Poder e liderança de mulheres nas organizações de trabalho Outros Idiomas

ID:
461
Resumo:
Ao longo do tempo, a participação da mulher nas organizações de trabalho sofreu modificações significativas. Para dar visibilidade às especificidades que envolvem o comando de organizações associadas à questão de gênero, este ensaio aborda a liderança feminina por meio de referências de autores e pesquisadores que apresentam contribuições ao tema. Como resultado, evidencia-se que a dinâmica organizacional, no que diz respeito à participação da mulher em posições de liderança, está em processo de mudança, uma vez que a competitividade entre as organizações de trabalho e uma nova cultura que emerge no universo profissional passaram a caracterizar como ilógica a restrição da ascensão feminina em sua hierarquia. As novas configurações e organização da sociedade contribuem para a consolidação de uma situação mais favorável do que contrária à liderança feminina.
Citação ABNT:
KANAN, L. A.Poder e liderança de mulheres nas organizações de trabalho. Organizações & Sociedade, v. 17, n. 53, art. 1, p. 243-257, 2010.
Citação APA:
Kanan, L. A.(2010). Poder e liderança de mulheres nas organizações de trabalho. Organizações & Sociedade, 17(53), 243-257.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/461/poder-e-lideranca-de-mulheres-nas-organizacoes-de-trabalho/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BARONI, L.L. Cresce o número de mulheres empreendedoras. Disponível em: http://www.universia.com.br. Acesso em: dez.2008.

BARROS, A. M. Cidadania, relações de gênero relações de trabalho. In: CONGRESSO NACIONAL SOBRE MULHER, GÊNERO E RELAÇÕES DE TRABALHO, 1., 2005. Anais... Goiânia, 2005.

BEAUVOIR, S. O segundo sexo: a experiência vivida. 9. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999. v.2.

BEAUVOIR, S. O segundo sexo: fatos e mito. 10. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999. v.1.

BELLE, F. Executivas: quais as diferenças na diferença? In: CHANLAT, J.F. (Coord.). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas, 1994. p. 195-231.

BENNIS, W. A nova liderança. In: Coletânea HSM Management. Liderança e gestão de pessoas: autores e conceitos imprescindíveis. São Paulo: PUBLIFOLHA, 2001. p. 31-46.

BETTIOL, M. I. S.; TONELLI, M. J. Mulher executiva e suas relações de trabalho. In: XVI ENCONTRO ANUAL DA ANPAD, 16., 1992, Canela. Anais... Canela: ANPAD, 1992. v. 8, p. 145-152.

BOWDITCH, J. L.; BUONO, A. F. A Primer on organizational behavior. New York: John Wiley & Sons Inc, 2005.

CAMPOS, T. M. Ser mulher, o desafio. São Paulo: Makron Books, 1992.

CORTÉS, R. Arreglos institucionales y trabajo feminino. In: HAYDÉE, D. (Coord.). Ley, mercado y discriminación: el género del trabajo.Buenos Aires: Biblos, 2000. p. 111-129.

DOGAR, R. The Top 500: Women owned businesses. Working Woman, New York, v. 23, n. 5, p.35-40, may, 1998.

DRUCKER, P. F. Nem todos os generais foram mortos. Prefácio. In: HESSELBEIN, F., GOLDSMITH, M., BECKHARD, R. O líder do futuro. São Paulo: Futura, 1996. p. 11-14.

EHRARTDT, U. Meninas boazinhas vão para o céu: as más vão à luta. Rio de Janeiro: Objetiva, 1996.

FAGENSON, E. A.; LEWIS, A. E. Executivas: treinamento exclusivo. HSM Management, São Paulo, n. 3, p.112-118, jul./ago. 1997.

FAQUIM, L. Lugar de mulher é na empresa. Disponível em: http://www.quattro.com.br.rhsintese/ed09_16ªhtml. Acesso em: dez. 2008.

FISCHER, R. M. O círculo do poder – as práticas invisíveis de sujeição em organizações complexas. In: FLEURY, M. T. L.; FISCHER, R.M. (Coords.). Cultura e poder nas organizações. São Paulo: Atlas, 1996. p. 63-87.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1995.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 1987.

GALBRAITH, J. K. Anatomia do poder. São Paulo: Pioneira, 1999.

GLASS CEILING COMISSION. A solid investiment: making use the nation’s human capital. Washington D.C.: U.S. Departament of Labor , 1995.

GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR. 2007-Empreendedorismo no Brasil: Relatório Executivo. Curitiba: IBQP, 2008.

GRIFFIN, G. R. Maquiavel na administração: como jogar e ganhar o jogo do poder na empresa. São Paulo: Atlas, 1994.

GRZYBOVSKI, D.; BOSCARIN, R.; MIGOTT, A. M. B. Estilo feminino de gestão em empresas familiares gaúchas. RAC-Revista de Administração Contemporânea, v. 6, n. 2, p.185-207, mai./ago. 2002.

HARKINS, P. Powerful conversations: how high impact leaders communicate. New York: McGraw-Hill, 1999. 224p.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Algumas características da inserção das mulheres no mercado de trabalho : Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre: 2003-2008. Rio de Janeiro, 2008.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Anuário estatístico do Brasil. Rio de Janeiro, 2008.

KANAN, L. A. Mulher e poder: um estudo sobre as práticas de liderança nos altos escalões das organizações de grande porte da indústria têxtil de Santa Catarina. 2000. 162 f. Dissertação (Mestrado em Administração) Curso de Pós Graduação em Administração, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2000.

KANTER, R. M. Men and women of the corporation. New York: Basic Books, 1977.

KATZ, D.; KAHN, R. L. Psicologia social das organizações. São Paulo: Atlas, 1974.

LANSKY, M. Perspectiva. Revista Internacional del Trabajo. Ginebra, v. 119, n. 4, p.552-553, 2000.

LIPMAN-BLUMEN, J. Connective leadership. New York: Oxford University Press Inc. 2000. 432p.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

MILLER, T. R., LEMONS, M. A. Breaking the glass ceiling: lessons from a management pioneer. SAM Advanced Management Journal, Texas, v. 63, n. 1. p. 4-9, winter, 1998.

MORGAN, Gareth. Images of organization. London: Sage Publications, 1986.

MURARO, R. M. A mulher no terceiro milênio. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1997.

NAISBITT, J.; ABURDENE, P. Mega tendência para as mulheres. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1994.

NOGUEIRA, M. C. O. C. Os discursos das mulheres em posições de poder. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 57-72, 2006.

OUIMET, G. Estratégias de poder e atores desprovidos de recursos. RAE-Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 43, n. 1, p. 49-59, jan./mar. 2002.

PAGÈS, M.; BONETTI, M.; GAULEJAC, V.; DESCENDRE, D. O poder das organizações. São Paulo: Atlas, 1987.

PERREAULT, M. A diferenciação sexual no trabalho: condições de trabalho ou uma questão de sexo? In: CHANLAT, J. F. (Coord.). O Indivíduo na organização: dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas, 1994. p. 233-251.

PFEFFER, J. Managing with power. Boston: Harvard Business School Press, 1992.

PINCHOT, G.; PINCHOT, E. O poder das pessoas. Rio de Janeiro: Campus, 1995.

ROBBINS, S. P. Administração: mudanças e perspectivas. São Paulo: Saraiva, 2000.

SCHEIN, E. H. Liderança e cultura organizacional. In: HESSELBEIN, F.; GOLDSMITH, M.; BECKHARD, R. O líder do futuro. São Paulo: Futura, 1996. p.81-90.

SEGNINI, L. R. P. Sobre a identidade do poder nas relações de trabalho. In: FLEURY, M. T. L.; FISCHER, R. M. (Coords.). Cultura e poder nas organizações. São Paulo: Atlas, 1996. p. 89-112

SENGE, P. M. Além da 5ª disciplina. HSM Management, São Paulo, v. 19, p. 18-22, mar./abr. 2000.

SHARPNACK, A. Quebre o Telhado de Vidro: entrevista. [9 de junho, 1999]. São Paulo: Revista Você S.A. Entrevista concedida a Maria Teresa Gomes.

SOMOGGI, L. O executivo perfeito é metade homem, metade mulher. Revista Você S. A. São Paulo, v.3, n. 19, p.12-14, jan. 2000.

STEIL, A. V. Organizações, gênero e posição hierárquica: compreendendo o fenômeno do teto de vidro. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 32, n. 3, p. 62-69, jul./set. 1997.

TANENNBAUM, R.; WESCHLER, I. R.; MASSARIK, F. Liderança e organização: uma abordagem à ciência do comportamento. São Paulo: Atlas, 1970.

TOBIAS, S.; ANDERSON, L. What really happened to Rosie the riveter? Demobilization and the female labor force, 1944-1947. New York: MSS Modular Publication, 1973.

TOFFLER, A. Powershift as mudanças do poder. Rio de Janeiro: Record, 1995.

WEST, C.; ZIMMERMAN, D. Doing Gender. Gender and Society, London, v.1, n.2, jun., p. 125-151, 1987.

WILKENS, J. A mulher empreendedora: como iniciar seu próprio negócio das dificuldades, das barreiras e das lutas para a mulher conquistar sua independência financeira. São Paulo: McGraw-Hill, 1998.