Razão da não Utilização de Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica da Lei do Bem por Empresas Brasileiras Outros Idiomas

ID:
45253
Resumo:
Partindo da existência de incentivos fiscais para a atividade inovadora, a exemplo da Lei nº 11.196/2005 (chamada Lei do Bem) que ampliou os benefícios existentes e instituiu outros novos para estimular a inovação, definiu-se como problema de pesquisa a seguinte questão: quais as razões da não utilização de incentivos fiscais à inovação tecnológica da Lei do Bem pelas empresas brasileiras? Assim, o objetivo geral da presente pesquisa consistiu em identificar as razões da não utilização de incentivos fiscais à inovação tecnológica da Lei do Bem por empresas privadas de capital aberto, listadas no segmento novo mercado de governança corporativa da BM&FBovespa. Para tanto, realizou-se pesquisa do tipo qualitativa, documental e descritiva, viabilizada por meio da análise dos relatórios contábeis, bem como dos relatórios que contêm informações sociais, e por meio de questionário respondido por 125 companhias. Os resultados possibilitaram concluir que as companhias que investiram em P&D e não se utilizaram da Lei do Bem não se beneficiaram ou porque estavam com problemas fiscais, ou porque fecharam o ano de 2010 com prejuízo fiscal. A importância deste estudo decorre do fornecimento de informações atuais e significativas das razões para as empresas não estarem se beneficiando dos incentivos fiscais à inovação tecnológica, tema que até agora vinha sendo negligenciado pelos pesquisadores. Espera-se, assim, que os conhecimentos adquiridos a partir desta investigação possam contribuir para o futuro desenvolvimento desta linha de pesquisa, bem como promover nas entidades reflexão para a solução dos entraves apresentados.
Citação ABNT:
OLIVEIRA, O. V.; ZABA, E. F.; FORTE, S. H. A. C. Razão da não Utilização de Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica da Lei do Bem por Empresas Brasileiras . Revista Contemporânea de Contabilidade, v. 14, n. 31, p. 67-88, 2017.
Citação APA:
Oliveira, O. V., Zaba, E. F., & Forte, S. H. A. C. (2017). Razão da não Utilização de Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica da Lei do Bem por Empresas Brasileiras . Revista Contemporânea de Contabilidade, 14(31), 67-88.
DOI:
http://dx.doi.org/10.5007/2175-8069.2017v14n31p67
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/45253/razao-da-nao-utilizacao-de-incentivos-fiscais-a-inovacao-tecnologica-da-lei-do-bem-por-empresas-brasileiras--/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANPEI. Indicadores de Pesquisa e Desenvolvimento: síntese dos resultados. São Paulo: ANPEI, 2007.

ARAÚJO, Bruno Cesar. Políticas de apoio à inovação no Brasil: uma análise da sua evolução recente. Rio de Janeiro: Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2012.

ATKINSON, R. D. Expanding the R&E tax credit to drive innovation, competitiveness and prosperity. Journal of Technology Transfer, v. 32, n. 6, p. 617-628, 2007. doi: 10.1007/s10961-007-9046-y. 2007.

BARBOSA, Denis Borges. Incentivos fiscais à inovação. Apostila. 2006. Disponível em: . Acesso em: 01 mar. 2006.

BARBOSA, R. K. Eco-inovações na Universidade: uma análise das patentes da Universidade Estadual de Campinas. 2011. 129 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Econômico) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Economia, Campinas, 2011.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2002.

BASTOS, V. D. Fundos Públicos para Ciência e Tecnologia. Revista do BNDES. Rio de Janeiro, v. 10, n. 20, dez. 2003. Disponível em: http://www.bndes.gov.br. Acesso em: 20 out. 2003.

BECKER, Howard S. 1997. Métodos de pesquisa em ciências sociais. 3 ed. São Paulo: Hucitec.

BERGAMASCHI, Eloísio Andrey. Inovação tecnológica e incentivos fiscais no setor de serviços de telecomunicações. 2009. 135 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de PósGraduação em Administração, Departamento de Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

BOOZ&Co. Investimentos em Pesquisa & Desenvolvimento no mundo crescem 9,6% e voltam a níveis pré-recessão, revela estudo da Booz & Company. 2012. Disponível em: . Acesso em: 05 dez. 2012.

BRASIL.Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação - MCTI. Relatório Anual da Utilização dos Incentivos Fiscais.Ano Base 2010. Lei nº 11.196/05 – Lei do Bem. Brasília – DF, dez. 2010.

BRASIL.Presidência da República. Decreto nº 5.798, de 7 de junho de 2006. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2006.

CABRAL, J E de Oliveira. Survey on Technological Innovative Behavior in the Brazilian Food Industry. Scientometrics, Springer Netherlands, v. 42, n. 2, p. 129-169, 1998. doi: 10.1007/BF02458353. 1998.

CALZOLAIO, A. E. ; DATHEIN, R. Políticas Fiscais de Incentivo à Inovação: uma avaliação da Lei do Bem. In: ENCONTRO DE ECONOMIA DA REGIÃO SUL,15., 2012, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: ANPEC SUL, 2012.

CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A.; DA SILVA, R. Metodologia Científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

CGEE/ANPEI. Os novos instrumentos de apoio à inovação: uma avaliação inicial. Brasília: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos – Associação Nacional de Pesquisas e Desenvolvimento, 2008.

CIPOLLA, J. H.; CAVALCANTI, M.; SOUZA, R. C. Compartilhamento e Competição: um estudo da inovação e tecnologia na área cerâmica. In: COSTA, B. C.; ALMEIDA, M. R. (Org.). Modelos e Inovações em Estratégia. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2007.

COELHO, M I B de A. Incentivos fiscais à P&D: a lei do bem nos Estados do Amazonas e Pará. T&C Amazônia, Manaus/AM, v. IX, n. 20, I Semestre de 2011. Disponível em: Acesso em: 25 out. 2011.

COLLIS, J.; HUSSEY,R. Pesquisa em administração: Um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

CORREIA, E.; MOITA, R. Gasto em P&D e poder de mercado: teoria e evidência para o Brasil. Pesquisa e Planejamento Econômico, IPEA, v. 14, n. 1, abr. 2011.

CRISÓTOMO, V. L.; GONZÁLES, E. V. Possível Reação do Mercado Brasileiro aos Investimentos em P&D. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 7, n.1, p. 96114, 2006.

ÉPOCA NEGÓCIOS. Companhias do país em bolsa gastam 10,5% mais em P&D. Revista Época Negócios. Economia/Tecnologia, 2011. Disponível em: . Acesso em: 05 dez. 2011.

FORMIGONI, Henrique. A influência dos incentivos fiscais sobre a estrutura de capital e a rentabilidade das companhias abertas brasileiras não financeiras. 2008. Tese (Doutorado em Controladoria e Contabilidade: Contabilidade) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo. 2008.

GONDIN, Linda M. P.; LIMA, Jacob Caros. A Pesquisa como Artesanato Intelectual: considerações sobre método e bom senso. João Pessoa: Manufatura, 2002.

HALL, Bronwyn H.; MAIRESSE, Jacques; MOHNEN, Pierre. Measuring the Returns to R&D. In: HALL, B. H.; ROSENBERG, N. (Org.). Handbook of the Economics of Innovation, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2010.

HARADA, K. Incentivos fiscais: limitações constitucionais e legais. Âmbito Jurídico, Rio Grande, v. 94, 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2011.

HJALAGER, A. Innovation Patterns in Sustainable Tourism: An analytical typology. Tourism Management, Elsevier, v. 18, n. 1, p. 35-41, 1997. doi: org/10.1016/S02615177(96)00096-9. 1997.

IEDI.Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial. Investimentos em Ciência, Tecnologia e Inovação na OCDE e nos BRICs.Carta IEDI n. 344, published in 23rd Dec. 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2008.

JENSEN, J.; MENEZES FILHO, N.; SBRAGIA, R. Os Determinantes dos Gastos em P&D no Brasil: uma análise com dados em painel. Estudos Econômicos, v. 34, n. 4, p. 661-691, out./dez. 2004. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-41612004000400002.

KEMP, René; SMITH, K.; BECHER, G. How should we study the relationship between environmental regulation and innovation? In: IPTS Report EUR 19827. Sevilla: The European Commission, DG JRC. 2000.

KUROKI, Andreos Henrique. Utilização pelas empresas do incentivo fiscal da inovação tecnológica. 2010. 122 f. Dissertação (Mestrado em Controladoria Empresarial)-Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2010.

MARTIN, A. R. A Atividade de P&D na Empresa: o caso da indústria petroquímica. Polímeros: Ciência e Tecnologia, v. 11, n. 2, p. 1-6, 2001. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-14282001000200003. 2001.

MOREIRA, N.V.A. et al. A inovação tecnológica no Brasil: os avanços no marco regulatório e a gestão dos fundos setoriais. REGE - Revista de Gestão USP, v. 14, 2007. DOI: http://dx.doi.org/10.5700/issn.2177-8736.rege.2007.36580. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2007.

OCDE. Manual de Oslo: proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. 2004. Disponível em: . Acesso em: 01 mar. 2004.

OCDE. Perspectivas da Tecnologia da Informação: as tecnologias da comunicação e da informação e a economia da informação. São Paulo: Senac, 2003.

PACHECO, Carlos Américo. O financiamento do gasto em P&D do setor privado no Brasil e o perfil dos incentivos governamentais para P&D. Revista USP, São Paulo, n. 89, p. 256-278, 2011.

PERDOMO-ORTIZ, J.; GONZÁLEZ-BENITO, J.; GALENDE J. Total quality management as a forerunner of business innovation capability. Technovation, v. 26, n. 10, p. 1170-1185, 2006. DOI: 10.1016/j.technovation.2005.09.008. 2006.

QUIVY, Raymond; CAMPENHOUDT, Luc Van. Manual de Investigação em Ciências Sociais. 5 ed. Portugal: Gradativa, 2008.

ROCHA, M. C.; SOARES, M.; CASSONI, K. Um Olhar da Inventta: a eficiência dos mecanismos de fomento à inovação no Brasil. Radar Inovação, Inventta, fev. 2011. Disponível em: . Acesso em: 01 mar. 2011.

SCHIMIDT, P.; FERNANDES, L. A.; SANTOS, J. L. Fundamentos da avaliação de ativos intangíveis. São Paulo: Atlas, 2006.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. 3. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

SENNES, R. Inovação no Brasil: políticas públicas e estratégias empresariais. 2011. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2011.

SILVERMAN, David. 2009. Interpretação de dados qualitativos: métodos para análise de entrevistas, textos e interações. Porto Alegre: Artmed, 2009.

STEVENSON, William J. Estatística Aplicada à Administração. São Paulo: Habra, 2001.

STICKNEY, C. P.; WEIL, R. L. Contabilidade Financeira: uma introdução aos conceitos, métodos e usos. São Paulo: Atlas, 2010.

STRAUSS, Anselm; CORBIN, Juliet. Pesquisa qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

TRIGUEIRO, M. G. O Clone de Prometeu. Brasília: UnB, 2002.

ZUCOLOTO, G. F. Lei do Bem: impactos nas atividades de P&D no Brasil. Radar Tecnologia, Produção e Comércio Exterior, Ipea, v. 2, n. 1, p. 14-20, 2010.