Port environmental management: Innovations in a Brazilian public port Outros Idiomas

ID:
43313
Resumo:
The purpose of this article was to identify the innovations developed at the Port of Rio Grande, according to the dimensions of the Oslo Manual, related to environmental management in the period 2010–2012. It also analyzed whether the possible innovations developed by the port relate to the assessment requirements of environmental management, proposed by ANTAQ. For this, we used a type of qualitative content analysis, with in-depth interviews applied to a population of thirty port managers, and a quantitative study which sought to examine whether the innovations obtained are related to the assessment requirements of environmental management. As a result, 45 innovations were identified, these being classified according to the Oslo Manual in: 2 product innovations; 14 process innovations; 5 marketing innovations; and 24 organizational innovations. Considering the frequency of occurrence of innovations in the sector, the requirement of ANTAQ implementing the environmental agenda presented the highest number of innovations, mainly related to process innovations.
Citação ABNT:
QUINTANA, C. G.; OLEA, P. M.; ABDALLAH, P. R.; QUINTANA, A. C. Port environmental management: Innovations in a Brazilian public port. Innovation and Management Review, v. 13, n. 4, p. 261-273, 2016.
Citação APA:
Quintana, C. G., Olea, P. M., Abdallah, P. R., & Quintana, A. C. (2016). Port environmental management: Innovations in a Brazilian public port. Innovation and Management Review, 13(4), 261-273.
DOI:
dx.doi.org/10.1016/j.rai.2016.09.001
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/43313/port-environmental-management--innovations-in-a-brazilian-public-port/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
Agência Nacional de Transportes Aquaviários - ANTAQ (2012). Retrieved from http://www.antaq.gov.br.

Agência Nacional de Transportes Aquaviários - ANTAQ (2016). Retrieved from http://www.antaq.gov.br/portal/MeioAmbiente AvaliacoesDaGestao Ambiental.asp.

Almeida, N. C. N. (2010). Sistema de Gestão Ambiental: um estudo dos terminais do Porto de Santos. São Paulo, Brasil: Dissertação de Mestrado, Fundação Getúlio Vargas - FGV.

Baker, J. B. (2007). Beyond Schumpeter vs. Arrow: How antitrust fosters innovation. Antitrust Law Journal, 74, 575-578. Retrieved from http://ssrn.com/abstract=962261

Barbieri, J. C. (2012). Gestão Ambiental Empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. (3rd ed.). São Paulo: Saraiva.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. pp. 70. São Paulo: Edições.

Bessant, J.; Tidd, J. (2009). Inovação e empreendedorismo. Porto Alegre: Bookman.

Carvalho, M. M. de. (2009). Inovação: estratégias e comunidades de conhecimento. São Paulo: Atlas.

Cervo, A. L.; Bervian, P. A.; Silva, R. da. (2007). Metodologia científica .(6th ed.). São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Chu, D. M. (2009). Inovaç tecnológica nas empresas do setor de Biotecnologia no Brasil. São Paulo, SP, Brasil: Dissertação de Mestrado, Fundação Getúlio Vargas - FGV.

Cooper, C. L.; Argyris, C. (Org.) (2003). Dicionário Enciclopédico de Administração. Tradução Lenita Maria Rimoli Esteves, Celso Augusto Rimoli. São Paulo: Atlas.

Crucey, K. (2006). Projects of Asian ports. International Financial Law Review, I-1.

Damanpour, F. (1991). Organization innovation: A meta-analysis of effects of determinants and moderators. Academy of Management Journal, 34(3), 555-590.

Den Hertong, P.; Van Der Aa, W.; Jong, M. (2010). Capabilities for managing service innovation: Towards a conceptual framework. Journal of Service Management, 21(4), 490-514.

Fávero, L. P.; Belfione, P.; Silva, F. L. Da, & Chan, B. L. (2009). Análise de Dados modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier.

Gallo, E.; Setti, A. F. F.; Magalhães, D. de P.; Machado, J. M. H.; Buss, D. F.; Netto, F. de A. F.; et al. (2012). Health and the green economy: challenges for sustainable development and the eradication of poverty. Ciência & Saúde Coletiva, 17(6), 1457-1468.

Generosi, A. (2011). Natal luz em gramado (RS), tradição e inovação: um olhar sobre fatores que determinam o retorno dos turistas ao evento. Caxias do Sul, RS, Brasil: Dissertação de Mestrado, Universidade de Caxias do Sul - UCS.

Giannetto, S. M. (2004). Proposta de manual para sistema de gestão integrada portuária. Niterói, RJ, Brasil: Dissertação de Mestrado, Universidade Federal Fluminense.

Gil, A. C. (2007). Métodos e técnicas de pesquisa social. (5th ed.). São Paulo: Atlas.

Giner Fillol, A.; Ripoll Feliu, V. (2009). Cálculo y gestión estratégica de costes Portuàrio. pp. 318. Fundación Valencia Port: España.

Granziera, M. L. M. (2009). Direito Ambiental. São Paulo: Atlas.

Guimarães, L. F. (2008). Massificação sustentável: uma contribuição para o processo de inovação sustentável em mercados emergentes. São Paulo, SP, Brasil: Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo - USP.

Hippel, E. V. (2005). Democratizing innovation. Cambridge: Library of Congress Cataloging.

Kitzmann, D. I. S. (2009). Ambientalização sistêmica na gestão e na educação ambiental: um estudo de caso com o ensino profissional marítimo - EPM. Rio Grande, RS, Brasil: Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande - FURG.

Kitzmann, D. I. S.; Asmus, M. L.; Koehler, P. H. W. (2014). Gestão Ambiental Portuária: desafios, possibilidades e inovações em um contexto de globalização. Espaço Aberto, 5(2), 147-164.

Koehler, P. H. W. (2008). Sistematização dos dados de monitoramento como ferramenta de suporte ao gerenciamento ambiental do Porto do Rio Grande RS. Rio Grande, RS, Brasil: Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande - FURG.

Krafta, M. (2008). Gestão ambiental em uma pequena empresa do setor químico: o caso do Causticlor. Porto Alegre, RS, Brasil: Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS.

Langlois, E. V.; Campbell, K.; Prieur-Richard, A.; Karesh, W. B.; Daszak, P. (2012). Towards a better integration of global health and biodiversity in the new sustainable development goals beyond Rio+20. EcoHealth, 1-5.

Lora, E. A. (2007). Should Latin America fear China? Washington: InterAmerican Development Bank. Retrieved from http://ssrn.com/abstract=612441

Lourenço, A. V; Asmus, L. M. (2011). Políticas públicas de gestão no âmbito do licenciamento ambiental portuário: o caso do Porto do Rio Grande, RS - Brasil. In Simpósio Brasileiro de Oceanografia - SBO, vol. 5.

Lourenço, A. V., & Asmus, M. L. (2015). Gestão ambiental portuária: fragilidades, desafios e potencialidades no porto do Rio Grande, RS, Brasil. Journal of Integrated Coastal Zone Management, 15(2), 223-235.

Lundvall, B. A. (2009). Innovation as an interactive process: User-producer interaction to the National System of Innovation. African Journal of Science, Technology, Innovation and Development, 1(2-3), 10-34.

Martins, G. de A.; Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. (2 ed.). São Paulo: Atlas.

Mattos, J. R. L. De, & Guimarães, L. dos S. (2005). Gestão da tecnologia e inovação: uma abordagem prática. São Paulo: Saraiva.

Minayo, M. C. de S. (2012). Rio+20: Development challenges for health and sustainability. Environmental Health Perspectives, 120(9), 340.

Monié, F.; Vidal, S. M. do S. C. (2006). Cidade, portos e cidades portuárias na era da integração. Revista de Administração Pública, 40(6), 975-995.

Mossini, E. (2005). Gestão Ambiental Portuária: estudo de conflito sócioambiental. Santos, SP, Brasil: Dissertação de Mestrado, Universidade Católica de Santos.

Nascimento, L. F.; Lemos, A. D. da C.; Mello, M. C. A. de. (2008). Gestão socioambiental estratégica. Porto Alegre: Bookman.

Nodari, C. H. (2010). Inovação na atenção primária à saúde de Caxias do Sul - RS. Caxias do Sul, RS, Brasil: Dissertação de Mestrado, Universidade de Caxias do Sul - UCS

Nunes, V. F. A. (2015). Práticas de Gestão e Avaliação de Desempenho Ambiental no Setor Portuário em Portugal. Lisboa, Portugal: Dissertação de Mestrado, Universidade Nova.

OECD. (2005). Manual de Oslo - Proposta de Diretrizes para Coleta e Interpretação de dados sobre Inovação Tecnológica. (3rd ed.). Paris: OECD.

Oliveira, A. B. S. (2003). Métodos e técnicas de pesquisa em contabilidade. São Paulo: Saraiva.

Otto-Zimmermann, K. (2012). From Rio to Rio+20: The changing role of local governments in the context of current global governance. The International Journal of Justice and Sustainability, 17(5), 511-516.

Porto do Rio Grande. (2012). Superintendência do Porto do Rio Grande. Retrieved from http://www.portoriogrande.com.br

Quintana, C. G.; Philomena, A. L. (2007). O Tratamento dado aos resíduos sólidos pela administração do Porto do Rio Grande: uma abordagem relacionada à educação ambiental. Revista SINERGIA, 1(11), 27-36.

RIO+20. (2012). Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento. Retrieved from http://www.rio20.gov.br/

Romer, P. M. (1986). Increasing returns and long-run growth. Journal of Political Economy, 94(5), 1002-1037.

Rossetti, E. K. (2008). Gestão Ambiental: eco eficiência a caminho da sustentabilidade: o caso do segmento moveleiro da serra gaúcha. Caxias do Sul, RS, Brasil: Dissertação de Mestrado, Universidade de Caxias do Sul - UCS.

Sakamoto, A. R. (2011). Inovações em rede de PMEs: Fatores determinantes e consequências Sociais. São Paulo, SP, Brasil: Tese de Doutorado, Fundação Getúlio Vargas - FGV.

Schumpeter, J. A. (1982). Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Abril Cultural.

Silva, G. S. (2011). Inovação em ambientes dinâmicos: estudo de impactos de cenários econômico sem portfólio de projetos. Porto Alegre, RS, Brasil: Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS.

Silva, J. A. da S. (2010). Direito Ambiental Constitucional. (8th ed.). São Paulo: Malheiros Editores Ltda.

Silva, M. (1984). Inovação tecnológica: um estudo de caso. São Paulo: IPEA/USP.

Simon, D. A. (2008). Desempenho ambiental, inovatividade e desempenho financeiro em empresas da terceira geração Petroquímica. Porto Alegre, RS, Brasil: Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS.

Sirvinskas, L. P. (2010). Manual de direito ambiental. (8th ed.). São Paulo: Saraiva.

Slippers, B.; Kassen, R. (2012). Young scientists reflect on how to effect real change for Rio+40. South African Journal of Science, 108(7-8).

Solow, R. M. (1956). A contribution to the theory of economic growth. Quarterly Journal of Economics, 70(1), 65-94.

Souza, N.; de J. De. (2005). Desenvolvimento econômico. (5th ed.). São Paulo: Atlas.

Vergara, S. C. (2010). Métodos de pesquisa em administração. (4th ed.). São Paulo: Atlas.

Yin, R. K. (2010). Estudo de caso: Planejamento e métodos. (4th ed.). Porto Alegre: Bookman.