Antecedentes de Inovações em Organizações Públicas do Poder Executivo Federal Outros Idiomas

ID:
45191
Resumo:
A inovação em serviços tem ganhado espaço e é vista por autores como propulsora para o desenvolvimento das organizações, graças ao crescimento da importância do setor para a economia mundial. O artigo propõe um construto analítico em que barreiras e facilitadores são antecedentes da inovação, exercendo um papel significativo em sua adoção no setor público, e que existe relação positiva entre antecedentes e tipo de inovação. Para a realização do estudo, foram identificadas variáveis, referenciadas pela literatura, por meio da análise de conteúdo em 286 relatos de experiências de inovação do Concurso de Inovação na Gestão Pública Federal promovido pela Escola Nacional de Administração Pública. Procedeu-se, a posteriori, a análise estatística por meio de regressão logística, identificando a existência de relação significativa entre barreiras e facilitadores da inovação e o tipo de inovação adotado.
Citação ABNT:
CASTRO, C. M. S.; ISIDRO-FILHO, A.; MENELAU, S. Antecedentes de Inovações em Organizações Públicas do Poder Executivo Federal. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, v. 22, n. 71, p. 128-143, 2017.
Citação APA:
Castro, C. M. S., Isidro-filho, A., & Menelau, S. (2017). Antecedentes de Inovações em Organizações Públicas do Poder Executivo Federal. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 22(71), 128-143.
DOI:
http://dx.doi.org/10.12660/cgpc.v22n71.63851
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/45191/antecedentes-de-inovacoes-em-organizacoes-publicas-do-poder-executivo-federal/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Alcará, A. R., Chiara, I. G. D., Rodrigues, J. L., Tomáel, M. I., & Piedade, V. C. H. (2009). Fatores que influenciam o compartilhamento do conhecimento. Perspectivas em Ciência da Informação, 14(1), 170-191. doi:10.1590/S1413-99362009000100012

Anttiroiko, A. V., Bailey, S. J., & Valkama, P. (2011). Innovations in public governance in the Western World. In A. V. Anttiroiko, S. J. Bailey, & P. Valkama (Eds), Innovations in public governance. Innovation in the public sector, 15, 1-22. Amsterdan: IOS Press. doi: 10.3233/978-1-60750-727-7-1

Armbrecht, F. M. R., Chapas, R. B., Chappelow, C. C., Farris, G. F., Friga, P. N., Hartz, C. A., ... Whitwell, G. E. (2001). Knowledge management in research and development. Research Technology Management, 44(4), 28-48. doi:10.1080/08956308.2001.1167143 8

Azevedo, C. E. F., Oliveira. L. G. L., Gonzalez, R. K., & Abdalla, M. M. (2013). A estratégia de triangulação: Objetivos, possibilidades, limitações e proximidades com o pragmatis mo. IV Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade. ENPQ, Brasília, DF.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo, SP: Edições 70

Barnett, J., Vasileiou, K., Djemil, F., Brooks L., & Young T. (2011). Understanding innovators’ experiences of barriers and facilitators in implementation and diffusion of healthcare service innovations: A qualitative study. BMC Health Services Research, 11(342), 1-12. doi:10.1186/1472-6963-11-342

Beinare, D., & McCarthy, M. (2011). Civil society organizations, social innovation and health research in Europe. European Journal of Public Health, 22(6), 889-893. doi:10.1093/ eurpub/ckr152

Bitencourt, C. (2002). A gestão de competências gerenciais e a contribuição da aprendizagem organizacional: A experiência de três empresas australianas. XXVI Encontro Nacional da Associação Nacional dos Programas de Pós Graduação em Administração (ENANPAD). Anpad, Curitiba, PR.

Calantone, R., Harmancioglu, N., & Drodge, C. (2010). Inconclusive innovation “returns”: A metaanalysis of research on innovation in new product development. Journal of Product Innovation Management, 27(7), 1065-1081. doi:10.1111/j.1540-5885.2010.00771.x

Chen, J., Tsou, H. T., & Huang, A. Y. (2009). Service delivery innovation: Antecedents and impact on firm performance. Journal of Service Research, 12(1), 36-55. doi:10.1177/1094670509338619

Cho, N., Li, G. Z., & Su, C. (2007). An empirical study on the effect of individual factors on knowledge sharing by knowledge type. Journal of Global Business and Technology, 3(2), 1-15.

Costa, B. L. D., & Azeredo, T. M. A. (2005). Inovação, eficiência e eficácia em políticas sociais: Reflexões a partir do Programa Bolsa Escola de Belo Horizonte. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 10(46), 81-107. doi:10.12660/cgpc.v10n46.44040

Coutinho, P. L. A., & Bomtempo, J. V. (2007). Inovações de produto em uma empresa petroquímica brasileira. Revista Eletrônica de Administração, 13(3), 529-557.

Damanpour, F., & Wischnevsky, J. D. (2006). Research on innovation in organizations: Distinguishing innovation-generating from innovation-adopting organizations. Journal of Engineering and Technology Management, 23(4), 269-291. doi:10.1016/j.jengtecman.2006.08.002

Davis, F. D., Bagozzi, R. P., & Warshaw, P. R. (1989). User acceptance of computer technology: A comparison of two theoretical models. Management Science, 35(8), 9821003. doi:10.1287/mnsc.35.8.982

Djellal, F., & Gallouj, F. (2012). L’innovation dans les services publics. Revue Française D’économie, 2(27), 97-142.

Djellal, F., Gallouj, F., & Miles, I. (2013). Two decades of research on innovation in services: Which place for public services?. Structural Change and Economic Dynamics, 27, 98-117. doi:10.1016/j.strueco.2013.06.005

Farah, M. F. S. (2000). Governo local, políticas públicas e novas formas de gestão pública no Brasil. Organizações e Sociedade, 7(17), 59-86. doi:10.1590/S1984-92302000000100005

Ferrarezi, E., & Amorim. S. (2007). Concurso inovação na gestão pública federal no Brasil: Análise de uma trajetória (1996-2006). Cadernos ENAP, 32. Brasília, DF: ENAP.

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo, SP: Artmed.

Gadrey, J. (1987). The double dynamics of services. The Services Industries Journal, 7(4), 125-138. doi:10.1080/02642068700000066

Gadrey, J. (2000). The characterization of goods and services: An alternative approach. Review of Income and Wealth, 46(3), 369387. doi:10.1111/j.1475-4991.2000.tb00848.x

Gallouj, F. (2002). Innovation in the service economy: The new wealth of nations. Cheltenham, United Kingdom: Edward Elgar.

Gallouj, F., & Savona, M. (2009). Innovation in services: A review of the debate and the research agenda. Journal of Evolutionary Economics, 19(2), 149-172. doi:10.1007/ s00191-008-0126-4

Gallouj, F., & Weinstein, O. (1997). Innovation in services. Research Policy, 26(4-5), 537-556.

Gebauer, H., Krempl, R., & Fleisch, E. (2008). Exploring the effect of cognitive biases on customer support services. Creativity and Innovation Management, 17(1), 58-70. doi:10.1111/j.1467-8691.2007.00438.x

Grugulis, I., & Haynes, K. (2014). Managing services and the service sector: An introduction. In K. Haynes, & I. Grugulis (Eds.), Managing services: Challenges and innovation (pp. 1-6). New York, EUA: Oxford.

Hauknes, J. (1998). Services in innovation, innovation in services. STEP Report. Oslo, Norway: STEP Group.

Hill, T. P. (1977). On goods and services. Review of Income and Wealth, 23(4), 315-338. doi:10.1111/j.1475-4991.1977.tb00021.x

Klering, L. R., & Andrade, J. A. (2006). Inovação na gestão pública: Compreensão do conceito a partir da teoria e da prática. In P. Jacobi, & J. A. Pinho (Orgs.), Inovação no campo da gestão pública local: Novos desafios, novos patamares (Vol. 1, pp. 77-96). São Paulo, SP: FGV.

Klumb, R., & Hoffmann, M.G. (2016). Inovação no setor público e evolução dos modelos de administração pública: O caso do TRE-SC. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 21(69), 86-102. doi:10.12660/cgpc. v21n69.53902

Koch, P., & Hauknes, J. (2005). On innovation in the public sector. Oslo, Norway: Publin Report D20: NIFU, STEP.

Lemos, C. (2000). Inovação na era do conhecimento. Revista Parcerias Estratégicas, Centro de Estudos Estratégicos, 8, 157-179.

Leonard-Barton, D. (1998). Nascentes do saber: Criando e sustentando as fontes de inovação. Rio de Janeiro, RJ: FGV.

Lima, D. H., & Vargas, E. R. (2012). Estudos internacionais sobre inovação no setor público: como a teoria da inovação em serviços pode contribuir? RAP-Revista de Administração Pública, 46(2), 385-401. doi:10.1590/

Lin, T., Wu, S., & Lu, C. (2011). Exploring the affect factors of knowledge sharing behavior: The relations model theory perspective. Expert Systems with Applications, 39(1), 751764. doi:10.1016/j.eswa.2011.07.068

Martini, A., & Pellegrini, L. (2005). Barriers and levers towards knowledge management configurations. Journal of Manufacturing Technology Management, 16(6), 670-681. doi:10.1108/17410380510609500

Mendonça, P., & Falcão, D. S. (2016). Novo marco regulatório para a realização de parcerias entre Estado e Organização da Sociedade Civil (OSC). Inovação ou peso do passado? Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 21(68), 44-62. doi:10.12660/cgpc. v21n68.56484

Menelau, S., Vieira, A. F. B. R., & Fernandes, A. S. A. (2016). Inovação em serviço de segurança pública no Brasil: Facilitadores e barreiras à inovação nos Postos Comunitários de Segurança do Distrito Federal. Revista Brasileira de Políticas Públicas e Internacionais, 1(1), 24-48.

Moore, D. S. (2005). A estatística básica e sua prática (3a ed.). Rio de Janeiro, RJ: LTC.

Okunoye, A., & Karsten, H. (2002). ITI as enabler of knowledge management: Empirical perspective from research organisations in subSaharan Africa. IEEE Computer Society.

Oliveira, E. F. T., & Gracio, M .C. C. (2005). Análise a respeito do tamanho de amostras aleatórias simples: Uma aplicação na área de ciência da informação. Revista de Ciência da Informação, 6(3).

Oliveira, L. G., Santana, R. L. F., & Gomes, V. C. (2014). Inovação no setor público: Uma reflexão a partir das experiências premiadas no Concurso Inovação na Gestão Pública Federal. Cadernos Enap, 38, 1-59.

Paghaled. M., Shafiezadeh, E., & Mohammadi, M. (2011). Information technology and its deficiencies in sharing organizational knowledge. International Journal of Business and Social Science, 2(8), 192-198.

Panizzon, M., Milan, G. S., & Toni, D. De. (2013). Internacionalização, criatividade organizacional e as capacidades dinâmicas baseadas em conhecimento como determinantes da inovação. RAI-Revista de Administração e Inovação, 10(4), 253-282. doi:10.5773/rai.v10i4.1183

Parolin, S. R. H., Vasconcellos, E., Volpato, M., & Laurindo, A. M. (2013). Barriers and facilitators of collaborative management in technological innovation projects. Journal of Techonology Management & Innovation, 8, special issue, 151-164.

Pinho, J. A. G., & Jacobi, P. (Orgs.) (2006). Inovação no campo da gestão pública local: Novos desafios, novos patamares. Rio de Janeiro, RJ: FGV.

Pinho, J. A. G., Santana, M. W., & Cerqueira, S. M. B. (1997). Gestão pública em busca de cidadania: Experiências de inovação em Salvador. Organizações e Sociedade, 4(8), 57-90. doi:10.12660/cgpc.v2n5.43831

Rego, A., Pinho, I., Pedrosa, J., & Cunha, M. P. (2009). Barriers and facilitators to knowledge management in university research centers: An exploratory study. Management Research: Journal of the Iberoamerican Academy of Management, 7(1), 33-47. doi:10.2753/ JMR1536-5433070103

Riege, A. (2005). Three-dozen knowledge-sharing barriers managers must consider. Journal of Knowledge Management, 9(3), 18-35. doi:10.1108/13673270510602746

Rosendaal, B. (2009). Sharing knowledge, being different and working as a team. Knowledge Management Research & Practice, 7(1), 4-14. doi:10.1057/kmrp.2008.32

Røste, R. (2005). Studies of innovation in the public sector, a theorical framework. Innovation in public sector, 16. Oslo, Norway: NIFU

S0034-76122012000200003 Lin, H. F., & Lee, G. G. (2006). Effects of socio-technical factors on organizational intention to encourage knowledge sharing. Management Decision, 44(1), 74-88. doi:10.1108/00251740610641472

Schlesinger, C. C. B., Reis, D. R., Silva, H. F. N., Carvalho, H. G., Sus, J. A. L., Ferrari, J. V., ... Xavier, S. A. P. (2008). Gestão do conhecimento na administração pública. Curitiba, PR: Instituto Municipal de Administração Pública (IMAP).

Soares, A. V. A. (2009). Inovação no setor público: Obstáculos e alternativas. EUPSE.

Spink, P. (2003, Dezembro). Inovação na perspectiva dos inovadores: A experiência do Programa Gestão Pública e Cidadania. Cadernos EBAPE.BR, 1(2), 1-13. doi:10.1590/S1679-39512003000200002

STEP Group. Tien, J. M., & Berg, D. (2007). A calculus for services innovation. Journal of System Science and Engieneering, 16(2), 129-165. doi:10.1007/s11518-007-5041-y

STEP. Segatto-Mendes, A. P., & Sbragia, R. (2002). O processo de cooperação universidade-empresa em universidades brasileiras. Revista de Administração da USP, 37(4), 5871.

Sundbo, J., & Gallouj, F. (1998). Innovation in services. STEP Report. Oslo, Norway:

Vargas, E. R., Bohrer, C. T., Ferreira, L. B., & Moreira, M. F. (2013). A pesquisa sobre inovação em serviços no Brasil: Estágio atual, desafios e perspectivas. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 2(1), 3-21.

Vigoda-Gadot, E., Shoam A., Schwabsky N., & Ruvio, A. (2008). Public sector innovation for Europe: A multinational eigh-country exploration of citizens’ perspectives. Public Administration, 86(2), 307-329. doi:10.1111/ j.1467-9299.2008.00731.x

Wang, J., Peters, H. P., & Guan, J. (2006). Factors influencing knowledge productivity in German research groups: Lessons for developing countries. Journal of Knowledge Management, 10(4), 113-126. doi:10.1108/13673270610679408

Yeh, Y., Lai, S., & Ho, C. (2006). Knowledge management enablers: A case study. Industrial Management & Data Systems, 106(6), 793-810. doi:10.1108/02635570610671489

Zarifian, P. (2007). Valor, organização e competência na produção de serviço: Esboço de um modelo de produção de serviço. In: M. S. Salerno (Org),. Relação de serviço: produção e avaliação. (pp. 97-149). São Paulo, SP: Senac