Estratégias de Aprendizagem na Educação a Distância Entre Estudantes Brasileiros e Portugueses Outros Idiomas

ID:
45641
Resumo:
Este trabalho tem como objetivo identificar as estratégias de aprendizagem aplicadas por estudantes do curso de Administração no ensino à distância. Para tanto, realizou-se um estudo quantitativo e descritivo por meio de um survey com duas amostras de estudantes universitários, uma composta de alunos de uma instituição de ensino privada brasileira e a segunda composta por alunos de uma instituição pública portuguesa. A escala de Estratégias de Aprendizagem foi analisada por meio da análise fatorial exploratória e obteve uma estrutura multidimensional para ambas as amostras com cinco fatores. A estrutura obtida apresentou diferenças, porém 13 dos 19 itens estudados foram agrupados em fatores equiparados. Em ambas as análises, a dimensão que possuiu a maior semelhança se refere ao processo de associar os conteúdos estudados com conhecimentos anteriores, ou experiências práticas, recebendo o maior escore em ambas as amostras. O segundo fator com maiores valores foi a estratégia de prática do conteúdo por meio da resolução de exercícios, leitura do material, ou texto, e revisão de conteúdos. A estratégia com menor escore foi a busca de ajuda e trabalho com colegas de turma, o que sugere uma oportunidade para as instituições de ensino incentivarem o desenvolvimento de atividades que criem sinergia entre os estudantes. O estudo busca contribuir para a avaliação de cursos a distância sugerindo a existência de estratégias utilizadas pelos estudantes em seu processo de aprendizagem, o que oferece subsídios ao planejamento dos cursos, sendo possível reforçar estratégias já utilizadas e incentivar novas estratégias ainda incipientes.
Citação ABNT:
MANTOVANI, D. M. N.; VIANA, A. B. N.; LUZ, L. B. D. R.; CARVALHO, L. C. Estratégias de Aprendizagem na Educação a Distância Entre Estudantes Brasileiros e Portugueses . Revista Ciências Administrativas, v. 23, n. 2, p. 295-307, 2017.
Citação APA:
Mantovani, D. M. N., Viana, A. B. N., Luz, L. B. D. R., & Carvalho, L. C. (2017). Estratégias de Aprendizagem na Educação a Distância Entre Estudantes Brasileiros e Portugueses . Revista Ciências Administrativas, 23(2), 295-307.
DOI:
10.5020/2318-0722.23.2.295-307
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/45641/estrategias-de-aprendizagem-na-educacao-a-distancia-entre-estudantes-brasileiros-e-portugueses-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Boruchovitch, E. (1999). Estratégias de aprendizagem e desempenho escolar: Considerações para a prática educacional. Psicologia: Reflexão e Crítica, 12(2), 361-376. doi: 10.1590/S0102-79721999000200008

Boström, L.; Lassen, L. (2006). Unraveling learning, learning styles, learning strategies and metacognition. Education+ Training, 48(2/3), 178-189.

Clark, D. (2002). Psychological myths in e-learning. Medical Teacher, 24(6), 598-604. doi: 10.1080/0142159021000063916

Clarke, T. (2013). The advance of the MOOCs (massive open online courses): The impending globalization of business education? Education + Training, 55(4), 403-413. doi: 10.1108/00400911311326036

Correa, V. P. (2007). Avaliação de treinamentos a distância em uma organização pública. (Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília).

Francis, R. W. (2012). Engaged: Making large classes feel small through blended learning instructional strategies that promote increased student performance. Journal of College Teaching & Learning, 9(2), 147-152.

Gall, M. D.; Gall, J. P.; Borg, W. R. (2003). Educational research: An introduction. 7 ed. Boston: A&B.

Garrison, D. R. (2011). E-learning in the 21st century: A framework for research and practice. 2 ed. New York: Routledge.

Gaytan, J. (2009). Analyzing online education through the lens of institutional theory and practice: The need for research- based and -validated frameworks for planning, designing, delivering, and assessing online instruction. Delta Pi Epsilon Journal, 51(2), 62-75.

Hair Jr., J. F.; Anderson, R. E.; Tatham, R. L.; Black, W. C. (1998). Multivariate data analysis 5 ed. Upper Saddle River: Prentice Hall.

Hair Jr.; J. F.; Black, W. C.; Babin, B. J.; Anderson, R. E.; Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. 6a ed. Porto Alegre: Bookman.

Heikkilä, A.; Lonka, K.; Nieminen, J.; Niemivirta, M. (2012). Relations between teacher students’ approaches to learning, cognitive and attributional strategies, well-being, and study success. Higher Education, 64(4), 455-471. doi: 10.1007/s10734-012-9504-9

Hsiao, T.-Y.; Oxford, R. L. (2002). Comparing theories of language learning strategies: A confirmatory factor analysis. The Modern Language Journal, 86(3), 368-383. doi: 10.1111/1540-4781.00155 Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2014). Censo da Educação Superior 2013. Recuperado de http://portal.inep.gov.br/web/censo-da-educacao-superior

Iqbal, M. J.; Kousar, N.; Rahman, F. (2011). Collaborative learning strategies: Potential application in distance education. International Journal of Business and Social Science, 2(12), 253.

Kaplan, M. D.; Piskin, B.; Bol, B. (2010). Educational blogging: Integrating technology into marketing experience. Journal of Marketing Education, 32(1), 50-63. doi: 10.1177/0273475309335652

Li, Q.; Akins, M. (2004). Sixteen myths about online teaching and learning in higher education: Don’t believe everything you hear. Tech Trends, 49(4), 51-60. doi: 10.1007/BF02824111

Marambe, K. N.; Vermunt, J. D.; Boshuizen, H. P. A. (2012). A cross-cultural comparison of student learning patterns in higher education. Higher Education, 64(3), 299-316. doi: 10.1007/s10734-0119494-z

Martins, L. B.; Zerbini, T. (2014). Escala de estratégias de aprendizagem : Evidências de validade em contexto universitário híbrido. Psico USF, 19(2), 317-328.

Moore, M. G.; Kearsley, G. (2008). Educação a distância: Uma visão integrada. São Paulo: Cengage Learning.

Paetzold, S. P.; Melby, N. J. (2008). Active learning strategies for computer information systems education in online courses. The Journal of Global Business Issues, 2, 13-17.

Pett, M. A.; Lackey, N. R.; Sullivan, J. J. (2003). Making sense of factor analysis: The use of factor analysis for instrument development in health care research. Thousand Oaks: Sage.

Sekaran, U.; Bougie, R. (2013). Research methods for business: A skill-building approach. 6 ed. New York: Wiley.

Star, C.; McDonald, J. (2007). Embedding successful pedagogical practices: Assessment strategies for a large, diverse, first year student cohort. International Journal of Pedagogies and Learning, 3(2), 18-30. doi: 10.5172/ijpl.3.2.18

Zerbini, T. (2007). Avaliação da transferência de treinamento em curso à distância. (Tese de Doutorado, Universidade de Brasília).

Zerbini, T.; Abbad, G. (2005). Impacto de treinamento no trabalho via Internet. RAE Eletrônica, 4(2).

Zerbini, T.; Abbad, G. D. S. (2008). Estratégias de aprendizagem em curso a distância: Validação de uma escala. Psico-USF, 13(2), 177-187. doi: 10.1590/S1413-82712008000200005

Anais, M. J.; Hojas, A. M.; Bustos, A.; Letelier, C.; Zuzulich, M. S.; Cabieses, B.; Zubiaguirre, M. (2012). Motivational and cognitive learning strategies used by first-year Engineering undergraduate students at Universidad Católica in Chile. Creative Education, 03(26), 811-817. doi: 10.4236/ce.2012.326121

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2014). Censo da Educação Superior 2013. Recuperado de http://portal.inep.gov.br/web/censo-da-educacao-superior