Os sistemas nacional e regional de inovação e sua influência na interação universidade‐empresa em Santa Catarina Outros Idiomas

ID:
44685
Periódico:
Resumo:
O ambiente nacional e a definição de políticas governamentais que apontem para o desenvolvimento e a consolidação de relações entre as diferentes instituições são elementos que compõem um Sistema Nacional de Inovação (SNI). O reconhecimento da importância desses aspectos tem feito com que tanto países desenvolvidos como países em desenvolvimento passem a implantar políticas que fortaleçam os vínculos entre as produções científica e tecnológica. Tais políticas também se refletem em recortes regionais, dão origem ao Sistema Regional de Inovação (SRI). Este artigo tem como objetivo analisar a influência dos elementos dos sistemas nacional e regional de inovação nas interações universidade‐empresa (U‐E) em Santa Catarina. Teve como objeto de estudo quatro universidades, analisadas nas seguintes categorias: estrutura de ciência, tecnologia e inovação (C,T&I) e sistema de ensino superior. Para a coleta dos dados, foram feitas 38 entrevistas em profundidade. Para análise e tratamento dos dados, foi usado o software de análise de dados qualitativos Atlas/ti, versão 7.1.3. Os resultados mostraram uma atuação cada vez mais consolidada, principalmente em termos de volume de investimento, dos governos federal e estadual nas políticas de C,T&I, reforçada pelo marco regulatório no campo da inovação. Sobre o sistema de ensino superior, apurou‐se, em relação ao seu funcionamento, que a estrutura da universidade cria barreiras para que o relacionamento com o setor produtivo se desenvolva, ainda que exista clareza por parte dos pesquisadores da lógica dentro da qual a universidade deve operar, que não é a mesma lógica de mercado.
Citação ABNT:
LEMOS, D. C.; CARIO, S. A. F. Os sistemas nacional e regional de inovação e sua influência na interação universidade‐empresa em Santa Catarina. Revista de Gestão, v. 24, n. 1, p. 45-57, 2017.
Citação APA:
Lemos, D. C., & Cario, S. A. F. (2017). Os sistemas nacional e regional de inovação e sua influência na interação universidade‐empresa em Santa Catarina. Revista de Gestão, 24(1), 45-57.
DOI:
dx.doi.org/10.1016/j.rege.2016.05.002
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/44685/os-sistemas-nacional-e-regional-de-inovacao-e-sua-influencia-na-interacao-universidade---empresa-em-santa-catarina/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Ahrweiler, P.; Pika, A.; Gilbert, N. (2011). A new model for university-industry links in knowledge-based economies. Journal of Production and Innovation Management, 28, 218-235.

Arruda, M.; Velmulm, R.; Hollanda, S. (2006). Inovação tecnológica no Brasil: a indústria em busca da competitividade global. São Paulo: Anpei.

Ashein, B. T.; Coenen, L. (2005). Knowledge bases and regional innovation systems: comparing nordic clusters. Research Policy, 34, 1173-1190.

Ashein, B. T.; Gertler, M. S. (2007). The geography of innovation: regional innovation systems. In J. Fagerberg, D. C. Mowery.; R. R. Nelson (Eds.), The Oxford handbook of innovation. (pp. 291-317). New York: Oxford University Press.

Bernardes, A. c.; Alburquerque, E. M. (2003). Cross-over, thresholds and the interactions between science and technology: lessons for less-developed countries. Research Policy, 2(5), 867-887.

Cário, S. A. F.; Nicolau, J. A.; Fernandes, R. L.; Zulow, J.; Lemos, A. C. M. (2011). Caracterização dos grupos de pesquisa das universidades e centros de pesquisa que mantêm relações interativas com empresas em Santa Catarina. In W. Suzigan, E. M. Albuquerque.; S. A. F. Cario (Eds.). Em busca da inovação. Interação universidade-empresa no Brasil. (pp. 275-310). Belo Horizonte: Autêntica

Castro, M. H. M. (2011). Universidades e inovação: configurações institucionais, terceira missão. Caderno CRH, 24(63), 555-573, set/dez.

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Diretório dos Grupos de Pesquisa do CNPq. Censos 2000 a 2010. Recuperado em 20 junho, 2013, de http://dgp.cnpq.br/censos/index.htm

Cooke, P.; Uranga, M. G.; Etxebarria, G. (1997). Regional innovation systems: institutional and organizational dimensions. Research Policy, 26, 475-491.

Cooke, P.; Uranga, M. G.; Etxebarria, G. (1998). Regional systems of innovation: an evolutionary perspective. Environment and Planning, 30, 1563-1584.

Corder, S. (2006). Políticas de inovação tecnológica no Brasil: experiência recente e perspectivas. Brasília: Instituto de Pesquisa Aplicada - Ipea. Texto para Discussão no 1.244.

D’Este, P.; Patel, P. (2007). University - Industry linkages in the UK: what are the factors underlying the variety of interactions with industry? Research Policy, 36, 1295-1313.

Dolereux, D. (2002). What we should know about regional systems of innovation. Technology in Society, 24, 243-263.

Dolereux, D.; Parto, S. (2005). Regional innovation systems: current discourse and unresolved issues. Technology in Society, 27, 133-153.

Dudziak, E. A.; Plonski, G. A. (2008). Lei de Inovação e pesquisa acadêmica. Revista Gestão Industrial, 4(1), 1-18.

Dutrénit, G.; Arza, V. (2015). Features of interactions between public research organizations and industry in Latin America: the perspective of researchers and firms. In E. M. Albuquerque, W. Suzigan, G. Kruss.; K. Lee (Eds.), Developing national systems of innovation: university-industry interactions in the global south. (pp. 93-119). Cheltenham, UK; Northampton, MA, USA: Edward Elgar.

Edquist, C. (1997). Systems of innovation: technologies, institutions and organizations. London: Pinter.

Edquist, C. (2007). Systems of Innovation: perspectives and challenges. In J. Fagerberg, D. C. Mowery.; R. R. Nelson (Eds.), The Oxford handbook of innovation. (pp. 181-208). New York: Oxford University Press.

Etzkowitz, H. (1998). The norms of entrepreneurial science: cognitive effects of the new university-industry linkages. Research Policy, 27, 823-833.

Fagerberg, J. (2007). A guide to the literature. In J. Fagerberg, D. C. Mowery.; R. R. Nelson (Eds.), The Oxford handbook of innovation. (pp. 1-26). New York: Oxford University Press.

Fagerberg, J.; Sapprasert, K. (2011). National innovation systems: the emergence of a new approach. Science and Public Policy, 38, 669-679. November.

Felipe, E. S.; Pinheiro, A. O. M.; Rapini, M. S. (2011). A convergência entre a política industrial, de ciência, tecnologia e de inovação: uma perspectiva neoschumpeteriana e a realidade brasileira a partir dos anos 90. Pesquisa & Debate, 22(2), 265-290.

Fernandes, A. C.; Souza, B. C. de, Silva, A. S.; Suzigan, W.; Chaves, C. V.; Albuquerque, E. M. (2010). Academy-industry links in Brazil: evidence about channels and benefits for firms and researchers. Science and Public Policy, 37 (7), 485-498.

Freeman, C. (1987). Technology policy and economic performance: lessons from Japan. London/New York: Pinter Publishers.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2013). Censo da Educação Superior 2012. Recuperado em 31 outubro, 2013, de http://portal.inep.gov.br/superior-censosuperior-sinopse

Klofsten, M.; Jones-Evans, D. (2000). Comparing academic entrepreneurship in Europe: the case of Sweden and Ireland. Small Business Economics, 14, 299-309.

Lemos, D. C.; Cário, S. A. F.; Melo, P. A. (2015). Processo de interação universidade-empresa em Santa Catarina para o desenvolvimento inovativo: o caso da UFSC, Furb, Udesc e Univali. Revista de Ciências da Administração, 17(43), 37-54, dezembro.

Lima, P. G. (2009). Política científica e tecnológica: países desenvolvidos, América Latina e Brasil. Dourados, MS: Editora da UFGD.

Lind, F.; Styhre, A.; Aaboen, L. (2013). Exploring university-industry collaboration in research centres. European Journal of Innovation Management, 16(1), 70-91.

Lundvall, B. (1992). National systems of innovation: towards a theory of innovation and interactive learning. London: Pinter Publishers.

Lundvall, B. (2007). National innovation systems: analytical concept and development tool. Industry and Innovation, 14(1), 95-119.

Lundvall, B.; Johnson, B.; Andersen, E. S.; Dalum, B. (2002). National systems of production, innovation and competence building. Research Policy, 31, 213-231.

Maculan, A. M.; Mello, J. M. C. (2009). University start-ups for breaking lockins of the Brazilian economy. Science and Public Policy, 36(2), 109-114, marco.

Motoyama, S. (Org.). (2004). Prelúdio para uma história: ciência e tecnologia no Brasil. São Paulo: EDUSP.

Nelson, R. R. (1993). National innovation systems: a comparative analysis. New York, Oxford: Oxford University.

Nelson, R. R.; Rosenberg, N. (1993). Technical innovation and national sys-tems. In R. R. Nelson (Ed.), National innovation systems: a comparative analysis (pp. 3-21). New York: Oxford University Press.

Nelson, R. R.; Winter, S. G. (2006). Uma teoria evolucionária da mudança econômica. Campinas: Editora da Unicamp.

Niosi, J. (2002). National systems of innovations are “x-efficient” (and x-effective). Why some are slow learners. Research Policy, 31, 291-302.

Niosi, J.; Bellon, B.; Saviotti, P.; Crow, M. (1992). Les systèmes natio-naux d’innovation: à la recherche d’un concept utilisable. Revue Fran¸caise d’Économie, 7(1), 215-250.

Organisation de Coopération et de Développement. (1999). Gérer les systèmes nacionaux d’innovation. Paris: OCDE.

Perkmann, M.; King, Z.; Pavelin, S. (2011). Engaging excellence?Effects of faculty quality on university engagement with industry. Research Policy, 40, 539-552.

Perkmann, M.; Walsh, K. (2009). The two faces of collaboration: impacts of university-industry relations on public research. Industrial and Corporate Change, 18(6), 1033-1065.

Pinho, M.; Fernandes, A. C. (2015). Relevance of university-industry links for firms from developing countries: exploring different surveys. In E. M. Albuquerque, W. Suzigan, G. Kruss.; K. Lee (Eds.), Developing national systems of innovation: university-industry interactions in the global south. (pp. 145-163). Cheltenham, UK; Northampton, MA, USA: Edward Elgar.

Plewa, C.; Korff, N.; Baaken, T.; Macpherson, G. (2013). University-industry linkage evolution: an empirical investigation of relational success factors. R&D Management, 43(4), 365-380.

Ponomariov, B. L. (2008). Effects of university characteristics on scientists’ interactions with the private sector: an exploratory assessment. Journal of Technology Transfer, 33, 485-503.

Rapini, M. S.; Chaves, C. V.; Albuquerque, E. M.; Silva, L.; Souza, S. G. A.; Righi, H. M.; et al. (2009). University-industry interactions in an immature system of innovation: evidence from Minas Gerais, Brazil. Science and Public Policy, 36(5), 373-386.

Schumpeter, J. A. (1982). Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Abril Cultural.

Serafim, M. P.; Dagnino, R. P. (2011). A política científica e tecnológica e as demandas da inclusão social no governo Lula (2003-2006). Organização & Sociedade, Salvador, 18(58), 403-427, julho/set.

Sistema de Informações Georreferenciadas - Capes (2012). Recuperado em 31 outubro 2013 de http://geocapes.capes.gov.br/geocapesds/

Suzigan, W.; Albuquerque, E. M. (2011). A interação universidades e empresas em perspectiva histórica no Brasil. In Em busca da inovação: interação universidade-empresa no Brasil. pp. 17-43. Belo Horizonte: Autêntica.

Vergara, S. C. (2009). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas.