A Aprendizagem do Cozinhar à Luz das Práticas Sociais e da Estética Organizacional

ID:
44643
Resumo:
O objetivo deste estudo foi analisar o processo de aprendizagem do cozinhar em dois restaurantes de comida regional nordestinos à luz das práticas sociais e da estética organizacional. Deste modo, foi realizada uma pesquisa qualitativa de abordagem estética. A construção dos dados empíricos foi por meio do método de zooming in e zooming out, operacionalizado por meio de observação participante, conversas informais e entrevistas semiestruturadas. A análise foi realizada por meio de categorias estéticas relativas à pratica do cozinhar. Os resultados indicam que a aprendizagem do cozinhar ocorre por meio do uso das faculdades perceptivas individuais somadas a juízos estéticos coletivos constituindo uma prática social do cozinhar. Concluiu-se que a prática do cozinhar implica a formação do gosto que representa um conhecimento sensível fruto do que é palpável, visível, ouvido, cheirado e degustado.
Citação ABNT:
SOARES, L. C.; BISPO, M. S. A Aprendizagem do Cozinhar à Luz das Práticas Sociais e da Estética Organizacional . Brazilian Business Review, v. 14, n. 2, p. 247-271, 2017.
Citação APA:
Soares, L. C., & Bispo, M. S. (2017). A Aprendizagem do Cozinhar à Luz das Práticas Sociais e da Estética Organizacional . Brazilian Business Review, 14(2), 247-271.
DOI:
http://dx.doi.org/10.15728/bbr.2017.14.2.6
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/44643/a-aprendizagem-do-cozinhar-a-luz-das-praticas-sociais-e-da-estetica-organizacional-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANTONACOPOULOU, E. (2015). One more time - what is practice? Teoria e Prática em Administração-TPA, v. 5 n. 2, p. 01-26, 2015.

ARISTOTLE. Nicomacheanethics. (trans. Terence Irwin). 2 ed. Indianapolis: Hackett Publishing, 1999.

AZEVEDO, D. Aprendizagem Organizacional e Epistemologia da Prática: Um Balanço de Percurso e Repercussões. Revista Interdisciplinar de Gestão Social - RIGS, v. 2 n. 1, 2013.

BASSO, K.; PAULI, J.; BRESSAN, V. P. Relações de gênero e estética organizacional: sugestões para estudos sobre relações, cultura e desempenho. Cadernos EBAPE. BR, v. 12, n. 3, p. 688-688, 2014.

BERTOLIN, R. V.; CAPPELLE, M. C. A.; BRITO, M. J. de. Corporeidade e Estética na Aprendizagem Organizacional: Insights Emergentes. Revista de Administração Mackenzie, v. 15, n. 2, 2014.

BISPO, M de S. Aprendizagem organizacional baseada no conceito de prática: contribuições de Silvia Gherardi. REV. ADM. Mackenzie, v. 14, n. 6, p. 132-161. 2013.

BISPO, M de S. Estudos baseados em prática: conceitos, história e perspectivas. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, v. 2, n. 1, p. 13-33. 2013.

BISPO, M de S. Methodological Reflections on Practice-Based Research in Organization Studies. Brazilian Administration Review-BAR, v. 12, n. 3, p. 309-323, 2015.

BISPO, M de S. O Processo de organizar em agências de viagens: influências estéticas, etnometodológicas e práticas. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, v. 8, p. 161, 2014.

BOURDIEU, P. Outline of a theory of practice. Cambridge: Cambridge Press, 1977.

BOURDIEU, P. The logic of practice. California: Stanford University Press, 1990.

BRANDÃO, E. A. A estética do Marketing. Revista Gestão & Tecnologia, v. 8, n. 1, art. 6, p. 1-10, 2008.

CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. (3a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

EWENSTEIN, B.; WHYTE, J. Beyond Words: Aesthetic Knowledge and Knowing in Organizations, Organization Studies, v. 28, n. 5, p. 689-708, 2007.

FERREIRA, J. F.; GODOY, A. S. Processos de Aprendizagem: Um Estudo em Três Restaurantes de um Clube Étnico Alemão de Negócios, Gastronomia e Cultura. Revista de Administração Mackenzie, v. 16, n. 2, p. 15-44, 2015.

FINE, G. A. Kitchens: the culture of restaurant work. Berkeley, CA: University of California Press, 1996.

FLACH, L.; ANTONELLO, C. S. Organizações culturais e a aprendizagem baseada em práticas. Cadernos EBAPE, v. 9, n. 1, p. 155-175, 2011.

FLICK, U. Uma introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Bookman, 2009.

GALLON, S.; BITENCOURT, B. M.; VIANA, D. D.; ANTONELLO, C. S. Formas de Aprendizagem e Saberes no Trabalho de Manicures . Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 10, n. 1, p. 96-112, 2016.

GHERARDI, S. Conhecimento situado e ação situada: o que os estudos baseados em prática prometem. In: GHERARDI, S.; STRATI, A. Administração e aprendizagem na prática. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

GHERARDI, S. From organizational learning to practice-based knowing. Human Relations, v. 54, n. 1, p. 131-139, 2001. p. 1- 44.

GHERARDI, S. How to conduct a practice-based study: problems and methods. Cheltenham: Edward Elgar, 2012. pp. 155 - 177.

GHERARDI, S. Knowing and learning in practice-based studies: an introduction. Learning Organization, v. 16 n. 5, p. 352 - 359, 2009.

GHERARDI, S.; NICOLINI, D. “Actor-networks:ecology and entrepreneurs”. In: CZARNIAWSKA, B.; HERNES, T. (eds). Actor-Network Theory and Organizing. Copenhagen: Liber & Copenhagen Business School Press, 2005, p. 285-306.

GHERARDI, S.; NICOLINI, D.; STRATI, A. The passion for knowing. Organization; The Interdisciplinary Journal of Organizationory and Society, v. 14, n. 3, p. 315-329, 2007.

GHERARDI, S. O poder crítico da lente das práticas. In: GHERARDI, S.; STRATI, A. Administração e aprendizagem na prática. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

GHERARDI, S. Organizational knowledge: the texture of workplace learning. Oxford: Blackwell, 2006.

GHERARDI, S. Practice-based theorizing on learning and knowing in organizations: An introduction. Organization, v. 7, n. 2, p. 211-223, 2000.

GHERARDI, S. Prática? É uma Questão de Gosto! Revista Interdisciplinar de Gestão Social, v. 2, n. 1, pp 107-124, 2013.

GIDDENS, A. The Constitution of Society. Cambridge: Polity Press, 1984.

HEGARTY, J. A & O’MAHONY, G. B. Gastronomy: a phenomenon of cultural expressionism and an aesthetic for living. Hospitality Management, v. 20, 3 - 13, 2001.

INFOJOBS. Auxiliar de Cozinha. Disponível em Acesso em 16 de dezembro de 2014.

IPIRANGA, A. S. R.; LOPES, L. L. S.; SOUZA, E. M. A Experiência Estética nas Práticas Culinárias de uma Organização Gastronômica. Organizações & Sociedade, v. 23, n. 77, p. 191-210, 2016.

John. Manipulando o tempo: ritmo, métrica e andamento nas Fantasias Op. 116 de Brahms. Em Pauta, v. 20, n. 34/35, 2012. p. 245-282.

LATOUR, B. Reassembling the social: an introduction to actor-network-theory. Oxford: Oxford University Press, 2005.

LAVE, J.; WENGER, E. Situated Learning: legitimate peripheral participation. Nova York: Cambridge University Press, 1991.

LEAL, R. A Estética como Elemento para Compreensão da Criatividade nas Organizações. Organizações & Sociedade, v. 14, n. 42, p. 67-82, 2007.

LEAL, R. As dimensões da Racionalidade e os Estudos Organizacionais: a mediação entre a modernidade e a pós-modernidade. Organizações & Sociedade, v. 9, n. 25, p. 77-91, 2002.

LOPES, L. L. S.; SOUZA, E. M. de; IPIRANGA, A. S. R. Desvelando as Categorias Estéticas na Organização de um Pequeno Restaurante. Revista Interdisciplinar de Gestão Social - RIGS, v. 3, p. 207-222, 2014.

MENESES, U. T. B.; CARNEIRO, H. A História da Alimentação: balizas historiográficas. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, Nova Série, v. 5, p. 9-92, 1997.

MIETTINEN, R.; SAMRA-FREDERICKS, D.; YANOW, D. Re-turn to practice: an introductory essay. Organization Studies, v. 30, n. 12, p. 1309-1327, 2009.

NICOLINI, D. Practice Theory, Work, & Organization: an introduction. Oxford: Oxford University Press, 2013.

NICOLINI, D. Zooming in and zooming out: a package of method and theory to study work practice. In: YBEMA, S.; YANOW, D.; WELS, H.; KAMSTEEG, F. (Ed. ). Organizational ethnography: Studying the complexity of everyday life. London: SAGE Publications, 2009. p. 120-138.

ORLIKOWSKI, W. J. Knowing in practice: enacting a collective capability in distributed organizing. Organization Science, v. 13, n. 3, p. 249-273, 2002.

POLANYI, M. The Tacit Dimension. London: Routledge. 1966.

RECKWITZ, A. Toward a Theory of Social Practices: a development in culturalist theorizing. European Journal of Social Theory, v. 5, n. 2. p. 243-263, 2002.

REED, M. Teorização Organizacional: um campo historicamente contestado. In: CLEGG, Stewart; HARDY, Cynthia; NORD, Walter (Orgs. ) Handbook de Estudos Organizacionais. São Paulo: Atlas, 2007. v. 1. cap 1, p. 61-97.

RODRIGUES, R. A arte para além da Estética: arte contemporânea e o discurso dos artistas. Artefilosofia, 5, 2008. p. 119-131.

SANTOS, L. L. S.; ALCADIPANI, R. Por uma Epistemologia das Práticas Organizacionais: A contribuição de Theodore Schatzki. O&S, v. 22, n. 72, p. 79-98, 2015.

SCHATZKI, T. R. Introduction: practice theory. In: Schatzki, T. R.; Knorr Cetina, K.; Von Savigny, E. , (eds. ) The Practice Turn in Contemporary Theory. (pp. 01-14). New York: Routledge, 2001.

SHOVE, E.; PANTZAR, M.; WATSON, M. The dynamics of social practice: Everyday life and how it changes. London: Sage Publications, 2012.

SOARES, L. C.; BISPO, M. de S. Contribuições da Estética Organizacional para a Pesquisa em Organizações Gastronômicas. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo-RBTUR, v. 8, n. 3, p. 476-493, 2014.

STRATI, A. Aesthetics understanding of organizational life. Academy of Management Review, v. 17, n. 3, p. 568-581, 1992.

STRATI, A. Aesthetics understanding of work and organizational life: Approaches and research developments. Sociology Compass, v. 10, n. 4, p. 880-893, 2010.

STRATI, A.; MONTOUX, P. G. de. Introduction: Organizing aesthetics. Human Relations, v. 55, n. 7, p. 755-766, 2002.

STRATI, A. Organização e Estética. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007. 320 p.

STRATI, A. Organizational artifacts and the aesthetic approach. In: RAFAELI, A.; PRATT, M. (Ed. ). Artifacts and Organizations: Beyond mere symbolism. Ahwah, New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, 2006. p. 23-40.

STRATI, A. Sensible knowledge and practice-based learning. Management Learning, v. 38, n. 1, p. 61-77, 2007.

STRATI, A. The aesthetic approach in organization studies. 2000. In: LINSTEAD, S.; HÖPFL, H. (Ed. ). The aesthetics of organization. London: SAGE Publications, 2000. pp. 13-34.

STRATI, A. “Você faz coisas belas?”: estética e arte em métodos qualitativos de estudos organizacionais. In: GHERARDI, S.; STRATI, A. Administração e aprendizagem na prática. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

TAYLOR, S. S.; HANSEN, H. Finding form: Looking at the field of organizational aesthetics. Journal of Management Studies, v. 42, n. 6, p. 1211-1231, 2005.

VIEIRA, Domingo. Grande diccionario portuguez ou Thesouro da lingua portuguesa. 1878.

WENGER, E. Communities of Practice: learning, Meaning and Identity, Cambidge: Cambridge University Press. 1998.

WILLERDING, I. A. V.; KRAUSE, M. G.; LAPOLLI, E. M. Gestão de pessoas e gestão do conhecimento à luz da estética organizacional em uma organização de base tecnológica. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, v. 6, n. 1, p. 141-154, 2016.

WOOD JR, T.; CSILLAG, P. Estética Organizacional. Organização & Sociedade, v. 8, n. 21, p. 35-44, 2001.