O Papel da Educação na Transformação das Relações de Trabalho na Economia Solidária: Contribuições a Partir da Organização Coletivista Cecocesola Outros Idiomas

ID:
45173
Resumo:
O avanço das iniciativas coletivistas de trabalho tem alcançado amplo destaque nas últimas décadas, o que justifica a importância de discussões que contribuam com seus processos organizacionais. É neste sentido que o presente trabalho, de natureza teórico-empírica, teve por objetivo trazer aportes para fomentar a discussão da educação na cultura do trabalho da economia solidária. Para tanto, realizou-se uma revisão da literatura, bem como recorreu-se a uma pesquisa participante em uma organização coletivista da Venezuela, com o intuito de elucidar exemplos empíricos que possam aprofundar na fundamentação de práticas formativas da cultura do trabalho nos empreendimentos solidários.
Citação ABNT:
PINHEIRO, D. C.; GUERRA, A. C.; TOLEDO, D. A. C. O Papel da Educação na Transformação das Relações de Trabalho na Economia Solidária: Contribuições a Partir da Organização Coletivista Cecocesola . Administração Pública e Gestão Social, v. 9, n. 2, p. 76-86, 2017.
Citação APA:
Pinheiro, D. C., Guerra, A. C., & Toledo, D. A. C. (2017). O Papel da Educação na Transformação das Relações de Trabalho na Economia Solidária: Contribuições a Partir da Organização Coletivista Cecocesola . Administração Pública e Gestão Social, 9(2), 76-86.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21118/apgs.v1i2.1109
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/45173/o-papel-da-educacao-na-transformacao-das-relacoes-de-trabalho-na-economia-solidaria--contribuicoes-a-partir-da-organizacao-coletivista-cecocesola-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Harper B. et al. (1986). Cuidado escola! Desigualdade, domesticação e algumas saídas. São Paulo: Brasiliense.

Brandão, C, R. (1984). Repensando a pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense.

Gadotti, M. (2006). Concepção dialética da educação. São Paulo: Cortez.

Mascarenhas, T. S. (2010). O caráter educativo da economia solidária: o caminho do desenvolvimento como liberdade a partir da experiência da Cooperafis. (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Minayo, M. C. (2007). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec.

Vieitez, C.; Dal R. N. (2001). Trabalho Associado: cooperativas e empresas de autogestão. Rio de Janeiro: DP&A

Adams, T. (2014). Educação na economia solidária: desafios e perspectivas. Educação (UFSM), 39(3), 577-588.

Adriano, P, L. (2010). Educar para a autogestão: uma nova metodologia e seus desafios. In: Dal Ri, N. M. (org). Trabalho Associado, Economia Solidária, e mudança social na América Latina, Marília: Cultura Acadêmica, pp. 19-35.

Alaniz, E. (2003). Concepções e práticas educacionais de qualificação profissional na empresa autogerida (Dissertação de Mestrado). Unicamp, Campinas.

Andrade, S, R. (2006). Gestão pelas competências em ONGs como uma alternativa de gestão social: pesquisa-ação no Instituto Bola Pra Frente (Dissertação de Mestrado). FGV, Rio de Janeiro.

Barreto, R. O.; Paes de Paula, A. P. (2009). Os dilemas da economia solidária: um estudo acerca da dificuldade de inserção dos indivíduos na lógica cooperativista. Cadernos EBAPE-BR, 7(2), 199-213.

Brandão, R. (1981). O que é educação. São Paulo: Brasiliense.

Calbino, D. (2012). Economia Solidária: Uma revisão teórica a partir dos seus “múltiplos” conceitos. Revista NAU Social, 3(5), 85-105.

Calbino, D. (2013). A educação na Economia Solidária: Possibilidades para um novo paradigma social. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, 9(2), 301-324.

Calcaño, L, G. (1998). Las ferias de consumo familiar Del estado Lara, Venezuela: Una experiência de organizacion participativa. Informe para La Divison de Estado Y Sociedad civil Del Banco Interamericano de Desarrollo, Caracas.

Cecosesola. (2007). Construyendo aquí y ahora el mundo que queremos. Barquisimeto: Digesa Lara.

Coraggio. J. (2002). Distintos conceitos para o entendimento da Economia Solidária. Bahia Análise & Dados, 12(1), 35-47.

Cruz, A. (2006). A diferença da igualdade. A dinâmica econômica da Economia Solidária em quatro cidades do MERCOSUL (Tese de Doutorado). Unicamp, Campinas.

França Filho, G. (2007). Teoria e Prática em Economia Solidária: problemática, desafios e vocação. Civitas (Porto Alegre), 7(1), 155-174.

França Filho, G. (2008). A via sustentável solidária no desenvolvimento local. O&S, 15(45), 140-154.

França Filho, G.; Laville J. (2004). A Economia Solidária: uma abordagem internacional. Porto Alegre: Editora UFRGS.

Freire, P. (2006). A importância do ato de ler: três artigos que se completam. São Paulo: Cortez.

Freire, P. (2009). Pedagogia do oprimido. Porto Alegre: Artmed.

Gadotti, M. (2009). Economia solidária como práxis pedagógica. São Paulo: Instituto Paulo Freire.

Galvão, M, N. & Cifuentes, R. (2001). Cooperação, autogestão e educação nas novas configurações do trabalho. Revista ORG & DEMO, 2(1), 29-40.

Gattai, S. & Bernardes, M. A. (2013). O Papel e Responsabilidades da Universidade no Processo Socioeducativo Presente em Movimentos de Economia Solidária. Revista de Administração Mackenzie, 14(6), 50-81.

Gutierrez, F. (1988). Educação como práxis política. Tradução. São Paulo: Summus.

Kliksberg, B. (2001). El rol del capital social y de la cultura en El proceso de desarrollo. In: Revista venezolana de gerencia, 4(9), 11-50.

Kruppa, S. M. P (2005). Economia Solidária e educação de jovens e adultos. Brasília: INEP/MEC.

Lechat, N. (2002). Economia social, Economia Solidária, terceiro setor: do que se trata? Civitas, (Porto Alegre), 2(1).

Leite, K. C. (2010). Apontamentos sobre a relação da Economia Solidária com a Educação. Revista de ciências da educação, 23(12), 143-168.

Marcuse, H. (1968). Eros e Civilização. Uma interpretação filosófica do pensamento de Freud. Rio de Janeiro: Zahar editores.

Mattos, P. L. (2006). A entrevista não estruturada como forma de conversação: razões e sugestões para sua análise. Revista de Administração Pública, 39(4).

Nascimento, A. (2009). Escolhas e decisões em organizações da Economia Solidária: a participação como educatividade para a gestão social. Anais do EnGPR. Curitiba - PR, Brasil, II.

Novaes, H. T. (2009). A autogestão como magnífica escola: notas sobre a educação no trabalho associado. Revista Científica e-curriculum, 5(1).

Paes de Paula, A. P. et al. (2011). A Economia Solidária e a questão do Imaginário: em busca de novas perspectivas. Organizações & Sociedade, 8(2), 323-333.

Paredes, J, B. (2001). Una montaña cooperativa. Cayapa. Revista Venezolana de Economia Social, 1(1).

Razeto, L. (2010). Lecciones de Economía Solidaria. Realidad, Teoría y Proyecto. Ediciones UVIRTUAL.NET, Santiago.

Ribeiro, M. (2004). Organizações cooperativas de agricultores e educação escolar: desafios a uma formação cooperativa. Perspectiva, 22(1), 167-194.

Richer, M.; Alzuru, I. (2004). Intercooperación y economia solidaria: análisis de una experiência venezolana. Cuadernos de Desarrollo Rural, 52(1), 103- 127.

Rothschild, W. J. (1979). The collectivist organization: an alternative to rational-bureaucratic models. American Sociological Review, 44 (1), 509-527.

Santos, A. M. & Deluiz, N. (2009). Economia popular e educação: percursos de uma cooperativa de reciclagem de lixo no Rio de Janeiro. Trab. Educ. Saúde, 7(2), 329-353.

Silva, L, M. (2007). Economia Popular Solidária: Os processos formativos populares e a construção de uma nova cultura do trabalho. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Minas Gerais; Belo Horizonte, 2007.

Singer, P. (2005). A economia Solidária como um ato pedagógico. In: Kruppa, S, M. (Org). Economia Solidária e educação de jovens e adultos. Brasília: Inep. p. 13-20.

Singer, P. (2008). Economia Solidária. Revista Estudos Avançados, 22(62), 288-314.

Tafuri, D. (2014). A experiencia educativa da gestão de um banco comunitário na periferia de São Carlos/SP (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Tiriba, L. & Fischer, M, C. (2013.) Aprender e ensinar a autogestão: espaços/tempos do trabalho de produzir a vida associativamente. Perspectiva (UFSC), 32(1), 527-551.

Tiriba, L. (1999). Economia Popular y crisís dei trabajo asalariado: de las estrategias de supervivencia a ai producción de una nueva cultura dei trabajo (Tese de Doutorado). Faculdade de Sociologia e Ciências Políticas, Universidade Complutense de Madrid, Madrid.

Tiriba, L. (2007). Educação popular e pedagogia(s) da produção associada. Cad. CEDES, 27(71), 85-98.

Tiriba, L. (2009). Cultura do trabalho, autogestão e formação de trabalhadores associados na produção: questões de pesquisa. Perspectiva, 26(1), 69-94.

Tiriba, L. (2012). Escuelas del trabajo reflexiones sobre fábricas ocupadas y recuperadas por los trabajadores. Osera - Observatorio social sobre empresas recuperadas autogestionadas, 6(1) 1-15.

Umbelino, V, J. (2000). Sócio-economia solidária e educação popular: Contradições e Perspectivas. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Santa Cataria; Florianópolis.