Análise de Redes Sociais no Arranjo Produtivo Local dos Ramos Têxtil e de Confecções da Região da Grande São Paulo a Partir de uma Visão de Governança Outros Idiomas

ID:
45588
Resumo:
Este artigo caracteriza-se pelo estudo das relações entre os atores participantes do Arranjo Produtivo Local (APL) têxtil e de confecções situado na região da Grande São Paulo a partir de uma visão de governança. Para compreender os fatores facilitadores e dificultadores das relações no arranjo, foi feito um levantamento bibliográfico sobre os temas. Foram entrevistados representantes do sindicato do setor têxtil e de confecções, da prefeitura local e de uma universidade colaboradora do aglomerado. Além disso, 26 empresas pertencentes ao APL responderam a um questionário estruturado e, por fim, assistiu-se uma reunião do arranjo em junho de 2015. A principal conclusão deste artigo é que ainda há mais fatores dificultadores que facilitadores para o sucesso do APL estudado, como a pouca adesão/participação das empresas do setor e a escassez de mão de obra especializada no setor.
Citação ABNT:
FARINA, M. C.; BITANTE, A. P.; BRITO, L. C.; PINHEIRO, L. R. D. Análise de Redes Sociais no Arranjo Produtivo Local dos Ramos Têxtil e de Confecções da Região da Grande São Paulo a Partir de uma Visão de Governança . Gestão & Regionalidade, v. 33, n. 98, p. 36-52, 2017.
Citação APA:
Farina, M. C., Bitante, A. P., Brito, L. C., & Pinheiro, L. R. D. (2017). Análise de Redes Sociais no Arranjo Produtivo Local dos Ramos Têxtil e de Confecções da Região da Grande São Paulo a Partir de uma Visão de Governança . Gestão & Regionalidade, 33(98), 36-52.
DOI:
10.13037/gr.vol33n98.3791
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/45588/analise-de-redes-sociais-no-arranjo-produtivo-local-dos-ramos-textil-e-de-confeccoes-da-regiao-da-grande-sao-paulo-a-partir-de-uma-visao-de-governanca-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AMARAL, M. E. M. Vantagem competitiva de empresas localizadas em arranjos produtivos locais: um estudo teórico. In: CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO, 9., 2013, Rio de Janeiro. Anais… Rio de Janeiro: Inovarse, 2013. Disponível em: . Acesso em: 7 abr. 2017.

ANTERO, C. A. S. et al. Coordination of Joint Actions in Muriaé’s (MG) Clothing LPA. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 17, n. 3, p. 158-182, 2016.

BRITO, E. P. Z. et al. Arranjos produtivos locais e crescimento. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 2008. Rio de Janeiro. Anais… Rio de Janeiro: Anpad, 2008.

CASSANEGO, J. P. V. Governança em clusters de negócios: um estudo em clusters do Rio Grande do Sul. Tese (Doutorado em Ciências) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

CASSIOLATO, J. E.; SZAPIRO, M. Uma caracterização de arranjos produtivos locais de micro e pequenas empresas. In: LASTRES, H.; CASSIOLATO, J. E.; MACIEL, M. L. M. (Orgs.). Pequena empresa: cooperação e desenvolvimento local. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.

CASSIOLATO, J. E; LASTRES, H. O foco em arranjos produtivos e inovativos locais de micro e pequenas empresas. In: CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H.; MACIEL, M. L (Orgs.). Systems of innovation and development: evidence from Brazil. Cheltenham, RU: Edward Elgar, 2003.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. 11. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1999. COSTA, M. T. As pequenas e médias firmas no desenvolvimento local: conceito e experiências. In: GUIMARÃES, N. A.; MARTIN, S. (Orgs.). Competitividade e desenvolvimento: atores e instituições locais. São Paulo: Senac, 2001.

COSTA, S. N.; RABELO, R. J. Uma proposta de modelo de governança para empresas virtuais. In: SIMPÓSIO DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO, LOGÍSTICA E OPERAÇÕES INTERNACIONAIS, 16., 2013, São Paulo. Anais… São Paulo: FGV, 2013.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativos, quantitativos e misto. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

CRUZ, J. A. W.; MARTINS, T. S.; QUANDT. C. O. Redes de cooperação: um enfoque de governança. Revista Alcance, Itajaí, v. 15, n. 2, p.190-208, 2008.

DONAIRE, D. et al. Competitividade de clusters comerciais: estudo sobre uma aglomeração de pequenas lojas de veículos no município de São Paulo. Revista da Micro e Pequena Empresa, São Paulo, v. 7, n. 3, p. 6478, 2013.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GUIMARÃES, A. T. R. Empresas instaladas em clusters com orientação estratégica dual, originadas na governança de clusters e de redes de negócios: uma busca focada no negócio do vinho das regiões do Porto, em Portugal e do vale dos vinhedos, no Brasil. Tese (Doutorado em Administração) – Faculdade de Economia e Administração, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

GUIMARÃES, A. T. R. et al. Empresas instaladas em clusters com orientações estratégicas duais influenciadas pelas governanças supra-empresariais de clusters e de redes de negócios: um estudo do setor de vitivinicultura no Brasil e Portugal. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓSGRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 37., 2013, Rio de Janeiro. Anais… Rio de Janeiro: Anpad, 2013.

HANNEMAN, R. A.; RIDDLE, M. Introduction to social network methods. Riverside, CA: University of California, 2005. Disponível em: . Acesso em: 14 jun. 2015.

HITT, M. A.; IRELAND, R. D; HOSKISSON, R. E. Administração estratégica: competitividade e globalização. São Paulo: Thomson Learning, 2013. KNOKE, D.; YANG, S. Social network analysis. London: Sage, 2008.

LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E. Glossário de arranjos e sistemas produtivos e inovativos locais. Rio de Janeiro: UFRJ, 2003. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2015.

LÜBECK, R. M.; WITTMANN, M. L.; SILVA, M. S. Afinal, quais variáveis caracterizam a existência de cluster arranjos produtivos locais (APLS) e dos sistemas locais de produção e inovação (SLPIs)? Revista IberoAmericana de Estratégia, São Paulo, v. 11, n. 1, p. 120151, 2012.

MACEDO, R. A.; ARAÚJO, L. J. S.; CAMPOS, A. L. S. Clusters de pequenas e médias empresas e desenvolvimento regional. Revista Eletrônica Gestão e Serviços, São Paulo, v. 5, n. 2, p. 1014-1032, 2014.

MARCON, C.; MOINET, N. Estratégia-rede: ensaio de estratégia. Caxias do Sul: Educs, 2000.

MARTELETO, R. M. Análise de redes sociais – aplicação nos estudos de transferência da informação. Ciência da Informação, Rio de Janeiro, v. 30, n. 1, p. 71-81, 2001.

MASQUIETTO, C. D.; SACOMANO NETO, M.; GIULIANI, A. C. Identificação de arranjos produtivos locais: o caso do arranjo produtivo local do álcool de Piracicaba. Gestão & Regionalidade, São Paulo, v. 26, n. 77, p. 7587, 2010.

MIZRUCHI, M. S. Análise de redes sociais: avanços recentes e controvérsias atuais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 46, n. 3, p. 72-86, 2006. NEWMAN, M. E. J. Networks an introduction. Oxford: Oxford University Press, 2010.

OLIVEIRA, C. M.; SANTANA, A. C. Competitividade das empresas no arranjo produtivo: local de grãos em Santarém e Belterra/Pará. Desenvolvimento em Questão, Ijuí, v. 14, n. 34, p. 351-382, 2016.

OLSON, M. A lógica da ação coletiva: os benefícios públicos e uma teoria dos grupos sociais. São Paulo: Edusp, 1999. 459 p.

PARKHE, A.; WASSERMAN, S.; RALSTON, D. A. New frontiers in network theory development. Academy of Management Review, New York, v. 31, n. 3, p. 560-568, 2006.

PATIAS, T. Z. et al. Uma análise do capital social no arranjo produtivo local do leite de Santana do Livramento. Desenvolvimento em Questão, Ijuí, v. 13, n. 30, p. 175202, 2015.

PIGATTO, G. et al. Redes sociais de produtores de mandioca em regiões do estado de São Paulo. Interações, Campo Grande, v. 16, n. 1, p. 75-86, 2015. Disponível em: . Acesso em: 29 maio 2017.

PORTER, M. Clusters and the new economics of competition. Harvard Business Review, Cambridge, p. 77-90, nov./dec. 1998.

RUFFONI, J.; SUZIGAN, W. Comportamento de firmas industriais em fluxos de conhecimento: uma análise para dois aglomerados produtivos. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 45, n. 4, p. 693-724, 2015. Disponível em: . Acesso em: jul 2016.

SACOMANO NETO, M.; PAULILLO, L. F. O. Estruturas de governança em arranjos produtivos locais: um estudo comparativo nos arranjos calçadistas e sucroalcooleiros no estado de São Paulo. Revista Administração Pública, Rio de Janeiro, n. 46, v. 4, p. 1131-155, 2012.

SANTOS F.; CROCCO, M.; SIMÕES, R. Arranjos produtivos locais informais: uma análise de componentes principais para Nova Serrana e Ubá, Minas Gerais. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 24, n. 1, p. 177-202, 2003.

SANTOS, L. G. A.; ROSSONI, L.; MACHADO-DA-SILVA, C. L. Condicionantes estruturais dos relacionamentos intraorganizacionais: uma análise da influência sobre relações de comunicação e decisão. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 139168, 2011. Disponível em: . Acesso em: 29 maio 2017.

SCHMITZ, H.; NADVI, K. Clustering and industrialization: introduction. World Development, London, v. 27, n. 9, p. 1503-1514, 1999.

SCOTT, J. Social network analysis: a handbook. London: Sage, 2009.

SOUSA, A. R. et al. Cooperação no APL de Santa Rita do Sapucaí. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 157-187, 2015.

TEIXEIRA, F. Políticas públicas para o desenvolvimento regional e local: o que podemos aprender com os arranjos produtivos locais (APLs)? Organizações & Sociedade, Salvador, v. 15, n. 46, 2009. Disponível em: . Acesso em: 29 maio 2017.

TOLEDO, M. M.; GUIMARÃES, L. O. Concentração locacional: confecções mineiras em foco. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, São Paulo, v. 10, n. 27, p. 189-205, 2008.

TURNER, R. C. A framework for cluster based economic development policies. New York: The Nelson A. Rockefeller Institute of Government, 2001.

VILLELA, L. E.; PINTO, M. C. S. Governança e gestão social em redes empresariais: análise de três arranjos produtivos locais (APLs) de confecções no estado do Rio de Janeiro. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, n. 43, v. 5, p. 1067-1089, 2009.

WASSERMAN, S.; FAUST, K. Social network analysis: methods and applications. New York: Cambridge Press, 1999

WELLMAN, B. Network analysis: from method and metaphor to theory and substance. In: WELLMAN, B.; BERKOWITZ, S. D. (Eds.). Social structures: a network approach. New York: Cambridge University Press, 1988.

WITTMANN, M. L.; RAMOS, M. P. Desenvolvimento regional: capital social, redes e planejamento. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2004.

ZACCARELLI, S. B. et al. Clusters e redes de negócios: uma nova visão para a gestão dos negócios. São Paulo: Atlas, 2008.