Organizações que Matam: Uma Reflexão a Respeito de Crimes Corporativos Outros Idiomas

ID:
44199
Resumo:
O objetivo deste artigo é incorporar a perspectiva pós-colonial para compreender a dinâmica dos crimes corporativos. Para tanto, analisamos um crime corporativo cometido por uma corporação transnacional no Brasil, cujas consequências foram, entre outras, a morte de trabalhadores e moradores. Adotamos a abordagem qualitativa para conduzir a pesquisa e realizamos uma pesquisa documental para reunir documentos oficiais sobre os casos analisados e arquivos jornalísticos, o que permitiu a identificação de pessoas para a realização de entrevistas narrativas. Quanto à análise, fizemos uma aproximação da abordagem da grounded theory construtivista, analisando o material empírico a partir da categoria integradora: “Produzindo a morte nas corporações”, que foi suportada por três códigos caracterizadores: (a) as manobras da corporação; (b) as armas utilizadas; (c) o poder, o consentimento e a resistência. Como principais resultados, desenvolvemos os conceitos de necrocorporação e crimes corporativos contra a vida, apontando para a necessidade de mudança no modo de pensar quanto às relações entre governos, sociedade e corporações.
Citação ABNT:
MEDEIROS, C. R. O.; SILVEIRA, R. A. Organizações que Matam: Uma Reflexão a Respeito de Crimes Corporativos. Organizações & Sociedade, v. 24, n. 80, p. 39-52, 2017.
Citação APA:
Medeiros, C. R. O., & Silveira, R. A. (2017). Organizações que Matam: Uma Reflexão a Respeito de Crimes Corporativos. Organizações & Sociedade, 24(80), 39-52.
DOI:
10.1590/1984-9230802
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/44199/organizacoes-que-matam--uma-reflexao-a-respeito-de-crimes-corporativos/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALCADIPANI, R.; ROSA, A. R. O pesquisador como o outro: uma leitura pós-colonial do “Borat” Brasileiro. Rev. Adm. Empresas, v. 50, n. 4, p. 371-382, 2010.

AMBIOS ENGENHARIA E PROCESSOS LTDA. Avaliação de risco à saúde por exposição a resíduos perigosos em áreas de Intanhaém e São Vicente/SP. 2005.

BANERJEE, S. B. Necrocaptalism. Organization Studies, v. 29, n. 12, p. 1.541-1.563, 2008.

BARLEY, S. R. Corporations, democracy, and the public good. Journal of Management Inquiry, v. 16, n. 3, p. 201-215, 2007.

BAUCUS, M. S.; NEAR, J. P. Can illegal corporate behavior be predicted?An event history analysis. The Academy of Management Journal, v. 34, n. 1, p. 9-36, 1994.

BAUMAN, Z. A crise do sistema que hipotecou o futuro. Disponível em: . Acesso em: 10 mar.2012.

BAUMAN, Z. As consequências da globalização. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

BRAITHWAITE, J. Corporate crime in the pharmaceutical industry. London: Routledge and Kegan Paul, 1984.

BRASIL. Lei n. 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Lei de Crimes Ambientais. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Presidência da República, Brasília, DF, 13 fev. 1998. Seção 1, p. 1. 1998.

CHARMAZ, K. Grounded theory methods in social justice research. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. E. (Org.). Handbook of qualitative research. London: Sage, 2011.

CLINARD, M. B. et al. Illegal corporate behavior. USA: Department of Justice, 1979.

CLINARD, M. B.; YEAGER, P. C. Corporate crime. New York: Free Press, 1980.

COOKE, B. The managing of third world. Organization, v. 11, n. 5, p. 603-629, 2004.

DABOUB, A. J. et al. Top management team characteristics and corporate illegal activity. Academy of Management Review, v. 20, n. 1, p. 138-170, 1995.

FANON, F. Black skin, white masks. New York: Grove Press, 1967.

FONTANA, A.; FREY, J. H. Interviewing. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Org.). Handbook of qualitative research. Thousand Oaks: Sage, 1994. p. 361-376.

HOBSBAWN, E. J. Globalização, democracia e terrorismo. São Paulo: Cia. das Letras, 2010.

JOVCHELOVITCH, S.; BAUER, M. W. Entrevista narrativa. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. (Org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 90-113.

LINSTEAD, S. A.; MARÉCHAL, G.; GRIFFIN, R. W. Special issue on “The Dark Side of Organization”. Organization Studies, Call for Papers, v. 31, p. 997-999, 2010.

MACLEAN, T. L. Framing and organizational misconduct: a symbolic interactionist study. Journal of Business Ethics, v. 78, p. 3-16, 2008.

MBEMBE, A. Necropolitics. Public Culture, v. 15, n. 1, p. 11-40, 2003.

MICHALOWSKI, R. J.; KRAMER, R. C. The space between laws: the problem of corporate crime in a transnational context. Social Problems, v. 34, n. 1, p. 34-53, 1987.

MORGAN, G. Images of organization. London: Sage, 1996.

PAULÍNIA.Prefeitura Municipal.Secretaria de Saúde.Vigilância Sanitária. 2º. relatório da avaliação do impacto na saúde dos moradores do bairro Recanto dos Pássaros, referente à contaminação ambiental do antigo site da Shell Química. Paulínia, jun. 2003.

PEARCE, F.; TOMBS, S. Toxic capitalism: corporate crime and the chemical industry. Toronto: Canadian Scholars’ Press, 1999.

ROSSIT, M. Médico da Shell responde processo por desrespeitar 14 itens do Cremesp. Folha de S.Paulo, 8 set. 2002. Disponível em: . Acesso em: 2 maio 2002.

SAID, E. W. Orientalism. London: Routledge & Kegan Paul, 1978.

SÃO PAULO. Ministério Público do Trabalho. Procuradoria Geral. Processo ARR 2220028.20007.5.15.0126. São Paulo.

SCHMITT, C. Teologia política. Belo Horizonte: Del Rey, 2006.

SCHRAGER, L. S.; SHORT JUNIOR, J. F. Toward a sociology of organizational crime. Social problems, v. 25, n. 4, p. 407-419, 1978.

SHAPIRO, S. P. Collaring the crime, not the criminal: reconsidering the concept of white-collar crime. American Sociological Review, v. 35, n. 3, p. 346-365, 1990.

SUTHERLAND, E. H. White-collar criminality. American Sociological Review, v. 5, n. 1, 1940.

SZWAJKOWSKI, E. Organizational illegality: theoretical integration and illustrative application. The Academy of Management Review, v. 10, n. 3, p. 558-567, 1985.

VAUGHAN, D. The dark side of organizations: mistake, misconduct, and disaster. Annual Review Sociological, v. 22, p. 271-305, 1999.

AGAMBEN, G. Homo sacer: sovereign power and bare life. Stanford: Stanford University Press, 1995.