Desenvolvimento da Capacidade Absortiva em Empresas Incubadas e Graduadas de Santa Catarina, Brasil Outros Idiomas

ID:
43361
Resumo:
A pesquisa apresenta como objetivo analisar se a capacidade absortiva influencia a inovação das Pequenas e Médias Empresas (PMEs) de Santa Catarina. Nesse contexto, as PMEs investigadas foram empresas incubadas e graduadas selecionadas por possuírem características de empresas inovadoras, conforme proposto por Manual de Oslo (2012) e por se caracterizarem como PMEs, atuando em ambientes dinâmicos com alta necessidade de adaptação. A pesquisa investigou a relação entre a capacidade absortiva e a inovação, em que a primeira se relaciona com a capacidade das empresas de identificar, adquirir e, se possível, aplicar estes conhecimentos no âmbito interno, e a segunda, refere-se à capacidade de criar/modificar seus processos, produtos, posição e forma de organização. Como método de investigação utilizou-se abordagem quantitativa e a técnica de modelagem de equações estruturais (MEE) para testar a hipótese da pesquisa. A de coleta de dados foi realizada por meio da técnica survey , a amostra foi composta por 88 gestores de empresas incubadas e graduadas de Santa Catarina. Para análise dos dados utilizou-se a MEE no Software Smart -PLS . Os resultados confirmaram a hipótese de que a capacidade absortiva influencia positivamente a inovação. Considerando-se a escassez de estudos empíricos sobre o tema, esses resultados definem um olhar particular acerca da relação investigada e constituem mais uma contribuição para o debate na literatura sobre o tema. Nossos resultados confirmam que a capacidade de absorção é determinante para o desenvolvimento de inovação de uma empresa.
Citação ABNT:
CASSOL, A.; CINTRA, R. F.; RUAS, R. L.; OLDONI, L. E. Desenvolvimento da Capacidade Absortiva em Empresas Incubadas e Graduadas de Santa Catarina, Brasil . Desenvolvimento em Questão, v. 14, n. 37, p. 168-201, 2016.
Citação APA:
Cassol, A., Cintra, R. F., Ruas, R. L., & Oldoni, L. E. (2016). Desenvolvimento da Capacidade Absortiva em Empresas Incubadas e Graduadas de Santa Catarina, Brasil . Desenvolvimento em Questão, 14(37), 168-201.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21527/2237-6453.2016.37.168-201
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/43361/desenvolvimento-da-capacidade-absortiva-em-empresas-incubadas-e-graduadas-de-santa-catarina--brasil-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENTIDADE PROMOTORAS DE EMPREENDIMENTOS INOVADORES. Anprotec. Perguntas frequentes. 2014. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2014.

BARBIERI, J. C.; ÁLVARES, A. C. T. Inovações nas organizações empresariais. In: BARBIERI, J. C. (Org.). Organizações inovadoras: estudos e casos brasileiros. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

BEZERRA, C. A.; QUANDT, C. O. Relações entre gestão do conhecimento, inovação e faturamento: um estudo em empresas graduadas no estado do Paraná. Revista Alcance, v. 22, n. 2, p. 262-277, 2015.

BONINI, L. A.; SBRAGIA, R. O modelo de design thinking como indutor da inovação nas empresas: um estudo empírico. Revista de Gestão e Projetos, v. 2, n. 1, p. 3-25, 2011.

BRANZEI, O.; VERTINSKY, I. Strategic pathways to product innovation capabilities in SMEs. Journal of Business Venturing, v. 21, n. 1, p. 75-105, 2006.

BROW, T. Design thinking. Harvard Business Review, v. 86, n. 6, p. 84, 2008.

BUCHELE, G. T. et al. Análise dos artigos qualitativos empíricos sobre métodos, técnicas e ferramentas para inovação. Revista de Administração da Mackenzie, v. 16, n. 3, p. 136-170. 2015.

CAMISÓN, C.; FORÉS, B. Knowledge absorptive capacity: New insights for its conceptualization and measurement. Journal of Business Research, v. 63, n. 7, p. 707-715. 2010.

CASSOL, A. et al. A administração estratégica do capital intelectual: um modelo baseado na capacidade absortiva para potencializar inovação. Iberoamerican Journal of Strategic Management (IJSM), v. 15, n. 1, p. 27-43. 2016.

CASSOL, A. et al. Capital intelectual e capacidade absortiva como propulsores da inovação: estudo de caso no setor de papel e papelão ondulado. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO (ENANPAD), 38.; Rio de Janeiro, 2014.

CHESBROUGH, H. Open innovation; where weve been and where were going. Research-Technology Management, v. 55, n. 4, p. 20-27, 2012.

COHEN, B.P. Developing sociological knowledge: Theory and method. Wadsworth Pub Co, 1989.

COHEN, W. M.; LEVINTHAL, D. A. Absorptive capacity: a new perspective on learning and innovation. Administrative Science Quarterly, v. 35, n. 1, p. 128-152, 1990.

COHEN, W. M.; LEVINTHAL, D. A. Fortune favors the prepared firm. Management Science, v. 40, n. 2, p. 227-251, 1994.

COHEN, W. M.; LEVINTHAL, D. A. Innovation and learning: the two faces of R&D. The Economic Journal, v. 99, n. 397, p. 569-596, 1989.

COSTA, R. M. et al. Intersecção entre inovação e propriedade intelectual: uma análise bibliométrica. In: SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO DA FEA-USP, 14, São Paulo. 2011.

DALTO, C. E. Orientação para mercado, competitividade e inovação: um estudo no arranjo produtivo moveleiro de Arapongas-PR. 2007. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2007.

DAVILA, T.; EPSTEIN, M. J.; SHELTON, R. As regras da inovação. Porto Alegre: Bookman, 2008.

DE NEGRI, F. Determinantes da inovação e da capacidade de absorção nas firmas brasileiras: qual a influenciado perfil da mão-de-obra? In: DE NEGRI, F.; DE NEGRI, J. A.; COELHO, D. Tecnologia, exportação e emprego. Brasília: Ipea, 2006.

ESCOBAR, M. A. R. Relação das capacidades dinâmicas e orientação empreendedora com o desempenho em agências de viagens moderada pelo ambiente organizacional. 2012. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, 2012.

ESTUDOS ECONÔMICOS DA OCDE BRASIL. 2005. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2014. 2005.

FLATTEN, T. C. et al. A measure of absorptive capacity: Scale development and validation. European Management Journal, v. 29, n. 2, p. 98-116, 2011.

FREEMAN, C.; SOETE, L. A economia da inovação industrial. Campinas: Ed. Unicamp, 2008.

FREITAS, C. G. M.; OLIVEIRA, M. A.; MOTTA, G. S. O perfil de pesquisa científica sobre inovação e centros de pesquisa: uma análise bibliométrica dos últimos 30 anos. In: SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO FEA-USP, 15.; São Paulo, 2012.

FRITSCH, L. G.; SANTOS, J. L. S. Capacidade absortiva nas pequenas e médias empresas: análise sistemática das publicações na base web of science. SEMINÁRIOS EM ADMINISTRAÇÃO-SEMEAD, 17.; 2015, São Paulo. Anais... São Paulo: FEA-USP, 2015.

HAIR JÚNIOR, J. F. et al. Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HAIR JÚNIOR, J. F. Partial least squares structural equation modeling (PLS-SEM). An emerging tool in business research. European Business Review, v. 26, n. 2, p. 106-121, 2014.

HENDERSON, R. M.; CLARK, K. B. Architectural innovation: The reconfiguration of existing product technologies and the failure of established firms. Administrative science quarterly, p. 9-30, 1990.

JABBOUR, C. J. C.; DIAS, P. R.; FONSECA, S. A. As incubadoras de empresas como redes empresariais pró-inovação. Bauru: Edunesp, 2005.

KIM, L. Imitation to Innovation: The Dynamics of Korea’s Technological Learning. Boston: Harvard Business School Press, 1997.

KNEIPP, J. M. et al. Uma análise da evolução da produção científica sobre inovação no Brasil. Revista Estratégia & Negócio, v. 4, n. 1, p. 1-25, 2011.

LANE, Peter J.; LUBATKIN, Michael. Relative absorptive capacity and interorganizational learning. Strategic management journal, v. 19, n. 5, p. 461-477, 1998.

LANE, P. J.; KOKA, B. R.; PATHAK, S. The reification of absorptive capacity: a critical review and rejuvenation of the construct. Academy of Management Review, v. 31, n. 4, p. 833-863, 2006.

LAZZAROTTI, F. Recursos para inovação e desempenho de firmas inovadoras. 2012. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, 2012.

LIAO, J.; WELSCH, H.; STOICA, M. Organizational absorptive capacity and responsiveness: an empirical investigation of growth‐oriented SMEs. Entrepreneurship Theory and practice, v. 28, n. 1, p. 63-85, 2003.

MACEDO, M. A.; MIGUEL, P. A. C.; CASAROTTO FILHO, N. A caracterização do design thinking como um modelo de inovação. Revista de Administração e Inovação, v. 12, n. 3, p. 157-182, 2015.

MALEK, J.; BREGGAR, M. The new R&D paradigm. Pharmaceutical Executive, v. 21, n. 2, p. 78-86, 2001.

MALGUEIRO, A. R. A relação entre inovação, ambiente e desempenho: um estudo nas empresas instaladas em incubadoras tecnológicas de Santa Catarina. 2011. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade do Vale do Itajaí, 2011.

MANUAL DE OSLO. Proposta de Diretrizes para Coleta e Interpretação de Dados sobre Inovação Tecnológica. OECD, 1997. Traduzido pela FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos em 2012.

MATEOS-APARICIO, G. Partial least squares (PLS) methods: Origins, evolution, and application to social sciences. Communications in Statistics-Theory and Methods, v. 40, n. 13, p. 2305-2317, 2011.

MORÉ, Rafael Pereira Ocampo et al. Capacidade absortiva no contexto da inovação: um estudo bibliométrico. Desenvolve Revista de Gestão do Unilasalle, v. 3, n. 1, p. p. 113-126, 2014.

MORÉ, R. P. O.; VARGAS, S. M. L.; CEMBRANEL, P. Capacidade absortiva no contexto da inovação: um estudo bibliométrico. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (ENEGEP), 32.; Salvador, 2013.

MORGADO, R. S.; FLEURY, A. C. C. Capacidades dinâmicas de absorção de conhecimento: dimensões em uma rede de franchising. In: SIMPÓSIO DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO, LOGÍSTICA E OPERAÇÕES INTERNACIONAIS (SIMPOI), 19.; São Paulo. 2012.

MUROVEC, N.; PRODAN, I. Absorptive capacity, its determinants, and influence on innovation output: cross-cultural validation of the structural model. Technovation, v. 29, n. 1, p. 859-872, 2009.

NOGUEIRA, M. G. S. Capacidade estratégica de resiliência e desempenho organizacional em confiabilidade e inovação. 2012. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, 2012.

OLIVEIRA, S. R.; BALESTRIN, A. O desenvolvimento da capacidade absortiva em projetos tecnológicos entre universidade e empresa: um estudo de caso da cooperação Unisinos – HT Micron. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO (ENANPAD), 36.; Rio de Janeiro, 2012.

PAVONI, E. T. Estilos de gestão do conhecimento e inovação em empresas de média e baixa tecnologia. 2009. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2009.

RATINHO, T.; HENRIQUES, E. The role of science parks and business incubators in converging countries: evidence from Portugal. Technovation, v. 30, n. 4, p. 278-290, 2010.

REICHERT, F. M.; CAMBOIM, G. F.; ZAWISLAK, P. A. Capacidades e trajetórias de inovação de empresas brasileiras. Revista de Administração da Mackenzie, v. 16, n. 5, p. 161-194, 2015.

RIBAS, C. F. et al. Inovação, estratégia e capital intelectual: a fórmula das empresas Mercadomóveis, Rainha e Fleming para quebrarem barreiras e obterem sucesso. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO, 20.; Ponta Grossa. 2007.

SANTOS, F. H. R.; FINGER, A. B. Capacidade absortiva: um olhar sobre a produção científica brasileira. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO (ENANPAD), 39.; Belo Horizonte, 2015.

SAPIENZA, H. J. et al. A capabilities perspective on the effects of early internationalization on firm survival and growth. Academy of management review, v. 31, n. 4, p. 914-933, 2006.

SARQUIS, A. B. et al. Fatores de influência no processo de inovação em empresas de base tecnológica. Revista Catarinense de Ciência Contábil, v. 14, n. 43, p. 38-50, 2015.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. Tradução M. S. Possas. São Paulo: Nova cultural, 1997.

SCHUMPETER, J.A. The theory of economic development: An inquiry into profits, capital, credit, interest, and the business cycle. Transaction publishers, 1934.

SIMANTOB, M.; LIPPI, R. Guia valor econômico de inovação nas empresas. Globo Livros. 2003.

SOMSUK, N.; WONGLIMPIYARAT, J.; LAOSIRIHONGTHONG, T. Technology business incubators and industrial development: resource-based view. Industrial Management & Data Systems, v. 112, n. 2, p. 254-267, 2011.

STOECKICHT, I. P.; SOARES, C. A. P. The importance of strategically managing intellectual capital to develop innovative capacity in Brazilian companies. International Journal of Engineering Research and Innovation, v. 4, n. 1, p. 21-29, 2012.

SZULANSKI, G. Exploring internal stickiness: Impediments to the transfer of best practice within the firm. Strategic management journal, v. 17, n. S2, p. 27-43, 1996.

SZULANSKI, G. The process of knowledge transfer: A diachronic analysis of stickiness. Organizational behavior and human decision processes, v. 82, n. 1, p. 9-27, 2000.

TEECE, D.; PISANO, G.; SCHUEN, A. dynamic capabilities and strategic management. Strategic Management Journal, v. 18, n. 7, p. 509-533, 1997.

TEIXEIRA, R. M.; FEITOZA, R. A. A. Inovação na pequena empresa: mapeamento da produção científica internacional e nacional no período de 2000 a 2014. Revista da Micro e Pequena Empresa, v. 9, n. 1, p. 90-102, 2015.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Gestão da inovação. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Gestão da inovação: integração de mudanças tecnológicas, de mercado e organizacionais. Lisboa: Monitor, 2005.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Managing Innovation: integrating technological, market and organizational change. London: John Wiley & Sons Ltda.; 1997.

TODOROVA, G.; DURISIN, B. Absorptive capacity: Valuing a reconceptualization. Academy of management review, v. 32, n. 3, p. 774-786, 2007.

VALLADARES, P. S. D. A.; BRITO, L. A. L.; VASCONCELLOS, M. A. Determinantes da capacidade de inovação: análise estrutural de um modelo integrador. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO (ENANPAD). Rio de Janeiro, RJ, 2012.

VEGA-JURADO, J.; GUTIÉRREZ-GRACIA, A.; FERNÁNDEZ-DE-LUCIO, I. Analyzing the determinants of firm’s absorptive capacity: beyond R&D. R&D Management, v. 38, n. 4, p. 392-405, 2008.

VOGT, C. Incubadoras propiciam inovação tecnológica e geração de empregos. Comciência, Brasil, p. 1-8, 10 set. 2001. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2014. 2001.

WANG, C.; HAN, Y. Linking properties of knowledge with innovation performance: the moderate role of absorptive capacity. Journal of Knowledge Management, v. 15, n. 5, p. 802-819, 2011.

WANG, C. L.; AHMED, P. K. Dynamic capabilities: A review and research agenda. International journal of management reviews, v. 9, n. 1, p. 31-51, 2007.

WEGNER, D.; MAEHLER, A. E. Desempenho de empresas participantes de rede inter-organizacionais: analisando a influência do capital social e da capacidade absortiva. Revista Unifacs, v. 13, n. 2, p. 1-21, 2012.

WERLANG, N. B.; ROSSETTO, C. R.; SAUSEN, J. O. Inovatividade organizacional: um estudo bibliométrico em bases de dados internacionais. Desenvolvimento em Questão, v. 13, n. 29, p. 6-32, 2015.

WU, L.; ONG, C.; HSU, Y. Knowledge-based organization evaluation. Decision Support Systems, v. 45, n. 3, p. 541-549, 2008.

ZAHRA, S. A.; GEORGE, G. Absorptive capacity: a review, reconceptualization, and extension. Academy of Management Review, v. 27, n. 2, p. 185-203, 2002.