Influência da Governança Corporativa na Evidenciação Voluntária de Informações de Natureza Socioambiental Outros Idiomas

ID:
46010
Resumo:
O objetivo do estudo é analisar a influência da governança corporativa na evidenciação voluntária de natureza socioambiental em empresas familiares e não familiares listadas na BM&FBovespa. A pesquisa é natureza descritiva, documental e quantitativa, realizada com uma amostra de 64 empresas que divulgaram o relatório de sustentabilidade no modelo GRI 2014. A evidenciação socioambiental voluntária foi analisada por meio de um constructo composto por 150 indicadores das dimensões econômica, ambiental e social. Como proxy para a governança corporativa foi utilizado o Índice de Ações com Governança Corporativa diferenciada (IGCX) da BM&FBovespa. Os resultados revelaram que a dimensão econômica possui um número superior de informações divulgadas e que as empresas não familiares apresentaram média de evidenciação mais elevada. A variável governança corporativa não apresentou significância estatística, diferente do esperado e contrariando constatações de estudos internacionais. Conclui-se que no Brasil, em razão de o mercado de ações ainda estar em desenvolvimento e a maioria das companhias possuir propriedade altamente concentrada, a pressão exercida pelo acionista controlador pode estar reduzindo o impacto positivo das práticas de governança corporativa na evidenciação socioambiental voluntária.
Citação ABNT:
MAZZIONI, S.; COFSEVICZ, C. M.; MOURA, G. D.; MACÊDO, F. F. R. R.; KRUGER, S. D. Influência da Governança Corporativa na Evidenciação Voluntária de Informações de Natureza Socioambiental. Revista Organizações em Contexto, v. 13, n. 26, p. 311-338, 2017.
Citação APA:
Mazzioni, S., Cofsevicz, C. M., Moura, G. D., Macêdo, F. F. R. R., & Kruger, S. D. (2017). Influência da Governança Corporativa na Evidenciação Voluntária de Informações de Natureza Socioambiental. Revista Organizações em Contexto, 13(26), 311-338.
DOI:
http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v13n26p311-338
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/46010/influencia-da-governanca-corporativa-na-evidenciacao-voluntaria-de-informacoes-de-natureza-socioambiental/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BERNARDI, C.; STARK, A. W. Environmental, social and governance disclosure, integrated reporting, and the accuracy of analyst forecasts. The British Accounting Review, 2016. [No prelo.]

BERNHOEFT, R. Empresa familiar: sucessão profissionalizada ou sobrevivência comprometida. São Paulo: IBECON, 1987.

BOMFIM, E. T. D.; TEIXEIRA, W. D. S.; MONTE, P. A. D. Relação entre o disclosure da sustentabilidade com a governança corporativa: um estudo nas empresas listadas no Ibrx100. Sociedade, Contabilidade e Gestão, v. 10, n. 1, p. 6-28, 2015.

BORNHOLDT, W. Governança na empresa familiar: implementação e prática. Porto Alegre: Bookman, 2005.

CLAESSENS, S.; DJANKOV, S.; FAN, J. P.; LANG, L. H. Disentangling the incentive and entrenchment effects of large shareholdings. The Journal of Finance, v. 57, n. 6, p. 2741-2771, 2002.

CONG, Y.; FREEDMAN, M. Corporate governance and environmental performance and disclosures. Advances in Accounting, v. 27, n. 2, p. 223-232, 2011.

CVM – COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS. Recomendações da CVM sobre governança corporativa. 2002. .

DAVIS, J. A. Dinâmica da família empresarial. [S.l.]: Harvard Business School, 2006.

FREEDMAN, M.; JAGGI, B. An analysis of the association between pollution disclosure and economic performance. Accounting, Auditing & Accountability Journal, v. 1, n. 2, p. 43-58, 1988.

GALLO, M. A. Ideias básicas para dirigir a empresa familiar. Baranáin: Eunsa, 2004.

HAIR JR, J. F.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L.; BLACK, W. C. Análise multivariada de dados. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

IATRIDIS, G. E. Environmental disclosure quality: Evidence on environmental performance, corporate governance and value relevance. Emerging Markets Review, v. 14, n.1, p. 55-75, 2013.

IBGC – INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Código das melhores práticas de governança corporativa. 2009. .

IUDÍCIBUS, S. Teoria da Contabilidade. São Paulo: Atlas, 2004.

KENYON-ROUVINEZ, D.; WARD, J. L. As empresas familiares: O que são? Paris: PUF. 2004.

KOCK, C. J.; SANTALÓ, J.; DIESTRE, L. Corporate governance and the environment: what type of governance creates greener companies? Journal of Management Studies, v. 49, n. 3, p. 492-514, 2012.

LA PORTA, R.; LOPEZ-DE-SILANES, F.; SHLEIFER, A. Corporate ownership around the world. The Journal of Finance, v. 54, n. 2, p. 471-517, 1999.

LA PORTA, R.; LOPEZ-DE-SILANES, F.; SHLEIFER, A.; VISHNY, R. Investor protection and corporate governance. Journal of Financial Economics, v. 58, n. 1, p. 3-27, 2000.

LINS, L. S.; SILVA, R. N. S. Responsabilidade sócio-ambiental ou greenwash: uma avaliação com base nos relatórios de sustentabilidade ambiental. Sociedade, Contabilidade e Gestão, v. 4, n. 1, p. 91-105, 2009.

LIU, X.; ZHANG, C. Corporate governance, social responsibility information disclosure, and enterprise value in China. Journal of Cleaner Production, v. 142, n. 1, p. 1075-1084, 2017.

LODI, J. B. A empresa familiar. São Paulo: Pioneira, 1998.

MACÊDO, F. F. R. R.; MOURA, G. D.; DAGOSTINI, L.; HEIN, N. Evidenciação ambiental voluntária e as práticas de governança corporativa de empresas listadas na BM&FBovespa. Contabilidade, Gestão e Governança, v. 16, n. 1, p. 3-18, 2013.

MELO, M.; MENEZES, P. L. Acontece nas melhores famílias: repensando a empresa familiar. São Paulo: Saraiva, 2008.

MENDONÇA, J. X. C. Tratado de direito comercial. Campinas: Bookseller, 2000.

MONTEIRO, P. R. A.; FERREIRA, A. C. S. A evidenciação da informação ambiental nos relatórios contábeis: um estudo comparativo com o modelo do ISAR/UNCTAD. Revista de Gestão Social e Ambiental, v. 1, n. 1, p. 82-101, 2007.

MOURA, G. D. Influência da estrutura de propriedade e da gestão familiar no posicionamento em fusões e aquisições. 468 f. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis) –Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, 2014.

NAJJAR, E. Empresa familiar: construindo equipes vencedoras na família empresária. São Paulo: Integrare, 2011.

OH, W. Y.; CHANG, Y. K.; MARTYNOV, A. The effect of ownership structure on corporate social responsibility: Empirical evidence from Korea. Journal of Business Ethics, v. 104, n. 2, p. 283-297, 2011.

PAXON, D.; WOOD, D. Dicionário enciclopédico de finanças. São Paulo: Atlas, 2001.

PEREIRA, J. R.; PEREZ, V. V.; SANTOS, G. S.; CONSOLI, L. S.; SILVA, A. S. B. A sustentabilidade e a criação do valor compartilhado: o caso da empresa Faber Castell. Revista Científica da FEPI, v. 9, n.1, p. 1-5, 2016.

REQUIÃO, R. Curso de Direito Comercial. 26. ed. São Paulo: Saraiva, 2005.

RIBEIRO, M. S. Contabilidade ambiental. São Paulo: Saraiva, 2005.

ROMANO, A. L. Proposta de modelo de avaliação da sustentabilidade corporativa: as práticas no setor de cosmético brasileiro. 204 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção), Universidade Metodista de Piracicaba, Santa Bárbara d’Oeste, 2014.

ROVER, S.; BORBA, J. A.; MURCIA, F. D. R.; VICENTE, E. F. R. Divulgação de informações ambientais nas demonstrações contábeis: um estudo exploratório sobre o disclosure das empresas brasileiras pertencentes a setores de alto impacto ambiental. Revista de Contabilidade e Organizações, v. 2, n. 3, p. 53-72, 2008.

RUPLEY, K. H.; BROWN, D.; MARSHALL, R. S. Governance, media and the quality of environmental disclosure. Journal of Accounting and Public Policy, v. 31, n. 6, p. 610-640, 2012.

SAMPAIO, M. S.; GOMES, S. M. S.; BRUNI, A. L.; DIAS FILHO, J. M. Evidenciação de informações socioambientais e isomorfismo: um estudo com mineradoras brasileiras. Revista Universo Contábil, v. 8, n. 1, p. 105-122, 2012.

SANTANA, L. M.; GÓIS, A. D.; DE LUCA, M. M. M.; VASCONCELOS, A. C. Relação entre disclosure socioambiental, práticas de governança corporativa e desempenho empresarial. Revista Organizações em Contexto, v. 11, n. 21, p. 49-72, 2015.

SETIA‐ATMAJA, L.; TANEWSKI, G. A.; SKULLY, M. The role of dividends, debt and board structure in the governance of family controlled firms. Journal of Business Finance & Accounting, v. 36, n. 7‐8, p. 863-898, 2009.

SOLIMAN, M.; EL DIN, M. B.; SAKR, A. Ownership structure and corporate social responsibility (CSR): An empirical study of the listed companies in Egypt. 2013. .

TAN, S. H.; HABIBULLAH, M. S.; TAN, S. K. Corporate governance and environmental responsibility. Annals of Tourism Research. 2017. [No prelo.]

WORLD BANK. Guia prático de governança corporativa: experiências do círculo de companhias da América Latina.IFC E&S. Washington, DC: World Bank, 2009. .