Appropriation mechanisms of search results: A case study in a public university of Minas Gerais Outros Idiomas

ID:
43314
Resumo:
The objective of the research was to investigate the appropriation mechanisms of research results at a public university in the state of Minas Gerais. Therefore, we conducted a descriptive and qualitative case study, based on interviews with semi-structured screenplay, literature and documentary research. It is remarkable the importance of universities in knowledge production and dissemination of research results that can lead to innovations, so this research is relevant to the universities context. The main practices identified in these institutions were the participation in networks, the presence of incubators of technology-based companies, partnerships or public cooperation, partnership between university and business, the presence of academic spin-offs, besides legal protections, such as patent applications, trademark and software registrations, plant variety log and protection, copyright and industry secret. This university is in a stage that the appropriateness culture implementation and there is a search for innovations developed within the university. However, this institution has yet to evolve in the technology transfer from academy to society, being necessary higher motivation for this practice.
Citação ABNT:
RENNÓ, A. S.; ZAMBALDE, A. L.; VERONEZE, R. B.; SOUSA, D. Appropriation mechanisms of search results: A case study in a public university of Minas Gerais. Innovation and Management Review, v. 13, n. 4, p. 274-284, 2016.
Citação APA:
Rennó, A. S., Zambalde, A. L., Veroneze, R. B., & Sousa, D. (2016). Appropriation mechanisms of search results: A case study in a public university of Minas Gerais. Innovation and Management Review, 13(4), 274-284.
DOI:
dx.doi.org/10.1016/j.rai.2016.09.003
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/43314/appropriation-mechanisms-of-search-results--a-case-study-in-a-public-university-of-minas-gerais/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
Almeida, M. F. L.; Barreto Júnior, J. T.; Frota, M. N. (2013). Apropriaçãoeconômica de resultados de P&D: o caso de uma empresa concessionária de energia elétrica no Brasil. In XV Congresso Latino-iberoamericano de Gestão de Tecnologia, 15. ALTEC.

Andrade, T. D. (2004). Inovação Tecnológica e meio ambiente: A construção de novos enfoques. Scietific Eletronic Library Online, 7.

Audy, J. L. N.; Cunha, N.; Franco, P. R. G. (2002). TECNOPUC: Uma Proposta de Habitat de Inova¸ cão para Porto Alegre. Seminário ANPROTEC.

Baldini, N.; Grimaldi, R.; Sobrero, M. (2007). To patent or no to patente: A survey of Italian inventors on motivations, incentives and obstacles to university patenting. Scientometrics, Amsterdam, 70(2), 333-354.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. (Vol. 70). pp. 280. São Paulo: Edições 70.

Bojesen-Trepka, M. H. (2009). Industrial firm technology transfer: the role of marketing. 447 p. Doctor of Philosophy Thesis. Hamilton: University of Waikato. Hamilton, New Zealand.

Botelho, M. R. A.; Carrijo, M. de. C.; Kamasaki, G. Y. (2009). Inovações, pequenas empresas e interações com instituições de ensino/pesquisa em arranjos produtivos locais de setores de tecnologia avançada. Revista Brasileira de Inovação, Rio de Janeiro, 6(2), 331-371.

Branco, R. C.; Vieira, A. (2008). Patentes e Biotecnologia aceleram o crescimento da agricultura brasileira. Ministério da Agricultura, Parcerias Estratégicas. p. 33-99.

Brasil. (1996). Lei n◦ 9.279, de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à Propriedade Industrial. Brasília. Accessed in 10.11.2013, from http://www.planalto.gov.br/ccivil 03/leis/l9279.htm.

Brasil. (2004). Lei n◦ 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à Inovação e à Pesquisa Científica e Tecnológica no ambiente produtivo e de outras providências. Brasília. Accessed in 10.11.13, from http://www.planalto.gov.br/ccivil03/ato2004-006/2004/lei/l10.973.htm.

Brasil. (2016). Lei n◦ 13.243, de 11 de janeiro de 2016. Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação. Accessed in 01.03.16 from http://www.planalto.gov.br/ccivil03/Ato2015-018/2016/Lei/L13243.htm

Caldera, A.; Debande, O. (2010). Performance of Spanish universities in technology transfer: An empirical analysis. Research Policy, 39(9), 1160-1173.

Chagas, E. N.; Muniz, J. N. (2006). Propriedade Intelectual e pesquisa nas instituições públicas de ensino superior. pp. 139. Viçosa, MG: UFV.

Clark, B. R. (2003). Sustaining change in universities: Continuities in case studies and concepts. Tertiary Education and Management, New York, 9(2), 99-116.

Closs, L.; Ferreira, G.; Sampaio, C.; Perin, M. (2012). Intervenientes na transferência de tecnologia universidade-empresa: o caso PUCRS. Revista de Administração Contemporânea, 16(1), 59-78.

Corrêa, F. A. (2007). Patente na universidade: Contexto e perspectivas e uma política de geração de patentes na Universidade Federal Fluminense. Dissertação de mestrado. Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, Brasil.

Dalmarco, G.; Dewes, M. D. F.; Zawislak, P. A.; Padula, A. D. (2011). Universities’ intellectual property: Path for innovation or patent competition? Journal of Technology and Management Innovation, 6, 159-170.

De Benedicto, S. C.; Bittencourt, J. J.; Zambalde, A. L.; Silva Filho, C. F. D. (2014). Apropriação da Inova¸ cão em Agrotecnologias: Estudo Multicaso em Universidades Brasileiras-Revista Organizações em Contexto-online, 10(19), 181-212.

De Pellegrin, I.; Balestro, M. V. , Junior, J. A. V. A.; Caulliraux, H. M. (2007). Redes de inovação: Construção e gestão da cooperação pró-inovação. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 42(3).

Dias, A. A.; Porto, G. S. (2014). Como a USP transfere tecnologia? Organizações & Sociedade, 21, 489-507.

Dosi, G. (1988). Sources, procedures and microeconomics effects of innovation. Journal of Economic Literature, Pittsburg, 26(3), 1120-1171.

Etzkowitz, H.; Leydesdorff, L. (1996). A triple helix of academic-industry-government relations: Development models beyond ‘capitalism versus socialism’. Current Science, 70(8), 690-693.

Eun, J. H.; Lee, K.; Wu, G. (2006). Explaining the “University-run enterprises” in China: A theoretical framework for university-industry relationship in developing countries and its application to China. Research Policy, 35, 1329-1346.

Garnica, L. A. (2007). Transferência de tecnologia e gestão da propriedade intelectual em universidades públicas no estado de São Paulo. 2007. 206 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Garnica, L. A.; Torkomian, A. L. V. (2009). Gestão de tecnologia em universidades: Uma análise do patenteamento e dos fatores de dificuldade e de apoio à transferência de tecnologia no Estado de São Paulo. Gestão & Produção, 16(4), 624-638.

Gilde, C. (2007). Higher education: Open for business. pp. 196. Lanham: Lexington Book.

Godinho, M.; Pereira, T.; Mendonça, S. (2008). Propriedade intelectual: Uma temática na ordem do dia. Lisboa: UAL.

Gonçalo, C. R.; Zanluchi, J. (2011). Relacionamento entre empresa e universidade: Uma análise das características de cooperação em um setor intensivo em conhecimento. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 8(3), 261-272.

González-Alvarez, N.; Nieto-Antolin, M. (2007). Appropriability of innovation results: An empirical study in Spanish manufacturing firms. Technovation, Essex, 27(5), 280-295.

Harman, G. (2010). Australian university research commercialization: Perceptions of technology transfer specialists and science and techonology academics. Journal of Higher Education Policy and Management, Oxford, 32(1), 69-83.

Iacono, A.; de Almeida, C. A. D. S.; Nagano, M. S. (2011). Interação e cooperação de empresas incubadas de base tecnológica: Uma análise diante do novo paradigma de inovação. Revista de Administração Pública, 45(5), 1485-1516.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2015). Censo da educação superior 2014. Brasília. Recuperado em 10 fevereiro, 2016, de http://portal.inep.gov.br/educacao-superior/indicadores/indice-geral-de-cursos-igc.

Instituto Nacional De Propriedade Industrial. (INPI). Available in: http://www.inpi.gov.br/. Accessed in: 03.05.16.

Intellectual Property Office. (2011). Intellectual asset management for universities. Accessed in 10.04.16, from http://www.ipo.gov.uk/ipassetmanagement.pdf

Jung, C. F. (2004). Metodologia para pesquisa e desenvolvimento: Aplicada a novas tecnologias, produtos e processos. pp. 312. Rio de Janeiro: Axcel Books.

Júnior, C.; Guimarães, M. B. (2012). Gestão da Propriedade Intelectual Nas Instituições De Ciência e Tecnologia: o papel da Fapemig no fomento à inovação. Revista Perspectivas em Políticas Públicas, 5(9).

Kruglianskas, I.; Matias-Pereira, J. (2005). Um enfoque sobre a Lei de Inovação Tecnológica do Brasil. Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro, 39(5), 1011-1029.

Leiponen, A.; Byma, J. (2009). If you cannot block, you better run: Small firms, cooperative innovation, and appropriation strategies. Research Policy, 38(9), 1478-1488.

Macho-Stadler, I.; Pérez-Castrilo, D. (2010). Incentives in university technology transfers. International Journal of Industrial Organization, 28(4), 362-367.

Markman, G.; Gianiodis, P.; Phan, P.; Balkin, D. (2005). Innovation speed: transferring university technology to market. Research Polic, 34, 1058-1075.

Matias-Pereira, J. (2011). A gestão do sistema de proteção à propriedade intelectual no Brasil é consistente? Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, 45(3), 567-590.

Mattioli, M.; Toma, E. (2009). Proteção, apropriação e gestão de ativos intelectuais. pp. 16. Belo Horizonte: Instituto Inovação.

Núcleo de Inovação Tecnológica da Ufla. (2013). Sobre o Nintec. Lavras. Accessed in 01.12.14 from http://www.prpufla.br/nintec/sobre.html.

Pereira, V. (2008). Análise da gestão de propriedade intelectual e de transferência de tecnologia nas universidades do Rio de Janeiro. 2008. 125 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro.

Rede Mineira de Propriedade Intelectual. (2011). Quem somos. Acessed in 10.12.14 from. http://www.redemineirapi.com/novo

Ribeiro, S. A.; Andrade, R. M. G. D.; Zambalde, A. L. (2005). Incubadoras de empresas, inovação tecnológica e ação governamental: o caso de Santa Rita do Sapucaí (MG). Cadernos EBAPE.BR, 3(SPE), 01-14.

Santana, E.; Porto, G. (2009). E agora, o que fazer com essa tecnologia? Um estudo multicaso sobre as possibilidades de transferência de tecnologia na USP-RP. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, 13(3), 410-429.

Segatto-Mendes, A. P. & Mendes, N. (2006). Cooperação tecnológica universidade-empresa para eficiência energética: Um estudo de caso. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, p. 53-75. Edição especial.

Sellenthin, M. O. (2009). Technology transfer offices and university patenting in Sweden and Germany. The Journal of Technology Transfer, 34, 603-620.

Siegel, D.; Waldman, D.; Link, A. (2003). Assessing the impact of organizational practices on the relative productivity of university technology transfer offices: An exploratory study. Research Policy, 32, 27-48.

Teece, D. J. (1986). Profiting from technological innovation. Research Policy, Amsterdam, 15(6), 285-305.

Tonelli, D. F.; Zambalde, A. L. (2009). Fatores de sucesso de uma inovação no contexto universitário: Estudo de caso no setor pecuário. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, 33(4), 1118-1124.

Turato, E. R. (2003). Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa: Construção teórico-epistemológica, discussão comparada e aplicação nas áreas da saúde e humanas. pp. 688. Petrópolis: Vozes.

Vieira, E. M. F.; Van Bellen, H. M.; Fialho, F. A. P. (2006). Universidade em tempo de mudança. Caderno EBAPE. BR, 01-07.

Yin, R. K. (2010). Estudo de caso: Planejamento e métodos. (4th ed). Porto Alegre: Bookman.

Association Of University Technology Managers. (2010). AUTM U.S. licensingactivity survey highlights: FY2010. Available in: http://www.autm.net/AM/Template.cfm?Section=FY2010LicensingSurvey&Template=/CM/ContentDisplay.cfm&ContentID=6874 Accessed in: 03.11.16.

Organisation for Economic Co-Operation and Development. (2005). Oslo manual: Guidelines for collecting and interpreting innovation data. (3rd ed. pp. 92). Oslo: European Comission.