Gestão Socioambiental em Instituições Bancárias no Brasil: Uma Análise a Luz dos Relatórios Anuais de Sustentabilidade Outros Idiomas

ID:
45094
Resumo:
O tema sustentabilidade é uma tendência crescente entre as instituições financeiras e vem sendo incorporado nas atividades por elas desenvolvidas. O estudo demonstrou que, 52,5% das ações ambientais realizadas pelas instituições financeiras são direcionadas ao controle e a gestão de recursos. Esta pesquisa teve como objetivo verificar os principais indicadores de sustentabilidade apresentados pelas cinco maiores instituições financeiras bancárias, em totais de ativos, que evidenciam seu compromisso com a sociedade, bem como os temas e políticas sustentáveis priorizados nos relatórios anuais de sustentabilidade. O delineamento metodológico do estudo em questão foi de caráter qualitativo e quantitativo, por meio das análises de conteúdo e correspondência - ANACOR. Para o tratamento dos dados qualitativos referentes as inferências dos relatórios anuais de sustentabilidade das instituições financeiras, no período de 2007 a 2013, utilizou-se a técnica de análise de conteúdo, com o auxílio do software NVIVO. Para o tratamento estatístico quantitativo utilizou-se o software SPSS 20. Pode-se concluir que os principais indicadores direcionadores das ações sustentáveis são: o subgrupo emissões de efluentes e resíduos, seguidas pelo indicador energia. Os principais programas socioambientais realizados para mitigar impactos socioambientais foram a gestão das emissões e as compensações voluntárias.
Citação ABNT:
MELO, F. J.; BERND, D. C.; FONSECA, M. W.; SCARPIN, J. E. Gestão Socioambiental em Instituições Bancárias no Brasil: Uma Análise a Luz dos Relatórios Anuais de Sustentabilidade. Contabilidade Vista & Revista, v. 28, n. 1, p. 117-140, 2017.
Citação APA:
Melo, F. J., Bernd, D. C., Fonseca, M. W., & Scarpin, J. E. (2017). Gestão Socioambiental em Instituições Bancárias no Brasil: Uma Análise a Luz dos Relatórios Anuais de Sustentabilidade. Contabilidade Vista & Revista, 28(1), 117-140.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/45094/gestao-socioambiental-em-instituicoes-bancarias-no-brasil--uma-analise-a-luz-dos-relatorios-anuais-de-sustentabilidade/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANÁLISE GESTÃO AMBIENTAL. Mais de 800 empresas brasileiras e suas boas práticas em gestão ambiental. IBEP Gráfica. São Paulo. 2012.

BABBIE, E. The practice of Social Research. 12. ed. California: Wadsworth Publishing Company. 2010.

BARBOSA, V. As 100 empresas mais sustentáveis do mundo em 2016. Exame.com. http://exame.abril.com.br/negocios/as-100-empresas-mais-sustentaveis-do-mundo-em2016/.

BARDIN, I. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições Setenta. 2011.

BAUER, M. M. NAIME, R. Estado da arte da evidenciação social e ambiental voluntária. Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, v. 2, n. 2, p. 39-60. 2012.

BROUWER, F. CRABTREE, B. Environmental indicators and agricultural policy. CABI Publishing, Oxon, UK. 1998.

BRYMAN, A. Social research methods. 4 ed. Oxford University Press. 2012.

CARROL, A. B. A Three dimensional conceptual model of corporate performance. Academy of Management Review (pre-1986). 4, 000004. ABI/INFORM. Oct. 1979.

CARVALHO, J. R. P.; VIEIRA, S. R.; MORAN, R C de C. P. Análise de correspondência: uma ferramenta útil na interpretação de mapas de produtividade. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 26, n. 2, p. 435-443, abr./ jun. 2002.

CARVALHO, M. S.; STRUNCHINER, C. J. Análise de Correspondência: uma aplicação do método à avaliação de serviços de vacinação. Caderno de Saúde Pública, v. 8, n. 3, pp. 287 301. 1992.

CRISÓSTOMO, V. L.; FREIRE, F. S.; SOARES, P. M. Uma Analise comparativa da Responsabilidade Social Corporativa entre o Setor Bancário e outros no Brasil. Contabilidade Vista & Revista, v. 23, n. 4, p. 103-128. 2012.

CUADRAS. C. M. Nuevos Métodos de Análisis Multivariante. CMC Editions: Barcelona, España. 2008.

CUNHA, J. V. A. RIBEIRO, M. S. Divulgação voluntária de informações de natureza social: um estudo nas empresas brasileiras. Revista de Administração, v. 1, n. 1. 2008.

DOWNE-WAMBOLDT. B. Content Analysis: method, applications, and issues. Health Care for Women International, 13, 313-321. 1992.

ELKINGTON, J. Cannibals with Forks: The Triple Bottom Line of the 21st Century Business. New Society Publishers. 1998.

ELO, S. KYNGÄS, H. The qualitative content analysis process. Journal of Advanced Nursing. v. 62, n. 1, p. 107-115. 2008.

FEDERAÇÃO BRASILEIRA DE BANCOS. Bancos e Desenvolvimento Sustentável, FEBRABAN. 2012.
FERREIRA QUILICE, T. CALDANA, A. C. F. Aspectos negativos no modelo de reporte proposto pela GRI: a opinião das organizações que reportam. Revista de Administração (FEA-USP), v. 50, p. 405-415, 2015.

FLICK. U. The SAGE handbook of qualitative data analysis. London: SAGE Publications. 2014.

GALLOPIN, G. C. Environmental and sustainability indicators and the concept of situational indicators. A system approach. Environmental Modelling & Assessment, v. 1, p. 101-117. 1996.

GLOBAL REPORTING INITIATIVE. Relatórios de Sustentabilidade da GRI: quanto vale essa jornada? Tradução: Alberto Bezerril e Martha Villac. 2012.

GONDIM, S. M. G. BENDASSOLLI, P. F. Uma Crítica da Utilização da Análise de Conteúdo Qualitativa em Psicologia. Psicologia em Estudo, 19(2), 191-199. 2014.

GREENACRE, M. J. Correspondence analysis in practice. London: Academic Press. 2007.

GUIZZO, B. S. OLIVEIRA, D. L. L. KRZIMINSKI, C. O software QSR NVivo 2.0 na análise qualitativa de dados: ferramentas para pesquisa em ciências humanas e da saúde. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 1, n. 3, p. 53-60, 2003.

HEAL, G. Sustainability and its Measurement National. Bureau of Economic Research. Cambridge, May. 2011.

HEALY, P. K. PALEPU. Information Asymmetry, Corporate Disclosure, and the Capital Markets: a review of the empirical disclosure literature. Journal of Accounting and Economics, 31, 405-440, 2001.

JAMALI, D. Insights into Triple Bottom Line Integration from a Learning Organization Perspective. Business Process Management Journal, v. 12, n. 6, p. 809-821. 2006.

KHAN, H. ISLAM, M. A. AHMED, K. Corporate Sustainability Reporting of Major Commercial Banks in Line with GRI: Bangladesh evidence. 6th Asia Pacific Interdisciplinary Research on Accounting (APIRA) Conference. Jul, Sydney, Australia. 2010.

KRIPPENDORFF, K. Content Analysis: an introduction to its methodology. 2ª ed. Thousand Oaks: Sage Publications. 2012.

LE ROUX, B. ROUANET, H. Geometric Data Analysis: from correspondence analysis to structured data. Dordrecht: Kluwer. 2004.

LINS, C. WAJNBERG, D. Sustentabilidade Corporativa no Setor Financeiro Brasileiro. Rio de Janeiro: Fundação Brasileira para Desenvolvimento Sustentável, 2007.

MITCHELL, G.; MAY, A. D.; MCDONALD, A. T. PICABUE: A Methodological Framework for the Development of Indicators of Sustainable Development. International Journal of Sustainable Development and World Ecology, n. 2, p. 104-123, 1995.

MITCHELL, G. Problems and Fundamentals of Sustainable Development Indicators. Sustainable Development, v. 4, n. 1, p. 1-11. 1996.

MOZZATO, A. R. GRZYBOVSKI, D. Análise de conteúdo como técnica de análise de dados qualitativos no campo da administração: potencial e desafios. Revista de Administração Contemporânea, v. 15, n. 4, p. 731-747, julho/agosto. 2011.

MURCIA, F. D. R.; LIMA, I. S.; FÁVERO, L. P. L.; LIMA, G. A. S. F. de. Disclosure Verde nas Demonstrações Contábeis: características da informação ambiental e possíveis explicações para a divulgação voluntária. Contabilidade, Gestão e Governança, v. 11, 2008.

MURTAGH, F. Correspondence Analysis and Data Coding with Java and R. Londres: Chapman & Hall/CRC. 2005.

NENADIC, O. GREENACRE, M. Correspondence analysis in R, with two- and three-dimensional graphics: the ca package. Journal of Statistical Software, 20, 1-13. 2007.

NEUENDORF, K. A. The Content Analysis Guidebook. Thousand Oaks, CA: Sage publication, 2002.

NOGUEIRA, E. P.; FARIA. A. C. Sustentabilidade nos Principais Bancos Brasileiros: uma análise sob a ótica da Global Reporting Initiative. Revista Universo Contábil, v. 8, n. 4, p. 119-139. 2012.

OLIVEIRA, M. C.; LUCA, M. M. M.; de PONTE, V. M. R.; PONTES JÚNIOR, J. E. Disclosure of Social Information by Brazilian Companies According to United Nations Indicators of Corporate Social Responsibility. Revista Contabilidade & Finanças, v. 20. 2009.

PLETSCH, C. S.; BRIGHENTI, J.; SILVA, A.; ROSA, F. S. Perfil da evidenciação ambiental das empresas listadas no índice de sustentabilidade empresarial. Contabilidade Vista & Revista, v. 25, p. 57-77, 2015.

POTTER, W. J.; LEVINE-DONNERSTEIN, D. Rethinking Validity and Reliability in Content Analysis. Journal of Applied Communication Research, 27, 258-284. 1999.

REED, M. S. FRASER, E. D. G. DOUGILL, A. J. An Adaptive Learning Process for Developing and Applying Sustainability Indicators with Local Communities. Ecological Economics, n. 5 9, 406-418. 2006.

SALOTTI, B. M.; YAMAMOTO, M. M. Essay on the Theory of Disclosure. BBR.Brazilian Business Review, n. 1, 2005.

SARTORI, S.; SILVA, F. L.; CAMPOS, L. M. S. Sustainability and Sustainable Development: a taxonomy in the field of literature. Ambiente & Sociedade, v. 17, p. 1-20. 2014.

SICHE, R.; AGOSTINHO, F.; ORTEGA, E.; ROMEIRO, A. Índices versus indicadores: precisões conceituais na discussão da sustentabilidade de países. Ambiente e Sociedade (Campinas), v. 10, p. 137-148. 2007.

SILVA, E. A.; FREIRE, O. B. L.; QUEVEDO-SILVA, F. Indicadores de Sustentabilidade como Instrumentos de Gestão: uma análise da GRI, Ethos e ISE. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, v. 3, n. 2, p. 130-148. 2014.

SILVA, M. N.; LIMA, J. A. S. O.; SILVA, L. L.; SILVA, M. A.; LAGIOIA, U. C. T. Determinantes do Disclosure Ambiental nos Relatórios de Empresas Listadas na Bovespa. Revista Ambiente Contábil. 2015.

SILVA, V. G. Indicadores de Sustentabilidade de Edifícios: estado da arte e desafios para desenvolvimento no Brasil. Revista Ambiente Construído, v. 7, n. 1, p. 47-66, 2007.

SUTANTOPUTRA, A. W. Social Disclosure Rating System for Assessing Firms’ CSR Reports. Corporate Communications: An International Journal, v. 14, n. 1, pp. 34-48. 2009.

VAN BELLEN, H. M. Indicadores de Sustentabilidade: um levantamento dos principais sistemas de avaliação. Cadernos EBAPE.BR, v. 2, n. 1, p. 01-14. 2004.

VERRECCHIA, R. E. Essays on Disclosure. Journal of Accounting and Economics, n. 32. 2001.

WELFENS P. J. J.; PERRET J. K.; IRAWAN. T.; YUSHKOVA. E. Towards Global Sustainability Issues. New indicators and economic policy. Springer International Publishing. 2016.

WORLD COMMISSION ON ENVIRONMENT AND DEVELOPMENT. Our common Future. Oxford: Oxford University Press, 1987.

ZELLER, R. A. CARMINES, E. G. Measurement in the Social Sciences: the link between theory and data. Cambridge: Cambridge University Press. 1980.