Os elementos que caracterizam o Cluster Turístico em Balneário Camboriú, Santa Catarina, Brasil Outros Idiomas

ID:
43352
Resumo:
O turismo promove o desenvolvimento regional que pode ser impulsionado por meio da formação de redes interorganizacionais como os clusters. Os clusters turísticos são compostos por instituições e organizações numa mesma região geográfica que almejam melhorar a sua competitividade. A perspectiva analítica dos clusters turísticos ganha cada vez mais importância no debate sobre desenvolvimento regional. Diante deste contexto a pesquisa tem como objetivo central descrever e analisar os elementos que caracterizam a constituição de um cluster turístico em Balneário Camboriú, Santa Catarina, Brasil. Para a identificação dos elementos constituintes do cluster realizou-se uma pesquisa exploratória, bibliográfica e documental. O modelo teórico de análise da maturidade adotado foi o proposto por Cunha (2003), este modelo foi escolhido porque incorpora critérios utilizados pela EURADA em suas pesquisas para classificação e avaliação do desempenho de aglomerados produtivos na União Européia. Por meio da metodologia aplicada, Balneário Camboriú (SC) é considerado um cluster turístico que promove por meio da cooperação entre os atores ganhos coletivos e o desenvolvimento do setor na região.
Citação ABNT:
SOHN, A. P.; SILVESTRINI, C.; FIUZA, T. F.; LIMBERGER, P. F. Os elementos que caracterizam o Cluster Turístico em Balneário Camboriú, Santa Catarina, Brasil. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, v. 11, n. 1, p. 154-174, 2017.
Citação APA:
Sohn, A. P., Silvestrini, C., Fiuza, T. F., & Limberger, P. F. (2017). Os elementos que caracterizam o Cluster Turístico em Balneário Camboriú, Santa Catarina, Brasil. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 11(1), 154-174.
DOI:
http://dx.doi.org/10.7784/rbtur.v11i1.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/43352/os-elementos-que-caracterizam-o-cluster-turistico-em-balneario-camboriu--santa-catarina--brasil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Aleksandrova, A. Y. (2016). Typology of countries of the world according to the development level of international tourism. Geography and Natural Resources, 37(1), 18-25.

Ashton, M. S. G.; Valduga, V.; Tomazzoni, E. L. (2015). Turismo criativo e desenvolvimento da oferta turística do cluster do Vale dos Vinhedos (RS, Brasil). Investigaciones Turísticas, (10), 90-116.

Balneário Saboroso. (2016). Convention Bureau realiza prestação de contas do 7º Balneário Saboroso. Recuperado em 10 set, 2016, de http://www.balneariosaboroso.com.br/saboroso2016/noticias/titulo/convention-bureau-realizaprestacao-de-contas-do-7-balneario-saboroso/.

Beni, M. C. (2003). Globalização do turismo: megatendências do setor e a realidade brasileira. 1a ed. São Paulo: Aleph.

Borkowska-Niszczota, M. (2015). Tourism clusters in Eastern Poland-analysis of selected aspects of the operation. Procedia-Social and Behavioral Sciences, v. 213, 957-964.

Brandenburger, A. M. & Nalebuff, B. J. (2011). Coopetition. New York: Crown Business.

Brasil, Ministério do Turismo. (2014). Índice de competitividade do Turismo Nacional: Relatório Brasil 2014. Brasília: MTUR. Recuperado em 20 maio,2016, de http://www.dadosefatos.turismo.gov.br/export/sites/default/dadosefatos/outros_estudos/downloads_outrosestudos/Relatorio_Brasil_2014_we b.pdf.

Brasil, Ministério do Turismo. (2015). Estudo da Demanda Turística Internacional. Brasília: MTUR. Recuperado em 20 maio,2016, de http://www.dadosefatos.turismo.gov.br/dadosefatos/demanda_turistica/internacional/

Cunha, I. J. (2003). Aglomerados industriais de economias em desenvolvimento: classificação e caracterização. Florianópolis: Edeme.

Cunha, I. J. (2007). Governança, Internacionalização e competitividade de aglomerados produtivos de móveis no Sul do Brasil, Portugal e Espanha. Chapecó: Arcus Ind. Gráfica.

Cunha, S. K. D.; Cunha, J. C. D. (2005). Tourism cluster competitiveness and sustainability: proposal for a systemic model to measure the impact of tourism on local development. BAR - Brazilian Administration Review, 2(2), 47-62.

DjMag. (2016). Top 100 world clubs. Recuperado em 20 maio, 2016, de https://www.djmag.com/top100clubs.

Elche-Hortelano, D.; Martínez-Pérez, Á.; GarcíaVillaverde, P. M. (2015). Bonding capital, explotación de conocimiento e innovación incremental en los clusters de turismo cultural: las Ciudades Patrimonio de la Humanidad en Espana. Investigaciones Europeas de Dirección y Economía de la Empresa, 21(3), 120-128.

Ferreira, J.; Estevao, C. (2009). Regional competitiveness of a tourism cluster: A conceptual model proposal. Encontros científicos, Tourism & management studies, p. 37-51.

Fundeanu, D. D. (2015). Innovative Regional Cluster, Model of Tourism Development. Procedia Economics and Finance, v. 23, 744-749.

Gerhardt, T. E.; Silveira, D. T. (2009) Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS. Recuperado em 20 maio,2016, de http://www.ufrgs.br/cursopgdr/downloadsSerie/derad005.pdf.

Giuliani, E. (2011) Role of technological gatekeepers in the growth of industrial clusters: Evidence from Chile. Regional Studies, 45(10), 1329-1348.

Graf, H. (2011). Gatekeepers in regional networks of innovators. Cambridge Journal of Economics, 35(1), 173-198.

Guo, B.; Guo, J. (2010) Patterns of technological learning within the knowledge systems of industrial clusters in emerging economies: Evidence from China. Technovation, 37(2), 87-104.

Guo J.; Guo B. (2011) How do innovation intermediaries facilitate knowledge spillovers within industrial clusters? Asian Journal of Technology Innovation, 21(2), 31-49.

Iordache, C.; Ciochinã, I. & Asandei, M. (2010). Clusters – Tourism Activity Increase Competitiveness Support. Theoretical and Applied Economics. 18(5), 99-112.

Jackson, J.; Murphy, P. (2006). Clusters in regional tourism An Australian case. Annals of Tourism research, 33(4), 1018-1035.

Kesidou, E.; Romijn, H. (2008). Do Local Spillovers Matter For Development?An Empirical Study of Uruguay’s Software Cluster. World Development, 36(10), 2004-2028.

Kunz, J. G.; Schommer, L.; Schneider, M.; Mecca, M. S. (2012). A Clusterização do Turismo em Gramado-RS: Breves Notas. Revista Rosa dos Ventos, n. 4, 609-614.

Lai, Y. L.; Hsu, M. S.; Lin, F. J.; Chen, Y. M.; Lin, Y. H. (2014). The effects of industry cluster knowledge management on innovation performance. Journal of Business Research, 67(5), 734-739.

Lubeck, R. M.; Wittmann, M. L.; Silva, M. S. (2012). Afinal, quais variáveis caracterizam a existência de cluster Arranjos Produtivos Locais (APLS) e dos Sistemas Locais De Produção E Inovação (SLPIS)? Revista Ibero-Americana de Estratégia, 11(1), 120-151.

Mabrouk, F.; McDonald, M.; Mocan, S.; Summa, T. (2008). The Tunisian Tourism Cluster. Harvard Business School, Boston, MA.

Martins, C.; Fiates, G. G. S.; Pinto, A. L. (2016). A relação entre os clusters de turismo e tecnologia e seus impactos para o desenvolvimento local: um estudo bibliométrico da produção científica. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 10(1), 65-88.

Menzel, M. P.; Fornahl, D. (2009). Cluster life cycles—dimensions and rationales of cluster evolution. Industrial and corporate change, dtp036.

Morosini, P. (2004). Industrial clusters, knowledge integration and performance. World development, 32(2), 305-326.

Novelli, M.; Schmitz, B.; Spencer, T. (2006). Networks, clusters and innovation in tourism: A UK experience. Tourism management, 27(6), 1141-1152.

Polukhina, A. (2016). A cluster model of ethnotourism organization in Russian regions. Worldwide Hospitality and Tourism Themes, v. 8 n. 3, pp. 359-372.

Porter, M. (2008). Clusters, innovation, and competitiveness: New findings and implications for policy. In Presentation given at the European Presidency Conference on Innovation and Clusters in Stockholm. January. (Vol. 23).

Porter, M. E.; Kramer, M. R. (2011). Criação de valor compartilhado: como reinventar o capitalismo e desencadear uma onda de inovação e crescimento. Harvard Business Review, 89(1), 21-33.

Prefeitura Municipal de Balneário Camboriú. (2015). Plano Municipal de Turismo. Balneário Camboriú, SC, Brasil. Recuperado em 20 maio, 2016, de http://www.balneariocamboriu.sc.gov.br/imprensa/noticia.cfm?codigo=13575.

Prodanov, C. C.; Freitas, E. C. de. (2013). Metodologia do Trabalho Científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. 2 ed. Novo Hamburgo: Editora Feevale. Recuperado em 20 maio, 2016, de http://www.faatensino.com.br/wpcontent/uploads/2014/11/2.1-E-bookMetodologia-do-Trabalho-Cientifico-2.pdf.

Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento [PNUD]. (2013). Atlas do desenvolvimento humano do Brasil. Recuperado em 20 maio, 2016, de http://www.pnud.org.br/atlas/.

Santos, S. V.; Cerdeira, J. P. (2013). Estratégias de coopetição em Portugal: O contributo dos polos e clusters de empresas. Exedra: Revista Científica, (8), 22-34.

Secretaria de Educação do Estado de Santa Catarina. (2016). Portal da educação – Institucional. Recuperado em 02 agosto, 2016, de http://serieweb.sed.sc.gov.br/cadiesportal.aspx.

Silva, P. M. da. (2014). Aglomerados e turismo: análise da produção científica nacional e internacional sobre o tema. Revista Turismo - Visão e Ação, 16(2).

Sohn, A. P. L.; Vieira, F. D.; Casarotto Filho, N. C.; Cunha, I. J.; Zarelli, P. R. (2016). Knowledge Transmission in Industrial Clusters: Evidence from EuroClusTex. European Planning Studies, 24(3), 511-529.

Souza, D. A.; Gil, A. C. (2014) Produção científica nacional sobre clusters turísticos . Revista Turismo - Visão e Ação, 16(3).

Souza, D. A.; Gil, A. C. (2015). A Importância da Identidade Regional na Configuração de Clusters Turísticos. Revista Turismo em Análise, 26(2).

The Travel & Tourism Competitiveness Report 2015. Recuperado em 10 set, 2016, de http://www3.weforum.org/docs/TT15/WEF_Global_Travel&Tourism_Report_2015.pdf.

Tomazzoni, E. L.; da Costa, J. S. (2015). Ações estratégicas e visões dos atores do cluster de turismo da cidade de São Paulo. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 9(1), 3-21.

Waxell, A.; Malmberg, A. (2007). What is global and what is local in knowledge-generating interaction?The case of the biotech cluster in Uppsala, Sweden. Entrepreneurship and Regional Development, 19(2), 137-159.

Wittmann, M. L.; da Silva, M. S. (2012). Afinal, quais variáveis caracterizam a existência de cluster arranjos produtivos locais (APLs) e dos sistemas locais de produção e inovação (SLPIs)? Revista Ibero-Americana de Estratégia - RIAE, 11(1), 120-151.

World Tourism Organization. (n.d). Why tourism? Recuperado em 08 novembro, 2016, de http://www2.unwto.org/content/why-tourism.

Yıldız, T.; Aykanat, Z. (2015). Clustering and Innovation Concepts and Innovative Clusters: An Application on Technoparks in Turkey. ProcediaSocial and Behavioral Sciences, v. 195, 1196-1205.