Iseb, uma escola de governo: desenvolvimentismo e a formação de técnicos e dirigentes Outros Idiomas

ID:
43685
Autores:
Resumo:
Este artigo investiga a atuação do Instituto Superior de Estudos Brasileiros (Iseb) como instituição federal de ensino e pesquisa com base no conceito de desenvolvimentismo da área de história do pensamento econômico brasileiro (HPEB). O desenvolvimentismo é o fio condutor para a investigação historiográfica utilizada nesta pesquisa. O Iseb atuou como uma escola de governo que, através do seu Curso Regular, formou técnicos e dirigentes em nível de pós-graduação, e produziu pesquisas que embasaram políticas públicas. Técnicos e dirigentes era a designação dada aos gestores públicos na época. As proposições do Iseb fazem parte da tradição do pensamento social crítico brasileiro e influenciaram a administração pública, tanto na formação de profissionais quanto nas decisões de dirigentes. Destarte, o Iseb está inserido na história da educação em administração e o resgate de sua atuação como uma escola de governo, que atuou de forma autônoma e independente, pode colaborar para a discussão atual — e perene — sobre o papel do Estado e, em particular, do administrador público.
Citação ABNT:
WANDERLEY, S.Iseb, uma escola de governo: desenvolvimentismo e a formação de técnicos e dirigentes . Revista de Administração Pública, v. 50, n. 6, p. 913-936, 2016.
Citação APA:
Wanderley, S.(2016). Iseb, uma escola de governo: desenvolvimentismo e a formação de técnicos e dirigentes . Revista de Administração Pública, 50(6), 913-936.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/0034-7612150061
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/43685/iseb--uma-escola-de-governo--desenvolvimentismo-e-a-formacao-de-tecnicos-e-dirigentes-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABREU, Alzira A. Nationalisme et action politique au Brésil: une étude sur l’Iseb. Tese (doutorado de 3. ciclo) - Université René-Descartes - Paris V, Paris, 1975.

ALCADIPANI, Rafael; BERTERO, Carlos. Guerra Fria e ensino do management no Brasil: o caso da FGV-Eaesp. RAE - Revista de Administração de Empresas, v. 52, n. 3, p. 284-299, 2012.

ALCADIPANI, Rafael; BERTERO, Carlos. Uma escola norte-americana no ultramar?Uma historiografia da Eaesp. RAE - Revista de Administração de Empresas, v. 54, n. 2, p. 154-169, 2014.

ALCADIPANI, Rafael; CALDAS, Miguel. Americanizing Brazilian management. Critical Perspectives on International Business, v. 8, n. 1, p. 37-55, 2012.

BARIANI, Edson. Uma intelligentsia nacional: Grupo de Itatiaia, Ibesp e os Cadernos do Nosso Tempo. Caderno CRH, v. 18, n. 44, p. 249-256, 2005.

BARROS, Amon; CARRIERI, Alexandre. Ensino superior em administração entre os anos 1940 e 1950: uma discussão a partir dos acordos de cooperação Brasil-Estados Unidos. Cad. EBAPE.BR, v. 11, n. 2, p. 256-273, 2013.

BARROS, Amon. Uma narrativa sobre a história dos cursos de administração da Face-UFMG: às margens do mundo e à sombra da FGV? Tese (doutorado em administração) - Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013.

BERTERO, Carlos. Ensino e pesquisa em administração. São Paulo: Thomson, 2006.

BIELSCHOWSKY, Ricardo. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Ipea/Inpes, 1988.

BONEMY, Helena; MOTTA, Marly (Org.). A escola que faz escola Ebape 50 anos: Depoimentos ao CPDOC. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2002.

BONILLA, Frank. A national ideology for development: Brazil. In: SILVERT, K. H. Expectant peoples: nationalism and development. p. 232-264. Nova York: Random House, 1962.

BRASIL. Decreto Lei n° 37.608 de 14/7/1955. Caixa 292, maço 13. Arquivo Nacional, 1955b.

BRASIL. Discurso do presidente Juscelino Kubitschek ao paraninfar a turma de estagiários do Instituto Superior de Estudos Brasileiros - em 19 de dezembro de 1956. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2014. 1956.

BRASIL. Discurso do presidente Juscelino Kubitschek no ato de inauguração da nova sede do Instituto Superior de Estudos Brasileiros (Iseb) sobre suas finalidades - em 8 de agosto de 1957. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2014. 1957.

BRASIL. Exposição de Motivos n. 627 de 13/7/1955 do ministro Candido Mota Filho para a criação do Instituo Superior de Estudos Brasileiros - Iseb. Caixa 292, maço 13. Arquivo Nacional, 1955.

BRASIL. Mensagem ao Congresso Nacional do Presidente Getúlio Vargas por ocasião a abertura da sessão legislativa de 1951. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2014.

CAPES. Boletim Capes, n. 18, 1954.

CAPES. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Disponível em: . Acesso em: 25 set.2014.

CNT. Cadernos do Nosso Tempo. Instituto Brasileiro de Economia, Sociologia e Política - Ibesp, n. 2, jan./jun. 1954.

CNT. Cadernos do Nosso Tempo. Instituto Brasileiro de Economia, Sociologia e Política - Ibesp, n. 3, jan./mar. 1955.

CNT. Cadernos do Nosso Tempo. Instituto Brasileiro de Economia, Sociologia e Política - Ibesp, n. 5, jan./mar. 1956.

COELHO, Fernando. Educação superior, formação de administradores e setor público: um estudo sobre o ensino de administração pública - em nível de graduação - no Brasil. Tese (doutorado em administração pública e governo) - Escola de Administração de São Paulo, Fundação Getulio Vargas, São Paulo, 2006.

COSTA, Alessandra; BARROS, Denise; MARTINS, Paulo. E. Perspectiva histórica em administração: novos objetos, novos problemas, novas abordagens. RAE - Revista de Administração de Empresas, v. 50, n. 3, p. 288-299, 2010.

COSTA, Alessandra. História e administração: novas teorias e práticas de pesquisa. RAE - Revista de Administração de Empresas, v. 54, n. 6, p. 718, 2014.

CURADO, Isabel. O desenvolvimento dos saberes administrativos em São Paulo: uma análise histórica. Tese (doutorado em administração) - Fundação Getulio Vargas, São Paulo, 2001.

DINIZ, Eli. Empresário, Estado e capitalismo no Brasil: 1930-1945. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

DRAIBE, Sônia. Rumos e metamorfoses: Estado e industrialização no Brasil 1930/1960. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

EBAPE. Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas. Disponível em: . Acesso em: 27 set.2014.

FISCHER, Tânia. O ensino da administração pública no Brasil, os ideais do desenvolvimento e as dimensões da racionalidade. Tese (doutorado em administração) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 1984.

FISCHER, Tânia; WAIANDT, Claudiani; FONSECA, Renata. A história do ensino em administração: contribuições teórico-metodológicas e uma proposta de agenda de pesquisa. Rev. Adm. Pública, v. 45, n. 4, p. 911-939, 2011.

FONSECA, Pedro C. Desenvolvimentismo: a construção do conceito. UFRGS/DECON, work in progress. Disponível em: . Acesso em: 20 set.2013.

FURTADO, Celso. A fantasia organizada. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

HOLLANDA, Cristina B. Os Cadernos do Nosso Tempo e o interesse nacional. Dados - Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 55, n. 3, 2012, p. 607-640, 2012.

ISEB. Relatório sucinto das atividades do Instituto Superior de Estudos Brasileiros - Iseb, durante o período de janeiro de 1956 a novembro de 1960. Biblioteca Nacional; Seção de Manuscritos; Arquivo INL (Instituto Nacional do Livro) (52, 30, 49), 1960.

JAGUARIBE, Hélio. Iseb - um breve depoimento e uma reapreciação crítica. Cadernos de Opinião, n. 14, p. 94-110, 1979.

KIESER, Alfred. The Americanization of academic management education in Germany. Journal of Management Inquiry, v. 13, n. 2, p. 90-97, 2004.

KUBITSCHEK, Juscelino et al. Discursos: solenidade de encerramento do curso regular de 1956 e diplomação dos estagiários da turma “Barão de Mauá”. Rio de Janeiro: Iseb, 1957.

LOUREIRO, Maria Rita. A participação dos economistas no governo. Análise, v. 17, n. 2, p. 345359, 2006.

MACHADO, Marina. O ensino de administração pública no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 1966.

MARTINS, Luciano. Pouvoir et dévelopment économique: formation et evolution des structures politiques au Brésil. Paris: Editions Antropos, 1976.

MENDES, Candido. Iseb fundação e ruptura. In: TOLEDO, Caio N. de (Org.). Intelectuais e política no Brasil: a experiência do Iseb. p. 13-30. Rio de Janeiro: Revan, 2005.

Nd. Nd. REVISTA DE ESTUDOS POLÍTICOS, n. 4, 2012/01. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2014.

NICOLINI, Alexandre. Aprender a governar: aprendizagem formal e informal no contexto de carreiras do governo. Tese (doutorado em administração) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2007.

OLIVEIRA, Maria T. C. A “educação ideológica” no projeto de desenvolvimento nacional do Iseb (1955-1964). Tese (doutorado) - Departamento de Educação, Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, 2006.

PAIVA, Vanilda. Paulo Freire e o nacionalismo-desenvolvimentista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.

PIERANTI, Octávio. A metodologia historiográfica na pesquisa em administração: uma discussão acerca de princípios e sua aplicabilidade no Brasil contemporâneo. Cad. EBAPE.BR, v. 6, n. 1, p. 1-12, 2008.

RAMOS, Guerreiro. A redução sociológica (introdução ao estudo da razão sociológica). Rio de Janeiro: Iseb, 1958.

RAMOS, Guerreiro et al. Introdução aos problemas brasileiros. Rio de Janeiro: Iseb, 1956.

SCHWARTZMAN, Simon. Introdução. In: SCHWARTZMAN, Simon (Org.). O pensamento nacionalista e os Cadernos do Nosso Tempo. p. 3-6. Brasília: UnB; Câmara dos Deputados, 1981.

SODRÉ, Nelson W. A verdade sobre o Iseb. Rio de Janeiro: Avenir, 1978.

SOUZA, Eda C. L. A capacitação administrativa e a formação de gestores governamentais. Rev. Adm. Pública, v. 36, n. 1, p. 73-88, 2002.

TAYLOR, Donald A. Institution building in business administration: the Brazilian experience. Michigan: East Lansing/Michigan; MSU International Business and Economic Research, 1969.

TOLEDO, Caio N. de. Iseb: fábrica de ideologias. São Paulo: Ática, 1977.

ÜSDIKEN, Behlül. Americanization of European management education in historical and comparative perspective. Journal of Management Inquiry, v. 13, n. 2, p. 87-89, 2004.

VIZEU, Fabio. Management no Brasil em perspectiva histórica: o projeto do Idort nas décadas de 1930 a 1940. Tese (doutorado em administração) - Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getulio Vargas, São Paulo, 2008.

VIZEU, Fabio. Potencialidades da análise histórica nos estudos organizacionais brasileiros. RAE - Revista de Administração de Empresas, v. 50, n. 1, p. 37-47, 2010b.

VIZEU, Fabio. (Re)contando a velha história: reflexões sobre a gênese do management. Revista de Administração Contemporânea, v. 14, n. 5, p. 780-797, 2010.

WAIANDT, Claudiani A. O ensino dos estudos organizacionais nos cursos de pós-graduação stricto sensu em administração. Tese (doutorado em administração) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009.

WANDERLEY, Sergio. Desenvolviment(ism)o, descolonialidade e a geo-história da administração no Brasil: a atuação da Cepal e do Iseb como instituições de ensino e pesquisa em nível de pós-graduação. Tese (doutorado em administração) - Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, Rio de Janeiro, 2015.