Era uma Casa muito Engraçada, não Tinha Teto, não Tinha Nada! As Representações Sociais do Mercado Municipal de Uberlândia Outros Idiomas

ID:
46510
Resumo:
Esta pesquisa objetiva identificar a interpretação dos trabalhadores e comerciantes lojistas do Mercado Municipal de Uberlândia sobre as mudanças ocorridas após a reforma que o revitalizou em 2008, à luz da teoria das representações sociais. O aparato teórico fornecido pelas abordagens utilizadas por Moscovici (1978) e Jodelet (1989), mostrou-se adequado para fundamentar as reflexões presentes neste trabalho. O método etnográfico e a técnica de entrevistas semiestruturadas foram utilizados para coleta de dados e o trabalho de campo ocorreu entre maio e julho de 2015. Para fins de organização, as representações sociais foram divididas e categorizadas em temáticas envolvendo (1) a estrutura física, (2) os frequentadores e (3) conceito (imagem e reputação). O presente estudo possibilitou constatar que o Mercado Municipal de Uberlândia está inserido em um ambiente complexo que congrega visões de mundo diferentes, mas que paradoxalmente se coadunam para construir um ambiente coletivo com representações comuns. Como resultado, identificou-se a representação mais marcante e evidente como a de uma casa velha e abandonada que foi substituída por uma casa nova, confortável e aconchegante, cujas portas estão abertas para acolher os visitantes. Este trabalho apresenta relevância para a comunidade científica, pois os seus achados, podem contribuir para caracterizar uma identidade comum aos Mercadões existentes no Brasil. Ademais, o presente estudo amplia as reflexões sobre mercados municipais à luz da Teoria das Representações Sociais realizadas em trabalhos anteriores.
Citação ABNT:
FREITAS, M. R.; MEDEIROS, C. R. O. Era uma Casa muito Engraçada, não Tinha Teto, não Tinha Nada! As Representações Sociais do Mercado Municipal de Uberlândia . Revista de Administração IMED, v. 7, n. 1, p. 136-156, 2017.
Citação APA:
Freitas, M. R., & Medeiros, C. R. O. (2017). Era uma Casa muito Engraçada, não Tinha Teto, não Tinha Nada! As Representações Sociais do Mercado Municipal de Uberlândia . Revista de Administração IMED, 7(1), 136-156.
DOI:
http://dx.doi.org/10.18256/2237-7956/raimed.v7n1p136-156
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/46510/era-uma-casa-muito-engracada--nao-tinha-teto--nao-tinha-nada---as-representacoes-sociais-do-mercado-municipal-de-uberlandia-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abric, J. C. (1993). Central system, peripheral system: their functions and roles in the dynamics of social representations. Papers on social representations, 2(2), 75-78.

Alves-Mazzotti, A. J. (2008). Representações sociais: aspectos teóricos e aplicações à Educação. Revista Múltiplas Leituras, 1(1), 18-43.

Carrieri, A. D. P.; Murta, I. B. D.; Teixeira, J. C.; De Souza, M. M. P. (2012). Estratégias e táticas empreendidas nas organizações familiares do Mercadão de Madureira (Rio de Janeiro). Revista de Administração Mackenzie, 13(2), 196-226.

Carrieri, A. D. P.; Saraiva, L. A. S.; Lima, G. C. O.; de Albuquerque, C. M. S. (2008). Estratégias subversivas de sobrevivência na 'feira hippie' de Belo Horizonte. Gestão.Org - Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 6(2), 174-192.

Cavedon, N. R. (2004). 'Pode chegar, freguês': a cultura organizacional do mercado público de Porto Alegre. Organizações & Sociedade, 11(29), 173-189.

Cavedon, N. R.; Ferraz, D. L. D. S. (2005). Representações sociais e estratégia em pequenos comércios. RAE-eletrônica, 4(1), 1-18.

Figueiredo, M. D.; Cavedon, N. R. (2012). O espaço dos indesejáveis: a circularidade da representação de estigma em um centro comercial de Porto Alegre. Civitas - Revista de Ciências Sociais, 12(3), 579-594.

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Artmed.

Guerra, G. C. M.; Ichikawa, E. Y. (2011). A institucionalização de representações sociais: uma proposta de integração teórica. REGE Revista de Gestão, 18(3), 339-359.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Estimativas populacionais para os municípios e para as Unidades da Federação brasileiros em 01.07.2015. http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/estimativa2015/estimativa_dou.shtm

Jodelet, D. (1989). Les représentations sociales, Paris, PUF cap.: Représentation sociale: un domaine en expansion.

Jovchelovitch, S. (1998). Representações sociais: para uma fenomenologia dos saberes sociais. Psicologia e sociedade, 10(1), 54-68.

Mendes, L.; Cavedon, N. R. (2014). O mercado de camelôs e as contribuições ao desenvolvimento local de uma cidade. Interações ,15(2), 341-352.

Moscovici, S. (1978). A representação social da psicanálise. Zahar.

Peirano, M. (1995). A favor da etnografia. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

Pintaudi, S. M. (2006). Os Mercados Públicos: Metamorfoses de um Espaço na História Urbana. Cidades, 3(5), 81-100.

Reis, S. L. A.; Bellini, L. M. (2009). Representações sociais: teoria, procedimentos metodológicos e educação ambiental. Revista Teoria e Prática da Educação, 12(1), 133-144.

Saraiva, L. A. S.; Carrieri, A. D. P.; Soares, A. D. S. (2014). Territorialidade e identidade nas organizações: o caso do Mercado Central de Belo Horizonte. RAM - Revista de Administração Mackenzie, 15(2), 97-126.

Sêga, R. A. (2000). O conceito de representação social nas obras de Denise Jodelet e Serge Moscovici. Revista Anos 90, 8(13), 128-133.

Silva, A. H.; Fossá, M. I. T. (2015). Análise de Conteúdo: Exemplo de aplicação da técnica para análise de dados qualitativos. Qualitas Revista Eletrônica, 17(1), 1-14.

Silva, A. R. L. D.; Carrieri, A. D. P.; Souza, E. M. D. (2011). Social practices and strategizing: a study of produce merchants in the Vila Rubim market. BAR - Brazilian Administration Review, 8(1), 86-106.

Spink, M. J. P. (1993). O conceito de representação social na abordagem psicossocial. Cadernos de Saúde Pública, 9(3), 300-308.