Avaliação da Propensão a Empreender: Uma Proposta de Mensuração desse Constructo Outros Idiomas

ID:
46679
Resumo:
A presente pesquisa tem dois objetivos: identificar os atributos empreendedores relacionados a projetos de empreendedorismo em estudantes universitários e fazer uma análise comparativa entre as características comportamentais empreendedoras (CCE) e esses atributos. Esta pesquisa é aplicada quanto à sua natureza e tem objetivo exploratório com caráter quantitativo. Foi utilizado o instrumento de pesquisa QEMP para a identificação dos atributos empreendedores e o Modelo de McClelland (1961) para as características comportamentais empreendedoras (CCE). Embora sejam instrumentos distintos de avaliação do empreendedor, a pesquisa buscou identificar se ambos conseguem perceber o grau de propensão a empreender da população alvo, já que cada um deles avalia o empreendedorismo a partir de um conjunto de múltiplas variáveis. Os resultados do processamento dos dados ensejaram a proposição de duas escalas (EMP_QEMP e EMP_CCE) que podem sintetizar essa propensão. Foram estudadas duas amostras coletadas na mesma instituição de ensino superior (IES), uma com 193 respondentes, referente ao período 2014-2015 com as CCE e outra, QEMP, com 60 alunos, em 2016. A Análise de Cluster K-Means de ambas amostras resultaram dois grupos característicos, os estudantes do grupo maior (com 70% dos respondentes) apresentam maior orientação e propensão a empreender em contraste com o outro grupo com menor grau de propensão, mas não apresentam aversão a empreender. O que aparece de comum nos dois grupos maiores de ambas amostras são jovens altamente inclinados para o empreendedorismo e com necessidade de realização.
Citação ABNT:
CHING, H. Y.; KITAHARA, J. R. Avaliação da Propensão a Empreender: Uma Proposta de Mensuração desse Constructo. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 6, n. 2, p. 291-310, 2017.
Citação APA:
Ching, H. Y., & Kitahara, J. R. (2017). Avaliação da Propensão a Empreender: Uma Proposta de Mensuração desse Constructo. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 6(2), 291-310.
DOI:
10.14211/regepe.v6i2.472
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/46679/avaliacao-da-propensao-a-empreender--uma-proposta-de-mensuracao-desse-constructo/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Ching, Hong Yuh.; Kitahara, José Renato (2015). Propensão a empreender: uma investigação quantitativa baseada nas características empreendedoras de alunos do curso de administração. Revista de Ciências da Administração, 17(43), 99-111.

Clinton Education. (2016). Metodologia QEMP. Disponível em . Acesso em Agosto.

Envick, B. R. (2013). Achieving entrepreneurial success through with passion, vision & courage: a cognitive model for developing entrepreneurial intelligence. Academy of Entrepreneurship Journal, 20(1), 55-70.

European Commission. (2003). Green Paper - Entrepreneurship in Europe. Brussels: DG Enterprise. European Commission.

Farouk, A.; Ikram, A. (2014). The influence of individual factors on the entrepreneurial intention. International Journal of Managing Value and Supply Chains, 5(4).

Fávero, L P.; Belfiore, P.; Silva, F. L.; Chan, B. L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier.

Fontela, E.; Guzmán, J.; Perez, M.; Santos, F. J. (2006). The Art of Entrepreneurial Foresight. Foresight, 8(6), 3-13.

Guerra, M. J.; Grazziotin, Z. J. (2010). In Educação Empreendedora: conceitos, modelos e práticas. Rio de Janeiro; Elsevier; S Paulo; Sebrae, (Capitulo 4).

Hair Jr, J. F.; Anderson, R. E.; Tatham, R. L.; Black, W. C. (2005). Análise Multivariada de Dados. 5ª ed. Tradução Adonai Schlup e Anselmo Chaves Neto. Porto Alegre: Bookman.

Izedonmi, P. F.; Okafor, C. (2010). The effects of entrepreneurship education of students’ entrepreneurial intentions. Global Journal of Management and Business Research, 10(6), 49-60.

Keat, O. Y.; Selvarajah, C.; Meyer, D. (2011). Inclination towards entrepreneurship among university students: An empirical study of Malaysian university students. International Journal of Business and Social Science, 2(4), 206-220.

Kume, A.; Kume, V.; Shahini, B. (2013). Entrepreneurial characteristics amongst university students in Albania. European Scientific Journal, 9(16), 206-225.

McClelland, D. (1961). The Achieving Society. Princeton: D. Van Nostrand CO.

Moriano, J. A.; Liñán, F. (2010). Personal values and entrepreneurial intention: an empirical study. In: ESU Conference, Disponível em http://institucional.us.es/vie/documentos/resultados/JaenMorianoLinan20100823.pdf. Acesso em: Agosto2016.

Pradhan, R. K.; Nath, P. (2012). Perception of entrepreneurial orientation and emotional intelligence: a study on India´s future techno-managers. Global Business Review, 13(1), 89-108.

Unctad. (2010). Empretec Programme The Entrepreneur’s Guide. Geneva, Switzerland.

Yusof, M.; Sandhu, M. S.; Jain, K. K. (2007). Journal of Asia Entrepreneurship and Sustainability, III(2).

Zaman, M. (2013). Entrepreneurial characteristics among university students: Implications for entrepreneurship education and training in Pakistan. African Journal of Business Management, 7(39), 4053-4058.

Ang, S. H.; Hong, D. G. P. (2000). Entrepreneurial Spirit among East Asian Chinese. Thunderbird International Business Review, 42(3), 285-309.