Complexidade e governança corporativa: uma análise das empresas listadas na BM&FBOVESPA Outros Idiomas

ID:
44900
Resumo:
Diante da necessidade de se criarem mecanismos de controle, proteção e transparência sobre as relações entre o principal e o agente, buscando eliminar ou reduzir o conflito de agência, surgiu a governança corporativa. À luz da Teoria da Agência, a separação das atividades de propriedade e controle é oriunda da complexidade das próprias organizações. Nesse contexto, o estudo tem como objetivo analisar a relação entre as dimensões da complexidade e a governança nas empresas listadas na Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo (BM&FBOVESPA), em que os fatores contingenciais podem influenciar as características organizacionais. A investigação reúne dados amostrais de 162 empresas listadas na BM&FBOVESPA. Para a análise dos dados, foram empregados os seguintes testes estatísticos: Análise Fatorial, Regressão Linear Múltipla, Análise de Correspondência e Análise de Correlação. Para a mensuração da complexidade, são adotadas em conjunto as variáveis contingenciais idade, tamanho, diversificação e internacionalização; e, para examinar a governança corporativa, utiliza-se um índice representativo da adoção de boas práticas de governança. Os resultados apontaram que a complexidade organizacional é explicada pelas variáveis tamanho e diversificação, enquanto a complexidade das operações pode ser observada por tamanho, diversificação e internacionalização. Constatou-se que, nas duas dimensões da complexidade – organizacional e das operações –, a governança corporativa sofreu influência das variáveis diversificação, internacionalização e idade, sendo esta última em relação inversa. Conclui-se, pois, que as empresas de mais complexidade, nas duas dimensões, registram índices de governança corporativa mais elevados, confirmando-se a hipótese da pesquisa.
Citação ABNT:
ASSUNÇÃO, R. R.; LUCA, M. M. M.; VASCONCELOS, A. C. Complexidade e governança corporativa: uma análise das empresas listadas na BM&FBOVESPA. Revista Contabilidade & Finanças - USP, v. 28, n. 74, p. 213-228, 2017.
Citação APA:
Assunção, R. R., Luca, M. M. M., & Vasconcelos, A. C. (2017). Complexidade e governança corporativa: uma análise das empresas listadas na BM&FBOVESPA. Revista Contabilidade & Finanças - USP, 28(74), 213-228.
DOI:
10.1590/1808-057x201702660
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/44900/complexidade-e-governanca-corporativa--uma-analise-das-empresas-listadas-na-bm-fbovespa/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Almeida, M. A.; Santos, J. F. D.; Ferreira, L. F. V. M.; Torres, F. J. V. (2010). Determinantes da qualidade das práticas de governança corporativa das empresas brasileiras de capital aberto que possuem investimentos públicos. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 12(37), 369-387.

Anderson, R. C.; Reeb, D. M.; Upadhyay, A.; Zhao, W. (2011). Th e economics of director heterogeneity. Financial Management, 40(1), 5-38.

Andreatta, A.; Silveira, A.; Olinquevitch, J. L. (2009). A controladoria nas grandes indústrias têxteis do Vale do Itajaí/ SC. Caminhos (Rio do Sul), 1, 221-240.

Araújo, C. E. B.; Cabral, A. C. A.; Santos, S. M.; Pessoa, M. N. M.; Roldan, V. P. S. (2013). Grau de adesão de empresas familiares às boas práticas de governança corporativa: proposição e teste de um instrumento-diagnóstico. Revista Alcance – Eletrônica, 20(1), 117-138.

Arruda, G. S.; Madruga, S. R.; Freitas, N. I.; Júnior. (2008). A governança corporativa e a teoria da agência em consonância com a controladoria. Revista de Administração da UFSM, 1(1), 71-84.

Assunção, R. R.; De Luca, M. M. M.; Gallon, A. V.; Cardoso, V. I. C. (2014). Os artefatos da contabilidade gerencial e o ciclo de vida organizacional. Revista ConTexto, 14(28), 68-82.

Assunção, R. R.; De Luca, M. M. M.; Vasconcelos, A. C.; Rebouças, S. M. D. P. (2014). Complexidade organizacional e governança corporativa nas maiores companhias abertas do Brasil. Enfoque: Reflexão Contábil, 33(1), 105-122.

Berle, A.; Means, G. (1932). The modern corporation and private propriety. London. New York: Macmillan.

Berry, T.K.; Bizjak, J. M.; Lemmon, M. L.; Naveen, L. (2006). Organizational complexity and CEO labor markets: evidence from diversified firms. Journal of Corporate Finance, 12, 797-817.

Bezerra, F. A. (2009). Análise fatorial. In L. J. Corrar, L. J.; E. Paulo, & J. M. Dias, Filho, (Org.). Análise multivariada. p. 73-130. São Paulo: Atlas.

Bhagat, S.; Carey, D. C.; Elson, C. M. (1999, May). Director ownership, corporate performance, and management turnover. Th e Business Lawyer, 54(3), 885-919.

Boone, A. L.; Field, L. C.; Karpoff , J. M.; Raheja, C. G. (2007). The determinants of corporate board size and composition: an empirical analysis. Journal of Financial Economics, v. 85, 66-101.

Burns, T.; Stalker, G. M. (1960). The management of innovation. London: Tavistock.

Bushman, R.; Chen, Q.; Engel, E.; Smith, A. (2004). Financial accounting information, organizational complexity and corporate governance systems. Journal of Accounting and Economics, v. 37, 167-201.

Cardoso, A. F.; Cabral, A. S. (2010). O ambiente de pesquisa e desenvolvimento (P&D) sobre o enfoque da teoria da complexidade em instituições de pesquisa tecnológica (IPTS). Revista Innovare, v. 9, n. January/June, p. 125-144.

Catapan, A.; Colauto, R. D.; Barros, C. M. E. (2013). A relação entre a governança corporativa e o desempenho econômico-financeiro de empresas de capital aberto do Brasil. Contabilidade, Gestão e Governança, 16(2), 16-30.

Chenhall, R. H. (2007): Theorizing contingencies in management control systems research. In C. S. Chapman, A. G. Hopwood, & M. D. Shields (Eds.). Handbook of Management Accounting Research, v. 1: Elsevier. p. 163-205.

Coles, J. L.; Daniel, N. D.; Naveen, L. (2008). Boards: does one size fit all? Journal of Financial Economics, v. 87, 329-356.

Comissão de Valores Mobiliários. (2002). Recomendações da CVM sobre governança corporativa. Recuperado em 14 fevereiro, 2013, de http://www.cvm.gov.br

Comitê de Pronunciamentos Contábeis. (2009). Pronunciamento técnico CPC 22 –informações por segmento. Recuperado em 14 dezembro, 2012, de http://www.cpc.org.br/pdf/CPC%2022.pdf

Crispim, S. F.; Barbosa, W. (2006). As teorias do caos e da complexidade na gestão estratégica. Anais do Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, Resende, RJ, Brasil, 3.

Cunha, J. V.; Coelho, A. C. A. (2009). Regressão linear múltipla. In L. J. Corrar, E. Paulo, & J. M. Dias-Filho. (Coord.). Análise multivariada: para os cursos de administração, ciências contábeis e economia. p. 131-231. São Paulo: Atlas.

Daryani, M.; Amini, A. (2016). Management and Organizational Complexity. Procedia-Social and Behavioral Sciences, v. 230, 359-366.

Donaldson, L. (2007). Teoria da contingência estrutural. In S. R. Clegg, C. Hardy, & W. R. Nord. (Vol. 1). p. 104-131. Handbook de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas.

Espejo, M. M. S. B.; Frezatti, F. (2008). A contabilidade gerencial sob a perspectiva contingencial: influência de fatores contingenciais no sistema orçamentário modelado por equações estruturais. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação em Pesquisa e Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 32.

Fama, E. F.; Jensen, M. C. (1983). Separation of ownership and control. Journal of Law and Economic, 26(2), 301-325.

Farias, K. T. R. (2012). Mecanismos de controle do reporting financeiro das companhias abertas do Brasil. (Tese de Doutorado). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Fávero, L. P.; Belfiore, P. P.; Silva, F. L.; Chan, F. B. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier.

Ferreira, D.; Ferreira, M. A.; Raposo, C. C. (2011). Board structure and price informativeness. Journal of Financial Economics, v. 99, 523-545.

Field, A. (2009). Descobrindo a estatística usando o SPSS. Porto Alegre: Artmed.

Fisher, J. (1995). Contingency-based research on management control systems: categorization by level of complexity. Journal of Accounting Literature, v. 14, 24-53.

Gill, M. S.; Vijay, T. S.; JHA, S. (2009). Corporate governance mechanisms and firm performance: a survey of literature. The Icfai University Journal of Corporate Governance, 8(1), 7-21.

Gomes, A. P. M. (2016). Características da governança corporativa como estímulo à gestão fiscal. Revista Contabilidade & Finanças - USP, 27(71), 149-168.

Greiner, L. E. (1998). Evolution and revolution as organizations grow. Harvard Business Review, 76(3), 55-98.

Hair, J. F.; Black, W. C.; Bandin, B. J.; Anderson, R. E.; Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. 6a ed. São Paulo: Bookman.

Hassel, A.; Höpner, M.; Kurdelbusch, A.; Rehder, B.; Zugehör, R. (2003). Two dimensions of the internationalization of fi rms. Journal of Management Studies, 40(3), 701-720.

Hitt, M.; Ireland, R.; Hoskisson, R. (2003). Administração estratégica: competitividade e globalização. São Paulo: Thomson Learning.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. (2009). Código das melhores práticas de governança corporativa. 4a ed. São Paulo: IBGC. Recuperado em 14 outubro, 2012, de http://www.ibgc.org.br/CodigoMelhoresPraticas.aspx

Jensen, M. C. (1993). The modern industrial revolution exit and the failure of internal control systems. The Journal of Finance, 48(3), 831-880.

Klapper, L. F.; Love, I. Corporate governance, investor protection, and performance in emerging markets. [Working Paper]. The World Bank. Retrieved June 18, 2014, from http://elibrary.worldbank.org/doi/book/10.1596/1813-9450-2818

Kledt, F.; Evers, P.; Benson, D. (2016). Organizational complexity. In T. Havar-Simonovich, T.; D. Simonovich. (Vol. 1). p. 95-116. Contemporary Theory and Practice of Organizations, Part I: Understanding the Organization. Stuttgart: Verlag.

Lameira, V. J.; Ness, W. L.; Jr. (2011). Os determinantes da qualidade da governança praticada pelas companhias abertas brasileiras. Revista de Negócios, 16(3), 33-52.

Lawrence, P. R.; Lorsch, J. W. (1967). Diff erentiation and integration in complex organizations. Administrative Science Quarterly, 12(1), 1-47.

Linck, J.; Netter, J.; Yang, T. (2008). Th e determinants of board structure. Journal of Financial Economics, v. 87, 308-328.

Lin, T. T.; Lee, Y. C. (2008). Organizational characteristics, board size and corporate performance. Journal of Global Business Management, 4(2), 338-347.

Miller, D.; Friesen, P. H. (1984). A longitudinal study of the corporate life cycle. Management Science, 30(10), 1161-1183.

Mintzberg, H.; Quinn, J. B. (2001). O processo da estratégia. Porto Alegre: Bookman.

Naveen, L. (2006). Organizational complexity and succession planning. Journal of Financial and Quantitative Analysis, 41(3), 661-683.

Ponchirolli, O. (2007). A teoria da complexidade e as organizações. Diálogo Educacional, 7(22), 81-100.

Rossetti, J. P.; Andrade, A. (2011). Governança corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. 5a ed. São Paulo: Atlas.

Sampieri, R. H.; Collado, C. F.; Lúcio, P. B. (2006). Metodologia de pesquisa. 3a ed. São Paulo: McGraw-Hill.

Santos, J. G. C. D.; Vasconcelos, A. C.; De Luca, M. M. M. (2013). Perfil da inovação e da internacionalização de empresas transnacionais. Revista de Administração e Inovação, 10(1), 189-211.

Shleifer, A.; Vishny, R. W. (1997). A survey of corporate governance. The Journal of Finance, 52(2), 737-783.

Silva, A. L. C.; Leal, R. P. C. (2005). Corporate governance index, firm valuation and performance in Brazil. Revista Brasileira de Finanças, 3(1), 1-18.

Silveira, A. M. (2002). Governança corporativa, desempenho e valor da empresa no Brasil. (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Silveira, A. M. (2004). Governança corporativa e estrutura de propriedade: determinantes e relação com o desempenho das empresas no Brasil. (Tese de Doutorado). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Silveira, A. M. (2010). Governança corporativa no Brasil e no mundo: teoria e prática. Rio de Janeiro: Elsevier.

Silveira, A. M.; Barros, L. A. B. C. (2008). Determinantes da qualidade da governança corporativa das companhias abertas brasileiras. Revista Eletrônica de Administração, 14(3), 1-29.

Thompson, J. D. (1967). Organizations in action: social science bases of administrative theory. New York: McGraw-Hill.

Vesterby, V. (2008). Measuring complexity: things that go wrong and how to get it right. Emergence: Complexity and Organization, 10(2), 90-102.