Analisando as diferenças entre investimentos em atividades de inovação conforme variáveis estratégicas contingenciais em empresas de capital aberto no Brasil Outros Idiomas

ID:
43530
Resumo:
Objetivou-se neste estudo identificar que variáveis definem a inovação nas empresas brasileiras de capital aberto à luz da teoria contingencial. Descritiva e quantitativa, a amostra reúne 150 notas explicativas de 76 empresas que evidenciaram investimentos em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) em 2011 e 2012. Os resultados demonstraram que: (i) a inovação em P&D - exploration - é mais difundida, porém recebe menos investimentos que os ativos intangíveis em inovação (AII) - exploitation; (ii) a média de investimento em P&D é superior em empresas maiores, reguladas e internacionalizadas; (iii) a média de investimento em AII é superior nas empresas internacionalizadas.
Citação ABNT:
SANTOS, J. G. C. D.; CALÍOPE, T. S.; SILVA FILHO, J. C. L. Analisando as diferenças entre investimentos em atividades de inovação conforme variáveis estratégicas contingenciais em empresas de capital aberto no Brasil . Revista Gestão & Tecnologia, v. 16, n. 3, p. 31-57, 2016.
Citação APA:
Santos, J. G. C. D., Calíope, T. S., & Silva Filho, J. C. L. (2016). Analisando as diferenças entre investimentos em atividades de inovação conforme variáveis estratégicas contingenciais em empresas de capital aberto no Brasil . Revista Gestão & Tecnologia, 16(3), 31-57.
DOI:
10.20397/g&t.v16i3.1100
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/43530/analisando-as-diferencas-entre-investimentos-em-atividades-de-inovacao-conforme-variaveis-estrategicas-contingenciais-em-empresas-de-capital-aberto-no-brasil-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Baregheh, A.; Rowley, J.; Sambrook, S. (2009). Towards a multidisciplinary definition of innovation. Management Decision, 47(8), 1323-1339.

Becheikh, N.; Landry, R.; Amara, N. (2006). Lessons from innovation empirical studies in the manufacturing sector: A systematic review of the literature from 1993-2003. Technovation, v. 26, p. 644-664.

Bertero, C. (1998). Nota técnica: teoria da contingência estrutural. In: S. Clegg, C. Hardy & W. Nord (Orgs.). Handbook de estudos organizacionais: modelos e novas questões em estudos organizacionais. pp. 134-136. São Paulo: Atlas.

Bessant, J.; Tidd, J. (2012). Inovação e empreendedorismo. Porto Alegre: Bookman.

Blind, K. (2012). The influence of regulations on innovation: a quantitative assessment for OECD countries. Research Policy, v. 41, p. 391-400.

BM&Fbovespa. (2013). Investimento em P&D. Recuperado de http://www.bmfbovespa.com.br/

Bourreau, M.; Dogan, P. (2001). Regulation and innovation in the telecommunications industry. Telecommunications Policy, v. 25, p. 167-184.

Brito, E.; Brito, L.; Morganti, F. (2009). Inovação e desempenho empresarial: lucro ou crescimento? Revista de Administração de Empresas, v. 8, p. 6-25.

Burns, T.; Stalker, G. M. (1971). The management of innovation. Great Britain: Tavistock Publications.

Castro, A.; Souza, C.; Piscopo, M.; João, B. (2008). Explorando a internacionalização das empresas brasileiras e sua relação com a inovação tecnológica. Revista de Administração da UFSM, v. 1, p. 37-56.

Chaney, P.; Devinney, T.; Winer, R. (1991). The impact of new product introductions on the market value of firms. The Journal of Business, 64(4), 573-610.

Collis, J.; Hussey, R. (2005). Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2a ed. Porto Alegre: Bookman.

Donaldson, L. (1998). Teoria da contingência estrutural. In: S. Clegg, C. Hardy & W. Nord (Orgs.). Handbook de estudos organizacionais: modelos e novas questões em estudos organizacionais. pp. 105-133. São Paulo: Atlas.

Durnev, A.; Kim, E. (2005). To steal or not to steal: firm attributes, legal environment, and valuation. The Journal of Finance, 60(3), 1461-1493.

Fagundes, J.; Petri, M.; Rodrigues, M.; Lavarda, C. E. F.; Soller, C. C. (2010). Estrutura organizacional e gestão sob a ótica da teoria da contingência. Gestão & Regionalidade, 26(78), 52-63.

Fávero, L.; Belfiore, P.; Silva, F.; Chan, B. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. 4a ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Freeman, C.; Soete, L. (2008). A economia da inovação industrial. Campinas: Editora Campinas.

Furtado, A.; Quadros, R.; Domingues, S. (2007). Intensidade de P&D das empresas brasileiras. Inovação Uniemp, 3(6), 26-27.

Galende, J.; Fuente, J M de la. (2003). Internal factors determining a firm’s innovative behaviour. Research Policy, 32(5), 715-736.

Geiger, S.; Makri, M. (2006). Exploration and exploitation innovation processes: The role of organizational slack in R & D intensive firms. The Journal of High Technology Management Research, v. 17, p. 97-108.

Gilsing, V.; Nooteboom, B. (2006). Exploration and exploitation in innovation systems: the case of pharmaceutical biotechnology. Research Policy, v. 35, p. 1-23.

Gonçalves, C.; Filho, Veit, M.; Monteiro, P. (2013). Inovação, estratégia, orientação para o mercado e empreendedorismo: identificação de clusters de empresas e teste de modelo de predição do desempenho nos negócios. Revista de Administração e Inovação, 10(2), 81-101.

Greve, H. (2007). Exploration and exploitation in product innovation. Industrial & Corporate Change, 16(5), 945-975.

Hansen, J. (1992). Innovation, firm size, and firm age. Small Business Economics, v. 4), p. 37-44.

Himmelberg, C.; Hubbard, R.; Palia, D. (1999). Understanding the determinants of managerial ownership and the link between ownership and performance. Journal of Financial Economics, v. 53), p. 353-384.

Huergo, E.; Jaumandreu, J. (2004). Firms’ age, process innovation and productivity growth. International Journal of Industrial Organization, v. 22, p. 541-559.

Hunt, S.; Morgan, R. (1995). The comparative advantage theory of competition. Journal of Marketing, v. 59, p. 1-15.

Itami, H.; Numagami, T. (1992). Dynamic interaction between Strategy and technology. Strategic Management Journal, v. 13, p. 119-135.

Kafouros, M.; Buckley, P.; Sharp, J.; Wang, C. (2008). The role of internationalization in explaining innovation performance. Technovation, v. 28, p. 63-74.

Kannebley Jr, S.; Porto, G.; Pazello, E. (2004). Inovação na indústria brasileira: uma análise exploratória a partir da PINTEC. Revista Brasileira de Inovação, 3(1), 87-128.

Kayo, E. (2002). A estrutura de capital e o risco das empresas tangível e intangívelintensivas. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Kayo, E.; Kimura, H.; Martin, D. & Nakamura, W. (2006). Ativos intangíveis, ciclo de vida e criação de valor. Revista de Administração Contemporânea, 10(3), 73-90.

Kayo, E.; Teh, C.; Basso, L. (2006). Ativos intangíveis e estrutura de capital: a influência das marcas e patentes sobre o endividamento. Revista de Administração, 41(2), 158-168.

Kim, Y. (2013). Environmental, sustainable behaviors and innovation of firms during the financial crisis. Business Strategy and the Environment, v. 24, p. 58-72. doi: 10.1002/bse.1811.

Kneller, R.; Manderson, E. (2012). Environmental regulations and innovation activity in UK manufacturing industries. Resource and Energy Economics, v. 34, p. 211-235.

Laforet, S. (2013). Organizational innovation outcomes in SMEs: Effects of age, size, and sector. Journal of World Business, v. 48, p. 490-502.

Lev, B. (2001). Intangibles: management, measurement, and reporting. Washington: Brookings Institution Press.

Lima, A.; Carmona, C. (2011). Determinantes da formação do capital intelectual nas empresas produtoras de tecnologia da informação e comunicação. Revista de Administração Mackenzie, 12(1), 112-138.

Low, J.; Kalafut, P. (2003). Vantagem invisível: como os intangíveis conduzem o desempenho da empresa. Porto Alegre: Bookman.

March, J. (1991). Exploration and exploitation in organizational learning. Organization Science, v. 2, p. 71-87.

O’brien, J. (2003). The capital structure implications of pursuing a strategy of innovation. Strategic Management Journal, v. 24, p. 415-431.

Organisation for Economic Co-operation and Development. (2005). Oslo Manual: guidelines for collecting and interpreting innovation data. 3a ed. Paris: OECD.

Oyadomari, J.; Mendonça, O.; Neto, Cardoso, R.; Dultra-de-Lima, R. (2013). Fatores indutores de inovação e manutenção de práticas de controle gerencial: um estudo exploratório. Revista Universo Contábil, 9(2), 125-141.

Pacagnella Jr, A.; Porto, G. (2012). Análise dos fatores de influência na propensão à inovação da indústria paulista. Revista Brasileira de Inovação, 11(2), 333-364.

Pereira, A.; Dathein, R. (2012). Processo de aprendizado, acumulação de conhecimento e sistemas de inovação: a “co-evolução das tecnologias físicas e sociais” como fonte de desenvolvimento econômico. Revista Brasileira de Inovação, 11(1), 137-166.

Pitassi, C. (2012). Inovação aberta na perspectiva das empresas brasileiras de base tecnológica: proposta de articulação conceitual. Revista de Administração e Inovação, 9(3), 77-102.

Porter, M. (1990). The competitive advantage of nations. Harvard Business Review, 68(2), 79-81.

Sampieri, R.; Collado, C.; Lucio, P. (2013). Metodologia de pesquisa. 3a ed. São Paulo: McGraw-Hill.

Santos, J. dos; Vasconcelos, A.; Luca, M. De. (2013). Perfil da inovação e da internacionalização de empresas transnacionais. Revista de Administração e Inovação, v. 10, p. 189-2011.

Schumpeter, J. (1988). Teoria do desenvolvimento econômico. 3a ed. São Paulo: Nova Cultural.

Shefer, D.; Frenkel, A. (2005). R&D, firm size and innovation: an empirical analysis. Technovation, v. 25, p. 25-32.

Silveira, A.; Barros, L. (2008). Determinantes da qualidade da governança corporativa das companhias abertas brasileiras. Revista Eletrônica de Administração, 14(3), 1-29.

Silveira, J.; Oliveira, M. (2013). Inovação e desempenho organizacional: um estudo com empresas brasileiras inovadoras. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 8(2), 64-88.

Singh, D.; Gaur, A. (2013). Governance structure, innovation and internationalization: evidence from India. Journal of International Management, v. 19, p. 300-309.

Souza, E.; Menezes, R.; Franco, C.; Batista, P. (2013). Inovação como mecanismo de fuga do isomorfismo organizacional. Revista Gestão & Tecnologia, 13(2), 72-93.

Stal, E. (2010). Internacionalização de empresas brasileiras e o papel da inovação na construção de vantagens competitivas. Revista de Administração e Inovação, 7(3), 120-149.

Tidd, J. (2001). Innovation management in context: environment, organization and performance. International Journal of Management Reviews, 3(3), 169-183.

Tidd, J.; Bessant, J.; Pavitt, K. (2008). Gestão da inovação. 3a ed. Porto Alegre: Bookman.

Tigre, P. (2006). Gestão da inovação: a economia da tecnologia no Brasil 7a ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Whitley, R. (2000). The institutional structuring of innovation strategies: business systems, firms types and patterns of technical change in different market economies. Organization Studies, 21(5), 855-886.

Zemplinerová, A.; Hromádková, E. (2012). Determinants of Firm’s Innovation. Prague Economic Papers, 21(4), 487-503.