A estratégia como prática social nas organizações: articulações entre representações sociais, estratégias e táticas cotidianas Outros Idiomas

ID:
4461
Resumo:
O objetivo neste artigo é propor um caminho teórico-metodológico que permita o estudo do fazer estratégia em organizações, a partir de uma abordagem inserida na visão da estratégia como prática social, na qual os contextos - macro e microssociais -, bem como suas delimitações, são manifestados pelos sujeitos desde as suas inserções nesses mesmos contextos, nos quais constroem suas práticas. Nessa abordagem, enfatiza-se ora o nível microssocial das práticas que envolvem o fazer das pessoas, ora o nível macrossocial das influências contextuais sobre essas práticas. Isso remete à necessidade de uma delimitação entre os dois níveis, comumente realizada a priori pelo pesquisador (WILSON e JARZABKOWSKI, 2004). Nesse sentido, oferece-se uma proposta que permite reconhecer o espaço dos sujeitos sociais para definir essas delimitações. Para tanto, articulam-se no texto as seguintes contribuições teóricas: reflexões sobre a ideia de gestão como prática social (REED, 1989) e das representações sociais que oferecem uma alternativa para tratar os limites contextuais que envolvem o fazer das pessoas, dentro e fora das organizações (MOSCOVICI, 1961); as estratégias e táticas cotidianas dessas mesmas pessoas que evidenciam maneiras pelas quais os fazeres envolvem relações de interesses convergentes e divergentes (CERTEAU, 1994).
Citação ABNT:
SILVA, A. R. L.; CARRIERI, A. P.; JUNQUILHO, G. S. A estratégia como prática social nas organizações: articulações entre representações sociais, estratégias e táticas cotidianas. Revista de Administração, v. 46, n. 2, art. 2, p. 122-134, 2011.
Citação APA:
Silva, A. R. L., Carrieri, A. P., & Junquilho, G. S. (2011). A estratégia como prática social nas organizações: articulações entre representações sociais, estratégias e táticas cotidianas. Revista de Administração, 46(2), 122-134.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/4461/a-estrategia-como-pratica-social-nas-organizacoes--articulacoes-entre-representacoes-sociais--estrategias-e-taticas-cotidianas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANSOFF, I. H. Corporate strategy: business policy for growth and expansion. New York: McGraw-Hill, 1965.

BAKHTIN, M. M. Speech genres and other late essays. Austin: University of Texas, 1986.

CAVEDON, N. R.; FERRAZ, D. L. da S. Representações sociais e estratégia em pequenos comércios. RAE-eletrônica, São Paulo, v. 4, n. 1, art. 14, jan. /jul. 2005.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes do fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

CERTEAU, M. de. Heterologies: discourse on the other. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1986.

CHANDLER, A. D. Strategy and structure: chapters in the history of American industrial enterprise. Cambridge, Massachusetts: MIT Press, 1962.

CLEGG, S. R.; HARDY, C. Introdução: organização e estudos organizacionais. In: CLEGG, S. R.; HARDY, C.; NORD, W. R. (Org. ). Handbook de estudos organizacionais: modelos de análise e novas questões em estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 1999. v. 1, p. 27-57.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis, RJ: Vozes, 1977.

GELETKANYCZ, M. A.; HAMBRICK, D. C. The external ties of top executives: implications for strategic choice and performance. Administrative Science Quarterly, New York, v. 42, n. 4, p. 654-681, Dec. 1997.

GERGEN, K. J. The place of the psyche in a constructed world. Theory and Psychology, Swarthmore, v. 7, n. 6, p. 723-746, Dec. 1997.

HOLTON, G. J. A imaginação cientifica. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

JARZABKOWSKI, P. Strategy as practice: an activity-based approach. London: Sage, 2005.

JODELET, D. Representações sociais: um domínio em expansão. In: JODELET, D. (Org. ). As representações sociais. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001. p. 17-44.

JOHNSON, G.; MELIN, L.; WHITTINGTON, R. Guest editors’ introduction: micro strategy and strategizing. Journal of Management Studies, Durham, UK, v. 40, n. 1, p. 3-22, Jan. 2003.

LIU, L. Quality of life as a social representation in China: a qualitative study. Social Indicators Research, Beijing, v. 75, n. 2, p. 217-240, Jan. 2006.

LIU, L. Sensitising concept, themata and shareness: a dialogical perspective of social representations. Journal for the Theory of Social Behaviour, Oxford, v. 34, n. 3, p. 249-264, Sept. 2004.

MARKOVÁ, I. Amédée or how to get rid of it: social representations from a dialogical perspective. Culture & Psychology, Stirling, v. 6, n. 4, p. 419-460, Dec. 2000.

MINTZBERG, H. Patterns in strategy formation. Management Science, Hanover, USA, v. 24, n. 9, p. 934-948, May 1978.

MINTZBERG, H.; WATERS, J. Of strategies, deliberate and emergent. Strategic Management Journal, v. 6, n. 3, p. 257-272, July/Sept. 1985.

MOSCOVICI, S. Introductory address. Papers on Social Representations – Textes sur les Représentations Sociales, v. 2, n. 3, p. 1-170, 1993.

MOSCOVICI, S. La psychanalyse: son image et son public: étude sur la representation sociale de la psychanalyse. Paris: Presses Universitaires de France, 1961.

MOSCOVICI, S. Notes towards a description of social representations. European Journal of Social Psychology, v. 18, n. 3, p. 211-250, July 1988.

MOSCOVICI, S. O fenômeno das representações sociais. In: MOSCOVICI, S. Representações sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003. p. 29-110.

MOSCOVICI, S.; VIGNAUX, G. O conceito de themata. In: MOSCOVICI, S. Representações sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003. p. 215-250.

PETTIGREW, A. M. Strategy formulation as a political process. International Studies of Management & Organization, v. 7, n. 2, p. 78-87, Summer. 1977.

PORTER, M. E. Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. 5. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1991.

PORTER, M. E. Vantagem competitiva. 22. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1989.

REED, M. Management as a social practice. Journal of Management Studies, Oxford, England, v. 21, n. 3, p. 273-285, July. 1984.

REED, M. Redirections in organizational analysis. London: Tavistock, 1985.

REED, M. The labour process perspective on management organization: a critique and reformulation. In: HASSARD, J.; PYM, D. The theory and philosophy of organizations: critical issues and new perspectives. London: Routledge, 1995.

REED, M. The sociology of management. London: Harvester Wheatsheaf, 1989.

SÁ, C. P. de. A construção do objeto de pesquisa em representações sociais. Rio de Janeiro: UERJ, 1998.

SHOTTER, J. The social construction of our ‘inner’ lives. Journal of Constructivist Psychology, Philadelphia, USA, v. 10, n. 1, p. 7-24, Jan. 1997.

SPINK, M. J. Representações sociais: questionando o estado da arte. Psicologia & Sociedade, São Paulo, v. 8, n. 2, p. 166-186, jul. /dez. 1996.

VERGÈS, P. Representações sociais da economia: uma forma de conhecimento. In: JODELET, D. (Org. ). As representações sociais. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001. p. 343-362.

WHIPP, R. Desconstrução criativa: estratégia e organizações. In: CLEGG, S.; HARDY, C.; NORD, W. R. (Org. ). Handbook de estudos organizacionais: ação e análise organizacionais. São Paulo: Atlas, 2004. v. 3.

WIERSEMA, M. F.; BANTEL, K. A. Top management team demography and corporate strategic change. Academy of Management Journal, Champaing, USA, v. 35, n. 1, p. 91-121, Mar. 1992.

WILSON, D. C.; JARZABKOWSKI, P. Pensando e agindo estrategicamente. Revista de Administração de Empresas (RAE-FGV), São Paulo, v. 44, n. 4, p. 21-31, out. /dez. 2004.