Governança no Contexto das Redes Interorganizacionais: Um Estudo nos Arranjos Produtivos Locais Paranaenses a partir da Abordagem Institucionalista Outros Idiomas

ID:
44677
Resumo:
Reconhecendo a diversidade de atores que compõem as redes interorganizacionais, este estudo adota a perspectiva institucional e uma concepção de ambiente em que distintos grupos de atores podem perceber de forma diferente o mesmo contexto institucional. Diante disso, o estudo se propõe a investigar como o compartilhamento dos valores do contexto institucional de referência se relaciona com a configuração da governança em três arranjos produtivos locais (APLs) localizados no Paraná. Os resultados quantitativos e qualitativos apontaram diferenças em termos de origem das pressões ambientais percebidas, evidenciando que o compartilhamento de valores referentes à cooperação afeta positivamente a configuração da governança. Assim, a principal contribuição do estudo diz respeito à forma com que os atores se organizam no contexto dos APLs, enquanto fruto das relações locais, independentemente do nível do contexto em que se referenciam. Isso possibilitou evidenciar que as interações no nível local permitem que o conceito de APL ganhe concretude ao longo do tempo, indicando a possibilidade de se pensar uma governança aplicada a APLs.
Citação ABNT:
CASTRO, M.; JACOMETTI, M.; GONÇALVES, S. A. Governança no Contexto das Redes Interorganizacionais: Um Estudo nos Arranjos Produtivos Locais Paranaenses a partir da Abordagem Institucionalista. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, v. 15, n. 2, p. 90-115, 2016.
Citação APA:
Castro, M., Jacometti, M., & Gonçalves, S. A. (2016). Governança no Contexto das Redes Interorganizacionais: Um Estudo nos Arranjos Produtivos Locais Paranaenses a partir da Abordagem Institucionalista. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 15(2), 90-115.
DOI:
10.21529/RECADM.2016008
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/44677/governanca-no-contexto-das-redes-interorganizacionais--um-estudo-nos-arranjos-produtivos-locais-paranaenses-a-partir-da-abordagem-institucionalista/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Albers, S. (2005). The design of Alliance Governance Systems. Köln: KölnerWissenschaftsverlag

Albers, S. (2010). Configurations of alliance governance systems. Schumalenbach Business Review, 62(3), 204-233.

Amato Neto, J. (2000). Redes de cooperação produtiva e clusters regionais: oportunidades para as pequenas e médias empresas. São Paulo: Atlas.

Berger, P. L., & Luckmann, T. (2009). A construção social da realidade (30 ed.). Petrópolis: Vozes.

Child, J., & Faulkner, D. (1998). Strategies of co-operation: managing alliances, networks, and joint ventures. New York: Oxford University Press.

Crubellate, J. M., & Machado-da-Silva, C. L. (1998). Valores/crenças e interesses como mediadores de adaptação organizacional à mudança ambiental: estudo comparativo de casos. Anais do Encontro Nacional da Associação dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 22.

Dimaggio, P. J., & Powell, W. W. (1983). The iron cage revisited: institutional isomorphism and collective rationality in organizational fields. American Sociological Review, 48(2), 147-160.

Doz, Y. L., & Hamel, G. (1998). Alliance advantage: the art of creating value through partnering. Boston: Harvard Business School Press.

Flick, U. (2009). Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Bookman.

Garrete, B-, & Dussauge, P. (2000). Alliance versus acquisitions: choosing the right options. European Management Journal, 18(1), 63-69.

Godoy, A. S. (1995a). Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, 35(2), 57-63.

Godoy, A. S. (1995b). Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, 35(3), 20-29.

Gonçalves, S. A. (2007). Mudança estratégica, esquemas interpretativos e contexto institucional: um estudo de caso longitudinal. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 6(2), 1-14.

Grandori, A., & Soda, G. (1995). Inter-firm networks: antecedents, mechanisms and forms. Organizations Studies, 16(2), 183-232.

Greenwood, R., & Hinings, C. R. (1988). Organizational design types, tracks and the dynamics of strategic change. Organization Studies, 9(3), 293-316

Guarido Filho, E. R. (2000). Influências contextuais e culturais sobre a aprendizagem organizacional: um estudo no setor alimentício do Paraná. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil.

Guarido Filho, E. R., & Machado-da-Silva, C. L. (2001). A influência dos valores ambientais e organizacionais sobre a aprendizagem organizacional na indústria alimentícia paranaense. Revista de Administração Contemporânea, 5(2), 33-63.

Hair Jr, J. F., Anderson, R. E., Tatham, R. L. & Black, W. C. (2005). Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman.

Inkpen, A. C. (2000). A Note on the Dynamics of Learning Alliances: Competition, Cooperation, and Relative Scope, Strategic Management Journal, 21(7), 775-779.

Ipardes. Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. (2006). Arranjos produtivos locais do Estado do Paraná: identificação, caracterização e construção de tipologia. Curitiba, PR: Secretaria de Estado do Planejamento e Coordenação Geral/Ipardes.

Laville, C., & Dionne, J. (1999). A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Belo Horizonte: UFMG.

Machado-da-Silva, C. L, & Barbosa, S. L. (2002). Estratégia, fatores de competitividade e contexto de referência das organizações: uma análise arquetípica. Revista de Administração Contemporânea, 6(3), 7-32.

Machado-da-Silva, C. L, & Fernandes, B. H. R. (1998). Mudança ambiental e reorientação estratégica: estudo de caso em instituição bancária. Revista de Administração de Empresas, 38(4), 46-56.

Machado-da-Silva, C. L, & Fonseca, V. S. (1996). Competitividade organizacional: uma tentativa de reconstrução analítica. Organizações e Sociedade, 4(7), 97-114.

Machado-da-Silva, C. L, & Fonseca, V. S. (1999). Competitividade organizacional: conciliando padrões concorrenciais e padrões institucionais. In M. M. F. Vieira, & L. M. B. Oliveira (Orgs.). Administração contemporânea: perspectivas estratégicas (pp. 27-40). São Paulo, Atlas.

MDIC. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. (2008). PDP (Política do Desenvolvimento da Produção). Brasília, DF. Recuperado em 30 julho, 2013, de http://www.pdp.gov.br/Paginas/Default.aspx.

Meyer, J. W., & Rowan, B. (1977). Institutional organizations: formal structure as myth and ceremony. American Journal of Sociology, 83(2), 340-363.

Oxley, J. E. (1997). Appropriability hazards and governance in strategic alliances: a transaction cost approach. Journal of Law, Economics, and Organization, 13(2), 387-409.

Parkhe, A. (1993). Partner nationality and the structure-performance relationship in strategic alliances. Organization Science, 4(2), 301-324.

Powell, W. W. (1991). Expanding the scope of institutional analysis. In W. W. Powell, & P. J. Dimaggio (Eds.). The new institutionalism in organizational analysis (pp. 183-203). Chicago: University of Chicago Press.

Provan, K. G., & Kenis, P. (2007). Modes of network governance: structure, management and effectiveness. Journal of Public Administration Research and Theory, 18(2), 229-252.

Ring, P. S., & Van de Ven, A. H. (1992). Structuring cooperative relationships between organizations. Strategic Management Journal, 13(17), 483-498.

Roth, A. L., Wegner, D., Antunes, J. A., & Padula, A. D. (2010). Diferenças e inter-relações dos conceitos de governança e gestão de redes interorganizacionais: contribuições para o campo de estudos. Anais do Encontro Nacional da Associação dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 34.

Scott, William R. (2008). Institutions and organizations: ideas and interests. Thousand Oaks: Sage Publications.

Scott, William R., & Meyer, John W. (1991). The organization of societal sectors: propositions and early evidence. In W. W. Powell, & P. J. Dimaggio (Eds.). The new institutionalism in organizational analysis. (pp. 108-140). Chicago: University of Chicago Press.

Scott, W. R. (1987). The adolescence of institutional theory. Administrative Science Quarterly, 32(4), 493-511.

Scott, W. R. (1992). The organization of environments: network, cultural, and historical elements. In J. W. Meyer, & W. R. Scott. (Eds.). Organizational environments: ritual and rationality. London: Sage Publications.

Scott, W. R. (1995). Symbols and organizations: from Barnard to the institutionalists. In O. E. Williamson. (Ed). Organization theory: from Chester Barnard to the present and beyond (pp. 38-55). New York: Oxford University Press.

SPEKMAN, R. E., FORBES, T. M., ISABELLA, L. A., & MACAVOY, T. C. (1998). Alliance management: a view form the part and a look to the future. Journal of Management Studies, 35(6), p. 747-772.

Wegner, D. (2011). Governança, gestão e capital social em redes horizontais de empresas: uma análise das relações com o desempenho das empresas participantes. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Whetten, D. A., & Leung, T. K. (1979). The instrumental value of interorganizational relations: antecedents and consequences of linkage formation. Academy of Management Journal, 22(2), 325344.

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman