Fazer Parte do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) Implica em Maior Rentabilidade? Outros Idiomas

ID:
44980
Resumo:
OBJETIVO - Este artigo tem o objetivo de constatar possíveis relações entre os movimentos de entrada ou saída de empresas do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) com alterações em seus níveis de rentabilidade. METODOLOGIA - Foi adotado um modelo adaptado do Capital Asset Pricing Model (CAPM). A amostra compreendeu 12 empresas que entraram ou saíram do índice ao longo do período de 2010 a 2014. RESULTADOS E CONCLUSÕES - Os resultados obtidos não permitiram associar movimentos de entrada ou saída de empresas do ISE com aumentos ou quedas nos seus retornos à exceção de uma empresa. Sendo assim, não foram verificadas evidências estatísticas de que o ISE é um fato relevante para a elevação da rentabilidade empresarial. IMPLICAÇÕES PRÁTICAS - Em geral, os investidores não valorizam mais uma ação apenas pelo fato de ela ser parte do ISE. De maneira oposta, deixar o índice também não levaria, necessariamente, à perda de rentabilidade.
Palavras-chave:
Citação ABNT:
MAIA, V. M.; CARVALHO, F. P.; KLOTZLE, M. C.; PINTO, A. C. F.; MOTTA, L. F. J. Fazer Parte do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) Implica em Maior Rentabilidade? . Revista de Finanças Aplicadas, v. 8, n. 1, p. 1-22, 2017.
Citação APA:
Maia, V. M., Carvalho, F. P., Klotzle, M. C., Pinto, A. C. F., & Motta, L. F. J. (2017). Fazer Parte do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) Implica em Maior Rentabilidade? . Revista de Finanças Aplicadas, 8(1), 1-22.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/44980/fazer-parte-do-indice-de-sustentabilidade-empresarial--ise--implica-em-maior-rentabilidade--/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ASHLEY, P. A. (2010) . Ética e responsabilidade social nos negócios. São Paulo: Saraiva. 2a ed.

BARBIERI, J. C. (2011). Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. São Paulo: Saraiva.

BARBOSA, J. S.; ALTOÉ, S. M. L.; SILVA, W. V.; ALMEIDA, L. B. (2013). Índice carbono eficiente(ICO2) e retorno das ações: um estudo de eventos em empresas não financeiras de capital aberto. Revista de Contabilidade e Organizações, 7(19), 59-69.

BM&FBOVESPA. Nd. <>. Acesso em 09/02/2015

BM&FBOVESPA. Nd. <>. Acesso em 09/02/2015

BM&FBOVESPA. Nd. <>. Acesso em 22/10/2014.

BM&FBOVESPA. Nd. <>. Acesso em 22/10/2014.

BM&FBOVESPA. Índice de Sustentabilidade Empresarial - ISE. <>. Acesso em 15/10/2014.

BM&FBOVESPA. Nd. <>. Acesso em 22/10/2014.

BROOKS, C. (2014). Introductory Econometrics for Finance, Cambridge University Press: New York. Third ed.

CAMPOS, F. M.; LEMME, C. F. (2009). Investimento Socialmente Responsável no Mercado de Capitais: Análise do Desempenho de Índices Internacionais e Fundos de Ações brasileiros que Consideram Questões Ambientais e Sociais. Revista Eletrônica de Administração, 15(2), 1-21.

CAZZARI, R. B.; LIMA, I. S. (2012). A relação entre empresas que participam do ICO2 e o custo de capital próprio. Artigo apresentado no 12º Congresso USP de Controladoria e Contabilidade. 2012. São Paulo, Brasil.

COHEN, M.; COSTA, L. S. V. (2004). Projetos de Desenvolvimento Sustentável para Unidades de Conservação Ambiental Urbanas: Entendimento da Questão e Levantamento da Rede de Stakeholders. Artigo Apresentado no XXVIII Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Administração. 2004. Curitiba, Brasil.

COLARES, A. C. V.; BRESSAN, V. G. F.; LAMOUNIER, W. M.; BORGES, D. L. (2012). O Balanço Social como Indicativo Socioambiental das Empresas do Índice de Sustentabilidade Empresarial da BM&FBovespa, Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 17, n. Edição Especial, pp. 83-100.

CUNHA, F. A. F. S.; SAMANEZ, C. P. (2014). Análise de desempenho dos investimentos sustentáveis no mercado acionário brasileiro. Associação Brasileira de Engenharia de Produção, 24(2), 420-434.

FREDERICK, W. C. (1978). From CSRI to CSR2: The maturing of business-and-society thought. Working paper. University of Pittsburgh, Graduate School of Business.

FREEMAN, R. E. (1984). Strategic management: A stakeholder approach. Boston: Pitman/Ballinger (Harper Collins).

FRIEDMAN, M. (1970). The social responsibility of business is increasing its profits. New York Times Magazine, 13(9), 122-126.

JENSEN, M. C. (1967). The Performance of Mutual Funds in the Period 1945-1964. Journal of Finance, 23(2), 389-416.

LUZ, S. G.; SILVA, R. N. S.; COELHO, P. S. (2008). Estudo de Eventos sobre o Impacto da Divulgação do Índice de sustentabilidade Empresarial sobre os Preços das Ações. Artigo apresentado no 11º Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais. 2008. São Paulo, Brasil.

MACEDO, F.; BARBOSA, H.; GALLEGARI, I.; MONZONI, M.; SIMONETTI, R. (2012). O Valor do ISE: principais estudos e a perspectiva dos investidores. São Paulo: BM&fbovespa.

MACHADO, M. A. V.; MACEDO, M. A. S.; MACHADO, M. R.; SIQUEIRA, J. R. M. (2012). Análise da relação entre investimentos socioambientais e a inclusão de empresas no índice de sustentabilidade empresarial(ISE) da BM&FBOVESPA. Revista de Ciências da Administração, 14(32), 141-156.

MACHADO, M. R.; MACHADO, M. A. V.; CORRAR, L. J. (2009). Desempenho do Índice de Sustentabilidade Empresarial(ISE) da Bolsa de Valores de São Paulo. Revista Universo Contábil, 5(2), 24-38.

MAZZIONI, S.; DIEL, F. J.; DIEL, E. H.; KRUGER, S. D.; KLANN, R. C. (2013). Análise dos Indicadores de valor adicionado das empresas participantes do Índice de Sustentabilidade Empresarial(ISE) e das demais empresas listadas na BM&FBovespa. Contextus - Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 11(2), 159-180.

MELO, R. A.; MANHÃES, J. V. P.; MACEDO, M. A. S. (2012). Desempenho do Índice de Sustentabilidade Empresarial(ISE) da Bolsa de Valores de São Paulo sob a ótica do Índice de Sharpe. Revista Economia & Gestão, 12(28), 75-104.

NORMAN, W.; MACDONALD, C. (2004). Getting to the Bottom of 'Triple Bottom Line'. Business Ethics Quarterly, 14(2), 243.

OLIVEIRA, A. F.; MACHADO, D. G.; BEUREN, I. M. (2012). Evidenciação Ambiental de Empresas de Setores Potencialmente Poluidores Listadas no Índice de Sustentabilidade Empresarial(ISE). Revista de Gestão Social e Ambiental, 6(1), 20-37.

ORO, I. M.; RENNER, S.; BRAUN, M. (2013). Informações de Natureza Socioambiental: Análise dos Balanços Sociais das Empresas Integrantes do Índice de Sustentabilidade Empresarial da Bm&fBovespa. Revista de Administração da UFSM, v. 6, n. Edição Especial, pp. 879-893.

SHARPE, W. F. (1964). Capital Asset Prices: a Theory of Market Equilibrium under Conditions of Risk, Journal of Finance, 19(3), 425-442.

SILVA, J. O.; ROCHA, I.; WIENHAGE, P.; RAUSCH, R. B. (2009) Gestão Ambiental: uma Análise da Evidenciação das Empresas que Compõem o Índice de Sustentabilidade Empresarial(ISE). Revista de Gestão Social e Ambiental, 3(3), 56-71.

TEIXEIRA, E. A.; NOSSA, V.; FUNCHAL, B. (2011). O Índice de Sustentabilidade Empresarial(ISE) e os Impactos no Endividamento e na Percepção de Risco. Revista de Contabilidade Financeira, 22(55), 29-44.

UNITED NATIONS. (1992). Agenda 21. New York: United Nations Division for Sustainable Development.

VITAL, J. T.; CAVALCANTI, M. M.; DALLÓ, S.; MORITZ, G. O.; COSTA, A. M. (2009). A influência da participação no Índice de Sustentabilidade Empresarial(ISE) no desempenho financeiro das empresas. Revista de Ciências da Administração, 11(24), 11-40.

WODD, D. J. (1991). Corporate Social Performance Revisited. Academy of Management Review, 16(4), 691-718.

ANDRADE, L. P.; BRESSAN, A. A.; IQUIAPAZA, R. A.; MOREIRA, B. C. M. (2013) Determinantes de adesão ao Índice de Sustentabilidade Empresarial da BM&fbovespa e sua relação com o valor da empresa. Revista Brasileira de Finanças, 11(2), 181-213.

LINTNER, J. (1965). The Valuation of Risk Assets and the Selection of Risky Investments in Stock Portfolios and Capital Budgets. Review of Economics and Statistics, 47(1), 13-37.