Estratégias de Aprendizagem Informal no Trabalho Utilizadas por Gerentes em uma Instituição Financeira Pública Outros Idiomas

ID:
46085
Resumo:
Este artigo tem como objetivo geral identificar a relação entre as estratégias de aprendizagem informal no trabalho com o desenvolvimento de competências gerenciais em uma instituição financeira pública. Por conseguinte, três objetivos específicos foram definidos: a) analisar as estratégias de aprendizagem informal no trabalho usadas por gerentes de diferentes áreas de uma mesma instituição financeira pública; b) relacionar tais estratégias de aprendizagem informal no trabalho com o desenvolvimento de competências gerenciais; e c) verificar se gerentes de áreas diversasutilizam as mesmas estratégias de aprendizagem informal no trabalho, resultando no desenvolvimento de competências gerenciais.O tipo de metodologia utilizado foi de caráter qualitativo, de natureza exploratória, realizado em um banco público, tendo como participantes da pesquisa seis gerentes de áreas distintas. A coleta de dados se deu por meio de entrevistas semiestruturadas, que enfatizaram as estratégias de aprendizagem informal no trabalho, procurando relacioná-las com competências gerenciais. Os resultados obtidos indicam que as estratégias de aprendizagem identificadas, como a consulta a materiais de apoio, busca por ajuda interpessoal, aplicação prática, reflexões intrínseca e extrínseca e reprodução estão diretamente ligadas ao aprimoramento de habilidades técnicas, humanas e conceituais em nível gerencial.
Citação ABNT:
SANTORO, S.; BIDO, D. S. Estratégias de Aprendizagem Informal no Trabalho Utilizadas por Gerentes em uma Instituição Financeira Pública. Revista Eletrônica Gestão e Serviços, v. 8, n. 1, p. 1878-1901, 2017.
Citação APA:
Santoro, S., & Bido, D. S. (2017). Estratégias de Aprendizagem Informal no Trabalho Utilizadas por Gerentes em uma Instituição Financeira Pública. Revista Eletrônica Gestão e Serviços, 8(1), 1878-1901.
DOI:
http://dx.doi.org/10.15603/2177-7284/regs.v8n1p1878-1901
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/46085/estrategias-de-aprendizagem-informal-no-trabalho-utilizadas-por-gerentes-em-uma-instituicao-financeira-publica/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANTONELLO, C. S. Saberes no singular?A falsa fronteira entre aprendizagem formal e informal. In: ANTONELLO, C. S.; GODOY, A. S. (Orgs.). Aprendizagem organizacional no Brasil. Porto Alegre: Bookman, 2011, p. 225-245.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BITENCOURT, C. C. A gestão de competências gerenciais e a contribuição da aprendizagem organizacional. Revista de Administração de Empresas, v. 44, n. 1, p. 58-69, 2004.

BITENCOURT, C. C. Gestão de competências e aprendizagem nas organizações. São Leopoldo (RS): Editora Unisinos, 2005.

BITENCOURT, C. C.; MOURA, M. C. C. A articulação entre estratégia e o desenvolvimento de competências gerenciais. Revista de Administração de Empresas, v. 5, n. 1, 2006.

BLOOM, B. S.; ENGELHART, M. D.; FURST, E. J.; HILL, W. H.; KRATHWOHL, D. R. Taxonomia de objetivos educacionais: domínio cognitivo. Porto Alegre: Globo, 1979.

BOWDITCH, J. L.; BUONO, A. F. Elementos do comportamento organizacional. São Paulo: Pioneira, 1992.

BRANDÃO, H. P. Aprendizagem, contexto, competência e desempenho: um estudo multinível. Tese de Doutorado. Brasília: Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, 2009.

BRANDÃO, H. P.; BORGES-ANDRADE, J. E. Causas e efeitos da expressão de competências no trabalho: para entender melhor a noção de competência. Revista de Administração Mackenzie, v. 8, n. 3, p. 32-49, 2007.

BRUNO-FARIA, M. F.; BRANDÃO, H. P. Competências relevantes a profissionais da área de T&D de uma organização pública do Distrito Federal. Revista de Administração Contemporânea, v. 7, n. 3, p. 35-56, 2003.

CARBONE, P. P.; BRANDÃO, H. P.; LEITE, J. B.; VILHENA, R. M. Gestão por competências e gestão do conhecimento. Rio de Janeiro: Ed. Fundação Getúlio Vargas. 2005.

CONTE, D. L.; BIDO, D. S.; GODOY, A. S. Estratégias de Aprendizagem Informal de Enfermeiros. In: Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração – EnANPAD, 35, 2011, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2011.

DURAND, T. L’alchimie de la competénce. Revue Française de Gestion, v. 127, n. 1, p. 84-102, 2000.

FLEURY, A.; FLEURY, M. T. Estratégias empresariais e formação de competências: um quebra-cabeça caleidoscópico da indústria brasileira. São Paulo: Atlas, 2001.

FREITAS, I. A.; BRANDÃO, H. P. Trilhas de aprendizagem como estratégia de TD&E. In: BORGES-ANDRADE, J. E.; ABBAD, G.; MOURÃO, L. (Orgs.). Treinamento, desenvolvimento e educação em organizações e trabalho: fundamentos para a gestão de pessoas. Porto Alegre: Artmed-Bookman, p. 97-113, 2006.

GAGNÉ, R. M.; BRIGGS, L. J.; WAGER, W. W. Principles of Instructional Design. Orlando, Florida: Holt, Rinehartand Winston, 1988.

GAGNÉ, R. M. Learnable aspects of problem solving. Educational Psychologist, v. 5, n. 2, p. 84-92, 1980.

GIANSANTE, C. C. B.; COSTA, L. V.; VIEIRA, A. M.; DUTRA, J. S. Competências Coletivas e Desempenho Coletivo: um Estudo Com Equipes de Gastronomia. Revista Alcance, v. 22, n. 4, p. 457-473, 2015.

GODOI, C. K.; MATTOS, P. L. C. L. Entrevista qualitativa: instrumento de pesquisa e evento dialógico. In: GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. B. (Orgs.). Pesquisa Qualitativa em Estudos Organizacionais: Paradigmas, Estratégias e Métodos. São Paulo: Ed. Saraiva. p. 308-310. 2006.

GODOY, A. S. Estudo de Caso Qualitativo. In: GODOI, C. K.; SILVA, A. B.; BALSINI, C. P. V. (Orgs.). Pesquisa Qualitativa em Estudos Organizacionais: Paradigmas, Estratégias e Métodos. São Paulo: Ed. Saraiva. 2006. p. 133-136.

GONCZI, A. Competency-based learning: a dubious past – an assured future? In: BOUD, D.; GARRICK, J. (Orgs.). Understanding learning at work. London: Routledge, 1999, p. 180-194.

HOLMAN, D.; EPITROPAKI, O.; FERNIE, S. Understanding learning strategies in the workplace: a factor analytic investigation. Journal of Occupational and Organizational Psychology, v. 74, n. 5, p. 675-681, 2001.

LE BOTERF, G. Competénce et navigation professionnelle. Paris: Éditions d’Organisation, 1999.

MENDES, C. N. M.; VIEIRA, A. M.; OLIVA, E. C. Influência da Educação Corporativa sobre a Relação entre Aprendizagem e Carreira: Estudo em Uma Empresa de Transporte de Cargas. Revista da Faculdade de Administração e Economia - ReFAE, v. 6, p. 85-106, 2015.

MURRAY, P. Organizational learning, competencies, and firm performance: empirical observations. The Learning Organization, v. 10, n. 5, p. 305-316, 2003.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de Conhecimento na Empresa. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

ODERICH, C. Gestão de competências gerenciais: noções e processos de desenvolvimento. In: RUAS, R.; ANTONELLO, C.; BOFF, L. H. (Orgs.). Aprendizagem organizacional e competências. Porto Alegre: Bookman. 2005. p. 88-115.

PANTOJA, M. J.; BORGES-ANDRADE, J. E. Estratégias de Aprendizagem no Trabalho em Diferentes Ocupações Profissionais. RAC-Eletrônica, v.3, n. 1, p. 41-62, 2009.

PANTOJA, M. J. Estratégias de aprendizagem no trabalho e percepções de suporte à aprendizagem contínua: uma análise multinível. Tese de Doutorado não publicada. Brasília: Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, 2004.

POZO, J. I. Aprendizes e mestres: a nova cultura da aprendizagem.Porto Alegre: Artmed, 1999.

RIGNEY, J. W. Learning strategies: a theoretical perspective. In: O’NEILL, H. F. (Org.). Learning strategies. New York: Academic Press, 1978.

SANTOS, A. C. O uso do método Delphi na criação de um modelo de competências. Revista de Administração da USP, v. 36, n. 2, p. 25-32, 2001.

SILVA, E. C. A.; VIEIRA, A. M.; KUBO, E. K. M.; BISPO, M. S. Aprendizagem Organizacional no Setor Farmacêutico: uma Análise Multinível a Partir da Percepção dos Gestores. RACE: Revista de Administração, Contabilidade e Economia, v. 14, n. 3, p. 1091-1118, 2015.

SONNENTAG, S.; NIESSEN, C.; OHLY, S. Learning at work: training and development. In: COOPER, C. L.; ROBERTSON, I. T. (Orgs.). International review of industrial and organizational psychology. London: John Wiley and Sons. 2004. v. 19, p. 249-289.

SPARROW, P.; BOGNANNO, M. Competency requirement forecasting: issues for international selection and assessment. In: MABEY, C.; ILES, P. (Orgs.). Managing learning. London: Routledge. 1994. p. 57-69.

SPENCER, L. M.; SPENCER, S. M. Competence at work: models for superior performance. New York: John Wiley and Sons, 1993.

USHIRO, E. J.; BIDO, D. S. Estratégias de Aprendizagem em Função da Finalidade Para o Aprendizado: um estudo com trabalhadores da linha de produção de uma empresa do ramo automotivo. Seminários em Administração - SemeAd, XII, 2014, São Paulo. Anais… São Paulo: FEA-USP.

VIEIRA, A. M.; RIVERA, D. P. B. A Hermenêutica no Campo Organizacional: duas possibilidades interpretativistas de pesquisa. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 14, n. 44, p. 261-273, 2012.

WARR, P.; ALLAN, C. Learning strategies and occupational training. In: COOPER, C. L.; ROBERTSON, I. T. (Orgs.). International review of industrial and organizational psychology. p. 83-120. Chichester: Wiley. 1998.

WARR, P.; BUNCE, D. Trainee characteristics and outcomes of open learning. Personnel Psychology, v. 48, n. 2, p. 347-375, 1995.

WARR, P.; DOWNING, J. Learning strategies, learning anxiety and knowledge acquisition. British Journal of Psychology, v. 91, n. 3, p. 311-333, 2000.

ZARIFIAN, P. A gestão da e pela competência. In: Anais do Seminário educação profissional, trabalho e competências. Rio de Janeiro: Centro Internacional para a educação, trabalho e transferência de tecnologia, 1996.