Sistemas de Informações para Gerenciamento de Riscos Corporativos em Controladoria: Um Estudo Bibliométrico na Base de Dados Scopus Outros Idiomas

ID:
45749
Resumo:
Nos últimos anos, as organizações vêm sendo demandadas a implantar boas práticas de Governança Corporativa por meio de princípios como: transparência, prestação de contas, equidade e responsabilidade corporativa. Dentre as boas práticas de Governança Corporativa destaca-se o Gerenciamento de Riscos Corporativos (GR), as quais visam planejar e desenvolver estratégias para minimização das exposições que cercam as organizações e consequentemente uma melhor preparação para aproveitamento das oportunidades existentes. No entanto, O GR somente pode ser aplicado se os tomadores de decisão tiverem informações no tempo e forma adequadas. Neste contexto, a área de Controladoria possui papel fundamental, visto que possui uma posição estratégica nas organizações na estruturação de sistemas de informações para planejamento e controle. Desta forma, este trabalho teve como objetivo geral mapear as pesquisas sobre o papel da Controladoria na estruturação de sistemas de informação para GR. Como procedimento metodológico utilizou-se: Pesquisa bibliográfica sobre os temas Controladoria e GR; Pesquisa exploratória para levantamento bibliométrico na base de dados Scopus com base na palavra-chave risco em trabalhos divulgados no Brasil e EUA de 2010 a 2015; Análise dos dados por meio do software VOSviewer. Como resultado, dentre as lacunas observadas, destaca-se a inexistência de trabalhos que abordem sobre o papel da Controladoria na estruturação de sistemas de informação para GR, bem como a abordagem de GR nas perspectivas de pessoas, processos e tecnologia.
Citação ABNT:
PRADO, E. V.; SPERS, V. R. E.; PADOVEZE, C. L.; BERTASSI, A. L.; NAZARETH, L. G. C. Sistemas de Informações para Gerenciamento de Riscos Corporativos em Controladoria: Um Estudo Bibliométrico na Base de Dados Scopus. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, v. 7, n. 1, p. 191-211, 2017.
Citação APA:
Prado, E. V., Spers, V. R. E., Padoveze, C. L., Bertassi, A. L., & Nazareth, L. G. C. (2017). Sistemas de Informações para Gerenciamento de Riscos Corporativos em Controladoria: Um Estudo Bibliométrico na Base de Dados Scopus. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 7(1), 191-211.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21714/2236-417X2017v7n1p191
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/45749/sistemas-de-informacoes-para-gerenciamento-de-riscos-corporativos-em-controladoria--um-estudo-bibliometrico-na-base-de-dados-scopus/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANDRADE, A.; ROSSETTI, J. P. Governança Corporativa: Fundamentos, Desenvolvimento e Tendências. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

BRITO, O. Controladoria de risco – retorno em instituições financeiras. São Paulo: Saraiva, 2003.

CERVO, A. L.; BERVIAN. P. A.; SILVA, R. Metodologia Científica. 6ª ed. São Paulo: Pearson. 2007.

CHEN, Y.; CHONG, P. P.; TONG, M. Y. The Simon-Yule approach to bibliometric modeling. Information Processing & Management, v. 30, n. 4, p. 535-56. 1994. Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/0306457394900388. Acessado em: 12 de dez. de 2015. 1994.

COCURULLO, A. Gestão de Riscos Corporativos: Riscos Alinhados com algumas ferramentas de gestão – Um estudo de caso. 3. ed. São Paulo: Universidade São Francisco (USF), 2004.

COSO-Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission. Gerenciamento de Riscos Corporativos - Estrutura Integrada, 2007. Disponível em: http://www.coso.org/documents/COSO_ERM_ExecutiveSummary_Portuguese.pdf. Acesso em: 09 set. 2007.

GITMAN, L. J. Princípios de Administração Financeira. 12. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, v. 35, n. 2, 57-63, 1995. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rae/v35n2/a08v35n2.pdf. Acesso em: 28 mai. 2015. 1995.

HALL, R. H. Organizações: Estruturas, processos e resultados. 8. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2004.

HANDZIC, M. Integrated socio-technical knowledge management model: an empirical evaluation. Journal of Knowledge Management, v. 15, n. 2, pp. 198-211, 2011. Disponível em: < http://www.emeraldinsight.com/doi/pdfplus/10.1108/13673271111119655>. Acesso em: 28 mai. 2011.

JORDAN, S.; JORGENSEN, L; MITTERHOFER, H. Performing risk and the project: Risk maps as mediating instruments. Management Accounting Research, v. 24, pp. 156-174, 2013. Disponível em: www.elsevier.com/locate/mar. Acesso em: 01 mai. 2013.

LIRA, A. M.; PARISI, C.; PELEIAS, I. R.; PETERS, M. R. S. Uses of ERP Systems and their influence on Controllership functions in Brazilian Companies. JISTEM - Journal of Information Systems and Technology Management. Revista de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação, v. 9, n. 2, pp. 323-352, 2012. ISSN online: 1807-1775. Universidade de São Paulo. Disponível em http://www.jistem.fea.usp.br/index.php/jistem. Acesso em: 27 abr.2014. 2012.

MORGAN, G. Imagens da organização. São Paulo: Atlas, 1996.

MOSIMANN, C. P; FISCH, S. Controladoria: Seu papel na administração de empresas. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

MOTTA, F. C. P.; VASCONCELOS, I. F. G. Teoria Geral da Administração. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

NASCIMENTO, A. M.; OTT, ERNANI; SILVA, L. M. Sistemas de Controles Internos. In: NASCIMENTO, A. M., REGINATO L. (Organizadores). Controladoria: um enfoque na eficácia organizacional. São Paulo: Ed. Atlas. 2007.

PADOVEZE, C. L. Contabilidade Gerencial: Um enfoque em sistema de informação contábil. 7ª ed. São Paulo: Atlas. 2010.

PADOVEZE, C. L. Controladoria Estratégica e Operacional. 3 ed. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

PARKER, B. Evolução e Revolução: Da Internacionalização a Globalização. In: CLEGG, S. R.; HARDY, C.; NORD, W. R. Handbook de Estudos Organizacionais: modelos de análise e novas questões em estudos organizacionais. p. 00-4433. São Paulo: Atlas, 1999.

PARSONS, T. O Sistema das Sociedades Modernas. São Paulo: Prentice Hall, 1974.

PARSONS, T. Sociedades: Perspectivas Evolutivas e Comparativas. São Paulo: Prentice Hall, 1966.

PEREIRA, C. A. Ambiente, Empresa, Gestão e Eficácia. In: CATELLI, A. (Coordenador). Controladoria: uma abordagem da gestão econômica - GECON. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

PETERS, H. P. F.; VAN RAAN, A. F. J. (1993). Co-word-based science maps of chemical engineering. Part I: Representations by direct multidimensional scaling. Research Policy, 22(1), 23–45. Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/ 004873339390031C. Acessado em 20 maio de 2016.

PONDY, L. R.; CONOLLY, T. Systems, Knowledge and Organizational Development. Journal of Organizational Change Management, v. 2, n. 2, p. 30-39, 1989. Disponível em: http://www.emeraldinsight.com/doi/pdfplus/10.1108/EUM0000000001180. Acesso em: 28 mai.2015. 1989.

PRADO, E. V. Práticas de gerenciamento de riscos corporativos: um estudo de caso em uma indústria multinacional de autopeças. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade de Gestão e Negócios / Programa de Pós-Graduação em Administração - Universidade Metodista de Piracicaba, 2014.

RESCH, S.; FARINA, M. C. Mapa do Conhecimento em Nanotecnologia no Setor Agroalimentar. In SIMPÓSIO DE GESTÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. 28. 2014, Belo Horizonte. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2014.

RIP, A.; COURTIAL, J. P. Co-word maps of biotechnology: An example of cognitive scientometrics. Scientometrics, v. 6, n. 6, p. 381-400, 1984. Disponível em: http://doc.utwente.nl/57102/. Acessado em 25 abril de2016. 1984.

SANTOS, N. C.; FRANCISCHETTI, C. E.; SACOMANO NETO, M.; PADOVEZE, C.; SPERS, V. R. E. Modelo Econômico-Contábil-Financeiro para diagnóstico organizacional. Revista de Administração da UNIMEP, v. 11, n. 2, 2013. Disponível em http://www.raunimep.com.br/ojs/index.php/regen/article/view/649/536. Acesso em: 05 jul.2015. 2013.

SHAH, S. K.; CORLEY, K. G. Building better theory by bridging the quantitative-qualitative divide. Journal of Management Sudies, v. 43, n. 8, p. 1821-1835, 2006. Disponível em http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1467-6486.2006.00662.x/pdf. Acesso em 28 mai. 2006.

VAN ECK, N. J.; WALTMAN, L. (2007). VOS: A new method for visualizing similarities between objects. In H.-J. Lenz & R. Decker (Eds.). Advances in data analysis: Proceedings of the 30th annual conference of the German Classification Society. pp. 299-306. Heidelberg: Spring

VANTI, N. A. P. Da bibliometria à webometria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento. 2002. Disponivel em: http://www.scielo.br/pdf/ci/v31n2/12918.pdf. Acessado em 13 de dezembro de 2002.

WESTON, F. J.; BRIGHAM, E. F.; Fundamentos da Administração Financeira. 10. ed. São Paulo: Pearson Makron Books, 2004.

ZITT, M.; BASSECOULARD, E.; OKUBO, Y. Shadows of the past in international cooperation: Collaboration profiles of the top five producers of science. Scientometrics, v. 47, n. 3, p. 627-657. 2000. Disponível em: http://www.akademiai.com/doi/abs/10.1023/A%3A1005632319799?journalCode=11192. Acesso em: 10 maio de 2000.