As Translações no Organizar das Práticas Científicas em P & D Biotecnológica Outros Idiomas

ID:
44958
Resumo:
Considerando as práticas científicas relacionadas a Pesquisa & Desenvolvimento em biotecnologia e, com base nos pressupostos da Actor Network Theory (ANT), esta pesquisa teve por objetivo descrever as principais translações que influíram na composição de uma rede-de-atores, refletindo sobre o organizar das práticas científicas em um laboratório de Pesquisa & Desenvolvimento da Rede Nordeste de Biotecnologia (Brasil). Os procedimentos metodológicos se basearam na abordagem histórica da biotecnologia sob estudo a partir de uma postura etnográfica. A composição do corpus foi organizada na forma de relatos, observando as passagens históricas. A história da biotecnologia foi relatada entre os enredos das práticas de concepção, patenteamento e comercialização, evidenciando a constituição de redes de atores heterogêneas. Por fim, enfatizou-se a influência da liderança da cientista do laboratório no modo de organizar das práticas científicas.
Citação ABNT:
MATOS, L. B. S.; IPIRANGA, A. S. R. The Translations and the Organizing of Scientific Practices in R&D Biotechnology. RAUSP Management Journal, v. 52, n. 2, p. 199-199, 2017.
Citação APA:
Matos, L. B. S., & Ipiranga, A. S. R. (2017). The Translations and the Organizing of Scientific Practices in R&D Biotechnology. RAUSP Management Journal, 52(2), 199-199.
DOI:
dx.doi.org/10.1016/j.rausp.2016.12.006
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/44958/as-translacoes-no-organizar-das-praticas-cientificas-em-p---d-biotecnologica/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
Alcadipani, R.; Tureta, C. (2009). Teoria Ator-Rede e análise organizacional; contribuições e possibilidades de pesquisa no Brasil. Organizações & Sociedade, 16(51), 647-664.

Andrade, J.; Cordeiro Neto, J. R.; Valadão, J. A. D. (2013). Associações sociotécnicas e práticas de gestão em desenvolvimento: Analisando rastros por entre o traçado do P1MC. CADERNOS EBAPE.BR, 11(2).

Barnes, B.; Bloor, D.; Henry, J. (1996). Scientific knowledge. A sociological analysis. Chicago: The University of Chicago Press.

Barros, A.; Carrieri, A. P. (2015). O cotidiano e a história: Construindo novos olhares na Administração. RAE, 55(2), 151-161.

Bauer, M. W.; Gaskell, G. (Orgs.). (2002). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes.

Biehl, J. G. (1999). Prefácio. In: P. Rabinow, Antropologia da razão. Ensaios de Paul Rabinow (org.) João Guilherme Biehl. Rio de Janeiro: Relume Dumará. pp. 9-16.

Bijker, W. E.; Law, J. (1992). Shaping technology building society. Studies in sociotechnical change. Cambridge: The MIT Press.

Bloomfield, B. P.; Vurdubakis, T. (1999). The outer limits: Monsters, actor networks and the writing of displacement. Organization, 4(4), 625-647.

Bonacelli, M. B. M. (1993). Determinantes da evolução da biotecnologia nos anos 90: A cooperação empresarial. Cadernos de Ciência e Tecnologia, 10(1/3), 72-92.

Burrell, G.; Morgan, G. (1979). Sociological paradigms and organisational analysis. Elements of the sociology of corporate life. London: Heinemann.

Callon, M. (1986). Éléments pour une sociologie de la traduction. La domestication des coquilles Saint-Jacques et des marins-pêcheurs dans la baie de Saint-Brieuc. L’Année Sociologique, v. 36, 169-206.

Callon, M. (1989). Introduction in la science et ses réseaux: Genèse et circulation des faites scientifique. pp. 7-33. Paris: La Découverte/UNESCO.

Canguilherm, G. (2009). Estudios de historia y de filosofia de las ciências. 1 ed. Espanha: Amorrortu.

Carvalho, C. (2006). Outras formas organizacionais: O estudo de alternativas ao modelo empresarial na realidade brasileira. In Projeto PROCAD/CNPQ.

Cavalcanti, M. F. R.; Alcadipani, R. (2013). Organizac ¸ões como processos e Teoria Ator Rede: A contribuição de Jonh Law para os estudos Organizacionais. Cadernos EBAPE, 11(4).

Clark, P.; Rowlinson, M. (2004). The treatment of History in Organization Studies: Towards an ‘historic turn? Business History, 46(3), 331-352.

Cooke, B. (1999). Writing the left out of management theory: The historiography of the management of change. Organization, 6(1), 81-105.

Cooper, R. (1976). The open field. Human Relations, 29(11), 999-1017.

Costa, A.; Barros, D.; Martins, P. (2010). Perspectiva Histórica em Administração: Novos Objetos, Novos Problemas, Novas Abordagens. RAE, 50(3), 288-299.

Deleuze, G. (2005). Foucault. 1. ed. Lisboa, Portugal: Edições.

Fernandes, F.; Bezerra, M.; Ipiranga, A. (2015). Da Escola de Administração do Ceará (EAC) para o CESA/UECE: Uma Trama Histórica. In Seminários em Administração, XVIII, 2015, São Paulo. Anais, São Paulo: USP.

Grace, E. S. (1997). Biotechnology unzipped: Promises and realities. Washington, DC: Joseph Henry Press.

Harpum, P. (Ed.). (2010). Portfolio, program, and project management in the pharmaceutical and biotechnology industries. New Jersey: John Wiley & Sons.

Ipiranga, A. S. R. (2010). Uma Discussão sobre a Cultura Científica da Biotecnologia: As relações da academia com a ciência industrial e o governo. REGE Revista de Gestão, 17(4), 371-385.

Ipiranga, A. S. R.; Matos, L. B. S. (2014). As práticas científicas em um laboratório de biotecnologia: Uma Discussão sob a Ótica da Teoria Ator Rede. In VIII Encontro de Estudos Organizacionais, 2014, Gramado - RS. Encontro de Estudos Organizacionais, Rio de Janeiro - RJ. Anais, Rio de Janeiro: Anpad.

Knorr Cetina, K. (1999). Epistemic cultures.How the sciences make knowledge. USA: Library of Congress.

Kuhn, T. (1998). A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva.

Latour, B. (1994). Jamais fomos modernos. Ensaio de antropologia simétrica. p. 34. Editora: Rio de Janeiro.

Latour, B. (1997). Ciência em ação: Como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. 2. ed. São Paulo: Editora UNESP.

Latour, B. (2000). Ciência em ação: Como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: Editora Unesp.

Latour, B. (2001). A esperança de Pandora: Ensaios sobre a realidade dos estudos científicos. Bauru, SP: EDUSC.

Latour, B. (2004). A ciência como rede de atores: Ressonâncias filosóficas. História, Ciências e Saúde - Manguinhos, 11(2).

Latour, B. (2010). The making of law: An ethnography of the Conseil d’État. Malden: Polity Press.

Latour, B.; Woolgar, S. (1997). A vida de Laboratório. A Produção dos Fatos Científicos. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Law, J. (1986). On the methods of long distance control: Vessels, navigation and the Portuguese rout to India. In Power action and believe: A new sociology of knowledge? Heley: Routledge.

Law, J. (1987). Technology, closure and heterogeneous engineering: The case of the Portuguese expansion. In W. E. Bijker, T. P. Hughes, & T. J. Pinch (Eds.). The social construction of technological systems, new directions in the sociology and history of technology. Cambridge, Mass: MIT Press.

Law, J. (1992). The sociology of organizations: Social ordering and social theory. Oxford: Blackwell.

Law, J. (1994). Organizing modernity. Oxford: Blackwell Publishers.

Law, J. (2007). Actor network theory and material semiotics. http://www.heterogeneities.net/publications/Law2007ANTandMaterialSemiotics.pdf

Lynch, M. (1993). Scientific practice and ordinary action. Ethnomethodology and social studies of Science. Cambridge: Cambridge University Press.

Misoczky, M. C.; Vecchio, R. (2006). Experimentando pensar: Da fábula de Barnard à aventura de outras possibilidades de organizar. Cadernos EBAPE.BR, 4(1).

Nelson, R. (2006). As fontes do crescimento econômico. Campinas, São Paulo: Editora da UNICAMP.

Peirano, M. (2006). A teoria vivida e outros ensaios de antropologia. Rio de Janeiro: Zahar.

Rabinow, P. (1996). Making PCR. A story of biotechnology. Chicago: The University Chicago Press.

Rabinow, P. (1999). Antropologia da Razão: Ensaios de Paul Rabinow. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

RENORBIO. (2012). Rede Nordeste de Biotecnologia. Desenvolvido por Renorbio, 2005-2010. Available in: http://www.renorbio.org.br

Serres, M. (1996). Diálogos sobre a ciência, a cultura e o tempo. In Conversas com Bruno Latour. Lisboa: Instituto Piaget.

Vizeu, F. (2010). Potencialidades da análise histórica nos estudos organizacionais brasileiros. RAE, 50, 36-46.

Alcadipani, R.; Hassard, J. (2010). Actor-Network Theory, organizations and critique: Towards a politics of organizing. Organization (London), v. 17, 419-435.

Latour, B. (2008). Reensamblar lo social: Una introducción a la teoría del actor-red. Buenos Aires: Manantial.

Rosenberg, N. (2006). Por dentro da caixa-preta: Tecnologia e economia. Campinas, SP: Editora da Unicamp.