Gestão Empresarial e Inovação: uma Análise sobre os Determinantes da Inovação em Micro e Pequenas Empresas do Setor de Alimentos e Bebidas Outros Idiomas

ID:
44021
Resumo:
A capacidade inovadora desenvolvida por micro e pequenas empresas (MPEs) pode ser determinante para o sucesso delas no mercado. Neste artigo, o objetivo é analisar a relação entre o grau de inovação e o nível de gestão de MPES do setor de alimentos e bebidas. Para tanto, a perspectiva holística de inovação proposta pelo radar da inovação desenvolvido por Sawhney, Wolcott e Arroniz (2006) foi adotada tendo-se como base as oito dimensões do modelo de excelência em gestão. Por meio de regressão linear múltipla, foi possível verificar quais dimensões de gestão impactam o grau de inovação dessas empresas. Os resultados indicam que as dimensões clientes, sociedade, informação e conhecimento e processos são as principais determinantes da inovação nas micro e pequenas empresas do setor de alimentos e bebidas estudadas. O estudo contribui para literatura ao identificar que, apesar de todas as dimensões do modelo de excelência em gestão serem indicadas como relevantes no processo de inovação das MPES, para o mercado analisado, elas tendem a sofrer variações, sendo mais relevante a dimensão informação e conhecimento.
Citação ABNT:
VASCONCELOS, R. B. B.; MELLO, P. R. C. B.; MELO, F. V. S. Gestão Empresarial e Inovação: uma Análise sobre os Determinantes da Inovação em Micro e Pequenas Empresas do Setor de Alimentos e Bebidas . Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, v. 8, n. 3, p. 166-199, 2016.
Citação APA:
Vasconcelos, R. B. B., Mello, P. R. C. B., & Melo, F. V. S. (2016). Gestão Empresarial e Inovação: uma Análise sobre os Determinantes da Inovação em Micro e Pequenas Empresas do Setor de Alimentos e Bebidas . Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, 8(3), 166-199.
DOI:
10.7444/future.v8i3.278
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/44021/gestao-empresarial-e-inovacao--uma-analise-sobre-os-determinantes-da-inovacao-em-micro-e-pequenas-empresas-do-setor-de-alimentos-e-bebidas-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Barras, R. (1986). Towards a theory of innovation in services. Research Policy, 15(4), 161-173.

Bento, M. H. S.; Schmidt, A. S.; Nogueira, C. U.; Nogueira, H. M. C. M. (2014). Sistema integrado de gestão: compatibilização do Modelo de Excelência em Gestão (MEG) com o Modelo de Excelência em Inovação (MEI). Desafio Online, 2(2), 674-692.

Bignetti, L. P. (2006). Gestão de tecnologia e inovação: uma análise de autores, vertentes teóricas e estratégias metodológicas predominantes em trabalhos apresentados nos Encontros da ANPAD. Anais do Encontro Nacional da Associação de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 30, Salvador, BA, Brasil.

Cainelli, G.; Evangelista, R.; Savona, M. (2006). Innovation and economic performance in services: a firm-level analysis. Cambridge Journal of Economics, 30(3), 435-458.

Canepa, A.; Stoneman, P. (2007). Financial constrains to innovation in UK: evidence from CIS2 and CIS3. Oxford Economic Papers, 60(4), 711730.

Chen, J.; Tsou, H.; Huang, A. (2009). Service delivery innovation: antecedents and impact on firm performance. Journal of Service Research, 12(1), 36-55.

Chen, Y.; Podolski, E.; Veeraraghavan, M. (2015). Does managerial skill facilitate corporate innovative success? Journal of Empirical Finance, (34), 313-326.

Damanpour, F.; Schneide, R. M. (2008). Characteristics of innovation and innovation adoption in public organizations: assessing the role of managers. Journal of Public Adminstration Research and Theory, 19(3), 495-522.

Exame. (2013). Pesquisa mapeia inovação nas pequenas empresas. Recuperado em 14 de novembro, 2015, de http://exame.abril.com.br/pme/noticias/pesquisa-mapeia-inovacao-naspequenas-empresas.

Field, A. (2009). Descobrindo a estatística usando o SPSS. 2a ed. porto Alegre: Artmed.

Fundação Nacional da Qualidade - FNQ. (2005). Rumo à excelência 2006: critérios para avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional. São Paulo: FNQ.

Fundação Nacional da Qualidade - FNQ. (2013). Modelo de excelência da gestão. São Paulo: FNQ. Recuperado em 10 de novembro, 2015, de http://fnq.org.br/e-book_MEG.pdf.

Gebauer, H.; Krempi, R.; Fleisch, E.; Frideli, T. (2008). Innovation of product-related services. Managing Service Quality, 18(4), 387-404.

Gomes, C. M.; Kruglianskas, I. (2009). A influência do porte no comportamento inovador da empresa. Revista de Administração e Inovação, 6(2), 5-27.

Grynzpan, F. (2007). O investimento privado em P&D pela indústria de transformação no Brasil. Anais do Seminário Internacional sobre Avaliação de Políticas de Ciência, Tecnologia e Inovação, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Holmstrom, B. (1989). Agency costs and innovation. Journal of Economical Behavior and Organizations, 12(3), 305-327.

Meza, M. L. F. G. (2009). O processo de gestão de inovação alinhado à estratégia de competição numa micro e pequena empresa: o caso da Cristófoli Biossegurança. Anais do Encontro de Estudos de Estratégia, 15, Recife, PE, Brasil.

Molina-Palma, M. A. (2004). A capacidade de inovação como formadora de valor: análise dos vetores de valor em empresas brasileiras de biotecnologia. Tese de Doutorado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo: SP, Brasil.

Neely, A.; Hii, J. (1998). Innovation and business performance: a literature review. Government Office of Easten Region. Cambridge: University of Cambridge.

Oliveira, M. R. G.; Cavalcanti, A. M.; Brito Filho, J. P.; Torres, D. B.; Mattos, S. M. (2011). Grau de inovação setorial: uma abordagem a partir do radar de inovação. Anais do Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 31, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Oliveira, M. R. G.; Cavalcanti, A. M.; Paiva Júnior, F. G.; Marques, D. B. (2014). Mensurando a inovação por meio do grau de inovação setorial e do característico setorial de inovação. Revista de Administração e Inovação, 11(1), 115-137.

Organizations for Economic Cooperation and Development - OECD. (2005). Manual de Oslo. 3a ed. Rio de Janeiro: Finep/OCDE,

Panesar, S.; Markeset, T. (2008). Development of a framework for industrial service innovation management and coordination. Journal of Quality in Maintenance Engineering, 14(2), 177-193.

Paredes, B. J. B.; Santana, G. A.; Fell, A. F. A. (2014). Um estudo da aplicação do Radar da Inovação: o grau de inovação organizacional em uma empresa de pequeno porte do setor metal-mecânico. Navus Revista de Gestão e Tecnologia, 4(1), 76-88.

Paswan, A.; D´Souza, D.; Zolfagharian, M. (2009). Toward a contextually anchored service innovation typology. Decision Sciences, 49(3), 513540.

Perin, M.; Sampaio, C.; Hooley, G. (2007). Impacto dos recursos da empresa na performance de inovação. Revista de Administração de Empresas - RAE, 47(4), 46-58.

Porter, M. E. (1989). Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. 17a ed. Rio de Janeiro: Campus.

Porter, M. E. (1993). A vantagem competitiva das nações. Rio de Janeiro: Campus.

Póvoa, L. M. C.; Monsueto, S. E. (2012). Tamanho das empresas, interação com universidades e inovação. Revista de Economia, 37(4), 924.

Prajogo, D. I. (2006). The relationship between innovation and business performance: a comparative study between manufacturing and service firms. Knowledge and Process Management, 13(3), 218-225.

Quadros, R. (2005). Padrões de gestão da inovação tecnológica em empresas brasileiras: as diferenças por tamanho, nacionalidade e setor de negócios (Relatório de Pesquisa), Campinas, SP, Universidade Estadual de Campinas.

Sawhney, M.; Wolcott, R. C.; Arroniz, I. (2006). The 12 different ways for companies to innovate.MIT Sloan Management Review, 47(3), 75-81.

Schumpeter, J. A. (1988). A teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Nova Cultural.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. (2015). Questionário de autoavaliação: o talento brasileiro com apoio total para se desenvolver. São Paulo: Sebrae.

Souza, J. J.; Bastos, A. V. B. (2009). Programas de qualidade de vida no trabalho em contextos diferenciados de inovação: uma análise multivariada. Revista Eletrônica de Administração - REAd, 15(2).

Sutthijakra, S. (2011). Managing service subsidiaries through an innovation perspective: a case of standard interpretation in multinational hotels. The Service Industries Journal, 31(4), 545-558.

Symeonidis, G. (1996). Innovation, firm size and market structure: schumpeterian hypothesis and some new themes. January. OECD Economics Department Working Papers 161.

Zaheer, A.; Bell, G. G. (2005). Benefiting from network position: firm capabilities, structural holes and performance. Strategic Management Journal, 26(9), 809-826.

Bachmann, D. L.; Destefani, J. H. (2008). Metodologia para estimar o grau das inovações nas MPE. Curitiba: Bachmann & Associados.

Santa, R.; Scavarda, A.; Zhao, F.; Skoko, H. (2011). Managing the operational effectiveness in services using technological innovation. International Journal of e-Business Management, 5(1), 16-32.