O Controle Gerencial na Perspectiva do New Public Management: O Caso da Adoção do Balanced Scorecard na Receita Federal do Brasil Outros Idiomas

ID:
44219
Resumo:
As décadas de 1970 e 1980 do século passado viram o surgimento de uma onda de pensamento sobre Administração Pública voltado ao rompimento com a burocracia clássica e aproximação com conceitos da iniciativa privada, como uma resposta ao cenário de crise instalado em diversos países. Deste movimento surgiu o New Public Management, que influenciou largamente as reformas estruturais do Estado implementadas no Brasil durante os anos 1990. Destas reformas pretendeu-se consolidar um Estado que teria a eficiência como um de seus princípios fundamentais. Por outro lado, o movimento da reforma gerencial no Estado brasileiro também aproximou as organizações públicas dos modelos de management atualmente adotados pelas empresas capitalistas, como é o caso dos modelos de gestão estratégica. Dentre estes, certamente o Balanced Scorecard é um dos mais notórios, justamente por configurar-se como uma ferramenta de mensuração de desempenho capaz de dar conta das diferentes dimensões da atividade estatal que a tornam distinta do setor privado. Neste sentido, o Balanced Scorecard permite não apenas a mensuração do desempenho do Estado, mas também auxilia na elaboração e implementação de sua estratégia. Diante de tal contexto, o presente trabalho buscou, por meio de um estudo de caso na Receita Federal do Brasil, compreender como ocorre a Administração Estratégica no poder público federal brasileiro diante da combinação entre os preceitos do New Public Management e do Balanced Scorecard.
Citação ABNT:
BLONSKI, F.; PRATES, R. C.; COSTA, M.; VIZEU, F. O Controle Gerencial na Perspectiva do New Public Management: O Caso da Adoção do Balanced Scorecard na Receita Federal do Brasil. Administração Pública e Gestão Social, v. 9, n. 1, p. 15-30, 2017.
Citação APA:
Blonski, F., Prates, R. C., Costa, M., & Vizeu, F. (2017). O Controle Gerencial na Perspectiva do New Public Management: O Caso da Adoção do Balanced Scorecard na Receita Federal do Brasil. Administração Pública e Gestão Social, 9(1), 15-30.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21118/apgs.v1i1.1042
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/44219/o-controle-gerencial-na-perspectiva-do-new-public-management--o-caso-da-adocao-do-balanced-scorecard-na-receita-federal-do-brasil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Bendix, R. (1986). Max Weber: um perfil intelectual. Brasília: Universidade de Brasília.

Brasil. Tribunal de Contas da União (2012). Sobre a Prestação e Tomada de Contas ao TCU. Tribunal de Contas da União.

Bresser-Pereira, L. C. (1996). Texto para discussão 9: administração pública gerencial: estratégia e estrutura para um novo Estado.

Bresser-Pereira, L. C. (1998). A reforma do Estado dos anos 90: lógica e mecanismos de controle. Lua Nova, 45, 49-96.

Bresser-Pereira, L. C. B. (2009). Construindo o Estado republicano: democracia e reforma da gestão pública. Fgv.

Carter, C.; Clegg, S. R.; Kornberger, M. (2015). Um livro bom, pequeno e acessível sobre estratégia. Bookman Editora.

Christensen, T.; Lægreid, P.; Wise, L. R. (2002). Transforming administrative policy. Public Administration, 80(1), 153-178.

Copav. (2010). Pesquisa de Cultura e Clima Organizacional da Receita Federal do Brasil e Pesquisa de Imagem da Receita Federal do Brasil e Satisfação com o Atendimento. Receita Federal do Brasil. [S.l.].

Corbetta, P. (2003). Social Research: Theory, Methods And Techniques. London: Sage.

Corvisier, A. (1983). História Moderna. 3 ed. São Paulo: Difel.

Costa, L. C. (2000). O Governo FHC e A Reforma Do Estado Brasileiro. Pesquisa & debate, 11 (1), 17.

Coutinho, V. F.; Campos, M. T. O. S. (1996). Brasil século XXI: a construção de um estado eficaz. ENAP. Brasília, ago.

Do Estado, C. D. R. (1995). Plano Diretor Da Reforma Do Aparelho Do Estado. Brasília: Mare.

Ferreira, F. I. (2004, May). Uma análise crítica das políticas de parceria: a metáfora da rede. In V Congresso Português de Sociologia.

Fiates, G. G. S. (2007). Modelos de gestão e gestão pública: livro didático. Palhoça: UnisulVirtual.

Fleury, S. (1996). Tendências e perspectivas da autonomia e regulação da gestão pública no Brasil. Seminário ENSP/FIOCRUZ/ESPP.

Gilardi, F.; Jordana, J.; Levi Faur, D. (2006). Regulation in the age of globalization: the diffusion of regulatory agencies across Europe and Latin America.

Grotti, D. A. M. (2006). Parcerias na Administração Pública1.

Holmes, M.; Shand, D. (1995). Management reform: some practitioner perspectives on the past ten years. Governance, 8(4), 551-578.

Hood, C. (1995). The “New Public Management” in the 1980s: variations on a theme. Accounting, organizations and society, 20(2), 93-109.

Ittner, C. D.; Larcker, D. F. (2001). Assessing empirical research in managerial accounting: a value-based management perspective. Journal of accounting and economics, 32(1), 349-410.

Jambeiro, O.; Ferreira, F. (2003). O Brasil na Sociedade da Informação: Estado Regulador e telecomunicações. Conexão Comunicação e Cultura, UCS, Caxias do Sul, 2(4), 103-117.

Jenkins, K. (1998). A reforma do serviço público no Reino Unido. Reforma do Estado e administração pública gerencial, 5.

Kaplan, R. S.; Norton, D. P. (1995). Putting the balanced scorecard to work. Performance measurement, management, and appraisal sourcebook, 66, 17-511.

Kaplan, R. S.; Norton, D. P. (1996). The balanced scorecard: translating strategy into action. Harvard Business Press.

Kaplan, R. S.; Norton, D. P. (1997). A estratégia em ação: balanced scorecard. Gulf Professional Publishing.

Kaplan, R. S.; Norton, D. P. (2000). Organização orientada para a estratégia: como as empresas que adotam o balanced scorecard prosperam no novo ambiente de negócios. Gulf Professional Publishing.

Kaplan, R. S.; Norton, D. P. (2005). The balanced scorecard: measures that drive performance. Harvard business review, 83(7), 172.

Kettl, D. F. (2005). Reforming the executive branch of the US Government. In: Institutions of American Democracy: The Executive Branch, edited by Joel D. Aberbach and Mark A. Peterson, 344-78.

Keynes, J. M. (2007). General theory of employment, interest and money. Atlantic Publishers & Dist.

Machado-Da-Silva, C.L.; Guarido Filho, E. R.; Nascimento, M. R. D.; Oliveira, P. T.; Vieira, M. M. F.; Carvalho, C. A. (2003). Institucionalização da mudança na sociedade brasileira: o papel do formalismo. Organizações, instituições e poder no Brasil, 1, 179-202.

Maffini, R. D. C. (2005). O Direito Administrativo nos quinze anos da Constituição Federal. Revista Eletrônica de Direito do Estado, Salvador: Instituto de Direito Público da Bahia, (2).

Mathiasen, D. G. (1999). The new public management and its critics. International Public Management Journal, 2(1), 90-111.

Meirelles, H. L. (1998). Direito Administrativo Brasileiro. 2ª tiragem, atualizada por Eurico de Andrade Azevedo, Délcio Balestero Aleixo e José Emmanuel Burle Filho. São Paulo: Malheiros.

Meyer, M. W. (2003). Rethinking performance measurement: Beyond the balanced scorecard. Cambridge University Press.

Pimenta, C. C. (1998). A reforma gerencial do Estado brasileiro no contexto das grandes tendências mundiais. Revista de Administração Pública, 32(5), 173-199.

Raadschelders, J. C.; Lee, K. H. (2011). Trends in the study of public administration: Empirical and qualitative observations from Public Administration Review, 2000–2009. Public Administration Review, 71(1), 19-33.

Radaelli, C. M. (2005). Diffusion without convergence: how political context shapes the adoption of regulatory impact assessment. Journal of european public policy, 12(5), 924-943.

Ramos, G. (1983). Contexto brasileiro: esboço de uma teoria geral da administração. Rio de Janeiro: FGV.

RFB (2012). Prestação De Contas Ordinárias Anual - Relatório De Gestão Do Exercício (2011). Secretaria Da Receita Federal Do Brasil. [S.L.].

Santos, H. (2001). A busca de um caminho para o Brasil: a trilha do círculo vicioso. Senac.

Sartorius, K.; Trollip, N.; Eitzen, C. (2010). Performance measurement frameworks in a state controlled research organization: Can the Balanced Scorecard (BSC) be modified? South African Journal of Business Management, 41(2).

Secchi, L. (2009). Modelos organizacionais e reformas da administração pública. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, 43(2), 347-369.

Secretaria de Gestão Pública. (2012). Boletim Estatístico De Pessoal - Agosto 2012. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. [S.L.].

Vizeu, F.; Gonçalves, S. A. (2010). Pensamento estratégico: origens, princípios e perspectivas. Editora Atlas SA.

Wahrlich, B. M. (1983). de Souza. Uma análise das teorias de organização, 4.

Wallerstein, I. M. (1999). The end of the world as we know it: Social science for the twenty-first century. U of Minnesota Press.

Weber, M. (1978). Economy and society: An outline of interpretive sociology. Univ of California Press.

Yee-Ching, L. C. (2006). An analytic hierarchy framework for evaluating balanced scorecards of healthcare organizations. Canadian Journal of Administrative Sciences, 23(2), 85.

Yin, R. K. (2015). Estudo de Caso-: Planejamento e Métodos. Bookman editora.