Análise dos Retornos e Características da Estratégia de Risk Arbitrage no Brasil Outros Idiomas

ID:
44977
Resumo:
OBJETIVO - O presente trabalho tem o objetivo de analisar os retornos de um portfólio investido na estratégia de risk arbitrage no Brasil entre 2004 e 2014, determinando se esta estratégia proporciona retornos anormais. Além disso, um segundo objetivo desse estudo é analisar se a distribuição dos retornos dessa estratégia é assimétrica. Por fim, o último alvo desse estudo é analisar se o payoff da estratégia de risk arbitrage é análogo ao payoff da venda de uma put. METODOLOGIA - Para analisar os dois primeiros objetivos desse trabalho, foram utilizados tanto o CAPM como o modelo de três fatores de Fama e French (1993). Para o último objetivo desse trabalho, foi utilizada a metodologia de Contingent Claims, que controla o efeito da relação não linear com os retornos de mercado, para analisar se mesmo assim a estratégia oferece retornos anormais. RESULTADOS E CONCLUSÕES - De setembro de 2004 a dezembro de 2014, o portfólio de risk arbitrage gerou, depois de deduzidos os custos, um retorno anualizado de 14,40%, enquanto que o ativo livre de risco gerou retornos de 11,60% e o Índice Bovespa gerou 12,62%. Os resultados indicam que, usando-se tanto o CAPM como o modelo de três fatores de Fama e French (1993), a estratégia proporciona retornos anormais. Além disso, as evidências apontam para assimetria na distribuição dos retornos. Por fim, não foram encontradas evidências de que o payoff seja análogo ao da venda de uma opção de venda. IMPLICAÇÕES PRÁTICAS - Os resultados encontrados para o Brasil estão em linha com os resultados dos principais estudos sobre o tema em outros países, em que há razoável consenso nas evidências de retornos anormais e de assimetria nos retornos, mas resultados díspares sobre o payoff da estratégia.
Citação ABNT:
PIVA, R. F.; SANVICENTE, A. Z. Análise dos Retornos e Características da Estratégia de Risk Arbitrage no Brasil . Revista de Finanças Aplicadas, v. 8, n. 1, p. 1-42, 2017.
Citação APA:
Piva, R. F., & Sanvicente, A. Z. (2017). Análise dos Retornos e Características da Estratégia de Risk Arbitrage no Brasil . Revista de Finanças Aplicadas, 8(1), 1-42.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/44977/analise-dos-retornos-e-caracteristicas-da-estrategia-de-risk-arbitrage-no-brasil-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BAKER, M.; SAVASOGLU, S. (2002). Limited arbitrage in mergers and acquisitions, Journal of Financial Economics, 64, 91-115.

BRANCH, B.; WANG, J. (2008). Risk-arbitrage spreads and performance of risk arbitrage. Journal of alternative investments, v. 11, p. 9-22.

BRANCH, B.; YANG, T. (2003). Predicting successful takeovers and risk arbitrage, Quarterly Journal of Business and Economics, 42, 3-18.

BRANCH, B.; YANG, T. W. (2006). A test of risk arbitrage profitability. International Review of Financial Analysis, 15, 39-56.

BUENO, A. F.; BRAGA, R. F. R.; Almeida, R. J. (2000). Pesquisa sobre a eficiência informacional no mercado brasileiro nos casos de fusões e aquisições. In: ANAIS DO XXIV ENCONTRO NACIONAL DE PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, Florianópolis, SC. Rio de Janeiro: ANPAD.

CAMARGOS, M. A.; BARBOSA, F. V. (2006). Eficiência informacional do mercado de capitais brasileiro pós-Plano Real: um estudo de eventos dos anúncios de fusões e aquisições. Revista de Administração v. 41, n. 1, 2006, p. 43-58.

COTTER, D.; HUTCHINSON, M. C.; KEARNEY, P. (2008). Risk and return of merger arbitrage in the UK 2001 to 2004. Irish Accounting Review, 14, 17-36.

DUKES, W.; FROHLICH, C.; Ma, C. (1992). Risk arbitrage in tender offers: Handsome rewards — and not for insiders only, Journal of Portfolio Management, v. 18, n. 4, p. 47-55.

FAMA, E. F.; FRENCH, K. R. (1993). Common risk factors in the returns on stocks and bonds. Journal of Financial Economics, 33, 3-56.

GLOSTEN, L.; JAGANNATHAN, R. (1994). A contingent claim approach to performance evaluation. Journal of Empirical Finance, 1, 133-160.

HALL, J.; PINNUCK, M.; THORNE, M. (2013). Market risk exposure of merger arbitrage in Australia. Accounting and Finance, 53, 185-215.

JINDRA, J. & WALKLING, R. (2004). Speculation spreads and the market pricing of proposed acquisitions. Journal of Corporate Finance, 10, 495-526.

KAROLYI, G. A.; SHANNON.; J. (1998). Where’s the risk in risk arbitrage? Working paper, Richard Ivey School of Business, The University of Western Ontario.

LARKER, D.; LYS, T. (1987). An empirical analysis of the incentives to engage in costly information acquisition: The case of risk arbitrage. Journal of Financial Economics, 18, 111-126.

MAHESWARAN, K.; YEOH, S. C. (2005). The Profitability of Merger Arbitrage: Some Australian Evidence. Australian Journal of Management, 30, 111-126.

MITCHELL, M.; PULVINO, T. (2001). Characteristics of risk in risk arbitrage. Journal of Finance, 56, 2135-2175.

MOORE, K. M.; LAI, G. C.; OPPENHEIMER, H. R. (2006). The Behavior of Risk Arbitrageurs in Mergers and Acquisitions. The Journal of Alternative Investments, vol. 9, n. 1, 19-27.

SCHIAVINATO, B. A. 2015. Ofertas Públicas de Aquisição no Brasil entre 2004 e 2014: uma análise de retornos anormais. Dissertação (Mestrado Profissional em Administração) - Insper - Instituto de Ensino e Pesquisa, São Paulo.

SCHWERT, G. (1996). Markup pricing in mergers and acquisitions. Journal of Financial Economics, 41, 153-192.

SUDARSANAM, S.; NGUYEN, D. (2008). UK evidence on the profitability and the riskreturn characteristics of merger arbitrage, Working paper Centre for Research in Finance. School of Management. Cranfield University.