Âncoras de Carreira e Tecnologia na Percepção sobre Estresse No Ambiente de Trabalho Outros Idiomas

ID:
43235
Resumo:
A percepção a respeito desobre estresse no ambiente de trabalho e sua relação com a chegada das novas tecnologias, considerando as âncoras de carreira nessta composição, é o objetivo deste artigo. Pesquisa quantitativa descritiva, realizada com formandos em Administração, embasou este objetivo. O estudoA pesquisa mostrou que o debate entre os estudantes acerca dasobre a substituição das tarefas humanas pela tecnologia da informação não está consolidado. Os resultados da pesquisa sugerem distintas percepções de estresse com as novas tecnologias nas diferentes “âncoras de carreira”, e também nas diferenças distinções de gênero
Citação ABNT:
TREVISAN, L. N.; VELOSO, E. F. R.; SILVA, R. C.; DUTRA, J. S. Âncoras de Carreira e Tecnologia na Percepção sobre Estresse No Ambiente de Trabalho . Revista Organizações em Contexto, v. 12, n. 24, p. 65-90, 2016.
Citação APA:
Trevisan, L. N., Veloso, E. F. R., Silva, R. C., & Dutra, J. S. (2016). Âncoras de Carreira e Tecnologia na Percepção sobre Estresse No Ambiente de Trabalho . Revista Organizações em Contexto, 12(24), 65-90.
DOI:
http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v12n24p65-90
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/43235/ancoras-de-carreira-e-tecnologia-na-percepcao-sobre-estresse-no-ambiente-de-trabalho-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALVES, M. G. M.; HÖKERBERG, Y. H. M. e FAERSTEIN, E. Tendências e diversidade na utilização empírica do Modelo Demanda-Controle de Karasek (estresse no trabalho): uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 1, n. 1, 2013.

AUTOR, D. H.; e PRICE, B. The Changing Task Composition of the US Labor Market: An Update of Autor, Levy, and Murnane (2003). MIT. Paper, June 21, 2013, disponível em http:// economics.mit.edu/files/9758. Acesso em 10 de abril de 2015.

BARCAUI, A.; LIMONGI-FRANÇA, A. C. Estresse, enfrentamento e qualidade de vida: um estudo sobre gerentes brasileiros. Revista de Administração Contemporânea, v. 18, n. 5, p. 670-694, 2014.

CANOVA, K. R.; PORTO, J. B. O impacto dos valores organizacionais no estresse ocupacional: um estudo com professores do ensino médio. Revista de Administração Mackenzie, v. 11, n, 5, p. 4-31, 2010.

CODO, W.; SORATTO, L.; VASQUES-MENEZES, I. Saúde mental e trabalho. In: ZANELLI, J. C.; BORGES-ANDRADE, J. E.; BASTOS, A. V. B. (Orgs.). Psicologia, Organizações e Trabalho no Brasil, Porto Alegre, Artmed, 2004.

COHEN, S., KESSELER, R. C.; GORDON, L. U. Measuring Stress. Oxford, Oxford University Press, 1995.

CRUZ, R. “Para acreditar no hype.” In: O Estado de São Paulo, edição de 17 de agosto de 2014, disponível em http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,para-acreditar-no-hype-imp-,1545178.

DUTRA, J. S. Prefácio. In: DUTRA, J. S. (Org.). Gestão de carreiras na empresa contemporânea, São Paulo: Atlas, 2010.

DUTRA, J. S.; ALBUQUERQUE, L. G. Âncoras de Carreira. Apostila – Universidade de São Paulo, 2002.

FREY, C. B.; OSBORNE, M. A. The future of employment: how susceptible are jobs to computadorisation? Oxford University Engineering Sciences Department and the Oxford Martin. Programme on the Impacts of Future Technology. Paper September 17, 2013, disponível em: http://www.oxfordmartin.ox.ac.uk/downloads/academic/The_Future_of_Employment.pdf. Acesso em 20 de abril de 2015.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social, São Paulo: Atlas, 1999.

GLOWINKOWSKI, S. P.; COOPER, C. L. Managers and professional in business/industrial setting: the research evidence. In: IVANCEVICHI J. M.; GANGSTER, D. C. (Orgs.). Job stress from theory to suggestion, Nova York, Haworth, 1987.

HAIR, Jr., J. F., BLACK, W., BABIN, B. J, ANDERSON, R. E., & TATHAM, R. L. Análise multivariada de dados, 6. ed., Porto Alegre: Bookman, 2009.

HAUSSER, J. A.; MOJZISCH, A.; NIESEL, M.; SHULZ-HARDT, S. Tenyears on: a review of a research on the job demand-control (support) model and psychological well-being. Work & Stress: An International Journal of Work, health & Organizations, v. 24, n. 1, p. 1-35, 2010.

IQBAL, M.; YLMAZ, A. K. Analysis of workplace stress and organizational performance in human resource management: a case study of air traffic controlleres of Pakistan. International Journal of Management and Sustainability, v. 3, n. 6, p. 360-373, 2014.

JEX S. M. Stress and Job Performance, London, Sage, 1998.

JOHNSON S.; COOPER, C.; CARTWRIGHT; S.; DONALD, I.; TAYLOR, P.; MILLET, C. The experience of work-related stress across occupations. Journal of Managerial psychology, v. 20, n. 2, p. 178-187, 2005.

JONES, F.; KINMAN, G. Approaches to studying syress. In: JONES F.; BRIGHT, J. (Orgs.). Stress, mit, theory and research, Londres, Prentice Hall, 2001.

KAHN, R. L.; BYOSIERE, P. B. Stress in organizations. In: M. D. Dunnette and L. M. Hugh (Orgs.). Handbook of Industrial and Organizational Psychology (p. 571-650), Palo Alto, CA: Consulting Psychologists Press, 1992.

KARASEK, R. A. Job demand, job decision latitude, and mental strain: implications for job redesign. Administrative Science Quarterly, v. 24, n. 2, p. 285-308, 1979.

KARASEK, R.; THEORELL, T. Healthy work: stress, productivity and the reconstruction of working life. Basic Books, Inc., Publishers, New York, 1990.

LIMONGI-FRANÇA, A. C.; RODRIGUES, A. L. Stress e trabalho: uma abordagem psicossomática, São Paulo, Atlas, 2002.

MCCLENAHAN, C. A.; GILES, M. L.; MALLET, J. The importance of context specificity in work stress research: a testo f the demand-control suport model in academics. Work & Stress: An International Journal of Work, health & Organizations, v. 21, n. 1, p. 85-95, 2007.

PASCHOAL, T. TAMAYO, A. Validação da escala de estresse no trabalho. Estudos de Psicologia, v. 9, n. 1, 2004.

Renato DE LANGE, A. H. ; TARIS, T. W.,; KOMPIER, M. A. J.; HOUTMAN, I. L. D.; BONGERS, P. M. The very best of the millennium: longitudinal research and the demand control-(suport) model. Journal of Occupacional Health Psycology, v. 8, n. 4, p. 282-305, 2003.

SCHEIN, E. H. Career Anchors: Discovering Your Real Values. San Diego: Pfeiffer & Company, University Associates, Inc., 1990.

SCHEIN, E. H. Identidade profissional: como ajustar suas inclinações a suas opções de trabalho, São Paulo: Nobel,1996.

SELLTIZ, C. et al. Métodos de pesquisa nas relações sociais, São Paulo: EDUSP, 1974.

STANDAGE Tom. “The return of the machinery question.” In: The Economist, edição de 25 de junho de 2016, disponível no endereço eletrônico: http://www.economist.com/news/special-report/21700761-after-many-false-starts-artificial-intelligence-has-taken-will-it-cause-mass

TREVISAN, L. N. Realidade virtual versus mundo corporativo. Revista da ESPM, set./out., 2014.