Competências da Função de Controller em Hotéis de Grande Porte da Região Metropolitana do Recife Outros Idiomas

ID:
45083
Resumo:
Objetivo: - Analisar a presença de isomorfismo mimético em competências associadas à função de controller, em hotéis de grande porte localizados na Região Metropolitana do Recife (RMR), Pernambuco, Brasil, membros da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (Pernambuco-ABIHPE). Fundamento: - A Teoria Institucional aborda a contextualização de fluxos e intercâmbios entre processos e procedimentos em distintas organizações, pregando que são decorrentes de crenças e normas compartilhadas, quando as organizações se modelam entre si. As competências estão sendo muito estudadas porque têm reflexos diretos e indiretos sobre o desempenho organizacional e dos profissionais. Método: - A pesquisa considerou 61 competências associadas à função de controller distribuídas em três categorias (técnicas, de negócios e sociais). Foram considerados dois grupos distintos de variáveis: competências referentes à função de controller e fatores de agrupamento em três aspectos distintos: a) categoria dos hotéis ou estrelas; b) pertencer ou não a um grupo empresarial; c) possuir ou não o cargo de controller. Usou-se questionário específico como base para entrevista estruturada presencial. Resultados: - Foi utilizado o Teste de Mann-Whitney U e os resultados demonstraram evidências significativas de isomorfismo mimético entre os hotéis analisados, pois as competências dos controllers são bastante semelhantes entre si nas três categorias analisadas. Contribuições: - O papel do controller é multidisciplinar e muito importante nas organizações atuais, em especial no setor hoteleiro, que precisa atender a detalhes e alta qualidade nos serviços prestados. Conhecer as competências que estão sendo requeridas para este profissional contribui para mais conhecimento da área na gestão organizacional.
Citação ABNT:
CALLADO, A. A. C.; AMORIM, T. N. G. F. Competências da Função de Controller em Hotéis de Grande Porte da Região Metropolitana do Recife. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, v. 5, n. 2, p. 57-73, 2017.
Citação APA:
Callado, A. A. C., & Amorim, T. N. G. F. (2017). Competências da Função de Controller em Hotéis de Grande Porte da Região Metropolitana do Recife. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 5(2), 57-73.
DOI:
10.18405/recfin20170204
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/45083/competencias-da-funcao-de-controller-em-hoteis-de-grande-porte-da-regiao-metropolitana-do-recife/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Andrade, M. M. (1999). Introdução à metodologia do trabalho científico. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Aquino, J. T.; Jerônimo, T. B.; Melo, F. J. C. (2015). Avaliação da qualidade em serviço de um hotel pelo Método SERVPERF. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 9(1), 124-141.

Becker, M. (2008). Handbook of organizational routines. Cheltnham UK: Edward Elgar Publishing.

Bernardelli Junior, J. M.; Mangueira, F. O.; Aguiar, A De O.; Gallardo, A. L. C.; Ruiz, M. S. (2014). Sistemas de Gestão Ambiental na Operação dos Empreendimentos Hoteleiros. Revista Rosa dos Ventos, 6(4), 564-58.

Bragg, S. M. (2009). Controllership: the work of managerial accountant. 8 ed. New Jersey: John Wiley & Sons.

Brandt, V. A. A. (2010). Contabilidade gerencial e sua relação com a teoria institucional e a teoria da contingência. Ciências Sociais em Perspectiva, 9(17), 135-147.

Burns, J.; Baldvinsdottir, G. (2005). Em institucional perspective of accountants new roles – the interplay of contraditions na praxix. European accounting Review, 14(4), 725-757.

Campion, M. A.; Fink, A. A.; Ruggeberg, B. J.; Carr, L.; Philips, G. M.; Odman, R. B. (2011). Doing competencies well: best practices in competency modeling. Personnel Psychology, 64(1), 225262.

Carvalho, C. A. P.; Vieira, M. M.; Lopes, F. D. (1999). Perspectiva Institucional para análise das organizações. Anais do Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração. Rio de Janeiro, RJ, Brasil. 23.

Carvalho, H. S. (2010). Neoinstitucionalismo e suas implicações na adoção de práticas socioambientais nas organizações: estudo de caso no segmento de comércio exterior. Dissertação de Mestrado em Administração, Fundação Instituto Capixaba de Pesquisa em Contabilidade, Economia e Finanças, Vitória, ES, Brasil. Castelli, G. (2000). Excelência em hotelaria: uma abordagem prática. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Castelli, G. (2000). Excelência em hotelaria: uma abordagem prática. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Chartered Global Management Accountants. Global management accounting principles. (2014). London, Recuperado em 29 março, 2015, de http://www.cgma.org/Resources/Reports/DownloadableDocuments/global-management-accounting-principles.pdf

Chia, A.; Goh, M.; Hum, S. H. (2009). Performance measurement in supply chain entities. Balanced scorecard perspective. Benchmarking: an International Journal, 16(5), 605-620.

Colauto, R. D.; Beuren, I. M. (2006). Coleta, análise e interpretação dos dados. In: Beuren, I. M. (Org.). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade. São Paulo: Atlas.

D’Amelio, M.; Godoy, A. S. (2009). Competências gerenciais: a trajetória de construção entre gerentes do setor de saneamento. Anais do Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração. São Paulo, SP, Brasil. 33.

Draganidis, F.; Mentzas, G. (2006). Competency based management: a review of systems and approaches. Information Management & Computer Security, 14(1), 51-64.

Drejer, A. & Sorensen, S. (2002). Succeeding with sourcing of competencies in technology intensive industries. Benchmarking: An International Journal, 9(4), 388-408.

Dutra, J. S. (2010). Competências: conceitos e instrumentos para gestão de pessoas na empresa moderna. São Paulo: Atlas.

Emsley, D. (2005). Restructuring the managent function: a note onthe effect of role involvement on innovativeness. Management Accounting Research, 16(2), 157-177.

Figueiredo, S. & Caggiano, P. (2004). Controladoria: Teoria e prática. 3 ed. São Paulo: Atlas.

Fischer, A. L.; Dutra, J. De S.; Nokata, L. E.; Ruas, R. L. (2010). Absorção do conceito de competência em gestão de pessoas: a percepção dos profissionais e as orientações adotadas pelas empresas. In: Dutra, J. S.; Ruas, R. L. & Fleury, M. T. Competências: conceitos, métodos e experiências. Rio de Janeiro: Atlas.

Fleury, A.; Fleury, M. T. L. (2004). Estratégias empresariais e formação de competências: um quebracabeça caleidoscópico da indústria brasileira. 3 ed. São Paulo: Atlas.

Gomes, J. S. & Salas, J. M. A. (2001). Controle de gestão: uma abordagem contextual e organizacional. 3 ed. São Paulo: Atlas.

Gonczi, A. (2001). Competency-based learning: a dubious past – an assured future? In: Boud, D. & Garrick, J. Understanding learning at work. London: Routledge.

Kuenzer, A. Z. (2002). Conhecimento e competências no trabalho e na escola. Boletim Técnico do SENAC-RJ, 8(2), 03-11.

Kuenzer, A. Z. (2003). Competência como práxis: os dilemas da relação entre teoria e prática na educação dos trabalhadores. Boletim Técnico do SENAC-RJ, 29(1), 17-27.

Lambert, C.; Sponem, S. (2012). Roles, authority and involvement of the management accounting function: a mulpiple case-study perspective. European accounting Review, 21(3), 565-589.

Lawler III, E. E. (1998). From job-based to competency-based organizations. Journal of Organizational Behavior. 15(1), 03-15.

Le Boterf, G. (2003). Desenvolvendo a competência dos profissionais. Porto Alegre: Artmed.

Le Deist, F. D. & Winterton, J. (2008). What Is Competence? Human Resource Development International, 8(1), 27-46.

Lemos, C. C.; Fischer, T. B.; Souza, M. P. (2012). Strategic environmental assessment in tourism planning - Extent of application and quality of documentation. Environmental Impact Assessment Review, 35(1), 1-10.

Loufrani-Fedida, S. & Angué, K. (2011). Uma abordagem transversal e global das competências nas organizações por projetos. In: Retour, D.; Picq, T.; Defélix, C. & Ruas, R. Competências coletivas: no limiar da estratégia. Porto Alegre: Bookman.

Lunkes, R. J.; Machada, A. O.; Rosa, F. S. da; Telles, J. (2011). Funções da controladoria: um estudo nas 100 maiores empresas do Estado de Santa Catarina. Análise Psicológica, 29(2), 345-361.

Lunkes, R. J. & Schnorrenberger, D. (2009). Controladoria: na coordenação dos sistemas de gestão. São Paulo: Atlas.

Mambrini, A.; Colauto, R. D.; Beuren, I. M. (2004). Papel da controladoria no redesenho da gestão na perspectiva dos processos em empresa familiar. Revista Enfoque Reflexão Contábil, 23(2), 513.

Martins, G de A. (2006). Estatística geral e aplicada. 3 ed. São Paulo: Atlas.

McClelland, D. C. (1973). Testing for competence rather than intelligence. American Psychologist, 28(1), 1-14.

Moraes, M. G. De; Corrêa, M. L. (2008). Competência comunicativa dos líderes e os resultados da equipe. Anais do Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração. Rio de Janeiro, RJ, Brasil. 32.

Mussak, E. (2003). Metacompetência: uma nova visão do trabalho e da realização pessoal. 3 ed. São Paulo: Gente.

Nascimento, A. M. & Reginato, L. (2010). Controladoria: Instrumento de apoio ao processo decisório. São Paulo: Atlas.

Oyadomari, J. C.; Cardoso, R. L.; Mendonça Neto, O R de; Lima, M. P. de. (2008). Fatores que influenciam a adoção de artefatos de controle Gerencial nas empresas brasileiras: um estudo exploratório sob a ótica da Teoria Institucional. Revista de Contabilidade e Organizações, 2(2), 55-70.

Parry, S. B. (1996). The quest for competencies. Training Magazine, 33(7), 48-54.

Perez, M. I. L. (2005). Competência: uma noção plástica, polissêmica e polimorfa. Práxis Educacional, 1(1), 57-65.

Raupp, F. M. & Beuren, I. M. (2006). Metodologia da pesquisa aplicável às ciências sociais. In: Beuren, I. M. (Org.). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade. São Paulo: Atlas.

Rodriguez, D.; Patel, R.; Bright, A.; Gregory, D.; Gowing, M. K. (2002). Developing competency models to promote integrated human resource practices. Human Resource Management, 41(3), 309-324.

Ruas, R. (2005). Gestão por Competências: uma contribuição à estratégia das organizações. In: Ruas, R.; Antonello, C. S. & Boff, L. H. (Org.) Os Novos Horizontes da Gestão – Aprendizagem Organizacional e Competências. 15 ed. São Paulo: Bookman.

Ruas, R.; Fernandes, B. H. R.; Ferran, J. E. M.; Silva, F. M. (2010). Gestão por competências: revisão de trabalhos acadêmicos no Brasil no período de 2000 a 2008. Anais do Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração. Rio de Janeiro, RJ, Brasil. 34.

Sakamoto, C. A. C.; Ferreira, B. F.; Zacharias, C. G.; Silva, J C da, Alves, P.; Rodrigues, H. G.; Kappel, L. B. (2014). As competências dos assistentes em administração no serviço público federal: um estudo de caso no IFTM. Revista Economia & Gestão, 14(37), 53-79.

Schenini, P. C.; Lemos, R. N.; Silva, F. A. (2005). Sistema de gestão ambiental no segmento hoteleiro. Anais do Seminário de Gestão de Negócios. Curitiba, PR, Brasil.

Selznick, P. (1996). Institutionalism “old” and “new”. Administrative Science Quarterly, 41(2), 270-277.

Serrano, C. & Brunstein, J. 2008. Competências dos gestores frente à inclusão da pessoa com deficiência: os desafios da diversidade na organização. Anais do Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração. Rio de Janeiro, RJ, Brasil. 32.

Silva, A C R de. (2006). Metodologia da pesquisa aplicada à contabilidade 2 ed. São Paulo: Atlas.

Stevenson, W. J. (1986). Estatística aplicada à Administração. São Paulo: Harbra.

Takahashi, A. R. W. & Fischer, A. L. (2010). Processos da Aprendizagem Organizacional no Desenvolvimento de Competências. RAC, 14(5), 818-835.

Teles, J.; Lunkes, R. J.; Do Nascimento, C.; Schnorrenberger, D. & Da Rosa, F. S. (2012). Perfil do Controller no setor hoteleiro: comparativo entre pesquisas no Brasil, China, Estados Unidos e Reino Unido. Revista Turismo Visão e Ação, 14(3), 386-400.

Vasconcelos, F. C.; Vasconcelos, I. F. F. G. de. (2000). Isomorfismo estrutural e os limites da normalização: Dois estudos de caso sobre a implantação das normas ISO 9000 em empresas de informática na França. Anais do Encontro de Estudos Organizacionais. Curitiba, PR, Brasil.

Venard, B. (2009). Organizational isomorphism and corruption: an empirical research in Russia. Journal of Business Ethics, 89(1), 59-76.

Zandonade, V.; Bianco, M de F. (2014). O trabalho abstrato e a noção de competências: discutindo essa inter-relação no contexto do trabalho industrial. Revista O&S, 21(70), 443-466.

Zarifian, P. (2001). Objetivo competência: por uma nova lógica. São Paulo: Atlas.