Diversificação das receitas e risco de insolvência dos bancos brasileiros

ID:
44330
Resumo:
Este estudo teve por objetivo investigar a relação entre a diversificação das receitas dos bancos brasileiros e sua relação com o risco de insolvência, testando a hipótese de que uma maior diversificação das receitas pode diminuir o risco de insolvência. A amostra foi composta por instituições financeiras que continham dados relativos ao período de 1997 a 2015. Utilizando-se de modelos de dados em painel e do estimador systemGMM, os resultados indicam que no período estudado a diversificação das receitas das instituições financeiras não influenciou o risco de insolvência dos bancos. Porém, ao analisar o efeito da diversificação entre os bancos abertos e fechados, encontramos evidências de que quando os bancos abertos diversificam suas operações, conseguem diminuir seu risco de insolvência, diferentemente dos bancos fechados. Evidências indicam que a lucratividade aumenta o risco de insolvência dos bancos, enquanto a capitalização está negativamente relacionada ao risco.
Citação ABNT:
VIEIRA, C. A. M.; GIRÃO, L. F. A. P. Diversificação das receitas e risco de insolvência dos bancos brasileiros . Revista de Contabilidade e Organizações, v. 10, n. 28, p. 3-174, 2016.
Citação APA:
Vieira, C. A. M., & Girão, L. F. A. P. (2016). Diversificação das receitas e risco de insolvência dos bancos brasileiros . Revista de Contabilidade e Organizações, 10(28), 3-174.
DOI:
http://dx.doi.org/10.11606/rco.v10i28.111758
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/44330/diversificacao-das-receitas-e-risco-de-insolvencia-dos-bancos-brasileiros-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ARELLANO, M.; BOVER, O. Another look at the instrumental-variable estimation of error-components models. Journal of Econometrics, v. 68, n. 1, p. 29-52, 1995.

BAELE, L.; De JONGUE, O.; VENNET, R. V. Does the stock market value bank diversification? Journal of Banking & Finance, v. 31, n. 7, p. 1999-2023, 2007.

BANCO CENTRAL DO BRASIL. Circular BACEN (Banco Central do Brasil) nº 1.273 de 29 de Dezembro de 1987. Institui para adoção obrigatória a partir do Balanço de 30.06.88, o anexo PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL – COSIF. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 29 dez. 1987.

BANCO CENTRAL DO BRASIL. Resolução CMN (Conselho Monetário Nacional) nº 1.524 de 21 de Setembro de 1988. Faculta aos bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de desenvolvimento, sociedades de crédito, financiamento e investimento a organização opcional em uma única instituição, com personalidade jurídica própria, através de processos de fusão, incorporação, cisão, transformação ou constituição direta, com autorização prévia do Banco Central. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 21 set. 1988.

BLUNDELL, R. W.; BOND, S. R. Initial conditions and moment restrictions in dynamic panel data models. Journal of Econometrics, v. 87, n. 1, p. 115-143, 1998.

BOYD, J.; DE NICOLÓ, G.; JALAL, A. Bank risk-taking and competition revisited: new theory and new evidence. IMF Working Paper 06/297, International Monetary Fund, Washington, DC, 2006.

CAMARGO, P. O. A evolução recente do setor bancário no Brasil. 1. ed. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

CARLSON, M. Are branch banks survivors?Evidence from depression era. Economic Inquiry, v. 42, n. 1, p. 111-126, 2004.

CHIARAMONTE, L.; CROCI, E.; POLI, F. Should we trust Z-score?Evidence from the European banking industry. Global Finance Journal, v. 28, p. 111-131, 2015.

DEYOUNG, R.; ROLAND, K. P. Product mix and earnings volatility at commercial banks: evidence from a degree of total leverage model. Journal of Financial Intermediation, v. 10, n. 1, p. 54-84, 2001.

ELSAS, R.; HACKETHAL, A.; HOLZHÄUZER, M. The anatomy of bank diversification. Journal of Banking & Finance, v. 34, n. 6, p. 1274-1287, 2010.

HAAN, J.; VLAHU, R. Corporate governance of banks: A survey. Journal of Economic Surveys, v. 30, n. 2, p. 228-277, 2016.

HAGGARD, K. S.; HOWE, J. S. Are banks opaque? International Review of Accounting, Banking and Finance, v. 4, n. 1, p. 51-72, 2012.

JONES, J. S.; LEE, W. Y.; YEAGER, T. J. Opaque banks, price discovery, and financial instability. Journal of Financial Intermediation, v. 21, n. 3, p. 383-408, 2012.

LAEVEN, L.; LEVINE, R. Bank governance, regulation and risk taking. Journal of Financial Economics, v. 93, n. 2, p. 259-275, 2009.

LEHAR, A. Measuring systematic risk: a risk management approach. Journal of Banking & Finance, v. 29, n. 10, p. 2577-2603, 2005.

LEPETIT, L.; NYS, E.; ROUS, P.; TARAZI, A. Bank income structure and risk: an empirical analysis of European banks. Journal of Banking & Finance, v. 32, n. 8, p. 1452-1467, 2008.

LEPETIT, L.; STROBEL, F. Bank insolvency risk and time-varying Z-score measures. Journal of International Financial Markets, Institutions & Money, v. 25, n. 1, p. 73-87, 2013.

MERCIECA, S.; SCHAECK, K.; WOLFE, S. Small European banks: benefits from diversification? Journal of Banking & Finance, v. 31, n. 7, p. 1975-1998, 2007.

MONTGOMERY, C. A. Corporate diversification. Journal of Economic Perspectives, v. 8, n. 3, p. 163-178, 1994.

MORGAN, D. P. Rating banks: Risk and uncertainty in an opaque industry. The American Economic Review, v. 92, n. 4, p. 874-888, 2002.

PAULO, E.; MEDEIROS, O. R.; DANTAS, J. A. Relação entre concentração e rentabilidade no setor bancário brasileiro. Revista Contabilidade & Finanças, v. 22, n. 55, p. 5-28, 2011.

PENAS, M. F.; UNAL, H. Gains in bank mergers: evidence from the bond markets. Journal of Financial Economics, v. 74, n. 1, p. 149-179, 2004.

SANFINS, M.; MONTE‐MOR, D. RiD: Uma Nova Abordagem para o Cálculo do Risco de Insolvencia. Revista Brasileira de Finanças, v. 12, n. 2, p. 1-27, 2014.

SANYA, S.; WOLFE, S. Can banks in emerging economies benefit from revenue diversification? Journal of Financial Services Research, v. 40, n. 1-2, p. 79-101, 2011.

STIROH, K. J. Diversification in banking: is noninterest income the answer? Journal of Money, Credit and Banking, v. 36, n. 5, p. 853-882, 2004.

STIROH, K. J. Do community banks benefit from diversification? Journal of Financial Services Research, v. 25, n. 2/3, p. 135-160, 2004.

STIROH, K. J. New evidence on the determinants of bank risk. Journal of Financial Services Research, v. 30, n. 3, p. 237-263, 2006.

TRUJILLO-PONCE, A. What determines the profitability of banks? Evidence from Spain. Accounting and Finance, v. 53, n. 2, p. 561-586, 2013.

YEYATI, E. L.; MICCO, A. Concentration and foreign penetration in Latin America banking sectors: impact on competition and risk. Journal of Banking & Finance, v. 31, n. 6, p. 1633-1647, 2007.