing organic products?How organic assortment, price, and promotions drive retailer performance. Journal of Marketing, 77(January), 31-51.

Bi, X.; Gao, Z.; House, L. A.; Hausmann, D. S. (2015). Trade-offs between sensory attributes and organic labels: The case of orange juice. International Journal of Consumer Studies, 39(2), 162-171. .

Blackwell, R. D.; Miniard, P. W.; Engel, J. F. (2000). Comportamento do consumidor. (8 ed). Rio de Janeiro: LTC.

Brasil - Ministério da Agricultura; Pecuária e Abastecimento. (2007). Cadeia produtiva de produtos orgânicos. (vol. 5).

Bufoni, A. L.; Muniz, N. P.; Ferreira, A C de S. (2009). O processo de certificação socioambiental das empresas: O estudo de caso do certificado “empresa cidadã.” Revista de Administração Contemporânea, 13(spe),19-38.

Chen, J.; Lobo, A.; Rajendran, N. (2014). Drivers of organic food purchase intentions in mainland China - Evaluating potential customers’ attitudes, demographics and segmentation. International Journal of Consumer Studies, 38(4), 346-356. http://dx.doi.org/10.1111/ijcs12095.

Cherian, J.; Jacob, J. (2012). Green marketing: A study of consumers’ atti-tude towards environment friendly products. Asian Social Science, 8(12),117-126. http://dx.doi.org/10.5539/ass.v8n12p117

Compromisso Empresarial para Reciclagem - CEMPRE. (n.d). A rotulagem ambiental aplicada às embalagens.

Conner, D.; Christy, R. (2004). The organic label: How to reconcile its meaning with consumer preferences. Journal of Food Distribution, 35(1), 40-43.

De-Magistris, T.; Gracia, A. (2014). Do consumers care about organic and distance labels?An empirical analysis in Spain. International Journal of Consumer Studies, 38, 660-669. http://dx.doi.org/10.1111/ijcs.12138.

Dharni, K.; Gupta, K. (2015). Exploring antecedents of healthy food choices: An Indian experience. International Journal of Consumer Studies, 39(2), 101-108. http://dx.doi.org/10.1111/ijcs.12156.

Fontenelle, I. A. (2006). Consumo ético: Construção de um novo fazer político? Revista Psicologia Política, 6(12).

Francisco, E. S.; Moura, F. A. de; Zanon, R. S.; Marinho, B de L. (2009). O comportamento do consumidor na compra de produtos orgânicos. In XII Semead - Seminários em Administração

Global Ecolabelling Network - GEN. (2004). Global ecolabelling network information paper: Introduction to ecolabelling.

Hair, J. F., Jr.; Babin, B.; Money, A.; Samouel, P. (2005). Fundamentos de Métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman.

Hamza, K. M.; Dalmarco, D de A. S. (2011). A evolução do movimento do Consumo Consciente e seus impactos para as organizações: Um estudo exploratório. In: XIV Semead - Seminários em Administração. http://dx.doi.org/10.1017/CBO9781107415324.004.

Hamza, K. M.; Dalmarco, D de A. S. (2012). As Certificações Sustentáveis e Sua Relevância Para o Consumo Consciente e os Negócios. Reunir: Revista de Administração, Contabilidade E Sustentabilidade, 2, 1-20. http://dx.doi.org/10.18696/reunir.v2i2.67.

Hamzaoui-Essoussi, L.; Sirieix, L.; Zahaf, M. (2013). Trust orientations in the organic food distribution channels: A comparative study of the Canadian and French markets. Journal of Retailing and Consumer Services, 20(3), 292-301. http://dx.doi.org/10.1016/j.jretconser.2013.02.002.

Hartlieb, S.; Jones, B. (2009). Humanising business through ethical labelling: Progress and paradoxes in the UK. Journal of Business Ethics, 88(3), 583-600. http://dx.doi.org/10.1007/s10551-009-0125-x.

Instituto Akatu. (2013). Pesquisa Akatu 2012 - Rumo à Sociedade do Bem-Estar.

Jablonski, B. (2010). A divisão de tarefas domésticas entre homens e mulheres no cotidiano do casamento. Psicologia Ciência e Profissão, 30(2), 262-275. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932010000200004

Kavaliauske, M.; Ubartaite, S. (2014). Ethical behaviour: Factors influencing intention to buy organic products in Lithuania. Economics and Management, 19(1), 72-83.

Kohlrausch, A. K.; Campos, L M de S.; Selig, P. M. (2004). O comportamento do consumidor de produtos orgânicos em Florianópolis: Uma abordagem estratégica. Revista Alcance, 11(1), 157-177.

Kotler, P.; Keller, K. L. (2012). Administração de Marketing. (14 ed). São Paulo: Pearson Education.

Lages, N. de S.; Neto, A. V. (2002). Mensurando a Consciência Ecológicado Consumidor: Um Estudo Realizado na Cidade de Porto Alegre.

Linder, N. S.; Uhl, G.; Fliessbach, K.; Trautner, P.; Elger, C. E.; Weber, B. (2010). Organic labeling influences food valuation and choice. NeuroImage, 53(1), 215-220. http://dx.doi.org/10.1016/j.neuroimage.2010.05.077.

Lombardi, M. S.; Moori, R. G.; Sato, G. S. (2004). Um estudo exploratóriodos fatores relevantes na decisão de compra de produtos orgânicos. RAM -Revista de Administração Mackenzie, 5(1), 13-34.

Maimon, D. (1994). Eco-Estratégia nas Empresas Brasileiras: Realidade ou discurso? RAE - Revista de Administração Empresarial, 34(4), 119-130. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75901994000400013

Malhotra, N. (2006). Pesquisa de Marketing: Uma orientação aplicada. (4 ed). Porto Alegre: Bookman. Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. (n.d). Orgânicos.

Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. (n.d). Orgânicos.

Ngobo, P. V. (2011). What drives household choice of organic products in grocery stores? Journal of Retailing, 87(1), 90-100. http://dx.doi.org/10.1016/j.jretai.2010.08.001.

Ordabayeva, N.; Chandon, P. (2011). Getting ahead of the joneses: When equality increases conspicuous consumption among bottom-tier consumers. Journal of Consumer Research, 38(1), 27-41. http://dx.doi.org/10.1086/658165.

Polizelli, D. L.; Petroni, L. M.; Kruglianskas, I. (2005). Gestão ambiental nas empresas líderes do setor de telecomunicações no Brasil. Rausp - Revista de Administarção da USP, 40(4), 309-320.

Portal Brasil. (2012). Conheça os selos e certificações conscientes.

Schlegelmilch, B. B.; Bohlen, G. M.; Diamantopoulos, A. (1996). The link between green purchasing decisions and measures of environ-mental consciousness. European Journal of Marketing, 30(5), 35-55. http://dx.doi.org/10.1108/03090569610118740.

Silva, D. M.; Camara, M. R. G.; Dalmas, J. C. (2005). Produtos orgânicos: Barreiras para a disseminação do consumo de produtos orgânicos no varejo de supermercados em Londrina-PR. Semina: Ciências Sociais e Humanas, 26, 95-104. http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2005v26n1p95.

Sønderskov, K. M.; Daugbjerg, C. (2011). The state and consumer confidence in eco-labeling: Organic labeling in Denmark, Sweden, The United Kingdom and The United States. Agriculture and Human Values, 28(4), 507-517. http://dx.doi.org/10.1007/s10460-010-9295-5.

Straughan, R. D.; Roberts, J. A. (1999). Environmental segmentation alternatives: A look at green consumer behavior in the new millennium. Journal of Consumer Marketing, 16(6), 558-575. http://dx.doi.org/10.1108/07363769910297506

United Nations Environmental Programme - UNEP. (2011). YouthXChange.Towards sustainable lifestyles.

US Environmental Protection Agency - EPA. (1998). Environmental labelling issues, policies, and practices worldwide. Washington, december 1998. [acesso em 01/09/2015]. Disponível em: http://www.epa.gov/.

Voltolini, R. (2010). Rótulos, selos e certificações verdes: Uma ferramenta parao consumo consciente. Dossiê - Conhecimento Para a Sustentabilidade.

Wander, A. E.; Lacerda, A. C. V.; Freitas, F. C. De; Didonet, A. D.; Didonet, C. C. G. M. (2007). Alimentos orgânicos - Oportunidades de mercado e desafios. Revista de Política Agrícola, 2, 44-55.

Webster, F. E.; Jr. (1975). Determining the characteristics of the socially conscious consumer. Journal of Consumer Research, 2(3), 188. http://dx.doi.org/10.1086/208631.

Wells, V. K.; Ponting, C. A.; Peattie, K. (2011). Behaviour and climate change: Consumer perceptions of responsibility. Journal of Marketing Management,27(7-8), 808-833. http://dx.doi.org/10.1080/0267257X.2010.500136

White, K.; MacDonnell, R.; Ellard, J. H. (2012). Belief in a just world: Consumer intentions and behaviors toward ethical products. Journal ofMarketing, 76(1), 103-118. http://dx.doi.org/10.1509/jm.09.0581

White, K.; Simpson, B. (2013). When do (and don’t) normative appeals influence sustainable consumer behaviors. Journal of Marketing, 77(March),78-95. http://dx.doi.org/10.1509/jm.11.0278

Worldwatch Institute. (2015). State of the world 2015 - Confronting hidden threats to sustainability.

Zabkar, V.; Hosta, M. (2013). Willingness to act and environmentally conscious consumer behaviour: Can prosocial status perceptions help over-come the gap? International Journal of Consumer Studies, 37(3), 257-264. http://dx.doi.org/10.1111/j.1470-6431.2012.01134.x