A Criação de Negócios de Micro e Pequeno Porte da Economia Criativa Outros Idiomas

ID:
44676
Resumo:
Este estudo teve como objetivo analisar a criação de negócios de micro e pequeno porte da economia criativa. Pretendeu-se especificamente identificar as fontes de inspiração para concepção e desenvolvimento da ideia; verificar como os empreendedores avaliaram e exploraram as oportunidades de negócio; analisar as atividades realizadas no período de preparação e gestação e, por fim, relatar os obstáculos percebidos durante a fase de criação. O método de pesquisa adotado foi o de estudos de casos múltiplos e foram selecionados cinco casos de acordo com a classificação apresentada pela UNCTAD (2010). Como resultados pode-se destacar que os negócios analisados atuam em diferentes setores da economia criativa e possuem, em geral, pouco tempo em atividade. As ideias dos negócios foram originadas essencialmente com base em experiências anteriores e conhecimentos adquiridos pelos empreendedores ao longo de suas vidas em áreas que possuíam interesse pessoal. Todos os empreendedores enxergaram na família e nos amigos as fontes fundamentais de apoio durante a criação do negócio, contribuindo para que pudessem dedicar-se aos seus empreendimentos. Dentre os obstáculos identificados, o maior deles foi a ausência de reconhecimento do mercado, seguida pela dificuldade em contratar funcionários qualificados, estabelecer parcerias e vender seus produtos/serviços.
Citação ABNT:
ALMEIDA, A. S.; TEIXEIRA, R. M. A Criação de Negócios de Micro e Pequeno Porte da Economia Criativa. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, v. 15, n. 2, p. 74-89, 2016.
Citação APA:
Almeida, A. S., & Teixeira, R. M. (2016). A Criação de Negócios de Micro e Pequeno Porte da Economia Criativa. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 15(2), 74-89.
DOI:
10.21529/RECADM.201600
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/44676/a-criacao-de-negocios-de-micro-e-pequeno-porte-da-economia-criativa/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Alves-Mazzotti, A. J. (2006). Usos e Abusos dos Estudos de Caso. Cadernos de Pesquisa, 36(129), 637-651.

Alves-Mazzotti, A. J., & Gewandsznajder, F. (2001). O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa (2 ed.). São Paulo: Pioneira Thompson Learning Ltda.

Alves, E. P. M. A., & Souza, C. A. C. S. (2012). A Economia Criativa no Brasil: O Capitalismo Cultural Brasileiro Contemporâneo. Latitude, 6(2), 119-173.

Arvola, K., Kuttim, M. & Venesaar, U. (2011). Development of creative entrepreneurship: Opinion of managers from Estonia, Latvia, Finland and Sweden. Business: Theory and Practice, 12(4).

Ball, L. (2003). Future directions for employability research in the creative industries, Working paper, Design Council and LTSN, London.

Bampton, R., & Cowton, C. J. (2002). The E-Interview. Forum: Qualitative Social Research, 3(2).

Bendassolli, P, F., Borges-Andrade, J. E., & Gondim, S. M. G. (2016). Self-Control, Self-Management and Entrepreneurship in Brazilian Creative Industries. Paidéia, 26(63), 25-33.

Bird, B. J. (1988). Implementing Entrepreneurial Ideas: The Case For Intention. Academy of Management Review, 13(3), 442–53

Borges, C., Filion, L. J. & Simard, G. (2008). Jovens Empreendedores e o Processo de Criação de Empresas. Revista de Administração Mackenzie, 9(8), 39-63.

Borges, J. D. (2005). Competitividade criativa. GV Executivo, 4(3), 86-90.

BRASIL (2011). Plano da Secretaria da Economia Criativa: Políticas, Diretrizes e Ações, 2011 – 2014. Brasília, Ministério da Cultura.

Carey, C. Naudin, A. (2006). Enterprise curriculum for creative industries students: An exploration of current attitudes and issues, Education + Training, 48(7), 518-531.

Changing Other People’s Mind: Creative Entrepreneurs. Ejounalist, 9(1).

Chaston, I. (2008) Small Creative Industry Firms: A Development Dilemma? Management Decision, 46(6), 819-831.

Davidsson, P. & Gordon, S. R. (2012). Panel Studies of New Venture Creation: A methods-focused review and suggestions for future research. Small Business Economics, 39 (4), 853-876.

DCMS, Department of Culture, Media and Sport. (2001). Creative Industries Mapping Document 2001, London.

Dilelio, R. C. (2015). A Economia Criativa e Sua Novidade: Estudo De Caso Múltiplo em Empresas de Base Tecnológica em Porto Alegre e Arredores. Dissertação de Mestrado, 141 f.

Eisenhardt, K. (1989). Building Theories From Case Study Research. Academy of Management Review, 14(4), 532-550.

FIRJAN, Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (2012). Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil. Rio de Janeiro: Firjan.

Gartner, W. B. (1988). “Who is an entrepreneur?” is the wrong question. American Journal of Small Business, 12(4), 11-32.

Gomes, E. C. F. (2008). Oportunidades de negócios em indústrias criativas: uma visão prospectiva na cidade de Fortaleza. 2008 Dissertação (Mestrado em Administração de Empresas) – Centro de Estudos Sociais Aplicados, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza.

Hartley, J. (2008). From the Consciousness Industry to Creative Industries: Consumer-created content, social network markets and the growth of knowledge. In Jennifer Holt and Alisa Perren (Eds.) Media Industries: History, Theory and Methods. Oxford: Blackwell.

Holge-Hazelton, B. (2002). The Internet: A New Field for Qualitative Inquiry? Forum: Qualitative Social Research, 3(2).

Machado, H. P. V. (Org.). Empreendedorismo, oportunidades e cultura: seleção de casos no contexto brasileiro. Maringá: Eduem.

Meho, L. I. (2006). E-Mail Interviewing in Qualitative Research: A Methodological Discussion. Journal of the American Society for Information Science and Technology, 57(10), 1284–1295.

Milićević, V., Ilić, B. & Sofronijević, A. (2013). Business Aspects of Creative Industries from a Global Perspective. Journal for Theory and Practice Management, 66, 5-14.

O’Connor, H. & Madge, C. (2003). Focus groups in cyberspace. Qualitative Market Research: An International Journal, 6(2), 133-143.

Parkman, I. D., Holloway, S. S. & Sebastiao, H. (2012). Creative industries: Aligning Entrepreneurial Orientation and Innovation Capacity. Journal of Research in Marketing and Entrepreneurship, 14(1), 95-114.

Peterka, S. O., Delić, A. & Matešić, M. (2012). From idea to realization of the project: Why not business venture too? Case of the creative project “100lica stolica”. In Proceedings 32nd International Conference on Entrepreneurship and Innovation Maribor. Podim Potentials of Creative Industries.

Pires, V. S. & Albagli, S. (2012). Estratégias empresariais, dinâmicas informacionais e identidade de marca na economia criativa. Perspectivas em Ciência da Informação, 17(2), 109-122.

Reis, A. C. F. (2008). Economia Criativa como Estratégia de Desenvolvimento: Uma visão dos países em desenvolvimento. São Paulo: Itaú Cultural.

Rossoni, L. & Teixeira, R. M. (2008). A Interação dos Relacionamentos com os Recursos e a Legitimidade no Processo de Criação de uma Organização Social. Cadernos EBAPE.BR, 6(4), 1-19.

Santos-Duisenberg, E. dos. (2011) Secretaria da Economia Criativa no Brasil. In MINC. Plano da Secretaria da Economia Criativa: políticas, diretrizes e ações, 2011 – 2014. Brasília, Ministério da Cultura. Sebrae Nacional. (2015) Guia do Empreendedor Criativo. Disponível em: http://www.bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/e1bb929711a641ae 93eb6dbb5853db3d/$File/5442.pdf

Shane, S. & Venkataraman, S. (2000). The Promise of Entrepreneurship as a Field of Research. The Academy of Management Review, 25(1), 217-226.

Silva, F. R. M. da. (2012). As Relações entre Cultura e Desenvolvimento e a Economia Criativa: Reflexões sobre a realidade brasileira. Revista NAU Social, 3(4), 111-121.

Swedberg, R. (2006). The Cultural Entrepreneur and the Creative Industries: beginning in Vienna. Journal of cultural economics, 30(4), 243-261.

Teixeira, R. M. (2012). O Processo de Criação de Novos Negócios em Turismo: estudo de casos múltiplos em agências de viagens em Curitiba, Paraná. Turismo em Análise, 23(2), 464-483.

Teixeira, R. M., Ducci, N. P. C., Sarrassini, N. S., Munhê, V. P. C. & Ducci, L. Z. (2011). Empreendedorismo Jovem e a Influência da Família: A História de Vida de uma Empreendedora de Sucesso. REGE, 18(1), 3-18.

Tu, C. & Yang, S. (2013) The Role of Entrepreneurial Creativity in Entrepreneurial Processes. International Journal of Innovation, Management and Technology, 4(2), 286-289.

UNCTAD (2010). Relatório de Economia Criativa 2010 – Economia Criativa: Uma Opção de Desenvolvimento Viável. São Paulo. Watterson, L. (2008).

Wilson, N. & Stokes, D. (2002). Cultural entrepreneurs and creating exchange. Journal of Research in Marketing & Entrepreneurship, 4(2), 37-52.

Yin, R. K. (2010). Estudo de Caso: Planejamento e Métodos (5 ed.). Porto Alegre: Bookman.

Zardo, J. B. G. & Mello, R. E. S. de. (2012). Rio Criativo – Incubadora de Empreendimentos da Economia Criativa do Estado do Rio de Janeiro: Análise Crítica da Universidade Empreendedora Executora de Política Pública. Sistemas & Gestão, 7(2), 206-221.