Desafios da comunicação institucional e do posicionamento no mercado do tabaco perante as restrições ao setor Outros Idiomas

ID:
43378
Resumo:
Diversos países apoiam a Organização Mundial de Saúde (OMS), por meio da ConvençãoQuadro para Controle do Tabaco (CQTC), em iniciativas que visam à restrição do consumo e da produção de tabaco. Entre estes países, está o Brasil. A adoção de leis antifumo implicou na formação de um cenário divido na região sul. Nos estados do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e do Paraná, localizam-se centenas de comunidades que têm, na cultura do tabaco, a base de sua economia. São 651 municípios produtores, 650 mil pessoas atuando no meio rural e 30 mil postos de trabalho gerados na zona urbana. Considerando a relevância econômica da atividade, este artigo busca examinar como a comunicação institucional atua no posicionamento perante as restrições políticas e sociais enfrentada pelo setor. Para tanto, realizou-se um estudo de caso único de uma empresa exportadora de tabaco do Rio Grande do Sul. A pesquisa apresenta dados econômicos e descrição dos movimentos antitabagistas para contextualizar a situação do mercado. Os fundamentos teóricos são abordados e comparados às estratégias adotadas pela empresa. Entrevistas com funcionárias do setor de comunicação e de materiais impressos (informativos, jornais, revistas e anúncios publicitários) subsidiaram os dados para análise. Através do Método de Adequação ao Padrão, verificou-se a convergência entre conceitos defendidos por autores das áreas de comunicação e de marketing às ações institucionais. Identificou-se que as empresas do setor estão enfrentando dificuldades de comunicação e posicionamento no mercado em função das restrições ao tabaco.
Citação ABNT:
CANDIDO, S. F.; BRAMBILLA, F. R.; GUSATTI, C. E. Desafios da comunicação institucional e do posicionamento no mercado do tabaco perante as restrições ao setor . Revista Capital Científico - Eletrônica, v. 14, n. 3, p. 44-68, 2016.
Citação APA:
Candido, S. F., Brambilla, F. R., & Gusatti, C. E. (2016). Desafios da comunicação institucional e do posicionamento no mercado do tabaco perante as restrições ao setor . Revista Capital Científico - Eletrônica, 14(3), 44-68.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/43378/desafios-da-comunicacao-institucional-e-do-posicionamento-no-mercado-do-tabaco-perante-as-restricoes-ao-setor-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALVES, L. A.; FERRAZ, D. L. S.; MUELLER, R. R. Os impactos da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco na Região Sudeste do Paraná: o caso CEDEJOR. Teoria e Prática em Administração, v. 4, n. 2, p. 1-27, 2014.

BOEIRA, S. L. Indústria de Tabaco versus Cidadania: confronto entre redes organizacionais. Revista de Administração de Empresas, v. 46, n. 3, p. 28-41, 2006.

BOEIRA, S. L.; JOHNS, P. Indústria de Tabaco vs. Organização Mundial da Saúde: um confronto histórico entre redes sociais de stakeholders. Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis, v. 4, n. 1, p. 1-25, 2007.

COBRA, M. H. N. Marketing Básico: uma perspectiva brasileira. 2.ed. São Paulo: Atlas, 1984.

CRESWELL, J. W. Investigação Qualitativa & Projeto de Pesquisa: escolhendo entre cinco abordagens. Porto Alegre: Penso Editora, 2013.

GARÇON, M. M. A Responsabilidade Social Corporativa como Sistema Simbólico: o significado construído e compartilhado pela comunicação institucional. 2010. 143p. (Escola de Comunicações e Artes – Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, 2010.

IKEDA, A. A.; OLIVEIRA, T. M. V. A Comunicação Integrada de Marketing em Apoio ao Posicionamento Baseado em Causas Sociais. Alcance, Univali, v. 10, n. 2, p. 229-257, 2003.

INCA. Desenvolvido pelo Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva. Disponível em: . Acesso em: [10/07/2015].

KAPFERER, J. N. As Marcas, Capital da Empresa. São Paulo: Artmed, 2004.

KOTLER, P.; KELLER, K. L. Administração de Marketing. São Paulo: Pearson, 2006.

KOTLER, P.; PFOERTSCH, W. B2B Gestão de Marcas em Mercados. Porto Alegre: Artmed, 2006.

KUNSCH, M. M. K. Planejamento de Relações Públicas na Comunicação Integrada. São Paulo: Summus Editorial, 2002.

KUNSCH, M.; KUNSCH, W. Relações Públicas Comunitárias: a comunicação em uma perspectiva dialógica e transformadora. São Paulo: Summus Editorial, 2007.

LEE, K.; CHAGAS, L. C.; NOVOTNY, T. E. Brazil and the Framework Convention on Tobacco Control: Global Health Diplomacy as Soft Power. PLoS Medicine, v. 7, n. 4, p. 1-5, 2010.

LOPES, E. L.; ACEVEDO, C. R.; GALEANO, R. Risco, Benefício, Preço, Crença e Autoimagem: uma abordagem multidimensional do comportamento tabagista dos jovens universitários. Revista Alcance, v. 20, n. 2, p. 255-271, 2013.

MAFEI, M.; CECATO, V. Comunicação Corporativa. São Paulo: Contexto, 2011.

MARTINS, G. A. Estudo de Caso: uma reflexão sobre a aplicabilidade em pesquisas no Brasil. RCO: Revista de Contabilidade e Organizações, FEARP/USP, v. 2, n. 2, p. 8-18, 2008.

MELO, L. R. D. Comunicação Empresarial. Curitiba: IESDE Brasil, 2012.

MENGEL, A. A.; DIESEL, V. Globalização, Convenção Quadro para Controle do Tabaco e as Disputas Pelos Rumos dos Territórios Fumicultores. Revista IDeAS, v. 3, n. 2, p. 226-255, 2009.

MINUSSI, L. M. A Construção Social das Normas: A origem da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco e seus impactos no sul do Brasil. (Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais – Dissertação de Mestrado). 2012. 130f. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

MOTA, J. R.; ACEVEDO, C. R.; PRADO, R. A. D. P.; CUNHA, J. A. C.; SILVA, M. A. Impacto do Apelo ao Medo nas Embalagens do Cigarro: a percepção de fumantes em relação às mensagens de advertência antitabagismo. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, v. 12, n. 2, p. 112-125, 2013.

NEVES, M. M. Marketing Social no Brasil: a nova abordagem na era da gestão empresarial globalizada. Rio de Janeiro: E-papers Serviços Editorias Ltda.; 2001.

PINHO, J. B. Publicidade Institucional: uso e funções da propaganda em relações públicas. São Paulo: Summus Editorial, 1990.

PORTAL DA SAÚDE. Desenvolvido pelo Ministério da Saúde. Disponível em: . Acesso em: [12/07/2015].

PORTES, L. H.; MACHADO, C. V. Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco: adesão e implantação na América Latina. Rev Panam Salud Publica, v. 38, n. 5, p. 370-379, 2015.

REGO, F. G. T. Comunicação Empresarial. São Paulo: Summus Editorial, 1986.

REGO, F. G. T. Jornalismo Empresarial: teoria e prática. São Paulo: Summus Editoria, 1984.

RUBIM, A. A. C. Marketing Cultural. In: RUBIM, Linda. (Org.). Organização e Produção da Cultura. p. 53-77. Salvador: EDUFBA, 2005.

SANTAELLA, L. Estratégias Semióticas da Publicidade. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

SANTOS, G. Princípios da Publicidade. Minas Gerais: Editora UFGM, 2005.

SILVA, E. C.; MAZZON, J. A. Orientação de Marketing Social às Campanhas de Saúde da Mulher: uma análise da Região do Grande ABC Paulista. Revista Brasileira de Marketing, v. 14, n. 2, p. 247-259, 2015.

SINDITABACO. Desenvolvido pelo Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco. Apresenta informações sobre a instituição. Disponível em: . Acesso em: [12/07/2015].

TELLES, R. Posicionamento e Reposicionamento de Marca: uma perspectiva estratégica e operacional dos desafios e riscos. Tese de Doutorado. São Paulo: USP, 2004.

TOSCANO, M. P. A Formação do Regime Internacional de Controle do Tabaco: 1999 a 2005. 2006. 135f. (Dissertação de Mestrado em Relações Internacionais). Brasília: Universidade de Brasília, 2006.

VIVEIROS, R. O Signo da Verdade: assessoria de imprensa feita por jornalistas. São Paulo: Summus, 2007.

YIN, R. K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2014.