Atração e Permanência de Pessoas em Instituições Religiosas Católicas: O Peso dos Contornos Institucionais Outros Idiomas

ID:
44707
Periódico:
Resumo:
As organizações são desafiadas ao processo de adaptação e atualização constante de suas estruturas e de seus contornos institucionais para que possam cumprir sua finalidade institucional. Em um contexto de pressão e esvaziamento de membros, este estudo buscou compreender o que pode motivar ou desmotivar a atração, permanência ou desistência de membros em instituições de caráter religioso, especialmente aquelas ligadas à Igreja Católica. Norteado por elementos da teoria institucional, o estudo teve como objetivo central analisar a relação entre a configuração institucional das instituições religiosas (IR) e o ingresso, permanência e/ou desistência de seus membros. A estratégia de pesquisa adotada foi o estudo qualitativo, com foco nas IR católicas, pesquisa documental e egressos (desistentes nos últimos 10 anos). Os dados foram coletados por meio de estudo de documentos, questionários e entrevistas e grupo focal. Ao analisar a relação entre a configuração institucional das IR e o ingresso e permanência de seus membros, constatou-se que os sistemas de regras, normas, princípios regulatórios, crenças, ritos, universo simbólico e ideias têm influência direta em fatores de atratividade e geram satisfação ou insatisfação dos membros, dependendo do grau de institucionalização e da capacidade de agência dos atores. São os roteiros institucionais que revelam as preferências fundamentais dos indivíduos a partir dos cenários, contornos e processos históricos. O estudo aponta, ainda, uma tensão entre as percepções do indivíduo e da instituição.
Citação ABNT:
CENCI, R.; FILIPPIM, E. S. Atração e Permanência de Pessoas em Instituições Religiosas Católicas: O Peso dos Contornos Institucionais . Cadernos EBAPE.BR, v. 15, n. 1, p. 152-168, 2017.
Citação APA:
Cenci, R., & Filippim, E. S. (2017). Atração e Permanência de Pessoas em Instituições Religiosas Católicas: O Peso dos Contornos Institucionais . Cadernos EBAPE.BR, 15(1), 152-168.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/1679-395149075
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/44707/atracao-e-permanencia-de-pessoas-em-instituicoes-religiosas-catolicas--o-peso-dos-contornos-institucionais-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BEOZZO, J. O. A recepção do Vaticano II na igreja do Brasil. In: INSTITUTO NACIONAL DE PASTORAL – INP (Org.). Presença pública da igreja no Brasil: jubileu de ouro da CNBB (1952-2002). São Paulo: Paulinas, 2003. 425 p.

BERGER, P. L.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1974.

BOURDIEU, P. Esboço de uma teoria da prática: precedido de três estudos de etnologia Kabila. Oeiras: Celtas, 2002.

CALIMAN, C. A renovação da vida religiosa no Concílio Vaticano II. Convergência, v. 48, n. 464, p. 509-526, 2013.

CARVALHO, C. A.; VIEIRA, M. F.; GOULART, S. A trajetória conservadora da teoria institucional. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, v. 10, p. 469-496, 2012.

CONFERÊNCIA DOS RELIGIOSOS DO BRASIL – CRB. Instituições associadas. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2014.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo (1931-1994), 2003. Disponível em: . Acesso em: 14 dez. 2013.

DIMAGGIO, P. J. Interest and agency in institutional theory. In: ZUCKER, L. G. Institutional patterns and organizations. Cambridge, MA: Ballinger, 1988.

DIMAGGIO, P. J.; POWELL, W. W. Introdcution. In: POWELL, W. W.; DIMAGGIO, P. J. (Eds.). The new institutionalism in organizational analysis. Chicago: University of Chicago Press, 1991. 1-38 p.

DIMAGGIO, P. J.; POWELL, W. W. The iron cage revisited: institutional isomorphism and collective rationality in organizational fields. American Sociological Review, v. 48, n. 2, p. 147-169, 1983.

DURKHEIM, E. As regras do método sociológico. 14. ed. São Paulo: Nacional, 1990.

EISENSTADT, S. Social institutions. In: SILLS, D. L. (Ed.). International encyclopedia of the social sciences. New York: Macmillan, 1968. v. 14. 409-429 p.

EMMENDOERFER, M. L. Análise das instituições no contexto da modernidade: reflexões e contribuições da ciência política sobre o neo-institucionalismo para os estudos organizacionais. In: ENCONTRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS, 4.; 2006, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: Anpad, 2006. Disponível em: . Acesso em: 11 dez. 2013.

ESPINO, J. A. Instituciones y economía: una introducción al neoinstitucionalismo económico. Région y Sociedad, v. 13, n. 22, p. 194- 197, 2001.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, v. 35, n. 2, p. 57-63, 1995.

GROSJEAN, F. Life with two languages: an introduction to bilingualism. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1972.

GUERREIRO RAMOS, A. A redução sociológica. 3. ed. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 1996.

GUERREIRO RAMOS, A. Reflexões sobre o homem dormindo. A Manhã, 24 mar. 1946.

GUTIÉRREZ, J. Dinámica del grupo de discusión. Madrid: Centro de Investigaciones Sociológicas, 2008.

HALL, P. A.; TAYLOR, R. C. R. The three versions of neo-institutionalism. Lua Nova, n. 58, p. 193-223, 2003.

HARMERS, J.; BLANC, M. Bilinguality and Bilingualism. Cambridge: Cambridge University Press, 2000.

HUGHES, E. C. The study of institutions. Social Forces, v. 20, n. 3, p. 307-310, 1942.

IBÁÑEZ, J. Más allá de la sociología. El grupo de discusión: teoría y crítica. 5. ed. Madrid: Sieglo Veintiuno, 2003.

IMMERGUT, E. The normative roots of the new institutionnalism: historical-institutionalism and comparative policy studies. In: BENZ, A.; SEIBEL, W. (Org.). Beiträge zur theorieentwicklung in der Politik und verwaltungswissenschaft. Baden-Baden: Nomos Verlag, 1996. 325-355 p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Censo 2010. Disponível em: . Acesso em: 4 jan. 2014.

JACOMETTI, M. et al. Análise de efetividade das políticas públicas de arranjo produtivo local para o desenvolvimento local a partir da teoria institucional. Rev. Adm. Pública, v. 50, n. 3, p. 425-454, 2016.

LOURAU, R. Objeto e método da análise institucional. In: DALTOÉ, S. (Org.). Analista institucional em tempo integral. São Paulo: Hucitec, 2004. 66-86 p.

MACHADO-DA-SILVA, C.; COSER, C. Organização Focal e Relações de Poder em um Campo Organizacional. Disponível em: . Acesso em: 4 jan. 2014.

MARCH, J. G.; OLSEN, J. P. El nuevo institucionalismo: factores organizativos de la vida política. Zona Abierta, n. 63/64, p. 1-43, 1993.

MEYER, J. W.; ROWAN, B. Institucionalized organizations: formal structure as myths and a ceremony. American Journal of Sociology, v. 83, n. 2, p. 340-363, 1977.

MIRANDA, M. F. Uma igreja em processo de renovação. Vaticano II: o legado e a tarefa. Revista Eclesiástica Brasileira, v. 72, n. 286, p. 366-395, 2012.

MOTA, R. N. Juventudes: o exercício de aproximação. 2. ed. Brasília, DF: Ed. CRB, 2011.

OLIVEIRA, R. C. A. Estéticas juvenis: intervenção nos corpos e na metrópole. Comunicação, Mídia e consumo, v. 4, n. 9, p. 63-86, 2007.

ORO, I. P. O fenômeno religioso: como entender. São Paulo: Paulinas, 2013.

PARSONS, T.; BALES, R. F. Family, socialisation and interaction process. London: Routledge, 1955.

SELZNICK, P. A liderança na administração: uma interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 1972.

SERVA, M. O fato organizacional como fato social total. Rev. Adm. Pública, v. 35, n. 3, p. 131-152, 2001.

SILVA, L. P.; DIAS, L. C. F.; SILVA, J. S. Ensino Superior, mobilidade social e dominação: uma análise à luz dos conceitos de Bourdieu e da teoria institucional. RACE: Revista de Administração, Contabilidade e Economia, v. 14, n. 3, p. 1145-1174, 2015.

SOBRINO, J. Ressurreição da verdadeira igreja. São Paulo: Loyola, 1982.

TEIXEIRA, F. Pluralismo religioso. Horizonte, v. 3, n. 6, p. 27-32, 2005.

THÉRET, B. As instituições entre as estruturas e as ações. Lua Nova, n. 58, p. 225-255, 2003.

WACQUANT, L. Esclarecer o habitus. Educação e Linguagem, v. 10, n. 16, p. 63-71, 2007.

WEBER, M. A Ética protestante e o espírito do capitalismo. 7. ed. São Paulo: Pioneira, 1992.

WILLIAMS, Z. et al. Why all the changes?An institutional theory approach to exploring the drivers of supply chain security. International Journal of Physical Distribution and Logistics Management, v. 39, n. 7, p. 595-618, 2009.

AMBROSIO, M. Assembleia dos Religiosos do Brasil. CONFERÊNCIA DOS RELIGIOSOS DO BRASIL – CRB. Instituições associadas. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2014.

PEREIRA, W. C. C. (Org.). Análise institucional na vida religiosa consagrada. 2. ed. Belo Horizonte: CRB, 2012.