A Reforma do Estado e a Gestão Democrática na Universidade Pública Brasileira Outros Idiomas

ID:
45881
Resumo:
Este artigo aborda a reforma do Estado implementada na década de 1990, no Brasil, e seus impactos sobre as universidades públicas que necessitaram se adaptar à nova política de diversificação e diferenciação, que mensura seu valor pela competitividade e capacidade de inovação. Destaca a perda de controle sobre a definição de sua identidade, funções e gestão. A autonomia universitária e a democratização da gestão são apontadas como fundamentais na resistência ao gerencialismo. A participação social comparece como elemento primordial na gestão democrática da educação. O artigo realça que movimentos sociais, dentro e fora das universidades, buscam a efetiva partilha de poder nas instâncias decisórias. Embora chame a atenção para o fato de que universidades mantêm uma gestão centralizada e vertical que resiste às ideias e opiniões forjadas nos novos espaços participativos, o artigo acena com uma reforma criativa, democrática e emancipatória da universidade pública como alternativa para enfrentamento das pressões neoliberais.
Citação ABNT:
TURÍBIO, E. V.; SANTOS, E. H. A Reforma do Estado e a Gestão Democrática na Universidade Pública Brasileira. Administração Pública e Gestão Social, v. 9, n. 3, p. 194-204, 2017.
Citação APA:
Turíbio, E. V., & Santos, E. H. (2017). A Reforma do Estado e a Gestão Democrática na Universidade Pública Brasileira. Administração Pública e Gestão Social, 9(3), 194-204.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21118/apgs.v1i3.1281
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/45881/a-reforma-do-estado-e-a-gestao-democratica-na-universidade-publica-brasileira/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Barroso, J. (2005). O Estado, a educação e a regulação das políticas públicas. Revista Educação e Sociedade, 26(92), 725-751. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/%0D/es/v26n92/v26n92a02.pdf

Nd. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988(1988). Diário Oficial da União. Brasília, DF: Senado Federal.

Amaral, N. C. (2011). O financiamento da expansão das instituições federais de ensino superior no contexto de um novo Plano Nacional de Educação 2011-2021. In: J. F. de Oliveira (Org.) O Campo universitário no Brasil: políticas, ações e processos de reconfiguração. (pp. 63-86), Campinas, SP: Mercado das Letras.

Bobbio, N. (1983). Qual socialismo?: debate sobre uma alternativa. (Freaza, I. S. trad.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Bordenave, J. E. D. (1994). O que é participação. (8a ed.). São Paulo: Brasiliense.

Carvalho, R. F. de. (2013). Limites, possibilidades e desafios no processo de gestão e participação das IFES/UFT. Avaliação (Campinas; Sorocaba), 18(2), 351-372. Recuperado de http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php?journal=avaliacao&page=article&op=view&path%5B%5D=1585&path%5B%5D=pdf

Chauí, M. (2003). A universidade pública sob nova perspectiva. Revista Brasileira de Educação, (24), 5-15. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n24/n24a02.pdf

Dias Sobrinho, J. (2013). Educação superior: bem público, equidade e democratização. Avaliação (Campinas; Sorocaba), 18 (1), 107-126. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/aval/v18n1/07.pdf

Dourado, L. F. (2007). Políticas e gestão da educação básica no Brasil: limites e perspectivas. Educação &. Sociedade28(100), 921-946. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/es/v28n100/a1428100.pdf

Dourado, L. F. (2010). Avaliação do plano nacional de educação 2001-2009: questões estruturais e conjunturais de uma política. Educação &. Sociedade, 31(112), 677-705. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/es/v31n112/03.pdf

Dourado, L. F. (2011). Políticas e gestão da educação superior no Brasil: múltiplas regulações e controle. RBPAE, 27(1), 53-65. Recuperado de http://seer.ufrgs.br/index.php/rbpae/article/view/19967/11598

Dourado, L. F. (2013). Políticas de educação superior: avanços e desafios. In: P. Gentili (Org.). Política educacional, cidadania e conquistas democráticas. (pp. 59-65). São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.

Dourado, L. F.; Catani, A. M.; Oliveira, J. F. de. (2004). Políticas públicas e reforma da educação superior no Brasil: impasses e perspectivas. Pro-Posições, 15(3), 91-115. Recuperado de http://www.proposicoes.fe.unicamp.br/proposicoes/textos/45-dossie-douradolf_etal.pdf

Fávero, M.L. A. (2005). Autonomia e democratização da Universidade. Avaliação –Revista da Rede de Avaliação Institucional da Educação Superior, 10(4), 75-86. Recuperado de http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php?journal=avaliacao&page=article&op=view&path%5B%5D=1326&path%5B%5D=1316

Ferreira, S.; Oliveira, J. F. de. (2011). As influências da reforma da educação superior no Brasil e na União Europeia nos papéis sociais das universidades. In: J. F. de Oliveira (Org.) O Campo universitário no Brasil: políticas, ações e processos de reconfiguração. (pp. 39-62). Campinas, SP: Mercado das Letras.

Gohn, M. G. M. (2006). Conselhos gestores e gestão pública. Ciências Sociais Unisinos, 42(1), 5-11. Recuperado de http://revistas.unisinos.br/index.php/ciencias_sociais/article/view/6008

Gohn, M. G. M. (2008). História dos movimentos e lutas sociais: a construção da cidadania dos brasileiros. (4a ed.). São Paulo: Edições Loyola.

Gohn, M. G. M. (2013). Movimentos sociais e redes de mobilizações civis no Brasil contemporâneo. (5a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Gohn, M. G. M. (2014). Pluralidade da representação na América Latina. RevistaSociedade e Estado, 29(1), 73-90. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/se/v29n1/05.pdf

Gonh, M. G. M. (2004). Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais. Saúde e Sociedade, 13(2), 20-31. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v13n2/03.pdf

Gutiérrez, G. L.; Catani, A. M. (2008). Participação e gestão escolar: conceitos e potencialidades. In N. S. C. Ferreira (Org.). Gestão democrática da educação:atuais tendências, novos desafios. (pp. 59-75). São Paulo: Cortez.

Kauchakje, S. (2002). Participação social no Brasil diante da desestruturação das políticas sociais: novas configurações da sociedade civil organizada como alternativa para recompor os laços sociais e a civilidade nas relações societárias. Emancipação, 2(1), 159-176). Recuperado de http://www.revistas2.uepg.br/index.php/emancipacao/article/view/35/32

Lüchmann, L. H. H. (2006). Os sentidos e desafios da participação. Ciências Sociais Unisinos, 42(1), 19-26. Recuperado de http://revistas.unisinos.br/index.php/ciencias_sociais/article/view/6011

Lüchmann, L. H. H. (2012). Participação e aprendizado político no orçamento participativo: estudo de caso em um município catarinense. Educação & Sociedade, 33(119), 513-532. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/es/v33n119/a10v33n119.pdf

Maia, M. Z. B. (2011). Políticas públicas para a educação superior no Brasil a partir dos anos 1990: o papel da educação à distância. In: J. F de Oliveira (Org.) O Campo universitário no Brasil: políticas, ações e processos de reconfiguração. (pp.87-108). Campinas, SP: Mercado das Letras.

Melo, L. F. Democracia participativa na escola. In: Oliveira, D.A.; Duarte, A.M.C.& Vieira, L.M.F. DICIONÁRIO: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010.

Mendonça, E. F. (2001). Estado patrimonial e gestão democrática do ensino público no Brasil. Educação & Sociedade, 22(75), 84-108. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/es/v22n75/22n75a07.pdf

Nd. Decreto nº 8.243, de 23 de maio de 2014. (2014). Institui a Política Nacional de Participação Social e o Sistema Nacional de Participação Social e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Presidência da República.

Nd. Lei nº 13.005, de 25 junho de 2014. (2014). Aprova o Plano Nacional de Educação -PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Senado Federal.

Nd. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Senado Federal.

Oliveira, J. F. de & Catani, A. M. (2011). A reconfiguração do campo universitário no Brasil: conceitos, atores, estratégias e ações. In: J. F. de Oliveira (Org.) O Campo universitário no Brasil: políticas, ações e processos de reconfiguração. (pp.11-38). Campinas, SP: Mercado das Letras.

Peroni, V. M. V.; Flores, M. L. R. (2014). Sistema nacional, plano nacional e gestão democrática da educação no Brasil: articulações e tensões. Educação, 37(2), 180-189. Recuperado de http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/16342/11737

Peroni, V. M.V. (2012) A gestão democrática da educação em tempos de parceria entre o público e o privado. Pro-Posições, 23(2), 19-31. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/pp/v23n2/a03v23n2.pdf

Santos, A. P. dos, & Carbonera, V. (2010). Gestão democrática da educação e avaliação em larga escala: implicações para o contexto escolar. Poiésis, 3(6), 177-192. Recuperado de http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Poiesis/article/view/544/533

Santos, B. S. (2011). A universidade do Século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da universidade (3a ed.). São Paulo: Cortez.

Santos, B.S.; Avritzer, L. (2009). Para ampliar o Cânone democrático. In: B. S. Santos (Org.). Democratizar a democracia: os caminhos da democracia participativa. 4a ed. pp. 39-82. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Sguissard, V. (2005). Universidade pública estatal: entre o público e o privado/mercantil. Educação & Sociedade, 26(90), 191-222. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/es/v26n90/a09v2690.pdf

Sguissard, V. (2008). Modelo de expansão da educação superior no Brasil: predomínio privado/mercantil e desafios para a regulação e a formação universitária. Educação & Sociedade. 29(105), 991-1022. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/es/v29n105/v29n105a04.pdf

Sguissard, V. (2013). Regulação estatal e desafios da expansão mercantil da educação superior. Educação & Sociedade, 34(124), 943-960. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/es/v34n124/15.pdf

Souza, D. B.; Castro, D. F. (2012). Gestão democrática da educação sob perspectiva comparada Brasil-Portugal: entre a exigência legal e a exequibilidade real. Educação & Sociedade, 33(121), 1195-1213. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/es/v33n121/a15v33n121.pdf