Influência dos Stakeholders na gestão e no controle das organizações esportivas Outros Idiomas

ID:
44428
Resumo:
Partindo do pressuposto que os stakeholders são imprescindíveis para a gestão e controle de qualquer organização, sendo ela, privada, pública, terceiro setor, sem fins lucrativos e/ou esportiva, este estudo analisou a influência dos stakeholders na gestão e no controle das organizações esportivas. Investigaram-se oito organizações esportivas, por meio do método de estudo de caso múltiplo, mediante entrevistas. Para a análise dos dados, utilizou-se primeiramente a análise intracasos e, a posteriori, a análise intercasos. Verificou-se, de maneira geral, que os stakeholders têm influência mais na gestão do que no controle das organizações esportivas, e, em especial, os stakeholders internos, como é o caso dos gestores e colaboradores. Destacam-se também os dirigentes das federações, se a entidade for a confederação, como stakeholders também influentes no controle dessas entidades. Contribui-se, aqui, para robustecer na literatura acadêmica a ideia de que os stakeholders são essenciais e ativos para a gestão das organizações esportivas.
Citação ABNT:
RIBEIRO, H. C. M.; COSTA, B. C. Influência dos Stakeholders na gestão e no controle das organizações esportivas. Revista Ciências Administrativas, v. 23, n. 1, p. 42-69, 2017.
Citação APA:
Ribeiro, H. C. M., & Costa, B. C. (2017). Influência dos Stakeholders na gestão e no controle das organizações esportivas. Revista Ciências Administrativas, 23(1), 42-69.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/44428/influencia-dos-stakeholders-na-gestao-e-no-controle-das-organizacoes-esportivas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BOURNE, L.; WALKER, D. H. T. Visualising and mapping stakeholder influence. Management Decision, v. 43, n. 5/6, p. 649-660, 2005.

BRESSAN, F. O método do estudo de caso. Administração On Line, v. 1, n. 1, jan./fev./mar. 2000.

CAMPOMAR, M. C. Do uso de “estudo de caso” em pesquisas para dissertações e teses em Administração. Revista de Administração da USP, v. 26, n. 3, p. 95-97, jul./set. 1991.

CAMPOS, T. L. C. Estrutura da propriedade e desempenho econômico: uma avaliação empírica para as empresas de capital aberto no Brasil. Revista de Administração da USP, v. 41, n. 4, p. 369-380, out./nov./dez. 2006.

CARVALHO, J. L. R. de.; MACHADO, M N da M.; MEIRELLES, A de M. Mudanças climáticas e aquecimento global: implicações na gestão estratégica de empresas do setor siderúrgico de Minas Gerais. Cadernos EBAPE.BR, v. 9, n. 2, p. 220-244, jun. 2011.

CLARKSON, M. B. E. A stakeholder framework for analyzing and evaluating corporate social performance. Academy of Management Review, v. 20, n. 1, p. 92-117, 1995.

DALMÁCIO, F. Z.; REZENDE, A. J. A relação entre o timeliness e a utilidade da informação contábil e os mecanismos de governança corporativa: evidências no mercado acionário brasileiro. Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, v. 5, n. 3, p. 163-174, sep./dec. 2008.

FARIA, A.; SAUERBRONN, F. F. A responsabilidade social é uma questão de estratégia?Uma abordagem crítica. Revista de Administração Pública, v. 42, n. 1, p. 07-33, jan./fev. 2008.

FASSIN, Y. A dynamic perspective in Freeman’s stakeholder model. Journal of Business Ethics, v. 96, n. 1, p. 39-49, 2010.

FASSIN, Y. Stakeholder management, reciprocity and stakeholder responsibility. Journal of Business Ethics, v. 109, n. 1, p. 83-96, Aug. 2012.

FERKINS, L.; FERKINS, L.; MCDONALD, G. Board involvement in strategy: advancing the governance of sport organizations. Journal of Sport Management, v. 23, n. 3, p. 245-277, May. 2009.

FERKINS, L.; MCDONALD, G.; SHILBURY, D. A model for improving board performance: the case of a national sport organisation. Journal of Management & Organization, v. 16, n. 4, p. 601621, Sep. 2010.

FERKINS, L.; SHILBURY, D. Good boards are strategic: what does that mean for sport governance? Journal of Sport Management, v. 26, n. 1, p. 67-80, Jan. 2012.

FREEMAN, R, E.; MCVEA, J. A stakeholder approach to strategic management. Social Science Research Network, USA. Working Paper n. 1/2, Jan. 2001.

FREEMAN, R, E.; REED, D. L. Stockholders and takeholders: a new perspective on corporate governance. California Management Review, v. 25, n. 3, p. 88-106, 1983.

FREEMAN, R, E. Strategic management: a stakeholder approach. Boston: Pitman, 1984.

FREITAS, A. R.; CABRAL, A.; FONTELES, I.; PESSOA, M. N.; SANTOS, S. dos. Engajamento dos stakeholders: uma análise dos relatórios de sustentabilidade de empresas brasileiras do setor financeiro. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, v. 11, n. 4, p. 14-25, out. 2012.

FRIEDMAN, A. L.; MILES, S. Developing stakeholder theory. Journal of Management Studies, v. 39, n. 1, p. 1-21, 2002.

GOMES, R. C. Who are the relevant stakeholders to the local government context?Empirical evidences on environmental influences in the decision-making process of English local authorities. Brazilian Administration Review, v. 1, n. 1, p. 34-52, Jul./Dec. 2004.

HEALEY, D. Governance in sport: outside the box?Economic and Labour Relations Review, Australia, v. 23, n. 3, p. 39-60, 2012.

JANSSON, E. The stakeholder model: the influence of the ownership and governance structures. Journal of Business Ethics, Netherlands, v. 56, n. 1, p. 1-13, 2005.

KALER, J. Differentiating stakeholder theories. Journal of Business Ethics, v. 46, n. 1, p. 71-83, 2003.

LADEIRA, D. L. Teoria dos stakeholders no contexto da governança corporativa: um estudo de caso. 2009. 105f. Dissertação (Mestrado em Administração), Universidade FUMEC, Faculdade de Ciências Empresariais – FACE, Belo Horizonte, 2009.

LAPLUME, A. O.; SONPAR, K.; LITZ, R. A. Stakeholder theory: reviewing a theory that moves us. Journal of Management, v. 34, n. 6, p. 1152-1189, 2008.

MACEDO, M A da S.; CORRAR, L. J. Análise comparativa do desempenho contábil-financeiro de empresas com boas práticas de governança corporativa no Brasil. Revista de Contabilidade e Controladoria, v. 4, n. 1, p. 42-61, 2012.

MAINARDES, E. W.; ALVES, H.; RAPOSO, M.; DOMINGUES, M. J. Categorização por importância dos stakeholders das universidades. Revista Ibero-Americana de Estratégia-RIAE, v. 9, n. 3, p. 04-43, set./dez. 2010.

MALACRIDA, M. J. C.; YAMAMOTO, M. M. Governança corporativa: nível de evidenciação das informações e sua relação com a volatilidade das ações do Ibovespa. Revista Contabilidade & Finanças - USP, São Paulo, Edição Comemorativa, p. 65-79, set. 2006.

MARQUES, D. S. P.; COSTA, A. L. Governança em clubes de futebol: um estudo comparativo de três agremiações no estado de São Paulo. Revista de Administração da USP, v. 44, n. 2, p. 118-130, abr./maio/jun. 2009.

MELO, P. T. N. B. de; RÉGIS, H. P. Stakeholders relevantes no perfil dos gestores dos pontos de cultura no grande Recife. Organizações em Contexto, São Paulo, v. 8, n. 15, p. 109-136, jan/jun.2012.

MICHIE, J.; OUGHTON, C. The corporate governance of professional football clubs in England. Corporate Governance: An International Review, v. 13, n. 4, p. 517-531, 2005.

MILES, M. B.; HUBERMAN, M. A. Qualitative data analysis: an expanded sourcebook. Sabe: Thousand Oaks, 1994.

MITCHELL, R. K.; AGLE, B. R.; WOOD, D. J. Toward a theory of stakeholders identification and salience: defining the principle of who and what really counts. Academy of Management Review, v. 22, n. 4, p. 853-886, 1997.

MOYSÉS FILHO, J. E.; RODRIGUES, A. L.; MORETTI, S. L. A. Gestão social e ambiental em pequenas e médias empresas: influência e poder dos stakeholders. Revista Eletrônica de Administração, v. 17, n. 1, p. 204-236, jan/abr. 2011.

PINTO, M. S. L.; OLIVEIRA, R. R. Estratégias competitivas no setor elétrico brasileiro: uma análise dos interesses e expectativas dos atores da Chesf. Revista de Administração Contemporânea, n. Edição Especial, p. 131-155, 2004.

POZZEBON, M.; FREITAS, H. M. R. de. Pela aplicabilidade: com um maior rigor científico – dos estudos de caso em sistemas de informação. Revista de Administração Contemporânea, v. 2, n. 2, p. 143-170, maio/ago. 1998.

RODRIGUES, A. L.; MALO, M. C. Estruturas de governança e empreendedorismo coletivo: o caso dos doutores da alegria. Revista de Administração Contemporânea, v. 10, n. 3, p. 2950, July/Sept. 2006.

ROWLEY, T. J. Moving beyond dyadic ties: a network theory of stakeholder influences. Academy of Management Review, v. 22, n. 4, p. 887-910, 1997.

SHERRY, E.; SHILBURY, D. Board directors and conflict of interest: a study of a sport league. European Sport Management Quarterly, v. 9, n. 1, p. 47-62, 2009.

SHERRY, E.; SHILBURY, D.; WOOD, G. Wrestling with “conflict of interest” in sport management. Corporate Governance, v. 7, n. 3, p. 267-277, 2007.

SHILBURY, D.; FERKINS, L. Professionalisation, sport governance and strategic capability. Managing Leisure, v. 16, n. 2, p. 108-127, 2011.

SUNDARAM, A. K.; INKPEN, A. C. Stakeholder theory and “the corporate objective revisited”: A reply. Organization Science, v. 15, n. 3, p. 370-371, 2004.

TAYLOR, M.; O’SULLIVAN, N. How should national governing bodies of sport be governed in the UK?An Exploratory study of board structure. Corporate Governance: An International Review, v. 17, n. 6, p. 681-693, 2009.

VIEIRA, M. M. F. Poder, objetivos e instituições como determinantes da definição de qualidade em organizações brasileiras e escocesas. Revista de Administração Contemporânea, v. 1, n. 1, p. 7-33, jan./apr. 1997.

WALTERS, G.; CHADWICK, S. Corporate citizenship in football: delivering strategic benefits through stake holder engagement. Management Decision, v. 47, n. 1, p. 51-66, 2009.

WEITZNER, D.; PERIDIS, T. Corporate governance as part of the strategic process: rethinking the role of the board. Journal of Business Ethics, v. 102, n. 1, p. 33-42, 2011.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2005.

ZOUAIN, D. M.; ALVES, J. A. B.; PIERANTI, O. P. Relatório final de atividades do fórum de discussão permanente de políticas de esporte. Revista de Administração Pública, v. 40, n. 4, p. 731-738, jul./ago. 2006.