Efeitos da Inovação no Desempenho de Firmas Brasileiras: Rentabilidade, Lucro, Geração de Valor ou Percepção do Mercado? Outros Idiomas

ID:
44129
Resumo:
O estudo tem como objetivo geral analisar os efeitos da inovação, medida pelos investimentos em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), denominados como atividades exploration; e Ativos Intangíveis de Inovação (AII), como patentes, ativos intangíveis em desenvolvimento, goodwill, fórmulas e Know-how tecnológico, denominados como atividade exploitation, no desempenho de firmas brasileiras. Essa condição de análise se apoia nas bases teóricas que a Resource-Based View (RBV) proporciona, devido à prerrogativa da construção de vantagens competitivas a partir de recursos singulares, adquiridos ou construídos, que a empresa possui. O desempenho foi condicionado à inovação sob quatro perspectivas: rentabilidade, lucratividade, criação de valor e percepção do mercado sobre o preço das ações da empresa. Recorreu-se à pesquisa descritiva, munida de bases documentais, com abordagem quantitativa dos dados. A amostra definitiva abrangeu 76 empresas que divulgaram seus investimentos em atividades de P&D em Notas Explicativas alusivas às Demonstrações Financeiras Padronizadas nos anos-base de 2011 e 2012. A avaliação dos efeitos da inovação no desempenho percorreu dois trajetos. Primeiro, foram realizados Testes de Mann-Whitney, que compararam as médias de desempenho, nas quatro perspectivas, entre empresas mais inovadoras e menos inovadoras, segundo os investimentos em P&D e AII. Seguinte, foram edificados modelos de Regressão Linear Múltipla com intenção de se examinar o impacto das medidas de inovação junto às quatro métricas de desempenho. Os resultados encontrados sinalizaram como que o tipo de inovação pode interferir de diferentes formas no desempenho. Adicionalmente, eles ainda evidenciaram que a perspectiva do desempenho da firma é uma variável importante à análise dos reflexos da inovação na performance empresarial. Observou-se que as médias de desempenho, em termos de lucro e criação de valor, eram superiores em empresas mais inovadoras, em detrimento das firmas menos inovadoras, sob o critério do investimento em P&D; tomando como critério de classificação o investimento em AII, obteve-se que empresas mais inovadoras dispuseram de maior desempenho, em termos de percepção de mercado. Todavia, na análise de influência, percebeu-se que os tipos de inovação, P&D e AII, afetavam negativamente o desempenho na perspectiva do resultado. A medida de inovação exploration dispôs de impacto maior no desempenho que a medida de inovação exploitation. Apenas o investimento em P&D afetava a criação de valor, também de maneira negativa. Conclui-se, nesta pesquisa, que no curto prazo, a inovação pode não se mostrar benéfica ao desempenho das empresas, mas que ela é capaz de agregar alguma vantagem competitiva às empresas em se tratando de desempenho.
Citação ABNT:
SANTOS, J. G. C. D.; GÓIS, A. D.; REBOUÇAS, S. M. D. P.; SILVA FILHO, J. C. L. Efeitos da Inovação no Desempenho de Firmas Brasileiras: Rentabilidade, Lucro, Geração de Valor ou Percepção do Mercado? . Revista de Administração da Unimep, v. 14, n. 3, p. 155-183, 2016.
Citação APA:
Santos, J. G. C. D., Góis, A. D., Rebouças, S. M. D. P., & Silva Filho, J. C. L. (2016). Efeitos da Inovação no Desempenho de Firmas Brasileiras: Rentabilidade, Lucro, Geração de Valor ou Percepção do Mercado? . Revista de Administração da Unimep, 14(3), 155-183.
DOI:
10.15600/1679-5350/rau.v14n3p155-183
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/44129/efeitos-da-inovacao-no-desempenho-de-firmas-brasileiras--rentabilidade--lucro--geracao-de-valor-ou-percepcao-do-mercado---/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ATALAY, M.; ANAFARTA, N.; SARVAN, F. The relationship between innovation and firm performance: An empirical evidence from Turkish automotive supplier industry. Procedia - Social and Behavioral Sciences, v. 75, p. 226-235, 2013.

BARNEY, J. B. The resource-based theory of the firm. Organization Science, v. 7, n. 5, p.469, 1996.

BECHEIKH, N.; LANDRY, R.; AMARA, N. Lessons from innovation empirical studies in the manufacturing sector: A systematic review of the literature from 1993-2003. Technovation, v. 26, p. 644-664, 2006.

BRITO, E. P. Z.; BRITO, L. A. L.; MORGANTI, F. Inovação e desempenho empresarial: lucro ou crescimento? Revista de Administração de Empresas, v. 8, n. 1, Art. 6, 2009.

CARVALHO, M. M. Inovação: estratégias e comunidades de conhecimento. São Paulo: Atlas, 2009.

COLLIS, J.; HUSSEY, R. Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

DAMANPOUR, F.; WISCHNEVSKY, J. D. Research on innovation in organizations: Distinguishing innovation-generating from innovation-adopting organizations. Journal of Engineering and Technology Management, v. 23, p. 269-291, 2006.

FÁVERO, L. P.; BELFIORE, P.; SILVA, F. L.; CHAN, B. L. Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

FERNANDES, C. I.; FERREIRA, J. J. M.; RAPOSO, M. L. Drivers to firm innovation and their effects on performance: an international comparison. International Entrepreneurial Management Journal, v. 9, p. 557-580, 2013.

FREEMAN, C.; SOETE, L. A economia da inovação industrial. Campinas: Editora Campinas, 2008.

FURTADO, A.; QUADROS, R.; DOMINGUES, S. A. Intensidade de P&D das empresas brasileiras. Inovação Uniemp, v. 3, n. 6, p. 26-27, 2007.

GILSING, V.; NOOTEBOOM, B. Exploration and exploitation in innovation systems: The case of pharmaceutical biotechnology. Research Policy, v. 35, p. 1-23, 2006.

HATZIKIAN, Y. Exploring the link between innovation and firm performance. Journal of the Knowledge Economy, 2013. Disponível em: . Acesso em: 27 dez. 2013.

KAYO, E. K. A estrutura de capital e o risco das empresas tangível e intangível-intensivas: uma contribuição ao estudo da valoração de empresas. 2002. 110 f. Tese (Doutorado em Administração). Universidade de São Paulo - USP, São Paulo, 2002.

KAYO, E. K.; KIMURA, H.; MARTIN, D. M. L.; NAKAMURA, W. T. Ativos intangíveis, ciclo de vida e criação de valor. Revista de Administração Contemporânea, v. 10, n. 3, p. 73-90, 2006.

KAYO, E. K.; PATROCÍNIO, M. R.; MARTIN, D. M. L. Intangibilidade e criação de valor em aquisições: o papel moderador do endividamento. Revista de Administração da USP, v. 44, n. 1, p. 59-69, 2009.

KIM, Y. Environmental, Sustainable behaviors and innovation of firms during the financial crisis. Business Strategy and the Environment, n. 24, p. 58-72, 2015.

KRAMER, J. P.; MARINELLI, E.; IAMMARINO, S.; DIEZ, J. R. Intangible assets as drivers of innovation: Empirical evidence on multinational enterprises in German and UK regional systems of innovation. Technovation, v. 31, p. 447-458, 2011.

LAMENZA, A.; BRESCIANI, L. P. Centralidade da inovação: estratégia competitive e política industrial no Brasil contemporâneo. In: LAMENZA, A. (Org.). Estratégias empresariais: pesquisas e casos brasileiros. 1 ed. p. 65-114. São Paulo: Saint Paul, 2008.

LAURETTI, C. M.; KAYO, E. K.; MARÇAL, E. F. A sobrerreação do mercado à informação intangível. Revista Brasileira de Finanças, v. 7, n. 1, p. 215-236, 2009.

LEV, B. Intangibles: management, measurement, and reporting. Washington: Brookings Institution Press, 2001.

LOW, J.; KALAFUT, P. C. Vantagem invisível: como os intangíveis conduzem o desempenho da empresa. Porto Alegre: Bookman, 2003.

MARCH, J. G. Exploration and exploitation in organization learning. Organization Science, v. 2, n. 1, p. 71-87, 1991.

MATITZ, Q. R. S.; BULGACOV, S. O Conceito Desempenho em Estudos Organizacionais e Estratégia: um Modelo de Análise Multidimensional. Revista de Administração Contemporânea, v. 15, n. 4, art. 2, p. 580-607, 2011.

MIRANDA, K. F.; GALLON, A. V.; NOGUEIRA, L. C. B. Ativos intangíveis e grau de inovação: fatores influentes no desempenho econômico empresarial? In: Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais - SIMPOI, 14, 2011, São Paulo, Anais... São Paulo: FGV-EASP, 2011.

OECD - Organization for Economic Co-operation and Development. Oslo Manual: guidelines for collecting and interpreting innovation data. 3. ed. Paris: OECD, 2005.

PEREIRA, A. J.; DATHEIN, R. Processo de aprendizado, acumulação de conhecimento e sistemas de inovação: a “co-evolução das tecnologias físicas e sociais” como fonte de desenvolvimento econômico. Revista Brasileira de Inovação, v. 11, n. 1, p. 137-166, 2012.

PEREZ, M. M.; FAMÁ, R. Ativos intangíveis e o desempenho empresarial. Revista de Contabilidade e Finanças USP, n. 40, p. 7-24, 2006.

PRIEM, R. L.; BUTLER, J. E. Is the resource-based “view” a useful perspective for Strategic management research? Academy of Management Review, v. 26, n. 1, p. 22-40, 2001.

QUINTELLA, E. F. O impacto de investimentos em inovação no desempenho das empresas brasileiras: uma abordagem multinível. 2012. 74 f. Dissertação (Mestrado em Administração de Empresas) - Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 2012.

ROSSONI, L.; MACHADO-DA-SILVA, C. L. Legitimidade, governança corporativa e desempenho: análise das empresas da BM&FBovespa. Revista de Administração de Empresas, v. 53, n. 3, p. 272-289, 2013.

SAMAD, S. The influence of innovation and transformational leadership on organization performance. Procedia - Social and Behavioral Sciences, v. 57, p. 486-493, 2012.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, P. B. Metodologia de pesquisa. 3 ed. São Paulo: McGraw-Hill, 2013.

SANTOS, D. F. L.; BASSO, L. F. C.; KIMURA, H.; KAYO, E. K. Innovation efforts and performances of Brazilian firms. Journal of Business Research, v. 67, n. 4, p. 527-535, 2014.

SANTOS, J. G. C.; VASCONCELOS, A. C.; DE LUCA, M. M. M. Perfil da inovação e da internacionalização de empresas transnacionais. Revista de Administração e Inovação, v. 10, n. 1, 2013.

SCHUMPETER, J. A. Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1961.

SHEFER, D.; FRENKEL, A. R&D, firm size and innovation: an empirical analysis. Technovation, v. 25, p. 25-32, 2005.

SHIMIZU, U. K. A influência da inovação no desempenho das firmas no Brasil. 2013. 274 f. Tese (Doutorado em Administração de Empresas) - Centro de Ciências Sociais Aplicadas. Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2013.

SILVEIRA, J. D. C. A.; OLIVEIRA, M. A. Inovação e desempenho organizacional: um estudo com empresas brasileiras inovadoras. Sociedade, Contabilidade e Gestão, v. 8, n. 2, p. 64-88, 2013.

SOUZA, E. M.; MENEZES, R. A. G.; FRANCO, C.; BATISTA, P. C. S. Inovação como mecanismo de fuga do isomorfismo organizacional. Revista Gestão & Tecnologia, v. 13, n. 2, p. 72-93, 2013.

TANG, J.; PEE, L. G.; IIJIMA, J. Investigating the effects of business process orientation on organization on organizational innovation performance. Information & Management, v. 50, p. 650-660, 2013.

TEH, C. C.; KAYO, E. K.; KIMURA, H. Marcas, patentes e criação de valor. Revista de Administração Mackenzie, v. 9, n. 1, p. 86-106, 2008.

TERRA, N. M.; BARBOSA, J. G. P.; BOUZADA, M. A. C. A Influência da inovação em produtos e processos no desempenho de empresas brasileiras. In: Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração - EnANPAD, 37.; 2013, Rio de Janeiro, Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2013.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Gestão da inovação. 3 ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

ZAHRA, S. A. Technology strategy and financial performance: examining the moderating role of the firm’s competitive environment. Journal of Business Venturing, v. 11, p. 189-219, 1996.

ZEMPLINEROVÁ, A.; HROMÁDKOVÁ, E. Determinants of Firm’s Innovation. Prague Economic Papers, v. 21, n. 4, p. 487-503, 2012.