Gestão da Inovação na Indústria de Alimentos: Análise Bibliométrica da Produção Científica Nacional e Internacional Outros Idiomas

ID:
44297
Resumo:
A importância da inovação para a competitividade tem sido reconhecida de forma intensa no ambiente acadêmico, social e organizacional, aspecto que motivou o desenvolvimento da investigação. O objetivo da pesquisa é analisar a produção científica nacional e internacional relacionada à gestão da inovação no contexto da indústria alimentícia. Trata-se de uma pesquisa com delineamento quantitativo, classificada como exploratóriadescritiva, sendo os dados analisados por meio dos princípios da bibliometria e alinhamento aos padrões de Lotka e Bradford. Não foi estabelecido um recorte longitudinal para a coleta dos dados, devido ao interesse de investigar o comportamento da produção intelectual ao longo do tempo. Há evidências da ampliação do interesse investigativo do tema a partir de 2008, com um número crescente de publicações sobre a temática, coincidindo com o crescimento da importância atribuída à inovação como fator de afirmação e sobrevivência das organizações. Contudo, ainda se observa uma produção acadêmica pouco consolidada na área, com a predominância de núcleos de publicação que não estabelecem intercâmbio com outros grupos. Os achados empíricos apontam que 91,24% dos autores publicaram apenas um artigo e cinco periódicos publicaram mais de 1/3 dos artigos sobre o tema, confirmando às Leis de Lotka e de Bradford.
Citação ABNT:
LAPPE, L.; POLI, O. L.; MAZZIONI, S. Gestão da Inovação na Indústria de Alimentos: Análise Bibliométrica da Produção Científica Nacional e Internacional . NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, v. 7, n. 1, p. 57-72, 2017.
Citação APA:
Lappe, L., Poli, O. L., & Mazzioni, S. (2017). Gestão da Inovação na Indústria de Alimentos: Análise Bibliométrica da Produção Científica Nacional e Internacional . NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, 7(1), 57-72.
DOI:
http://dx.doi.org/10.22279/navus.2017.v7n1.p57-72.453
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/44297/gestao-da-inovacao-na-industria-de-alimentos--analise-bibliometrica-da-producao-cientifica-nacional-e-internacional-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALVES, Flávia Chaves; BOMTEMPO, José Vitor. Como distinguir firmas inovadoras e não-inovadoras?Uma abordagem a partir da noção de competências para inovar. In: Encontro Nacional de Economia, 35., 2007, Recife. Anais do XXXV Encontro Nacional de Economia. Recife: ANPEC, 2007. p. 01-17.

ARAÚJO, Carlos Alberto. Bibliometria: evolução histórica e questões atuais. Em Questão, Porto Alegre, v. 12, n. 1, p. 11-32, jan./jun. 2006.

BARROS, Aidil Jesus da Silveira; LEHFELD, Neide Aparecida de Souza. Fundamentos da metodologia científica. 3. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

BESSANT, John; TIDD, Joe. Inovação e Empreendedorismo. Tradução de Elizamari Rodrigues Becker, Gabriela Perizzolo, Patrícia Lessa Flores da Cunha. Porto Alegre: Bookman, 2009.

CASSOL, Alessandra et al. A administração estratégica do capital intelectual: um modelo baseado na capacidade absortiva para potencializar inovação. In: SEMEAD - Seminários em Administração, 17., 2014, São Paulo: USP, out. 2014. p. 01-16.

DAVILA, Tony; EPSTEIN, Marc. J.; SHELTON, Robert. As regras da inovação. Tradução de Raul Rubenich. Porto Alegre: Bookman, 2007.

DIAS, Alexandre Aparecido; PORTO, Geciane Silveira. Um estudo longitudinal da gestão da inovação nas empresas do arranjo produtivo local de equipamentos médicos, hospitalares e odontológicos de Ribeirão Preto. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 92-121, jan./mar. 2011.

FISCHER, Bruno Brandão et al. O processo de gestão da inovação no ambiente industrial: estudo comparativo entre práticas na produção em série e na produção on demand. RACE Revista de Administração, Contabilidade e Economia, UNOESC, v. 8, n. 1, p. 33-58, jan./jun. 2009.

FREITAS FILHO, Fernando Luiz. Gestão da inovação: teoria e prática para implantação. São Paulo: Atlas, 2013.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GUEDES, Vânia. L. S.; BORSCHIVER, Suzana; Bibliometria: uma ferramenta estatística para a gestão da informação e do conhecimento, em sistemas de informação, de comunicação e de avaliação científica e tecnológica. In: CINFORM Encontro Nacional da Ciência da Informação, 6., 2005, Salvador. Anais do VI Encontro Nacional da Ciência da Informação. Salvador: UFBA, jun. 2005, p. 01-18.

IACONO, Antônio; NAGANO, Marcelo Seido. Gestão da inovação em empresas nascentes de basetecnológica: evidências em uma incubadora de empresas no Brasil. Revista Interciencia, v. 39, n. 5, p. 296-306, May. 2014.

IKPAAHINDI, Linus. An overview of bibliometrics: its measurements, laws and their applications. Libri, v. 35, n. 2, p. 163-177, June 1985.

JACOSKI, Cláudio Alcides et al. Análise do desempenho da inovação regional: um estudo de caso na indústria. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 11, n. 2, p. 71-88, abr./jun. 2014.

KUCZMARSKI, Thomas D. Por uma consciência inovadora. HSM Management, São Paulo, n. 6, p. 62-68, jan./fev. 1998.

MACIAS-CHAPULA, Cesar A. O papel da Informetria e da Cienciometria e sua Perspectiva Nacional e Internacional. Ciência da Informação, Brasília, v. 27, n. 2, p. 134-140, maio/ago. 1998.

MAZZIONI, Sady; DI DOMENICO, Daniela; CUNHA, Paulo Roberto da. Inovação e desempenho financeiro: produção intelectual em periódicos internacionais. Gestão Contemporânea, Porto Alegre, n. 16, p. 126-147, jul./dez. 2014.

NAGANO, Marcelo Seido; STEFANOVITZ, Juliano Pavanelli; VICK, Thais Elaine. O contexto organizacional como aporte à inovação: um viés comparativo de casos em empresas Brasileiras. Gestão & Produção, São Carlos, v. 21, n. 3, p. 477-490, 2014.

NAGANO, M. S.; STEFANOVITZ, J. P.; VICK, T. E. Caracterização de processos e desafios de empresas industriais Brasileiras na gestão da inovação. Revista brasileira de gestão de negócios, São Paulo, v. 16, n. 51, p. 163-179, abr./jun. 2014.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OCDE). Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3. ed. Brasília: FINEP, 2005.

PROCÓPIO Jr., Péterson S., LAENDER, Alberto. H. F., MORO, Mirella. M. Análise da rede de coautoria do simpósio brasileiro de bancos de dados. In: Simpósio Brasileiro de Banco de Dados, 26., 2011, Florianópolis. Anais do XXVI Simpósio Brasileiro de Banco de Dados. Florianópolis: SBBD, out. 2011. p. 050-2 a 050-8.

RAUPP, Fabiano Maury; BEUREN, Ilse Maria. Metodologia da pesquisa aplicável às ciências sociais. In: BEUREN, Ilse Maria (Org.). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2008. p. 76-97.

RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

SCHERER, Felipe Ost; CARLOMAGNO, Maximiliano Selistre. Gestão da inovação na prática: como aplicar conceitos e ferramentas para alavancar a inovação. São Paulo: Atlas, 2009.

SCHUMPETER, Joseph Alois. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e ciclo econômico. Tradução de Maria Sílvia Possas. São Paulo: Nova Cultural, 1997.

SERAFIM, Luiz. O poder da inovação: como alavancar a inovação na sua empresa. São Paulo: Saraiva, 2011.

TIDD, Joe; BESSANT, John. Gestão da inovação. Tradução de Félix Nonnenmacher. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2015.

TIDD, Joe; BESSANT, John; PAVITT, Keith. Gestão da inovação. Tradução de Elizamari Rodrigues Becker et al. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

VANTI, Nádia Aurora Peres. Da Bibliometria à webometria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento. Ciência da Informação, Brasília, v. 31, n. 2, p. 152-162, maio/ago. 2002.