Cooperação Universidade-Empresa em uma Usina Hidrelétrica: Estudo de Cooperações na Área de Gestão Ambiental Outros Idiomas

ID:
45323
Resumo:
As usinas hidrelétricas são consideradas estratégicas para o país quando se analisa sua relevância e impacto para os demais setores da economia. Entretanto, a dinâmica de funcionamento de uma usina, sua estrutura de apoio e as atividades de geração de energia podem causar impactos ao meio ambiente, os quais devem ser constantemente monitorados, com o propósito de mitigar eventuais riscos ambientais. O propósito do presente estudo consiste em analisar relações de parceria estabelecidas entre uma usina, por meio de departamento inserido na área de gerenciamento ambiental, e universidades e institutos de pesquisa, visando identificar especificidades das parcerias em gestão ambiental e com usinas hidrelétricas. Selecionaram-se seis projetos para análise, sendo quatro deles relacionados a projetos com universidades e dois relacionados à cooperação com institutos de pesquisa. O foco da análise foi restrito aos principais pontos observados na gestão dessas parcerias, quais sejam: (a) motivações para estabelecer parcerias; (b) a composição dos custos previstos para viabilizar essas parcerias; (c) as dificuldades de conciliar a gestão técnica e a gestão financeira; e (d) a mensuração dos resultados e contribuições provenientes dessas interações. As práticas administrativas de gestão das parcerias também foram analisadas nas fases que antecedem a cooperação, durante a cooperação e após a cooperação. Embora sejam necessários outros estudos dessa mesma natureza para reforçar as constatações apresentadas, pode-se afirmar que os propósitos do estabelecimento de relações de cooperação na área de gestão ambiental diferem daqueles observados em outros campos do conhecimento, como a engenharia e a biotecnologia, por exemplo.
Citação ABNT:
MUSSI, F.; PEDROSO, J. P. P.; STOECKL, K. Cooperação Universidade-Empresa em uma Usina Hidrelétrica: Estudo de Cooperações na Área de Gestão Ambiental. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, v. 6, n. 1, p. 123-139, 2017.
Citação APA:
Mussi, F., Pedroso, J. P. P., & Stoeckl, K. (2017). Cooperação Universidade-Empresa em uma Usina Hidrelétrica: Estudo de Cooperações na Área de Gestão Ambiental. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 6(1), 123-139.
DOI:
10.5585/geas.v6i1.459
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/45323/cooperacao-universidade-empresa-em-uma-usina-hidreletrica--estudo-de-cooperacoes-na-area-de-gestao-ambiental/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Andrade, R. O. B.; Tachizawa, T.; Carvalho, A. B. (2000). Gestão ambiental: enfoque estratégico aplicado ao desenvolvimento sustentável. São Paulo: Makron Books.

Andreassi, T.; Vasconcellos, M. A.; Simantob, M. (2002). Cooperação Universidade-Empresa: A Experiência do Fórum de Inovação da EAESP/FGV. Anais do Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica. Salvador: FGV, 22

Azevedo, L. P.; Teixeira, M. G. C. (2009). Instrumentos de Política Ambiental: Uma Abordagem Crítica da Articulação Político-Institucional para a sua Implantação na Gestão Ambiental Empresarial no Brasil. Anais do XXXIII Encontro Nacional da Associação dos Programas de Pós-Graduação em Administração. São Paulo, ANPAD, 33.

Bakis, R.; Demirbas, A. (2004). Sustainable development of small hydropower plants. Energy Sources, 26(12), 1105-18.

Becker, J. L.; Da Jornada, J. A. H.; Ritter, F. J. (1996). A conceptual framework for understanding the interaction between academic research and industry. Annals of International Conference on Physics and Industrial Development: Bridging The Gap, 2, Belo Horizonte: World Scientific.

Bhattacharyya, S. C. (2007). Energy sector management issues: an overview. International Journal of Energy Sector Management, 1(1).

Bonaccorsi, A.; Piccaluga, A. A. (1994). Theoretical framework for reevaluation of universityindustry relationships. R&D Management, 24(3), 229-247.

Brasil.Ministério de Minas e Energia. (2011). Empresa de Pesquisa Energética. Plano Decenal de Expansão de Energia 2020. Brasília: MME/EPE.

Costa, P. R.; Porto, G. S.; Feldhaus, D. (2010). Gestão da Cooperação Empresa-Universidade: o Caso de uma Multinacional Brasileira. Revista de Administração Contemporânea, 14(1), 100-121.

Costa, P. R.; Porto, G. S.; Plonski, G. A. (2009). Gestão da Cooperação Empresa-Universidade nas Multinacionais Brasileiras. Anais do Encontro Nacional da Associação dos Programas de PósGraduação em Administração. São Paulo: ANPAD, 33.

Cyert, R. M.; Goodman, P. S. (1997). Creating effective university-industry alliances: an organizational learning perspective. Organizational Dynamics, 25(4), 45-57.

Dalberto, D. M. (2005). Ações estratégicas adotadas para a gestão ambiental e da segurança no trabalho em usina hidrelétrica no Brasil. (Dissertação de mestrado) Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis, SC, Brasil.

Dombi, M.; Kuti, I.; Balogh, P. (2014). Sustainability assessment of renewable power and heat generation technologies. Energy Policy, 67, 264-271.

Etzkowitz, H. (2002). The Triple Helix of University-Industry-Government; Implication for Policy and Evaluation. Nº 11. Working Paper.

Godoy, A. S. (2006). Estudo de caso qualitativo. In Godoi, C. K.; Bandeira-de-Mello, R.; Silva, A. B. (Orgs.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. 1a ed. São Paulo: Saraiva.

Goodland, R. (1994). Environmental sustainability and the power sector. Impact Assess, 12(4), 409-70.

IHA(International Hydropower Association). (2006). Sustainability assessment protocol, July.

Jiang, H.; Quiang, M.; Lin, P. (2016). A topic modeling based bibliometric exploration of hydropower research. Renewable and Sustainable Energy Reviews, 57, 226-237.

Kaygusuz, K. (2002). Sustainable development of hydroelectric power. Energy Sources, 4(9), 803-15.

Liu, J.; Zuo J.; Sun Z.; Zillante, G.; Chen, X. (2013). Sustainability in hydropower development – a case study. Renewable and Sustainable Energy Reviews, 19, 230-237.

Luis, J.; Sidek, L. M.; Desa, M. N.; Julien, P. Y. (2013). Sustainability of hydropower as source of renewable and clean energy. International Conference on Energy and Environment. IOP Conf. Series: Earth and Environmental Science 16 (2) 012050. doi: 10.1088/1755-1315/16/1/012050.

Lundvall, B. A. (1992). National systems of innovations: towards a theory of innovation and interactive learning. London: Pinter Publishers.

Mora-Valentin, E.; Montoro-Sanchez, A.; Guerras-Martin, L. (2004). Determining factors in the success of R&D cooperative agreements between firms and research organizations. Research Policy, 33, 17-40.

Moreira, J. M.; Cesaretti, M. A.; Carajilescov, P.; Maiorino, J. R. (2015). Sustainability deterioration of electricity generation in Brazil. Energy Policy, 87, 334-346.

Mota, S. (1995). Preservação e conservação de recursos hídricos. 2a ed. Rio de Janeiro: ABES.

Müller, A. C. (1995). Hidrelétricas, meio ambiente e desenvolvimento. São Paulo: Makron Books.

Porto, C.; Belfort, A. (2006). Perspectiva Institucional e Organizacional. In Pires, A.; Fernandez, E.; Bueno, J. (Orgs.). Política Energética para o Brasil (pp. 92-118). Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Porto, G. S. (2000). A decisão empresarial de desenvolvimento tecnológico por meio da cooperação universidade-empresa. (Tese de Doutorado). Departamento de Administração, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Porto, G. S. (2002). O que discrimina a decisão empresarial de cooperar com a universidade. Anais do Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica. Salvador, BA. 22.

Santos, M. E.; Solleiro, J. L.; Lahorgue, M. A. (2004). Boas práticas de gestão em escritórios de transferência de tecnologia. In Anais do Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, Curitiba, PR, Brasil. 23.

Segatto-Mendes, A. P.; Sbragia, R. (2002). O processo de cooperação Universidade Empresa em universidades brasileiras. Revista de Administração da USP-RAUSP, 37(4), 58-71.

Segatto, A. P. (1996). Análise do processo de cooperação universidade-empresa: um estudo exploratório. (Dissertação de mestrado) Departamento de Administração, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Segatto, A. P.; Mendes, N. (2002). Laboratório de Sistemas Térmicos (LST)/PUCPR e Electrolux do Brasil: um Caso de Cooperação Tecnológica Universidade-Empresa de Sucesso. Anais do Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica. Salvador, BA. Brasil. 22.

Tachizawa, T. (2002). Gestão ambiental e responsabilidade social corporativa: estratégias de negócios focadas na realidade brasileira. São Paulo: Atlas.

Tundisi, J. G. (2003). Água no século XXI: enfrentando a escassez. São Carlos, SP: RiMa.

Vera, I.; Langlois, L. (2007). Energy indicators for sustainable development. Energy, 32, 875-82.

Yin, R. K. (2001). Estudo de Caso: planejamento e métodos. 3a ed. Porto Alegre: Bookman.

Afgan, N. H.; Carvalho, M. G.; Hovanov, N. V. (2000). Energy system assessment with sustainability indicators. Energy Policy. Cidade: Editora.

Etzkowitz, H.; Leydesdorff, L. (1998). The Triple Helix as a Model for Innovation Studies. Science & Public Policy, 25(3), 195-203.