Influência da Governança Corporativa nos Stakeholders das Entidades Esportivas Outros Idiomas

ID:
44090
Periódico:
Resumo:
A governança corporativa tem como objetivo minimizar os conflitos de agência, que se manifestam inclusive no esporte, ou seja, o conceito da governança também se centra nas entidades esportivas, mesmo que ainda seja com características embrionárias. Diante disso, o objetivo deste estudo foi avaliar a influência da governança corporativa nos stakeholders das entidades esportivas. Para tanto, investigou-se oito entidades esportivas, por meio do método de estudo de caso múltiplo, entrevistando 13 dirigentes. Para a análise dos dados, utilizou-se primeiramente a análise intra-casos e a posteriori a análise inter-casos. Observou-se que, os dirigentes entrevistados das entidades esportivas objeto de estudo foram unânimes em afirmar e confirmar que a governança corporativa, por meio de seus princípios balizadores, em especial a transparência, é essencial, e que, portanto, exerce influência positiva nos stakeholders das suas respectivas entidades, correndo o risco de descontinuidade, caso os stakeholders não percebam a existência, adoção e/ou aplicação das boas práticas nestas entidades.
Citação ABNT:
RIBEIRO, H. C. M.Influência da Governança Corporativa nos Stakeholders das Entidades Esportivas . Revista Pretexto, v. 17, n. 3, p. 40-56, 2016.
Citação APA:
Ribeiro, H. C. M.(2016). Influência da Governança Corporativa nos Stakeholders das Entidades Esportivas . Revista Pretexto, 17(3), 40-56.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21714/pretexto.v17i3.3124
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/44090/influencia-da-governanca-corporativa-nos-stakeholders-das-entidades-esportivas-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALMEIDA, M. A. et al. Evolução da qualidade das práticas de governança corporativa: um estudo das empresas brasileiras de capital aberto não listadas em bolsa. Revista de Administração Contemporânea, v. 14, n. 5, p. 907-924, 2010.

ANDRADE, L. P. de. et al. Governança corporativa: uma análise da relação do Conselho de Administração com o valor de mercado e desempenho das empresas brasileiras. Revista de Administração Mackenzie, v. 10, n. 4, p. 4-31, 2009.

AZEVEDO, H. de et al. Código de conduta: grau de adesão às recomendações do IBGC pelas empresas listadas na

BOGONI, N. M. et al. Proposta de um modelo de relatório de administração para o setor público baseado no parecer de orientação n. 15/87 da Comissão de Valores Mobiliários: um instrumento de governança corporativa para a administração pública. Revista de Administração Pública, v. 44, n. 1, p. 119-142, 2010.

BRESSAN, F. O método do estudo de caso. Administração On Line, v. 1, n. 1, 2000.

BUCK, T.; FILATOTCHEV, I.; WRIGHT, M. Agents, stakeholders and corporate governance in Russian firms. Journal of Management Studies, v. 35, n. 1, p. 81-104, 1998.

CAMILO, S. P. O.; MARCON, R.; BANDEIRA-DE-MELLO, R. Conexões políticas e desempenho: um estudo das firmas listadas na BM&F Bovespa. Revista de Administração Contemporânea, v. 16, n. 6, p. 784-805, 2012.

CAMPOMAR, M. C. Do uso de “estudo de caso” em pesquisas para dissertações e teses em Administração. Revista de Administração da USP, v. 26, n. 3, p. 95-97, 1991.

CARVER, J. A case for global governance theory: practitioners avoid it, academics narrow it, the world needs it. Corporate Governance: An International Review, v. 18, n. 2, p. 149-157, 2010.

CHEN, W. P. e al. Corporate governance and equity liquidity: analysis of s&p transparency and disclosure rankings. Corporate Governance: An International Review, v. 15, n. 4, p. 644-660, 2007.

CHEUNG, Y. et al. Does corporate governance predict future performance? Evidence from Hong Kong. Financial Management, v. 40, n. 1, p. 159-197, 2011.

CORREIA, L. F.; AMARAL, H. F.; LOUVET, P. Um índice de avaliação da qualidade da governança corporativa no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, v. 22, n. 55, p. 45-63, 2011.

DANTAS, M. G. da S.; BOENTE, D. R. A eficiência financeira e esportiva dos maiores clubes de futebol europeus utilizando a análise envoltória de dados. Revista de Contabilidade e Organizações, v. 5, n. 13, p. 75-90, 2011.

DE GRAAF, F. J.; HERKSTROTER, C. A. J. How corporate social performance is institutionalised within the governance structure. Journal Of Business Ethics, v. 74, n. 2, p. 177-189, 2007.

DINU, E. Corporate governance. Amfiteatru Economic, v. 10, n. 23, p. 257-259, 2008.

DONAHUE, J. D. On collaborative governance. Working Paper of the Corporate Social Responsibility Initiative, 2004.

FALEYE, O.; TRAHAN, E. A. Labor-friendly corporate practices: is what is good for employees good for shareholders? Journal of Business Ethics, v. 101, n. 1, p. 1-27, 2011.

FARIA, A.; SAUERBRONN, F. F. A responsabilidade social é uma questão de estratégia? Uma abordagem crítica. Revista de Administração Pública, v. 42, n. 1, p. 07-33, 2008.

FASSIN, Y. A dynamic perspective in Freeman’s stakeholder model. Journal of Business Ethics, v. 96, p. 39-49, 2010.

FASSIN, Y. Imperfections and shortcomings of the stakeholder model´s graphical representation. Journal of Business Ethics, n. 80, p. 879-888, 2008.

FASSIN, Y.; ROSSEM, A. V. Corporate governance in the debate on CSR and ethics: sensemaking of social issues in management by authorities and CEOs. Corporate Governance: An International Review, v. 17, n. 5, p. 573-593, 2009.

FASSIN, Y. Stakeholder management, reciprocity and stakeholder responsibility. Journal of Business Ethics, v. 109, n. 1, p. 83-96, 2012.

FERKINS, L. Developing strategic capability in national sport organizations. Deakin University: Australia, 2007.

FERKINS, L.; MCDONALD, G.; SHILBURY, D. A model for improving board performance: the case of a national sport organisation. Journal of Management & Organization, v. 16, n. 4, p. 601-621, 2010.

FERKINS, L.; SHILBURY, D. Good boards are strategic: what does that mean for sport governance? Journal of Sport Management, v. 26, n. 1, p. 67-80, 2012.

FERKINS, L.; SHILBURY, D.; MCDONALD, G. Board involvement in strategy: advancing the governance of sport organizations. Journal of Sport Management, v. 23, n. 3, p. 245-277, 2009.

FERKINS, L.; SHILBURY, D.; MCDONALD, G. The role of the board in building strategic capability: towards an integrated model of sport governance research. Sport Management Review, v. 8, p. 195-225, 2005.

FILHO, J. R.; PICOLIN, L. M. Governança corporativa em empresas estatais: avanços, propostas e limitações. Revista de Administração Pública, v. 42, n. 6, p. 1163-1188, 2008.

FREEMAN, R, E. Strategic management: a stakeholder approach. Boston: Pitman, 1984.

FRIEDMAN, A. L.; MILES, S. Developing stakeholder theory. Journal of Management Studies, v. 39, n. 1, p. 1-21, 2002.

GIRGINOV, V. Governance of the London 2012 olympic games legacy. International Review for the Sociology of Sport, v.47, n. 5, p. 543-558, 2012.

GOMES, R. C. Who are the relevant stakeholders to the local government context? empirical evidences on environmental influences in the decision-making process of english local authorities. Brazilian Administration Review, v. 1, n. 1, p. 34-52, 2004.

GONÇALVES, J. C. de S.; CARVALHO, C. A. A mercantilização do futebol brasileiro: instrumentos, avanços e resistências. Cadernos EBAPE.BR, v. 4, n. 2, p. 1-27, 2006.

GROENEVELD, M. European sport governance, citizens, and the state: finding a (co-) producive balance for the twentyfirst century. Public Management Review, v. 11, n. 4, p. 421-440, 2009.

HILL, C. W. L.; JONES, T. M. Stakeholder-agency theory. Journal of Management Studies, v. 29, n. 2, p. 131-154, 1992.

HIMMELBERG, C. P.; HUBBARD, R. G.; PALIA, D. Understanding the determinants of managerial ownership and the link between ownership and performance. Journal of Financial Economics, v. 53, p. 353-384, 1999.

HOLM, C.; SCHOLER, F. Reduction of asymmetric information through corporate governance mechanisms – the important of ownership dispersion and exposure toward the international capital market. Corporate Governance: An International Review, v. 18, n. 1, p. 32-47, 2010.

HOLT, M. UEFA, governance, and the control of club competition in european football. Birkbeck Sport Business Centre, v. 2, n. 1, p. 1-191, 2009.

HOYE, R.; CUSKELLY, G. Sport governance. Sydney: Elsevier, 2007.

JANSSON, E. The stakeholder model: the influence of the ownership and governance structures. Journal of Business Ethics, v. 56, p. 1-13, 2005.

JENSEN, M. C.; MECKLING, W. H. Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, v. 3, p. 305-360, 1976.

KIKULIS, L. M. Continuity and change in governance and decision making in national sport organizations: Institutional explanations. Journal of Sport Management, v. 14, n. 4, p. 293-320, 2000.

LAMEIRA, V. de. J.; JR. NESS, W. L.; MACEDO-SOARES, T. D. L. van A. de. Governança corporativa: impactos no valor das companhias abertas brasileiras. Revista de Administração da USP, v. 42, n. 1, p. 64-73, 2007.

LAPLUME, A. O.; SONPAR, K.; LITZ, R. A. Stakeholder theory: reviewing a theory that moves us. Journal of Management, v. 34, n. 6, p. 1152-1189, 2008.

LA PORTA, R.; LOPEZ-DE-SILANES, F.; SHLEIFER, A. Corporate ownership around the world. The Journal of Finance, v. 54, n. 2, p. 471-517, 1999.

LA ROCCA, M. The influence of corporate governance on the relation between capital structure and value. Corporate Governance, v. 7, n. 3, p. 312-325, 2007.

LEI, S.; GHOSH, C.; SRINIVASAN, H. Should they play? Market value of corporate partnerships with professional sport leagues. Journal of Sport Management, v. 24, p. 702-743, 2010.

LIMA, G. A. S. F. de. Nível de evidenciação × custo da dívida das empresas brasileiras. Revista Contabilidade & Finanças, v. 20, n. 49, p. 95-108, 2009.

MARQUES, D. S. P.; COSTA, A. L. Governança em clubes de futebol: um estudo comparativo de três agremiações no estado de São Paulo. Revista de Administração da USP, v. 44, n. 2, p. 118-130, 2009.

MARQUES, M. da C. da C. Aplicação dos princípios da governança corporativa ao setor público. Revista de Administração Contemporânea, v. 11, n. 2, p. 11-26, 2007.

MARTIN, G.; GOLLAN, P. J. Corporate governance and strategic human resources management in the UK financial services sector: the case of the RBS. International Journal of Human Resource Management, v. 23, n. 16, p. 3295-3314, 2012.

MCNAMEE, M. J.; FLEMING, S. Ethics audits and corporate governance: The case of public sector sports organizations. Journal of Business Ethics, v. 73, n. 4, p. 425-437, 2007.

MEDEIROS, A. K. de; CRANTSCHANINOV, T. I.; SILVA, F. C. da. Estudos sobre accountability no Brasil: meta-análise de periódicos brasileiros das áreas de Administração, Administração Pública, Ciência Política e Ciências Sociais. Revista de Administração Pública, v. 47, n. 3, p. 745-775, 2013.

MEIRA, T. de B.; BASTOS, F. da C.; BÖHME, M. T. S. Análise da estrutura organizacional do esporte de rendimento no Brasil: um estudo preliminar. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 26, n. 2, p. 251-262, 2012.

MILES, M. B.; HUBERMAN, M. A. Qualitative data analysis: an expanded sourcebook. Sabe: Thousand Oaks, 1994.

MIRANDA, R. A. de; AMARAL, H. F. Governança corporativa e gestão socialmente responsável em empresas estatais. Revista de Administração Pública, v. 45, n. 4, 2011.

MONKS, R. A. G. Creating value through corporate governance. Corporate Governance: An International Review, v. 10, n. 3, p. 116-123, 2002.

NASCIMENTO, A. M.; BIANCHI, M.; TERRA, P. R. S. A controladoria como um mecanismo interno de governança corporativa: evidência de uma survey comparativa entre empresas de capital brasileiro e norte-americano. In: ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 29., 2005, Brasília. Anais Eletrônicos… Brasília: ANPAD, 2005.

NORDBERG, D. Rules of the game: whose value is served when the board fires the owners? Business Ethics: A European Review, v. 21, n. 3, p. 298-309, 2012.

NUMERATO, D.; BAGLIONI, S. The dark side of social capital: An ethnography of sport governance. International Review for the Sociology of Sport, v.47, n. 5, p. 594-611, 2012.

PINTO, M. S. L.; OLIVEIRA, R. R. Estratégias competitivas no setor elétrico brasileiro: uma análise dos interesses e expectativas dos atores da Chesf. Revista de Administração Contemporânea, Edição Especial, p. 131-155, 2004.

PIRES, G. O olimpismo hoje. De uma diplomacia do silêncio para uma diplomacia silenciosa. O caso das duas Chinas. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, v. 9, n. 2, p. 159-195, 2009.

POZZEBON, M.; FREITAS, H. M. R. de. Pela aplicabilidade – com um maior rigor científico – dos estudos de caso em sistemas de informação. Revista de Administração Contemporânea, v. 2, n. 2, p. 143-170, 1998.

PUNSUVO, F. R.; KAYO, E. K.; BARROS, L. A. B. de C. O ativismo dos fundos de pensão e a qualidade da governança corporativa. Revista Contabilidade & Finanças, v. 18, n. 45, p. 63-72, 2007.

REZENDE, A. J.; FACURE, C. E. F.; DALMÁCIO, F. Z. Práticas de governança corporativa em organizações sem fins lucrativos. In: CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE, 9., 2009, São Paulo. Anais… São Paulo: CCC-USP, 2009.

RIBEIRO, H. C. M. Corporate governance versus corporate governance: an international review: uma análise comparativa da produção acadêmica do tema governança corporativa. In: ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓSGRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO. 4, 2013. EnEPQ. Anais Eletrônicos... Brasília: EnEPQ, 2013.

RIBEIRO, M. A. de S. Modelos de governança e organizações esportivas: uma análise das federações e confederações esportivas brasileiras. Tese (Doutorado em Administração Pública), FGV, Rio de Janeiro: 2012, 136 pg.

RODRIGUEZ-DOMINGUEZ, L.; GALLEGO-ALVAREZ, I.; GARCIA-SANCHEZ, I. M. Corporate governance and codes of ethics. Journal of Business Ethics, v. 90, p. 187-202, 2009.

ROGERS, P.; RIBEIRO, K. C. de S.; SOUSA, A. F. de. Impactos de fatores macroeconômicos nas melhores práticas de governança corporativa no Brasil. Revista de Administração da USP, v. 42, n. 3, p. 265-279, 2007.

ROSSONI, L.; MACHADO-DA-SILVA, C. L. Institucionalismo organizacional e práticas de governança corporativa. Revista de Administração Contemporânea, v. spe, p. 173-198, 2010.

SEGRESTIN, B.; HATCHUEL, A. Beyond agency theory, a post-crisis view of corporate law. British Journal of Management, v. 22, n. 3, p. 484-499, 2011.

SHILBURY, D.; FERKINS, L. Professionalisation, sport governance and strategic capability. Managing Leisure, v. 16, p. 108-127, 2011.

SHLEIFER, A.;VISHNY, R. W. A surveyofcorporategovernance. The Journal of Finance, v. 52, n. 2, p. 737-783, 1997.

SILVEIRA, A. D. M. da; BARROS, L. A. B. de C.; FAMÁ, R. Atributos corporativos e concentração acionária no Brasil. Revista de Administração de Empresas, v. 48, n. 2, p. 51-66, 2008.

SILVEIRA, A. D. M. da; BARROS, L. A. B. de C.; FAMÁ, R. Estrutura de governança e desempenho financeiro nas companhias abertas brasileiras: um estudo empírico. Caderno de Pesquisas em Administração, v. 10, n. 1, p. 57-71, 2003.

SILVEIRA, A. D. M. da. Governança corporativa: desempenho e valor da empresa no Brasil. São Paulo: Saint Paul Editora, 2005.

SUNDARAM, A. K.; INKPEN, A. C. Stakeholder theory and "the corporate objective revisited": A reply. Organization Science, v. 15, n. 3, p. 370-371, 2004.

TAYLOR, M.; O'SULLIVAN, N. How should national governing bodies of sport be governed in the UK? An Exploratory study of board structure. Corporate Governance: An International Review, v. 17, n. 6, p. 681-693, 2009.

TERRA, P. R. S.; LIMA, J. B. N. de. Governança corporativa e a reação do mercado de capitais à divulgação das informações contábeis. Revista Contabilidade & Finanças, n. 42, p. 35-49, 2006.

THOMA, J.; CHALIP, L. Sport governance in the global community. Morgantown, WV: Fitness Inform Tech Inc, 1996.

VIEIRA, M. M. F. Poder, objetivos e instituições como determinantes da definição de qualidade em organizações brasileiras e escocesas. Revista de Administração Contemporânea, v. 1, n. 1, p. 7-33, 1997.

YERMACK, D. Higher market valuation of companies with a small board of directors. Journal of Financial Economics, v. 40, p. 185-211, 1996.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2005.

ZATTONI, A. Who should control a corporation? Toward a contingency stakeholder model for allocating ownership rights. Journal of Business Ethics, v. 103, n. 2, p. 255-274, 2011.