Desenvolvimento Estratégico com Base em Ativos Intangíveis: O Caso da Empresa X Outros Idiomas

ID:
45799
Resumo:
O tema investigado nessa pesquisa corresponde aos ativos intangíveis como base para o desenvolvimento estratégico, com o objetivo de diagnosticar como os principais ativos intangíveis identificados pela organização podem colaborar para o planejamento estratégico. Para tanto, a teoria de base para a pesquisa versa sobre Visão Baseada em Recursos (VBR) associada à formação de ativos intangíveis. A pesquisa é caracterizada como do tipo estudo de caso aplicado Yin (2005), para a triangulação utilizou-se na coleta de dados de entrevista semi-estruturada com dois acionistas e questionário com 16 colaboradores. Os resultados demonstraram que alguns recursos considerados imprescindíveis aos proprietários estavam sendo negligenciados e a falta de alinhamento estratégico colocava a organização em situação instável, ao fim foram desenvolvidas propostas de planejamento estratégico, buscando a máxima eficácia na utilização dos ativos intangíveis.
Citação ABNT:
CRUZ, I. K. H.; HSU, P. L.; CRUZ, F. P. B.; VESCO, D. G. D. Desenvolvimento Estratégico com Base em Ativos Intangíveis: O Caso da Empresa X. Revista Ibero-Americana de Estratégia, v. 16, n. 2, p. 125-140, 2017.
Citação APA:
Cruz, I. K. H., Hsu, P. L., Cruz, F. P. B., & Vesco, D. G. D. (2017). Desenvolvimento Estratégico com Base em Ativos Intangíveis: O Caso da Empresa X. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 16(2), 125-140.
DOI:
10.5585/riae.v16i2.2292
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/45799/desenvolvimento-estrategico-com-base-em-ativos-intangiveis--o-caso-da-empresa-x/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Aaker, D. A. (1989). Managing assets and skills: The key to a sustainable competitive advantage. California Management Review, p. 91-106.

Alves, Ivan; Rezende, Simone Oliveira; Oliveira, Odilon José Neto; Drees, Christian; Santana, Reginaldo (2007). Aplicação do Modelo e Análise

Barney, J. B. (2001). Resource-based theories of competitive advantage: a ten-year retrospective on the resource-based view. Journal of Management, n. 27, p. 643-650.

Cañibano, Leandro; Garcia-Ayuso, Manuel; Sanchez, Paloma; Chaminade, Cristina; Olea, Marta; EscobaR, Carmen Gloria (1999). Measuring intangibles. Mimeo. Discussion of selected indicators. Spanish case study. Autonomous University of Madrid.

Chang, H. H.; Huang, W. C. (2006). Application of a quantification SWOT analytical method. Mathematical and Computer Modelling. v. 43, p. 158-169.

Damodaran, A. (2007). Avaliação de empresas. 2 ed. São Paulo: Makron Books.

Edvinsson, L.; Malone, M. S. (1997). Intellectual Capital:Realizing Your Company’s True Value By Finding Its Hidden Brainpower. New York: Harper Business.

Fertel, C.; Bahn, O.; Vaillancourt, K.; Waaub, J. P. (2013). Canadian energy and climate policies: a

Francini, W. S. (2002). A gestão do conhecimento: conectando estratégia e valor para a empresa. RAEeletrônica, v.1, n. 1.

González, P. G; Rodríguez, T. B. (2011). Gerenciando intangibles em empresas de software aplicando el proceso de análisis por jerarquias y el cuadro de mando integral. Revista de la facultad de ciencias económicas de la universidad militar Nueva Granada, v.19, n.2, p. 89-104.

Grant, R. M. (1991). The resource-based theory of competitive advantage: implications for strategy formulation. California Management Review, v. 33, n. 3, p.114-135.

Hendriksen, E. S.; Van Breda, M. F. (1999). Teoria da contabilidade. São Paulo: Atlas.

Kayo, Eduardo Kazuo. (2002). A estrutura de capital e o risco das empresas tangível e intangível intensivas. Tese (Doutorado em Administração) – FEA/USP.

Kayo, Eduardo Kazuo; Kimura, Herbert; Martin, Diógenes Manoel Leiva; Nakamura, Wilson Toshiro. (2006). Ativos intangíveis, ciclo de vida e criação de valor. Revista administração contemporânea, v.10, n.3, p. 73-90.

Lev, Baruch. (2001). Intangibles: management, measurement, and reporting. Washington: Brookings Institution Press.

Marcial, Elaine Coutinho; Costa, Alfredo José Lopes. (2001). O uso de cenários prospectivos na estratégia empresarial: vidência especulativa ou inteligência competitiva? Anais do 25º Encontro da ANPAD. Campinas.

Mills, J.; Platts, K.; Bourne, M. (2003). Applying resource based theory: methods, outcomes and utility for managers. International Journal of Operations and Production Management, v. 23, n. 2, p148-166.

Mills, J.; Platts, K.; Bourne, M.; Richards, H. (2002). Competing through competences. New York: Cambridge University Press.

Nonaka, I.; Takeuchi, H. (1995). The knowledgecreating company. Oxford: Oxford University Press.

Obregon, R. F. A.; Dziekaniak, G. V.; Vanzin, T. (2012). A emergência da gestão do conhecimento para ancorar a excelência organizacional. Perspectivas em Gestão & Conhecimento. v. 2, n. 1, p. 218-227.

Penrose, E. T. (1968). The theory of the growth of the firm. Oxford: Basil Blackwell.

Perez, M. M.; Famá, R. (2006). Ativos intangíveis e o desempenho financeiro. Revista Contabilidade & Finanças, n. 40, p. 7 – 24.

Rexhepi, G.; Ibraimi, S.; Veseli, N. (2013). Role of intellectual capital in creating enterprise strategy. Procedia – Social and Behavioral Sciences. v. 75, p. 44-51.

Robbins, Stephen P. (2000). Administração: mudanças e perspectivas. São Paulo: Saraiva

Rojo, Cláudio Antonio. (2006). Planejamento Estratégico. Cascavel: Assoeste.

Sanches, P. L. B; Machado, A. G. C. (2014). Estratégias de inovação sob a perspectiva da resource-based view: análise e evidências em empresas de base tecnológica. Gestão & Produção, v. 21, n. 1, p. 125-141.

Santos, L. C.; Gohr, C. F.; Cruz, I. K. H. (2011). Avaliação de recursos estratégicos em empresas hoteleiras de um município sul-mato-grossense. Revista Brasileira de Estratégia, v. 4, n. 3, p. 231243.

Teh, C. C.; Kayo, E. K.; KimurA, H. (2008). Marcas, patentes e criação de valor. Revista de administração Mackenzie, v. 9, n. 1, p. 86-106.

Tseng, K. A.; Lan, Y. W.; Lu, H. C.; Chen, P. Y. (2013). Mediation of strategy on intellectual capital and performance. Management Decision, v. 51, n. 7, p. 1488-1509.

Wernerfelt, B. (1984). A Resource-Based View of the Firm. Strategic Management Journal, v.5, n.1, p.171180.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.