Aprendizagem e desenvolvimento de competências contábeis Outros Idiomas

ID:
43322
Resumo:
Considerando a abordagem pela qual a aprendizagem apresenta-se como um processo influenciado pelo contexto social e político no qual os indivíduos encontram-se inseridos e interagem, isto é, a perspectiva da Aprendizagem Situada, buscou-se investigar como ocorre o processo de aprendizagem no desenvolvimento de competências contábeis. À luz dessa perspectiva e adotando como modelo de análise o International Education Standard – IES 3, foram entrevistados nove profissionais membros do Sindicato dos Contabilistas do Estado de Goiás (SCESGO). Essas entrevistas foram apoiadas por roteiro semiestruturado, o qual possibilitou abordar tanto os processos formais quanto informais de aprendizagem. Observouse que os membros do Sindicato constituem uma Comunidade de Práticas, compartilhando diferentes conhecimentos contábeis, o que beneficia principalmente o desenvolvimento das competências técnica, intelectual, interpessoal e de comunicação.
Citação ABNT:
OLIVEIRA, H. M.; ARANTES, F. P.; FREITAG, M. S. B.; ROSSI, R. M.; SILVA, J. O. Aprendizagem e desenvolvimento de competências contábeis. Contabilidade, Gestão e Governança, v. 19, n. 3, p. 376-394, 2016.
Citação APA:
Oliveira, H. M., Arantes, F. P., Freitag, M. S. B., Rossi, R. M., & Silva, J. O. (2016). Aprendizagem e desenvolvimento de competências contábeis. Contabilidade, Gestão e Governança, 19(3), 376-394.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21714/1984-3925_2016v19n3a3
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/43322/aprendizagem-e-desenvolvimento-de-competencias-contabeis/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AMERICAN INSTITUTE OF CERTIFIED PUBLIC ACCOUNTANTS (AICPA). (1999). Core competency framework for entry into the accounting professions. New York: American Institute of Certified Public Accountants.

Antonello, C. S. (2005). Articulação da aprendizagem formal e informal: seu impacto no desenvolvimento de competências gerenciais. Revista Alcance, 12(2), 183-210.

Anzilago, M.; Bernd, D. C.; Voese, S. B. (2016). Mercado de trabalho dos profissionais de custos no Paraná: um estudo sobre a demanda, habilidades e competências exigidas. Contextus - Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 14(1), 194-218.

Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo. 70a ed. Lisboa: LDA.

Bogenrieder, I. (2002). Social architecture as a prerequisite for organizational learning. Management Learning, 33(2), 197-212.

Bower, J. B. (1957). A profession of accounting-or of accountancy? The Accounting Review, 32(2), 194-199.

Brown, J. S.; Duguid, P. (2000). The social life of information. Harvard Business School Press, (319).

Cardoso, J. L.; Sousa, M. A.; Almeida, L. B.(2006). Perfil do contador na atualidade: um estudo exploratório. Base - UNISINOS, (3), 275-284.

Cardoso, R. L.; Riccio, E. L. (2010). Existem competências a serem priorizadas no desenvolvimento do contador?Um estudo sobre os contadores brasileiros. Revista de Gestão, 17(3), 353-367.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE – CFC. (2010). Perfil do contabilista brasileiro 2009. Brasília.

Creswell, J. W. (2003). Research design: qualitative, quantitative and mixed method approaches. California, Thousand Oaks: Sage.

Crispim, G.; Miranda, L. C. (2012). O ensino da contabilidade no Curso de Administração de Empresa: a percepção do corpo discente das disciplinas de contabilidade na sua formação acadêmica. Advances in Scientific and Applied Accounting, 5(1), 131-155.

Esselstein, J. L. (2001). The changing value equation for controllership. CPA Journal, 43(6), 22-27.

Flach, L. (2010). Improvisação e aprendizagem em cervejarias artesanais: um estudo no Brasil e na Alemanha. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Flach, L. (2012). A rota das cervejarias artesanais de Santa Catarina: analisando improvisação e aprendizagem. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional - GESTÃO. Org, 10(3), 567-594.

Flach, L.; Medeiros, I. B. O.; Figueiredo, M. D.; Oltramari, A. P. (2013). Aprendizagem e competências por meio das artes: atividade profissional e vivência artística em diálogo. Revista de Administração, Contabilidade e Economia - RACE, 12(3), 121-154.

Fleury, M. T. L.; Fleury, A. (2001). Construindo o conceito de competência. Revista de Administração Contemporânea - RAC, 5(especial), 183-196.

Fleury, M. T. L.; Fleury, A. (2010). Desenvolver competências e gerir conhecimento em diferentes arranjos empresariais. In: Fleury, Maria Tereza Leme; Oliveira Jr, Moacir de Miranda (Orgs.). Gestão Estratégica do Conhecimento: Integrando aprendizagem, conhecimento e competências. São Paulo: Editora Atlas.

Francis, M. C.; Mulder, T. C.; Stark, J. S. (1995). Intentional learning: a process for learning to learn in the Accounting curriculum. Sarasota, FL: Accounting Education Change Comission and American Accounting Association.

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. 5a ed. São Paulo: Atlas.

Godoy, A. Estudo de Caso qualitativo. In: Godoi, C. K.; Bandeira-De-Mello, R.; Silva, A. B. (Orgs). (2006). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo, Saraiva.

Gudolle, L. S.; Antonello, C. S.; Flach, L. (2012). Aprendizagem situada, participação e legitimidade nas práticas de trabalho. Revista de Administração Mackenzie - RAM, 13(1), 1439.

Henning, D. A.; Moseley, R. L. (1970). Authority role of a functional manager: accountants and controller. The Accounting Review, 52(3), 578-597.

INTERNATIONAL FEDERATION OF ACCOUNTANTS’ EDUCATION COMMITTEE. (2003). Towards competent professional accountants. New York: IFAC.

INTERNATIONAL FEDERATION OF ACCOUTANTS - IFAC. (2012). International Education Standard IES 3: Professional skills and general education. Recuperado em 10 outubro, 2015, de http//www.ifac.org/sites/default/files/publications/files/ies-3-professionalskills.pdf.

INTERNATIONAL FEDERATION OF ACCOUTANTS - IFAC. (2012). Proposed international education standards (IES) 3. Recuperado em 10 outubro, 2015, de http://www.ifac.org/sites/default/files/publications/files/IES%203%20Exposure%20Draft%20and%20Memo_VDRAFT2-formatted%20(3)_0.pdf.

Kester, R. B. (1928). The importance of the controller. The Accounting Review, 3(3), 237-251.

Koyama, C. M.; Silva, D. C.; Oliveira, C. R. (2010). O perfil do profissional contábil e as diretrizes de uma nova grade curricular. Revista de Estudos Contábeis, 1, 57‐76.

Kullberg, D. R.; Gladstone, W. L. (1989). Perspective on education: Capabilities for success in the accounting profession (The big 8 white paper), The big 8 firms. New York: Emerald Group Publishing Limited.

Laurie, H. (1995). Persistence leads to accounting performance: How to spot a persistent potential employee. Arkansas Business and Economic Review, 15(32), 54-78.

Lave, J. Situating Learning in Communities of Practice. In: Resnick, L. B.; Levine, J. M.; Stephanie, D. (Eds.). (1991). Perspectives on socially shared cognition. Washington: American Psychological Association, p. 63-82.

Lave, J.; Wenger, E. (1991). Situated learning: legitimate peripheral participation. Cambridge University Press.

Le Boterf, G. (2008). Repenser la compétence: pour dépasser les idées reçues - quinze propositions (Éditions d’Organisation). Paris: Groupe Eyrolles.

Lemes, D. F.; Miranda, G. J. (2014). Habilidades profissionais do contador preconizadas pela IFAC: um estudo com profissionais da região do triângulo mineiro. Advances in Scientific and Applied Accounting, 7(2), 293-316.

Madruga, S. R.; Colossi, N.; Biazus, C. A. (2016). Funções e competências gerenciais do contador. Revista de Administração da UFSM, 9(2), 182-191.

Milliron, V. C. (2012). CPAs explore a pre-certification pathway to excellence. The accounting educator's journal, (22), 43-71.

Morgan, G. (1997). Communication skills required by accounting graduates: practitioner and academic perceptions. Accounting Education, 6(2), 93-107.

Moura, G. L. (2009). Somos uma comunidade de prática? Revista de Administração Pública, 43(2), 323-346.

Needles, JR, B. E.; Cascini, K.; Krylova, T.; Moustafa, M. (2001). Strategy for implementation of IFAC International Education Guideline N° 9. Journal of International Financial Management & Accounting, 12(3), 317-354.

Nunes, I. V.; Silva, T. D.; Miranda, G. J.; Leal, E. A. (2014). A percepção dos estudantes de ensino médio sobre as responsabilidades de um contador. Revista Universo Contábil, 10(4) 144-161.

Perin, M. G.; Sampaio, C. H.; Duhá, A. H.; Bitencourt, C. C. (2006). Processo de aprendizagem organizacional e desempenho empresarial: o caso da indústria eletroeletrônica no Brasil. Revista de Administração de Empresas - RAE-eletrônica, 5(2), 1-28.

Petri, S. M.; Koettker, B. H. S.; Oliveira, T. M.; Petri, L. R. F.; Casagrande, M. D. H. (2013). Escrituração fiscal digital (EFD): vantagens e desvantagens a partir da literatura selecionada. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 12(36), 53-69.

Pires, C. B.; Ott, E.; Damacena, C. (2010). A formação do Contador e a demanda do mercado de trabalho na Região Metropolitana de Porto Alegre (RS). BASE - Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, 7(4), 315-327.

Raupp, F. M. (2006). Metodologia da pesquisa aplicável às Ciências Sociais. In:Beuren, I. M. Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. 3a ed. São Paulo: Atlas.

Ribeiro Filho, J. F.; Lopes, J. E. G.; Pederneiras, M. M. M.; Ribeiro, I. B. (2006). Habilidades de comunicação oral de estudantes de Ciências Contábeis: uma análise baseada em percepções de integrantes de corpo docente, corpo discente e profissionais liberais. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, 3(1), 24-33.

Ryan, G. W.; Bernard, H. R. (2000). Data management and analysis methods. Handbook of qualitative research. 2a ed. Thousand Oaks: Sage.

Sakagami, M.; Yoshimi, H.; Okano, H. (1999). Japanese accounting profession in transition. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 12(3), 340-354.

Siegel, G.; Sorensen, J. E. (1999). Counting more, counting less transformations in the management accounting profession, the 1999 practice analysis of management accounting. Montvale: Institute of Management Accountants.

Wenger, E.; Snyder, W. (2000). Communities of practice: the organizational frontier. Harvard Business Review, p. 139-145.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. 2a ed. Porto Alegre: Bookman.

Zarifian, P. (2011). Objetivo competência: por uma nova lógica. São Paulo: Atlas.