Informação e Conhecimento, Ambiente Interno e Interação Externa – Qual a Relação desses Fatores com os Resultados da Inovação? Outros Idiomas

ID:
46491
Periódico:
Resumo:
Na presente investigação procurou-se analisar quais das dimensões (“informação e conhecimento”, “ambiente interno” e “interação externa”) mais influenciam os “resultados de inovação” das empresas participantes da pesquisa. A amostra é constituída por 354 indústrias do Estado do Paraná. Três hipóteses de pesquisa foram estabelecidas: H1) organizações que apresentam ambientes internos mais favoráveis à inovação apresentam melhores resultados; H2) organizações que adotam mais intensamente práticas de compartilhamento de informações e conhecimento apresentam melhores resultados de inovação; e H3) organizações que interagem mais com parceiros externos apresentam melhores resultados de inovação. Para responder a essas três hipóteses, num primeiro momento foram realizadas análises fatoriais exploratórias com a finalidade de observar quais itens componentes de cada dimensão melhor representavam os fatores e, num segundo momento, regressões múltiplas foram adotadas que corroboraram com as três hipóteses. Além da validade das escalas, o resultado dessa análise permite afirmar que: (i) o clima organizacional favorável ao compartilhamento de informação e conhecimento entre colaboradores contribui positivamente com a capacidade inovativa das empresas; (ii) a interação externa com clientes e fornecedores é a mais significativa para geração de resultados; e (iii) o ambiente interno é a dimensão que mais contribui para os resultados da inovação.
Citação ABNT:
CANUTO, K. C.; CHEROBIM, A. P. M. S. Informação e Conhecimento, Ambiente Interno e Interação Externa – Qual a Relação desses Fatores com os Resultados da Inovação? . Revista Alcance, v. 24, n. 2, p. 227-242, 2017.
Citação APA:
Canuto, K. C., & Cherobim, A. P. M. S. (2017). Informação e Conhecimento, Ambiente Interno e Interação Externa – Qual a Relação desses Fatores com os Resultados da Inovação? . Revista Alcance, 24(2), 227-242.
DOI:
alcance.v24n2.p227-242
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/46491/informacao-e-conhecimento--ambiente-interno-e-interacao-externa-----qual-a-relacao-desses-fatores-com-os-resultados-da-inovacao--/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALBAGLI, S.; MACIEL, M. L. Informação e Conhecimento na Inovação e no Desenvolvimento Local. Ciência da Informação, v. 33, n. 3, p. 9-16, 2004.

ALEGRE, J.; LAPIEDRA, R.; CHIVA, R. A measurement scale for product innovation performance. European Journal of Innovation Management, 2009.

ARAÚJO, I. L. Introdução à Filosofia da Ciência. Curitiba: Editora UFPR, 2003.

ASSINK, M. Inhibitors of disruptive innovation capability: a conceptual model. European Journal of Innovation Management, n. 9, 2006

BASADUR, M.; GELADE, G. A. The Role of Knowledge Management in the Innovation Process. Creativity and Innovation Management, n. 15, 2006.

BIS. The Community Innovation Survey. Disponível em: http://www.bis.gov.uk/policies/science/scienceinnovation-analysis/cis. [Acesso em: 04 nov 2011], 2010.

BLINDENBACH-DRIESSEN, F.; VAN DALEN, J.; VAN DEN ENDE, J. Subjective Performance Assessment of Innovation Projects. Journal of Product Innovation Management, n. 27, 2010.

BOEHE, D. M.; MILAN, G. S.; DE TONI, D. Desempenho do processo de desenvolvimento de novos produtos: o peso relativo de fatores organizacionais, mercadológicos e operacionais. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 44(3), 2009.

BURREL, G.; MORGAN, G. Sociological Paradigms and Organization Analysis: Elements of Sociology of Corporate Life. London: Heineman, 1979.

CANADÁ. Statistics Canada. Survey of Innovation and Business Strategy. http://www23.statcan.gc.ca/imdb/p2SV.pl?Function=getSurvey&SDDS=5171&lang=en&db=imdb&adm=8&dis=2# a4. [Acesso em: 04 dez 2012], 2010.

DOBNI, C. B. Measuring innovation culture in organizations: The development of a generalized innovation culture construct using exploratory factor analysis. European Journal of Innovation Management, v. 11, n. 4, 2008.

FIELD, A. Descobrindo a estatística usando SPSS. Porto Alegre: Editora Artmed, 2009.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Editora Atlas, 2002.

GOMES, C. M.; KRUGLIANSKAS, I. Indicadores e características da gestão de fontes externas de informação tecnológica e do desempenho inovador de empresas brasileiras. Revista de Administração Contemporânea, v. 13, n. 2, 2009.

GUMUSLUOGLU, L.; ILSEV, A. Transformational Leadership and Organizational Innovation: The Roles of Internal and External Support for Innovation. Journal of Product Innovation Management, n. 26, 2009.

GUMUSLUOGLU, L.; ILSEV, A. Transformational Leadership, Creativity, and Organizational Innovation. Journal of Business Research,n. 62, 2009.

HAIR, J. F.; BLACK, W.C.; BABIN, B. J.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L. Análise Multivariada de Dados. Porto Alegre: Bookman, 2009.

HANER, U. E. Spaces for Creativity and Innovation in Two Established Organizations. Creativity and Innovation Management, n. 14, 2005.

HEIRMAN, A.; CLARYSSE, B. Which Tangible and Intangible Assets Matter for Innovation Speed in Start-Ups? Journal of Product Innovation Management, n. 24, 2007.

HENARD, D. H.; DACIN, P. A. Reputation for Product Innovation: Its Impact on Consumers. Journal of Product Innovation Management, n. 27, 2010.

IBGE. Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE 2.0. Brasília: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – Comissão Nacional de Classificação, 2004.

IBGE. Pesquisa de inovação tecnológica: 2008. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – Coordenação da Indústria, 2010.

JANSSEN, K. L.; DANKBAAR, B. Proactive Involvement of Consumers in Innovation: Selecting Appropriate Techniques. International Journal of Innovation Management, 12, 2008.

JARAMILLO-OCAMPO, H.; LUGONES, G.; SALAZAR ACOSTA, M., Colciencias, Oea. Secretaría General (Washington). Normalización de indicadores de innovación tecnológica en América Latina y el Caribe: Manual de Bogotá. Bogotá: OEA – COLCIENCIAS, 2000.

KANG, K. H.; KANG, J. How do firms source external knowledge for innovation?Analysing effects of different knowledge sourcing methods. International Journal of Innovation Management, 13, 2009.

LEIPONEN, A. Managing Knowledge for Innovation: The Case of Business-to-Business Services. Journal of Product Innovation Management, n. 23, 2006.

LEWIS, M.; MOULTRIE, J. The Organizational Innovation Laboratory. Creativity and Innovation Management, n. 14, 2005.

MALHOTRA, N. Pesquisa de Marketing: Uma Orientação Aplicada. Porto Alegre: Bookman, 2012.

MARINS, L. M.; ZAWISLAK, P. A. O desempenho inovativo de sete firmas brasileiras à luz de um conjunto de novos indicadores de inovação. In: Proc. Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração – ANPAD 2010, ANPAD. Brasil: Rio de Janeiro, 2010.

MOULTRIE, J.; NILSSON, M.; DISSEL, M.; HANER, U. E.; JANSSEN, S.; VAN DER LUGT, R. Innovation Spaces: Towards a Framework for Understanding the Role of the Physical Environment in Innovation. Creativity and Innovation Management, n. 16, 2007.

OECD. Manual de Oslo – diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. Rio de Janeiro: FINEP, 2005.

SPITHOVEN, A.; FRANTZEN, D.; CLARYSSE, B. Heterogeneous Firm-Level Effects of Knowledge Exchanges on Product Innovation: Differences between Dynamic and Lagging Product Innovators. Journal of Product Innovation Management, n. 27, 2010.

STATISTICS NEW ZEALAND. Business Operations Survey – 2009. Wellington: Statistics New Zealand, 2010.

STATISTICS NEW ZEALAND. Innovation in New Zealand – 2005. Wellington: Statistics New Zealand, 2007.

STATISTICS NEW ZEALAND. Innovation in New Zealand – 2009. Wellington: Statistics New Zealand, 2010.

UNU-INTECH. Designing a policy-relevant innovation survey for Nepad. Maastricht: UNU-Intech, 2004.