A Construção Social da Ordem e da Subversão nos Discursos da (e sobre a) População em Situação de Rua de Belo Horizonte Outros Idiomas

ID:
46011
Resumo:
Tomando como pano de fundo a ideia da formação de um mercado mundial de cidades e sua implicação na produção de um espaço urbano contemporâneo redutor da diversidade, o presente artigo procura revelar a construção social das noções de ordem e subversão nos discursos da população em situação de rua de Belo Horizonte (MG) e dos atores implicados (sociedade domiciliada, entidades de auxílio, representantes da municipalidade, polícia e comerciantes), a partir do quadro teórico-metodológico da análise do discurso francesa. Realizou-se uma observação participante, enfatizando-se as práticas subversivas das pessoas em situação de rua como forma de problematizar a associação entre ordem e normalidade e a relação da sociedade com o que ela considera um descartável urbano. Entende-se, portanto, a subversão como uma práxis política necessária para impulsionar a transformação social na direção de uma convivência humana mais afeita à diversidade cultural.
Citação ABNT:
HONORATO, B. E. F.; SARAIVA, L. A. S.; SILVA, E. R. A Construção Social da Ordem e da Subversão nos Discursos da (e sobre a) População em Situação de Rua de Belo Horizonte . Revista Organizações em Contexto, v. 13, n. 26, p. 339-383, 2017.
Citação APA:
Honorato, B. E. F., Saraiva, L. A. S., & Silva, E. R. (2017). A Construção Social da Ordem e da Subversão nos Discursos da (e sobre a) População em Situação de Rua de Belo Horizonte . Revista Organizações em Contexto, 13(26), 339-383.
DOI:
http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v13n26p339-383
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/46011/a-construcao-social-da-ordem-e-da-subversao-nos-discursos-da--e-sobre-a--populacao-em-situacao-de-rua-de-belo-horizonte-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ADORNO, R. C. F.; VARANDA, W. Descartáveis urbanos: discutindo a complexidade da população de rua e o desafio para políticas de saúde. Saúde e Sociedade, v. 13, n. 1, p. 23-45, jan./abr. 2004.

ALBERTSEN, N.; DIKEN, B. Mobility, justification, and the city. Nordic Journal Architectural Research, Copenhagen, v. 14, n. 1, p. 13-24, 2001.

ANGROSINO, M. Etnografia e observação participante. Porto Alegre: Artmed, 2009.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 8. ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

BOLTANSKI, L.; THÉVENOT, L. De la Justification: les économies de la grandeur. Paris: Gallimard, 1991.

BOTELHO, T. R. Revitalização de centros urbanos no Brasil: uma análise comparativa das experiências de Vitória, Fortaleza e São Luís. Revista EURE, v. XXXI, n. 93, p. 53-71, ago. 2005.

CANCLINI, N. G. Cidades e cidadãos imaginados pelos meios de comunicação. Opinião Pública, v. 8, n. 1, p. 40-53, 2002.

CARRIERI, A. P. A gestão ordinária. 328 f. Tese (Professor Titular) - Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012.

CARRIERI, A. P.; MARANHÃO, C. M. S. A.; MURTA, I. B. D. Crítica ao manejo humano em Belo Horizonte. Revista de Administração Pública, v. 43, n. 6, p. 1315-1342, nov./dez. 2009.

CARRIERI, A. P.; SARAIVA, L. A. S.; LIMA, G. C. O.; MARANHÃO, C. M. S. A. Estratégias subversivas de sobrevivência na 'feira hippie' de Belo Horizonte. Gestão Org., v. 6, n. 2, p. 174-192, maio/ago. 2008.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. 3. ed. Petrópolis: Vozes. 1998.

COSTA, J. L. R. Algumas reflexões sobre cidade saudável. Saúde e sociedade, v. 6, n. 2, p. 65-70, dez. 1997.

DUARTE, F.; CZAJKOWSKI JUNIOR, S. Cidade à venda: reflexões éticas sobre o marketing urbano. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 41, n. 2, p. 273-282, mar./abr. 2007.

FARIA, A. A. M. Discurso e leitura, semântica e argumentação em Germinal. In: MACHADO, I. L.; CRUZ, A. R.; LYSARDO-DIAS, D. (Org.). Teorias e práticas discursivas: estudos em análise do discurso. Belo Horizonte: UFMG/FALE/NAD/Carol Borges, 1998.

FIORIN, J. L. Semântica e análise do discurso. In: MARI, H.; PIRES, S.; CRUZ, A. R.; MACHADO, I. L. (Org.). Fundamentos e dimensões da análise do discurso. Belo Horizonte: Carol Borges, 1999.

FRASER, N. A justiça social na globalização: redistribuição, reconhecimento e participação. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, v. 63, p. 7-20, 2002.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GONZALEZ, REY, F. Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.

HONNETH, A. Luta pelo reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. Rio de Janeiro: Editora 34, 2003.

HONNETH, A. Recognition or redistribution?Changing perspectives on the moral order of society. Theory, Culture & Society, v. 18, p. 43-55, 2001.

HONNETH, A. Trabalho e reconhecimento: tentativa de uma redefinição. Civitas - Revista de Ciências Sociais, v. 8, n. 1, p. 46-67, 2008.

JAYME, J. G.; NEVES, M. A. Cidade e espaço público: política de revitalização urbana em Belo Horizonte. Caderno CRH, v. 23, n. 60, p. 605-617, 2010.

JOSGRILBERG, F. B. Cotidiano e invenção: os espaços de Michel de Certeau. São Paulo: Escrituras, 2005.

JOSGRILBERG, F. B. Michel de Certeau e o Admirabile Commercium de sentidos na educação. Educação: Teoria e Prática, v. 18, n. 30, p. 95-105, jan./jul. 2008.

KUNZ, G. S.; HECKERT, A. L.; CARVALHO, S. V. Modos de vida da população em situação de rua: inventando táticas nas ruas de Vitória/ES. Fractal - Revista de Psicologia, v. 26, n. 3, p. 919-942, set./dez. 2014.

LEFEBVRE, H. The production of space. London: Routledge, 1998.

LEITE, R. P. A inversão do cotidiano: práticas sociais e rupturas na vida urbana contemporânea. Dados, v. 53, n. 3, p. 737-756, 2010.

LEITE, R. P. Contra-usos da cidade: lugares e espaço público na experiência urbana contemporânea. 2. ed. Campinas: UNICAMP, 2007.

LEITE, R. P. Localizando o espaço público: gentrification e cultura urbana. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 83, p. 35-54, 2008.

LIMENA, M. M. C. Cidades complexas no século XXI: ciência, técnica e arte. São Paulo em Perspectiva, v. 15, n. 3, p. 37-44, jul. 2001.

MAINGUENEAU, D. Termos-chave da análise do discurso. Belo Horizonte: UFMG, 1998.

MANZINI, E. J. Entrevista semi-estruturada: análise de objetivos e de roteiros. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA E ESTUDOS QUALITATIVOS, 2.; A pesquisa qualitativa em debate. Anais... Bauru: SIPEQ, 2004.

MARTINS, M. L. R. São Paulo, centro e periferia: a retórica ambiental e os limites da política urbana. Estudos Avançados, v. 25, n. 71, p. 59-72, abr. 2011.

MARX, K. Glosas críticas ao artigo “o rei da Prússia e a reforma social. De um prussiano”. Germinal - Marxismo e Educação em Debate,v. 3, n. 1, p. 142-155, fev. 2011.

MENDES, L.; CAVEDON, N. R. A atividade de camelô como prática urbana no contexto das cidades. Urbe, v. 4, n. 1, p 123-140, jan./jun. 2012.

MENDES, M. V. B. Os moradores de rua e suas trajetórias: um estudo sobre os territórios existenciais da população de rua de Belo Horizonte. 133 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007.

MOSÉ, V. O homem que sabe. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

NARDI, H. C.; RIGONI, R. Q. Marginalidade ou cidadania?A rede discursiva que configura o trabalho dos redutores de danos. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 10, n. 2, p. 273-282, maio/ago. 2005.

ROESE, A.; GERHARDT, T. E.; SOUZA, A. C.; LOPES, M. J. M. Field diary: construction and utilization in scientific researches. Online Brazilian Journal of Nursing, v. 5, n. 3, 2006.

SÁNCHEZ, F. A reinvenção das cidades na virada de século: agentes, estratégias e escalas de ação política. Revista de Sociologia e Política, v. n. 16, p. 31-49, jun. 2001.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2000.

SANTOS, M. S. Integração e diferença em encontros disciplinares. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 22, n. 65, p. 51-60, out. 2007.

SARAIVA, L. A. S.; CARRIERI, A. P. Organização-cidade: proposta de avanço conceitual a partir da análise de um caso. Revista de Administração Pública, v. 46, n. 2, p. 547-576, dez. 2012.

SARAIVA, L. A. S. Mercantilização da cultura e dinâmica simbólica local: a indústria cultural em Itabira, Minas Gerais. 333 f. Tese (Doutorado em Administração) - Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

SAWAYA, A. L. Políticas públicas: pontos de método e experiências. Estudos Avançados, v. 20, n. 56, p. 131-148, abr. 2006.

SIMÕES, S. S. Identidade e política: a prostituição e o reconhecimento de um métier no Brasil. Revista de Antropologia Social dos Alunos do PPGAS-UFSCar, v. 2, n. 1, p. 24-46, jan./jun. 2010.

SNOW, D.; ANDERSON, L. Desafortunados: um estudo sobre o povo da rua. Petrópolis: Vozes, 1998.

SOUZA, E. L. A.; BECHLER, J. Labirintos na cidade contemporânea. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 28, n. 2, p. 390-403, jan. 2008.

SOUZA, M. Políticas públicas e espaço urbano desigual: Favela Jardim Maravilha (SP). Estudos Avançados, Sv. 23, n. 66, p. 267-281, jan. 2009.

VELHO, G. Individualismo, anonimato e violência na metrópole. Horizontes Antropológicos, v. 6, n. 13, p. 15-29, jun. 2000.

VELHO, G. Patrimônio, negociação e conflito. Mana, v. 12, n. 1, p. 237-248, abr. 2006.

VENTURINI, E. A cidade dos outros. Fractal: Revista de Psicologia, v. 21, n. 2, p. 203-222, maio/ago. 2009.

VOIROL, O. A esfera pública e as lutas por reconhecimento: de Habermas a Honneth. Cadernos de Filosofia Alemã, n. 11, p. 33-56, jan./jun. 2008.