A Economia Criativa no Ambiente dos Parques e Incubadoras Outros Idiomas

ID:
44511
Resumo:
A economia criativa tem se tornado um elemento fundamental na geração de ideias, produtos e serviços sendo um conceito em evolução, baseado em ativos criativos, que modifica o perfil das indústrias e do mercado global a partir da parceria entre criatividade e economia, somados a inovação e tecnologia. No Brasil, os Parques Tecnológicos e Incubadoras, por sua vez, não têm dedicado um real interesse a esse setor emergente pois encontram-se envolvidos, essencialmente, com tecnologias voltadas para áreas como: TI (TIC) e softwares, biotecnologia, meio ambiente, energias alternativas, eletrônica embarcada, etc. Este artigo identifica como a economia e a indústria criativa têm modificado os resultados econômicos e o perfil do empreendedorismo nacional e global, e como estas tendências se aplicam em relação aos ambientes dos Parques e Incubadoras, para a inserção da criatividade no cenário brasileiro atual. Evidencia que a produção criativa promove competências que constituem conhecimento sem Design, Arquitetura, Patrimônio e Herança Cultural, Mídia, Cultura e Artes, atuando de forma democrática, agregando conhecimentos, diversidade e diferenciação, superando barreiras sociais e regionais e realizando inclusão social. Demonstra que um segmento de mercado que envolveu cerca de US $ 624 bilhões em 2011, mais do que duplicando entre 2002 e 2011, mantendo uma trajetória de crescimento, possui somente 2% das atividades de destaque dos Parques voltadas ao seu desenvolvimento e fomento.
Citação ABNT:
BARCELLOS, E. E. I.; BOTURA JUNIOR, G.; RAMIREZ, C. M. S. A Economia Criativa no Ambiente dos Parques e Incubadoras. International Journal of Innovation, v. 4, n. 2, p. 140-154, 2016.
Citação APA:
Barcellos, E. E. I., Botura Junior, G., & Ramirez, C. M. S. (2016). A Economia Criativa no Ambiente dos Parques e Incubadoras. International Journal of Innovation, 4(2), 140-154.
DOI:
http://dx.doi.org/10.5585/iji.v4i2.52
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/44511/a-economia-criativa-no-ambiente-dos-parques-e-incubadoras/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANPROTEC. Portfolio de Parques Tecnológicos no Brasil. Anprotec, dezembro. 2008.

ATHAYDE, Phydia de. Negócios Criativos, 2014. O que o Brasil pode fazer para fortalecer a economia criativa? In: Home: . Acesso em: 21/04/2015. 2014

BARCELLOS, Ekaterina E. I.; Botura Jr, Galdenoro; Da Silva, José C. P. “Relevance and Impact of Technological Innovation in a Consumption Scenery trough Interventions in Foreign Media”. In: Proceedings of World Congress on Communication and Arts – WCCA 2014, Vila Real, 2014, pp. 35.

BUETTGEN, John Jackson. Economia Criativa: Inovação, Cultura, Tecnologia e Desenvolvimento. Org. John Jackson Buettgen, Schirlei Mari Freder. Curitiba: Ed. Juruá, 2015.

DOUEK, Daniel. Centro de Pesquisa e Formação do Sesc São Paulo. Entrevista com Cláudia Leitão - Secretária da Economia Criativa do MinC: “A Secretaria da Economia Criativa deveria colaborar para deslocar o Ministério da Cultura para uma discussão mais estratégica sobre o desenvolvimento do Brasil”. In: Home: . Acesso em: 11/05/2015.

EXAME.Exame.com. John Howkins: economia criativa precisa de pessoas malucas, 02/08/2012 In: Home: Acesso em: 20/06/2015. 2012.

FORBES.Forbes.com. Inside The 2015 Forbes Billionaires List: Facts And Figures. In: Home: em: . Acesso em: 16/06/2015. 2015.

GOV.UK/DCSMS. Creative Industries: Focus on Employment, 2014. In: Home: . Acesso em: 14/06/2015. 2014.

GOV.UK. Statistics Creative Industries Economic Estimates January 2015 - Key Findings. In: Home: em Acesso em: 17/05/2015.

HOWKINS, JOHN, 2013. Economia Criativa - como ganhar dinheiro com ideias criativas. São Paulo: M. Books, 2013.

INTERBRAND, 2014. Best Global Brands–Interbrand 2014. In: Home . Acesso em: 14/06/2015. 2014.

OBEC, 2013. Observatório Brasileiro da Economia Criativa - Secretaria da Economia Criativa do Ministério da Cultura (MinC). In: Home: . Acesso em: 12/06/215. 2013.

PROJETO DRAFT. In: Home: . Acesso em: 12/05/2015.

REIS, Ana C. F. Cidades Criativas. São Paulo: SESI-SP Editora, 2012.

REIS, ANA C. F. et al. 2008. Economia Criativa como estratégia de desenvolvimento: uma visão dos países em desenvolvimento/ org. Ana Carla Fonseca Reis. São Paulo: Itaú Cultural: Garimpo de Soluções, 2008.

UNCTAD GLOBAL.UNCTAD Global Database on the Creative Economy 2012. Trade in creative products reached new peak in 2011. In: Home: . Acesso em 13/06/2015.

UNCTAD NAÇÕES UNIDAS. 2010. Relatório de economia criativa 2010 – Economia Criativa: uma opção de desenvolvimento viável. Genebra/Nova York: Nações Unidas, 2010. In: Home: . Acesso em: 30/05/2015. 2010.

UNCTAD. UNCTAD.org. Creative Economy Report, 2013. In: Home: . Acesso em: 14/04/2015.

UNCTAD.UNCTAD.org. UNCTAD's work on the Creative Economy. In: Home:.Acessoem: 13/06/2015. 2013.

UNESCO. As indústrias criativas impulsam as economias e o desenvolvimento- segundo o Relatório da ONU. Brasília, nov. 2013. Representação Da Unesco No Brasil. In: Home: . Acesso em: 22/05/2015. 2013.

UNESCO. Creative Economy Report: Widening Local Development Pathways, 2013. Special Edition. Published by UNDP, New York and UNESCO, Paris: 2013.In: Home:http://www.unesco.org/culture/pdf/creativeeconomy-report-2013.pdf>. Acesso em: 22/05/2015. 2013.