Fatores Determinantes para Inovação: Perspectiva de Estudantes de Pós-Graduação em Administração Outros Idiomas

ID:
46082
Resumo:
Estrutura organizacional e liderança são alguns dos fatores que determinam a capacidadede inovação de uma organização. Esses fatores são abordados pelos campos da inovação, filosofia e psicologia. Esta pesquisa teve como objetivo identificar a percepção dos alunos do Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA), da Universidade Federal Fluminense (UFF), em Volta Redonda, a respeito dos fatores de inovação das organizações em que atuam. Utilizou-se como fonte de coleta de dados um roteiro de entrevista semiestruturado e analisaram-se as entrevistas por meio do Discurso do Sujeito Coletivo (DSC). Observou-se que no fator estrutura organizacional não há estímulo à criatividade e as decisões são tomadas em equipe. No fator liderança, o gestor reconhece o desempenho por meios formais e informais e, quando há sugestão de mudanças, por parte dos colaboradores, os gestores buscam aprovação das ideias por intermédio de pares. Em uma das entrevistas, foi possível relacionar a estrutura organizacional e a liderança com a teoria dos objetos transicionais, pela dificuldade de geração de mudanças e aceitação de ideias. Em outra entrevista, foi possível classificar o líder como transformador.
Citação ABNT:
DIAS, J. C.; SILVA, C. L. Fatores Determinantes para Inovação: Perspectiva de Estudantes de Pós-Graduação em Administração. Revista Eletrônica Gestão e Serviços, v. 8, n. 1, p. 1811-1828, 2017.
Citação APA:
Dias, J. C., & Silva, C. L. (2017). Fatores Determinantes para Inovação: Perspectiva de Estudantes de Pós-Graduação em Administração. Revista Eletrônica Gestão e Serviços, 8(1), 1811-1828.
DOI:
http://dx.doi.org/10.15603/2177-7284/regs.v8n1p1811-1828
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/46082/fatores-determinantes-para-inovacao--perspectiva-de-estudantes-de-pos-graduacao-em-administracao/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BALDAIA, J. Intuinovare:a capacidade de inovação ou os recursos disponíveis para inovar. Acesso em: dezembro de2015.

BARNEY, J. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, v. 17, n. 1, p. 99-120, 1991.

BESSANT, J.; TIDD, J. Inovação e Empreendedorismo. Porto Alegre: Bookman, 2007.

BRASIL. Lei n. 110.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências.

EHRICH, L. C. Revisiting phenomenology: it’s potential for management research. In: Proceedings Challenges or organizations in global markets. British Academy of Management Conference. Said Business School, Oxford University, 2005.

FERNANDES, C. M.; SIQUEIRA, M. M. M.; VIEIRA, A. M. Impacto da percepção de suporte organizacional sobre o comprometimento organizacional afetivo: o papel moderador da liderança. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 8, n. 4, p. 140-162, 2014.

FIGUEIREDO, M. Z. A., CHIARI, B. M.; GOULART, B. N. G. Discurso do Sujeito Coletivo: uma breve introdução à ferramenta de pesquisa qualiquantitativa. Revista Distúrbios da Comunicação, v. 25, n.1, p. 129-136, 2013.

GAVA, R.; GARCIA, M. O.; PAULA, P. F.; BASTOS, T. B. Inovação Tecnológica e Desenvolvimento Local: Spin-offs Acadêmicas diante de um Quadro Que Conjuga Dinamismo Científico e Estagnação Econômica. Revista Organizações em Contexto, v. 11, n. 21, p. 211-239, 2015.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

JUNG, C. G. O homem e seus símbolos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

KAWAUCHE, R.; VIEIRA, A. M.; MENDONÇA NETO, O. R. Relações interpessoais e atuação profissional: A perspectiva dos contabilistas. Revista Eletrônica Gestão e Serviços, v. 6, n. 2, p. 1289-1314, 2015.

LEFEVRE, A. M. C.; CRESTANA, M. F.; CORNETTA, V. K. A utilização da metodologia do discurso do sujeito coletivo na avaliação qualitativa dos cursos de especialização “Capacitação e Desenvolvimento de Recursos Humanos em SaúdeCADRHU”. Revista Saúde e Sociedade, v. 12, n. 2, p. 68-75, 2003.

LEFEVRE, F.; LEFEVRE, A. M. C. O sujeito coletivo que fala. Interface- Comunicação, Saúde, Educação, v. 10, n. 20, p. 517-524, 2006.

MANZINI, E. J. Considerações sobre a elaboração de roteiro para entrevista semiestruturada. In: Maria Cristina Marquezine, Maria Amélia Almeida, SadaoOmote (Orgs.). Colóquios sobre pesquisa em educação especial. Londrina: Eduel. 2003.

MANZINI, E. J. Uso da entrevista em dissertações e teses produzidas em um programa de pós-graduação em educação. Revista Percurso – NEMO. v. 4, n. 2, p. 149-171, 2012.

MEDNICOFF, E. Dossiê Freud. São Paulo: Universo dos Livros. 2008.

MORGAN, G. Imagens da Organização. São Paulo: Atlas, 2002.

ROCHA, A. F. R.; VIEIRA, A. M. Aprendizagem Organizacional e Inovação de Produtos: estudo em Empresas de Base Tecnológica do Vale da Eletrônica (MG). Caderno Profissional de Administração da UNIMEP, v. 6, n. 1, p. 108-131, 2016.

TAKAHASHI, S. Gestão da inovação em produtos: estratégia, processo, organização e conhecimento. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

TEECE, D. J. The Foundations of Enterprise Performance: Dynamic and Ordinary Capabilities In: An (Economic) Theory of Firms. Academy of Management Perspectives, v. 28, n. 4, p. 328-352, 2014.

TIGRE, P. B. Gestão da Inovação: a economia de tecnologia do Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 2006.

VALLADARES, P S D de A.; VASCONCELLOS, M. A. de; SERIO, L. C. Di. Capacidade de inovação: Revisão Sistemática da Literatura. Revista de Administração Contemporânea. Rio de Janeiro,v.18, n. 5, p. 598-626, 2014.

VIEIRA, A. M.; RIVERA, D. P. B. A Hermenêutica no Campo Organizacional: duas possibilidades interpretativistas de pesquisa. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 14, n. 44, p. 261-273, 2012.

VRIES, M. F. R.; MILLER, D. Narcisismo e liderança: uma perspectiva de relações de objetos. Revista de Administração de Empresas, v. 30, n. 3, p. 5-16, 1990.